Spirit in self-estrangement, Phenomenology, Hegel 1807

Hegel

Φ 484. A substância ética preservava e mantinha a oposição dentro de sua simples vida consciente; e esta consciência estava em unidade imediata com sua própria natureza essencial. Essa natureza tem portanto a característica simples de algo meramente existente para a consciência que é dirigida imediatamente sobre ela, e cujo "costume" (Sitte) ela é. A consciência não se considera como excluindo-se a si mesma, nem a substância significa para ela uma existência desligada dela, com a qual ela teria que estabelecer sua identidade somente através do afastamento e, portanto, ao mesmo tempo, teria que produzir essa substância. Mas esse espírito, cujo eu é absolutamente insular, absolutamente discreto, encontra seu conteúdo contra si mesmo na forma de uma realidade que é tão impenetrável quanto ela mesma, e o mundo aqui recebe a característica de ser algo externo, negativo à autoconsciência. Contudo, este mundo é uma realidade espiritual, é essencialmente a fusão da individualidade com o ser. Sua existência é o trabalho da autoconsciência, mas também uma atualidade imediatamente presente e estranha a ele, que tem um ser peculiar próprio e no qual não se conhece. Esta realidade é o elemento externo e o conteúdo livre(1) da esfera do direito legal. Mas esta realidade externa, que o senhor do mundo do direito legal toma o controle, não é apenas esta entidade externa elementar que se encontra casualmente diante de si mesmo; é sua obra, mas não em sentido positivo, e sim negativamente. Ela adquire sua existência pela autoconsciência de si mesma, renunciando a si mesma e renunciando a sua essencialidade, condição que, naquele desperdício e ruína que prevalecem na esfera do direito, a força externa dos elementos soltos parece trazer sobre a autoconsciência. Estes elementos por si só são pura ruína e destruição, e causam sua própria derrocada. Esta derrubada, porém, esta sua natureza negativa, é apenas o eu; é seu sujeito, sua ação e seu processo. Tal processo e atividade novamente, através do qual a substância se torna real, são o distanciamento da personalidade, pois o eu imediato, ou seja, o eu sem distanciamento e mantendo o bem como está, está sem conteúdo substancial, e o esporte destes elementos em fúria. Assim, sua substância é apenas sua renúncia, e a renúncia é a substância, ou seja, as forças espirituais que se formam em um mundo coerente e assim garantem sua subsistência.

Φ 485. A substância desta forma é espírito, unidade autoconsciente do eu e da natureza essencial; mas ambos também levam um ao outro a significar e a implicar alienação. O espírito é a consciência de uma realidade objetiva que existe independentemente por sua própria conta. No entanto, contra esta consciência está a unidade do eu com a natureza essencial, a consciência pura e simples contra a consciência real. Por um lado, a autoconsciência real por sua auto-religação passa para o mundo real, e por outro lado, a consciência real volta para o primeiro. Por outro lado, porém, esta mesma atualidade, tanto pessoal quanto objetiva, é cancelada e substituída; elas são puramente universais. Esta sua alienação é pura consciência, ou seja, a natureza essencial. O "presente" tem diretamente seu oposto em seu "além", que é seu pensamento e seu ser pensado; assim como isto novamente tem seu oposto no que está aqui no "presente", que é a atualidade do "além", mas alienado dele.

Φ 486. O espírito neste caso, portanto, constrói não apenas um mundo, mas um mundo duplo, dividido e auto-apropositado. O mundo do espírito ético é seu próprio presente; e por isso todo poder que ele possui se encontra nesta unidade do presente, e, na medida em que cada um se separa do outro, cada um ainda está em equilíbrio com o todo. Nada tem o significado de um negativo de autoconsciência; até mesmo o espírito do defunto está no sangue vital de seu parente, está presente no eu da família, e o poder universal de governo é a vontade, o eu da nação. Aqui, porém, o que está presente significa apenas atualidade objetiva, que tem sua consciência no além; cada momento, como uma entidade essencial, recebe isto, e portanto atualidade, de um outro, e até onde é real, seu ser essencial é algo diferente de sua própria atualidade. Nada tem um espírito auto estabelecido e residente dentro dele; ao contrário, cada um está fora de si no que lhe é alheio. O equilíbrio do todo não é a unidade que permanece por si mesma, nem sua tranqüilidade interior assegurada, mas repousa sobre o afastamento de seu oposto. O todo é, portanto, como cada momento, uma realidade auto-limitada. Ele se divide em duas esferas: em um reino a autoconsciência é na verdade tanto o eu quanto seu objeto, e em outro temos o reino da consciência pura, que, estando além do primeiro, não tem um presente real, mas existe para a Fé, é uma questão de Crença. Agora, assim como o mundo ético passa da separação da lei divina e humana, com suas várias formas, e sua consciência se afasta da divisão em conhecimento e da ausência de conhecimento, e retorna ao princípio que é seu destino, ao eu que é o poder de destruir e negar esta oposição, assim também estes dois reinos de espírito auto-alienado retornarão ao eu. Mas, se o primeiro, o primeiro auto-sustento diretamente, foi a única pessoa, este segundo, que retorna a si mesmo a partir de sua auto-religação, será o eu universal, a consciência que agarra a concepção; e estes mundos espirituais, cujos momentos insistem em ter uma realidade fixa e uma subsistência não-espiritual, serão dissolvidos à luz do puro Insight. Este discernimento, sendo o próprio eu que se agarra, completa a etapa da cultura. Não ocupa nada além do eu, e tudo como o eu, ou seja, compreende tudo, extingue toda objetividade, e converte tudo implícito em algo explícito, tudo que tem um ser em si mesmo no que é para si mesmo. Quando voltado contra a crença, contra a fé, como o reino alienígena do ser interior deitado no distante além, é o Iluminismo (Aufklärung). Esta iluminação completa a auto-estrangulação do espírito também neste reino, para onde o espírito em auto-alienação se volta para buscar sua segurança como a uma região onde ele se torna consciente da paz do auto-equipoise. A iluminação perturba os arranjos domésticos, que o espírito realiza na casa da fé, ao trazer os bens e móveis pertencentes ao mundo do Aqui e Agora, um mundo que esse espírito não pode se recusar a aceitar como sua própria propriedade, pois sua vida consciente também pertence a esse mundo. Nesta tarefa negativa, o puro discernimento se realiza ao mesmo tempo e traz à luz seu próprio objeto, o "Ser absoluto incognoscível" e a utilidade. (2) Como desta forma a atualidade perdeu toda a substancialidade, e não há nada mais implícito nela, o reino da fé, como também o do mundo real, é derrubado; e esta revolução traz a liberdade absoluta, o estágio em que o espírito outrora afastado voltou completamente para si mesmo, deixa para trás esta esfera de cultura, e passa para outra região, a terra da consciência moral interior ou subjetiva (moralischen Bewusstsein).


Fonte: https://www.marxists.org/reference/archive/hegel/works/ph/phc2b.htm

Comentários