Mão-de-obra produtiva e improdutiva [Obras econômicas de Karl Marx 1861-1864 dC 2) Produção capitalista como produção de mais-valor]

Mão-de-obra produtiva e improdutiva

Aqui gostaríamos de antecipar brevemente nossos resultados, antes de considerarmos mais a forma alterada do capital que emerge como resultado do modo de produção capitalista.

Como o objetivo direto e o produto real da produção capitalista é a mais-valia, somente tal mão-de-obra é produtiva, e somente tal exercício de capacidade de trabalho é um trabalhador produtivo, pois produz diretamente mais-valia. Portanto, somente tal mão-de-obra é produtiva, pois é consumida diretamente no processo de produção com o propósito de valorizar o capital.

Do ponto de vista simples do processo de trabalho em geral, tal trabalho nos pareceu ser produtivo como foi realizado em um produto, ou mais precisamente em uma mercadoria. Mas do ponto de vista do processo de produção capitalista, este elemento deve ser adicionado à definição: tal trabalho é produtivo como valoriza diretamente o capital, ou produz mais-valia, portanto é realizado, sem nenhum equivalente para o trabalhador, para o executor do trabalho, em uma mais-valia, expressa em um produto excedente, portanto em um incremento excessivo de mercadorias para o monopolizador dos meios de trabalho, para o capitalista; apenas tal trabalho é produtivo como coloca o capital variável, e portanto o capital total, como C + DC = C + Dv. Portanto, é a mão-de-obra que serve diretamente ao capital como agência de sua auto-valorização, como meio para a produção de mais-valia.

O processo trabalhista capitalista não abole as determinações gerais do processo trabalhista. Ele produz produtos e mercadorias. Nessa medida, tal mão-de-obra permanece produtiva como objetivada nas commodities como unidade de valor de uso e valor de troca. Mas o processo de trabalho é apenas um meio para o processo de valorização do capital. Portanto, tal trabalho é produtivo como é representado nas commodities. Mas se considerarmos a mercadoria individual, tal trabalho é produtivo como representa o trabalho não remunerado em uma alíquota da mercadoria, ou, se considerarmos o produto total, tal trabalho é produtivo como representa nada além de trabalho não remunerado em uma alíquota parte da quantidade total da mercadoria, portanto representa um produto que não custa nada ao capitalista.

Esse trabalhador é produtivo que realiza trabalho produtivo, e esse trabalho é produtivo que cria diretamente mais-valia, ou seja, valoriza o capital.

481] Somente os burgueses de mente estreita, que consideram a forma capitalista de produção como sua forma absoluta, portanto como a única forma natural de produção, podem confundir a questão do que é trabalho produtivo e trabalhadores produtivos do ponto de vista do capital com a questão do que é trabalho produtivo em geral, e podem, portanto, ficar satisfeitos com a resposta tautológica de que todo aquele trabalho é produtivo que produz, o que resulta em um produto, ou qualquer tipo de valor de uso, o que tem qualquer resultado.

Esse trabalhador sozinho é produtivo cujo processo de trabalho = o processo do consumo produtivo da capacidade de trabalho - o veículo do trabalho - pelo capital ou pelo capitalista.

Duas coisas se seguem imediatamente a isto:

Primeiro: Uma vez que com o desenvolvimento da real subsunção do trabalho sob o capital ou o modo de produção especificamente capitalista, não é o trabalhador individual, mas uma capacidade de trabalho socialmente combinada que é cada vez mais o verdadeiro executor do processo de trabalho como um todo, e uma vez que as diferentes capacidades de trabalho que cooperam entre si para formar a máquina produtiva como um todo contribuem de formas muito diferentes para o processo direto pelo qual a mercadoria, ou, mais apropriado aqui, o produto, é formada, um trabalhando mais com suas mãos, outro mais com seu cérebro, um como gerente, engenheiro ou técnico, etc, outro como um observador, o terceiro diretamente como um trabalhador manual, ou mesmo um simples assistente, mais e mais das funções da capacidade de trabalho estão incluídas sob o conceito direto de trabalho produtivo, e seus repositórios sob o conceito de trabalhadores produtivos, trabalhadores explorados diretamente pelo capital e totalmente subordinados a seu processo de valorização e produção. Se considerarmos o trabalhador total que constitui a oficina, sua atividade combinada é realizada diretamente materialiter em um produto total que é ao mesmo tempo uma quantidade total de mercadorias e, neste contexto, é uma questão de completa indiferença se a função do trabalhador individual, que é apenas um elemento constituinte deste trabalhador total, está próxima do trabalho manual direto ou está longe dele. Mas então: A atividade desta capacidade total de trabalho é seu consumo produtivo direto pelo capital, ou seja, é o processo de auto-valorização do capital, a produção direta de mais-valia, e portanto - um ponto que desenvolveremos mais adiante - a conversão direta de mais-valia em capital.

Segundo: As determinações mais detalhadas do trabalho produtivo decorrem automaticamente das características dadas ao processo de produção capitalista. Em primeiro lugar, ao enfrentar o capital ou o capitalista, o dono da capacidade de trabalho figura como seu vendedor - irracionalmente expresso, como vimos[238], como o vendedor direto de trabalho vivo, não de uma mercadoria. Ele é um trabalhador assalariado. Este é o primeiro pressuposto. Segundo, porém, este processo preliminar, que pertence à circulação, introduz uma etapa pela qual a capacidade de trabalho do trabalhador e seu trabalho são diretamente incorporados ao processo de produção do capital como um fator vivo. A própria capacidade de trabalho torna-se um dos componentes do capital, seu . componente variável de fato, que não apenas preserva em parte e reproduz em parte os valores do capital que foram avançados, mas ao mesmo tempo os aumenta, e portanto os converte em valor auto-valorizante, em capital, pela primeira vez, através da criação de mais-valia. Esta mão-de-obra se objetiva diretamente durante o processo de produção como uma quantidade de valor em fluxo.

A primeira condição pode ocorrer sem a segunda. Um trabalhador pode ser um trabalhador assalariado, um trabalhador diarista, etc. Isto sempre ocorre, [mesmo] se o segundo momento estiver ausente. Todo trabalhador produtivo é um trabalhador assalariado; mas isto não significa que todo trabalhador assalariado seja um trabalhador produtivo. Em todos os casos em que o trabalho é comprado para ser consumido como valor de uso, como um serviço, e não para substituir o valor do capital variável como um fator vivo e para ser incorporado ao processo de produção capitalista, este trabalho não é um trabalho produtivo, e o trabalhador assalariado não é um trabalhador produtivo. Seu trabalho é então consumido por causa de seu valor de uso, não como um valor de troca, ele é consumido improdutivamente, não produtivamente. O capitalista, portanto, não enfrenta o trabalho como um capitalista, como o representante do capital. Ele troca seu dinheiro por trabalho como renda, e não como capital. O consumo do trabalho não constitui M-C-M', mas C-M-C' (o último símbolo representa o trabalho, ou o próprio serviço). O dinheiro funciona aqui apenas como meio de circulação, não como capital.

[482] As mercadorias que o capitalista compra para seu consumo privado não são consumidas produtivamente, não se tornam fatores de capital; assim como pouco fazem os serviços que ele compra para seu consumo, voluntariamente ou por compulsão (do Estado, etc.), em nome de seu valor de uso. Eles não se tornam um fator de capital. Portanto, não são tipos produtivos de trabalho, e aqueles que os realizam não são trabalhadores produtivos.

Quanto mais a produção em geral se desenvolve para a produção de commodities, mais todos têm que se tornar, e querem se tornar, um comerciante de commodities um fabricante de dinheiro, seja de seu produto, seja de seus serviços, se o produto só existe na forma de serviços, devido à forma como ele é naturalmente constituído. Esta produção de dinheiro aparece como o objetivo final de todo tipo de atividade. (Ver Aristóteles [De republica. Libri VIII]) Na produção capitalista, a produção de produtos como commodities, por um lado, e a forma de trabalho como trabalho assalariado, por outro, tornam-se absolutas. Um grande número de funções e atividades que eram cercadas por uma auréola, consideradas como fins em si mesmas, e feitas para nada ou pagas de forma indireta (de modo que profissionais, como médicos e barristers na Inglaterra, não podiam ou não podem processar por pagamento), são por um lado convertidas diretamente em trabalho assalariado, no entanto, seu conteúdo ou seu modo de pagamento podem diferir. Por outro lado, eles ficam sujeitos - ou seja, a estimativa de seu valor, o preço dessas diversas atividades, desde a prostituta até a do rei, torna-se sujeito - às leis que regulam o preço do trabalho assalariado. A análise deste último ponto pertence a uma discussão especial do trabalho assalariado e dos salários, e não a esta seção.

Este fenômeno, que com o desenvolvimento da produção capitalista todos os serviços são convertidos em trabalho assalariado, e todos aqueles que executam estes serviços são convertidos em trabalhadores assalariados e, portanto, têm esta característica em comum com os trabalhadores produtivos, dá ainda mais motivos para confundir os dois, pois é um fenômeno que caracteriza, e é criado pela própria produção capitalista. Por outro lado, dá aos apologistas [do capitalismo] uma oportunidade de converter o trabalhador produtivo, porque ele é um trabalhador assalariado, em um trabalhador que apenas troca seus serviços (ou seja, seu trabalho como um valor de uso) por dinheiro. Isto torna fácil passar em silêncio a diferenciação específica deste "trabalhador produtivo", e da produção capitalista - como a produção de mais-valia, como o processo de auto-valorização do capital, que incorpora o trabalho vivo como mera sua AGÊNCIA. Um soldado é um trabalhador assalariado, um mercenário, mas não é, por isso, um trabalhador produtivo.

Um outro erro tem duas fontes.

Primeiro: parte do trabalho que produz mercadorias na produção capitalista é realizado de uma maneira que pertence a modos de produção anteriores, onde a relação de capital e trabalho assalariado ainda não existe na prática, e portanto a categoria de trabalho produtivo e improdutivo, que corresponde ao ponto de vista capitalista, é totalmente inaplicável, mas de acordo com o modo de produção dominante, mesmo aquelas relações que ainda não foram subsumidas sob ele, de fato, são subsumidas sob ele nocionalmente. O trabalhador autônomo, por exemplo, é seu próprio trabalhador assalariado, e seus próprios meios de produção o confrontam em sua própria mente como capital. Como seu próprio capitalista, ele se emprega como um trabalhador assalariado. Anomalias deste tipo, então, oferecem um campo favorável para o derramamento de trabalho produtivo e improdutivo.

[483] Segundo: Certos tipos de trabalho improdutivo podem estar ligados ao processo de produção, e seu preço pode até mesmo entrar no preço da mercadoria, portanto, o dinheiro que lhes é destinado pode até agora fazer parte do capital avançado, e seu trabalho pode, portanto, aparecer como trabalho que é trocado não por renda, mas diretamente por capital.

Tomemos imediatamente o último caso, os impostos; o preço dos serviços governamentais, etc. Mas isto pertence à falsa frais de produção, [custos gerais de produção] e é uma forma acidental ao processo de produção capitalista em e para si mesmo, e de forma alguma condicionada por ele, ou necessária para ou imanente nele. Se, por exemplo, todos os impostos indiretos fossem convertidos em impostos diretos, os impostos continuariam a ser pagos, mas não mais formariam um adiantamento de capital, mas sim um gasto de renda. A possibilidade desta mudança na forma mostra seu caráter externo, sua indiferença e contingência para com o processo de produção capitalista. Com uma mudança na forma de trabalho produtivo, em contraste, a renda do capital secaria e o próprio capital deixaria de existir.

Outros exemplos são processos judiciais, contratos, etc. Todos eles referem-se apenas às condições feitas entre os proprietários de commodities como compradores e vendedores de commodities; eles não têm nada a ver com a relação de capital e trabalho. Aqueles que desempenham estas funções podem assim tornar-se trabalhadores assalariados do capital; isto não os torna trabalhadores produtivos.

O trabalho produtivo é apenas uma expressão abreviada para toda a relação, e a maneira pela qual a capacidade e a mão de obra figuram no processo de produção capitalista. Portanto, se falamos de trabalho produtivo, falamos de trabalho socialmente determinado, trabalho que implica uma relação muito definida entre seu comprador e seu vendedor. O trabalho produtivo é trocado diretamente por dinheiro como capital, ou seja, por dinheiro que é em si capital, tem a qualidade de funcionar como capital, e enfrenta a capacidade de trabalho como capital. O trabalho produtivo é, portanto, trabalho que para o trabalhador apenas reproduz o valor previamente colocado de sua capacidade de trabalho; mas como atividade criadora de valor valor valoriza o capital, e contrapõe os valores criados pelo trabalho ao próprio trabalhador como capital. A relação específica entre o trabalho objetivado e o trabalho vivo, que torna o primeiro capital, torna o segundo trabalho produtivo.

O produto específico do processo de produção capitalista, mais-valia, só é criado através do intercâmbio com o trabalho produtivo. O que forma seu valor de uso específico para o capital não é seu caráter útil particular, assim como não são as qualidades úteis particulares do produto no qual ele é objetivado, mas seu caráter como o elemento que cria valor de troca (mais-valia).

O processo de produção capitalista não é apenas um processo de produção de commodities. É um processo que absorve o trabalho não remunerado, transformando os meios de produção em meios para a absorção do trabalho não remunerado.

Ele emerge do que foi dito até agora que ser trabalho produtivo é uma qualidade de trabalho que em e para si não tem absolutamente nada a ver com o conteúdo particular do trabalho, sua utilidade particular ou o valor de uso específico no qual ele é expresso.

[484] A mão-de-obra com o mesmo conteúdo pode, portanto, ser ao mesmo tempo produtiva e improdutiva.

Milton, por exemplo, que fez o Paraíso Perdido, era um trabalhador improdutivo. Em contraste com isso, o escritor que entrega trabalho de hack para sua editora é um trabalhador produtivo. Milton produziu Paradise Lost da mesma forma que um bicho da seda produz seda, como expressão de sua própria natureza. Mais tarde, ele vendeu o produto por £5 e, nessa medida, tornou-se um comerciante de uma mercadoria. Mas o proletário literário de Leipzig que produz livros, por exemplo, compêndios sobre economia política, sob as instruções de sua editora é, grosso modo, um trabalhador produtivo, na medida em que sua produção é subsumida pelo capital e só ocorre com o propósito de valorização deste último. Um cantor que canta como um pássaro é um trabalhador improdutivo. Se ela vende seu canto por dinheiro, ela é, nessa medida, uma trabalhadora assalariada ou um comerciante de mercadorias. Mas a mesma cantora, quando contratada por um empresário que a faz cantar para ganhar dinheiro, é uma trabalhadora produtiva, pois ela produz diretamente capital. Um mestre de escola que educa os outros não é um trabalhador produtivo. Mas um mestre de escola que é contratado como trabalhador assalariado em uma instituição junto com outros, para através de seu trabalho valorizar o dinheiro do empresário da instituição de conhecimento, é um trabalhador produtivo. No entanto, a maioria deste tipo de trabalho, do ponto de vista formal, dificilmente é subsumida formalmente sob o capital. Eles pertencem mais às formas transitórias.

De modo geral, os tipos de trabalho que só são desfrutados como serviços, e ainda assim são capazes de ser explorados diretamente no modo capitalista, mesmo que não possam ser convertidos em produtos separáveis dos próprios trabalhadores e, portanto, existentes fora deles como mercadorias independentes, constituem apenas magnitudes infinitesimais em comparação com a massa de produtos sob produção capitalista. Devem, portanto, ser deixados totalmente fora de conta e tratados apenas sob mão-de-obra assalariada, sob a categoria de mão-de-obra assalariada que não é, ao mesmo tempo, mão-de-obra produtiva[90].

O mesmo tipo de trabalho (por exemplo, jardinagem, alfaiataria, etc.) pode ser realizado pelo mesmo trabalhador a serviço de um capitalista industrial, ou do consumidor imediato. Em ambos os casos o trabalhador é um trabalhador assalariado ou diarista, mas no primeiro caso ele é um trabalhador produtivo, no segundo um improdutivo, porque no primeiro caso ele produz capital, no segundo não produz; porque no primeiro caso seu trabalho forma um momento no processo de auto-valorização do capital, no segundo não o faz.

Uma grande parte do produto anual, a parte consumida como renda e não mais reentrando na produção como um meio de produção, consiste em produtos extremamente insignificantes (valores de uso), servindo para satisfazer os apetites mais miseráveis, fantasias, etc. Mas o conteúdo é totalmente irrelevante para determinar se o trabalho é determinado como produtivo ou não [embora o desenvolvimento da riqueza seria, naturalmente, verificado se uma parte desproporcional fosse reproduzida desta forma, em vez de ser reconvertida em meios de produção e meios de subsistência, que entram de novo em reprodução, seja a das mercadorias ou a das próprias capacidades de trabalho - que são, em suma, consumidas produtivamente]. Este tipo de mão-de-obra produtiva produz valores de uso, é objetivada nos produtos, que são destinados apenas ao consumo improdutivo. Estes produtos não têm na realidade, como artigos, nenhum valor de uso para o processo de reprodução. [Eles só podem obter isto através de uma troca de matéria, através de uma troca com valores de uso reprodutivo; mas isto é apenas uma mudança de lugar. Em algum lugar eles devem ser consumidos como não-produtivos. Outros artigos do mesmo tipo que caem no processo de consumo improdutivo também podem, em caso de necessidade, voltar a funcionar como capital. Uma discussão mais detalhada sobre isto pertence ao CAPÍTULO III do Livro II, sobre o processo de reprodução. [104] Apenas um comentário antecipado precisa ser feito aqui: É impossível para a economia política convencional dizer algo sensato sobre as barreiras à produção de luxo, do ponto de vista da própria produção capitalista. Mas a questão é bastante simples se os momentos do processo de reprodução forem devidamente analisados. Se o processo de reprodução for dificultado, ou se seu progresso, na medida em que já está condicionado pelo aumento natural da população, for impedido pelo emprego desproporcional do tipo de trabalho produtivo que é expresso em artigos não produtivos, com o resultado de que muito poucos meios de subsistência necessários, ou muito poucos meios de produção, etc., são reproduzidos, o luxo deve ser condenado do ponto de vista da produção capitalista. Além disso, o luxo é uma necessidade absoluta de um modo de produção que produza riqueza para os não-produtores, portanto, deve dar à riqueza as formas necessárias nas quais ela pode ser apropriada pelos ricos simplesmente para seu gozo]. Para o próprio trabalhador, esse trabalho produtivo, como todo trabalho, é apenas um meio de reprodução de seus meios de subsistência necessários; para o capitalista, a quem a natureza do valor de uso e o caráter do trabalho concreto empregado são, em si, questões de completa indiferença, é apenas um moyen de battre monnaie, de produire la survalue. [meios de cunhar dinheiro, de produzir o valor excedente].

[485] A obsessão em definir mão-de-obra produtiva e improdutiva em termos de seu conteúdo material deriva de 3 fontes:

1) a noção fetichista, peculiar ao modo de produção capitalista e decorrente de sua essência, de que as determinações econômicas formais, tais como a de ser uma mercadoria, ou de ser trabalho produtivo, etc., são qualidades pertencentes aos repositórios materiais dessas determinações ou categorias formais em e para si mesmos;

2) a ideia de que, considerando o processo de trabalho como tal, somente esse trabalho é produtivo como resultado de um produto (um produto material, já que aqui se trata apenas de riqueza material);

3) o fato de que no processo real de reprodução - considerado do ponto de vista de seus momentos reais - existe uma grande diferença, no que diz respeito à formação, etc., de riqueza, entre o trabalho que se expressa em artigos reprodutivos e o trabalho que se expressa em meros luxos.

(Um exemplo: Quer eu compre calças, quer eu compre tecidos e convide um alfaiate em minha casa, pagando-lhe por seu serviço (ou seja, seu trabalho de alfaiate), é para mim uma questão de completa indiferença. Eu compro as calças do alfaiate comerciante porque elas são mais baratas dessa forma. Em ambos os casos, converto o dinheiro que gasto em um valor de uso que deve cair para a parte do meu consumo individual, para satisfazer minhas necessidades individuais; eu não o converto em capital. O alfaiate artesão realiza o mesmo serviço para mim, seja ele trabalhando para mim em minha casa ou sob o alfaiate mercante. Mas o serviço prestado pelo mesmo alfaiate, quando empregado por um alfaiate mercante, a esse capitalista, consiste no fato de que ele trabalha 12 horas e só recebe pagamento por 6, etc. O serviço que ele realiza para o capitalista consiste, portanto, em seu trabalho de 6 horas por nada. O fato de que isto ocorre na forma de confecção de calças apenas esconde a transação real. Assim que o alfaiate comerciante é capaz de fazê-lo, ele se esforça para reconverter as calças em dinheiro, ou seja, em uma forma na qual o caráter particular do trabalho de alfaiate desapareceu completamente, e o serviço realizado se expressa no fato de que um alfaiate se tornou dois.

O serviço é, em geral, apenas uma expressão do valor particular de uso da mão-de-obra, na medida em que esta é útil não como um objeto material, mas como uma atividade. Do ut facias, facio ut facias, facio ut des, do ut desaahere ["Eu faço que você possa fazer", "Eu faço que você possa fazer", "Eu faço que você possa dar", "Eu faço que você possa dar" - fórmulas contratuais no direito romano (Corpus iuris civilis, Digesta XIX, 5.5]. - todas estas são formas inteiramente indiferentes de uma mesma relação, enquanto na produção capitalista o do ut facias expressa uma relação muito específica entre riqueza objetiva e trabalho vivo. Portanto, como a relação específica de trabalho e capital não está contida nesta compra de serviços, estando completamente extinta ou não estando presente, é naturalmente a forma preferida por Say, Bastiat e seus associados para expressar a relação de capital e trabalho).

O trabalhador também compra serviços com seu dinheiro, o que é uma espécie de despesa, mas não uma forma de converter dinheiro em capital.

Ninguém compra "serviços" médicos ou legais como meio de converter o dinheiro gasto desta forma em capital.

Muitos dos serviços pertencem aos custos de consumo de commodities, como no caso dos cozinheiros, etc.

A diferença entre trabalho produtivo e improdutivo consiste apenas em se o trabalho é trocado por dinheiro como dinheiro ou por dinheiro como capital. Onde compro a mercadoria, como no caso do trabalhador autônomo, artesão, etc., a categoria não entra em consideração de forma alguma, pois não há troca direta entre dinheiro e trabalho de qualquer tipo, mas sim entre dinheiro e uma mercadoria.

[486] (Com a produção não-material, mesmo que seja realizada puramente para fins de troca, produzindo puramente mercadorias, duas coisas são possíveis:

1) resulta em mercadorias que existem separadamente do produtor, podendo assim circular no intervalo entre a produção e o consumo como mercadorias; isto se aplica a livros, pinturas e todos os produtos de criação artística que são distintos da performance real do artista executante. Aqui a produção capitalista é aplicável em uma escala muito restrita. Na medida em que estas pessoas não empregam assistentes, etc., à maneira de escultores, trabalham principalmente (se não forem independentes) para comerciantes, etc., capital, por exemplo, para livreiros; esta é uma relação que por si só constitui meramente uma forma de transição para um modo de produção capitalista apenas na forma. O fato de ser precisamente nessas formas transitórias que a exploração do trabalho atinge seu nível mais alto não altera em nada a situação;

2) o produto é inseparável do ato de produzi-lo. Também aqui existe apenas um campo restrito para o modo de produção capitalista, e na natureza das coisas só pode ocorrer em algumas esferas. (Eu preciso do médico, não de seu moço de recados.) Em instituições de ensino, por exemplo, os professores podem muito bem ser apenas trabalhadores assalariados para o empresário que é dono da fábrica de ensino. Mas casos semelhantes não precisam ser considerados quando se lida com a produção capitalista como um todo).

"O operário produtivo que aumenta diretamente a riqueza de seu mestre"
(Malthus, Princípios de Economia Política, 2ª ed., Londres, 1836) [93].

A diferença entre trabalho produtivo e improdutivo é importante no que diz respeito à acumulação, pois uma das condições para a reconversão de mais-valia em capital é que a troca seja apenas com trabalho produtivo.

O capitalista, como representante do capital envolvido em seu processo de valorização - o capital produtivo - desempenha uma função produtiva, que consiste precisamente em dirigir e explorar o trabalho produtivo. A classe capitalista, em contraste com os outros consumidores de mais-valia, que não estão em relação direta e ativa com sua produção, é a classe produtiva por excelência. (Como diretor do processo trabalhista, o capitalista pode realizar trabalho produtivo no sentido de que seu trabalho está incluído no processo trabalhista global que está incorporado no produto). Até agora, só conhecemos o capital dentro do processo de produção direta. A situação com as outras funções do capital - e com os agentes utilizados pelo capital para desempenhar essas funções - só pode ser examinada posteriormente.

O caráter produtivo (e portanto também seu oposto, o improdutivo) do trabalho depende portanto disso, que a produção de capital é a produção de mais-valia, e o trabalho empregado pelo capital é o trabalho que produz mais-valia.


Fonte: https://www.marxists.org/archive/marx/works/1864/economic/ch02b.htm

Comentários