Karl Marx. Capital Volume Um | Capítulo Quinze: Maquinaria e Indústria Moderna

O Capital - Karl Marx


 SEÇÃO 1: O DESENVOLVIMENTO DE MÁQUINAS

John Stuart Mill diz em seus "Princípios de Economia Política":


"É questionável se todas as invenções mecânicas ainda feitas aliviaram a labuta diária de qualquer ser humano". [1]


No entanto, este não é, de forma alguma, o objetivo da aplicação capitalista das máquinas. Como qualquer outro aumento na produtividade da mão-de-obra, a maquinaria se destina a baratear as mercadorias e, encurtando a parte do dia de trabalho em que o trabalhador trabalha para si mesmo, a prolongar a outra parte que ele dá, sem um equivalente, ao capitalista. Em resumo, é um meio de produzir mais-valia.


Na fabricação, a revolução no modo de produção começa com a força de trabalho, na indústria moderna começa com os instrumentos do trabalho. Nossa primeira pergunta então é, como os instrumentos de trabalho são convertidos de ferramentas em máquinas, ou qual é a diferença entre uma máquina e os implementos de um artesanato? Estamos apenas preocupados aqui com características marcantes e gerais; pois épocas na história da sociedade não estão mais separadas umas das outras por linhas duras e rápidas de demarcação, do que são épocas geológicas.


Matemáticos e mecânicos, e nisto são seguidos por alguns economistas ingleses, chamam a uma ferramenta uma máquina simples, e a uma máquina uma ferramenta complexa. Eles não vêem diferença essencial entre eles, e até dão o nome de máquina às simples potências mecânicas, a alavanca, o plano inclinado, o parafuso, a cunha, &c. Na verdade, cada máquina é uma combinação dessas simples potências, não importa como elas possam estar disfarçadas. Do ponto de vista econômico, esta explicação não vale nada, porque o elemento histórico é escasso. Outra explicação para a diferença entre ferramenta e máquina é que, no caso de uma ferramenta, o homem é a força motriz, enquanto a força motriz de uma máquina é algo diferente do homem, como, por exemplo, um animal, água, vento, etc.[3] De acordo com isto, um arado puxado por bois, que é um artifício comum às mais diferentes épocas, seria uma máquina, enquanto o tear circular de Claussen, que, trabalhado por um único operário, tece 96.000 picaretas por minuto, seria uma mera ferramenta. Não, este mesmo tear, embora fosse uma ferramenta quando trabalhado à mão, seria, se trabalhado a vapor, uma máquina. E como a aplicação do poder animal é uma das primeiras invenções do homem, a produção por máquinas teria precedido a produção por artesanato. Quando em 1735, John Wyatt trouxe sua máquina de fiar, e começou a revolução industrial do século 18, nem uma palavra ele disse sobre um burro que a dirigia em vez de um homem, e mesmo assim esta parte caiu para o burro. Ele a descreveu como uma máquina "para girar sem dedos". [4]


Todas as máquinas totalmente desenvolvidas consistem de três partes essencialmente diferentes, o mecanismo motor, o mecanismo de transmissão e, finalmente, a ferramenta ou máquina de trabalho. O mecanismo motor é o que coloca o todo em movimento. Ele ou gera sua própria força motriz, como o motor a vapor, o motor calórico, a máquina eletromagnética, &c., ou recebe seu impulso de alguma força natural já existente, como a roda d'água de uma cabeça d'água, o moinho de vento de vento, &c. O mecanismo transmissor, composto de volantes, eixos, rodas dentadas, polias, cintas, cordas, cintas, pinhões e engrenagens dos mais variados tipos, regula o movimento, muda sua forma quando necessário, como por exemplo, de linear para circular, e o divide e distribui entre as máquinas de trabalho. Estas duas primeiras partes de todo o mecanismo estão lá, exclusivamente para colocar as máquinas de trabalho em movimento, por meio do qual o objeto do trabalho é apreendido e modificado conforme desejado. A ferramenta ou máquina de trabalho é aquela parte da máquina com a qual a revolução industrial do século 18 começou. E até hoje serve constantemente como tal ponto de partida, sempre que um artesanato, ou uma manufatura, é transformado em uma indústria levada adiante pela maquinaria.

Ao examinarmos mais de perto a máquina de trabalho propriamente dita, encontramos nela, como regra geral, embora muitas vezes, sem dúvida, sob formas muito alteradas, os aparelhos e ferramentas utilizados pelo artesão ou artífice; com esta diferença, que ao invés de serem implementos humanos, são os implementos de um mecanismo, ou implementos mecânicos. Ou a máquina inteira é apenas uma edição mecânica mais ou menos alterada da velha ferramenta artesanal, como, por exemplo, o tear,[5] ou as peças de trabalho instaladas na estrutura da máquina são velhos conhecidos, como fusos estão em uma mula, agulhas em uma meia-lua, serras em uma serraria, e facas em uma máquina picadora. A distinção entre estas ferramentas e o corpo próprio da máquina, existe desde seu nascimento; pois elas continuam a ser produzidas em sua maior parte por artesanato, ou por fabricação, e depois são encaixadas no corpo da máquina, que é o produto das máquinas. [6] A máquina propriamente dita é, portanto, um mecanismo que, após ser colocada em movimento, realiza com suas ferramentas as mesmas operações que antes eram feitas pelo operário com ferramentas similares. Se o poder motor é derivado do homem, ou de alguma outra máquina, não faz diferença a este respeito. A partir do momento em que a ferramenta propriamente dita é retirada do homem, e colocada em um mecanismo, uma máquina toma o lugar de um mero implemento. A diferença atinge um de uma só vez, mesmo nos casos em que o próprio homem continua a ser o principal motor. O número de implementos que ele mesmo pode utilizar simultaneamente é limitado pelo número de seus próprios instrumentos naturais de produção, pelo número de seus órgãos corporais. Na Alemanha, eles tentaram inicialmente fazer um fiador trabalhar duas rodas giratórias, ou seja, trabalhar simultaneamente com ambas as mãos e ambos os pés. Isto foi muito difícil. Mais tarde, foi inventada uma roda giratória com dois fusos, mas os adeptos da fiação, que podiam girar dois fios ao mesmo tempo, eram quase tão escassos quanto os homens de duas cabeças. A Jenny, por outro lado, mesmo em seu nascimento, girou com 12-18 fusos, e as malhas da meia com muitos milhares de agulhas ao mesmo tempo. O número de ferramentas que uma máquina pode trazer em jogo ao mesmo tempo, é desde os primeiros emancipar-se dos limites orgânicos que sebem as ferramentas de um artesão.

Em muitos manuais, a distinção entre o homem como mero poder motivador, e o homem como o trabalhador ou operador propriamente dito, é trazida a um contraste marcante. Por exemplo, o pé é meramente o motor principal da roda giratória, enquanto a mão, trabalhando com o fuso, e desenhando e torcendo, executa a operação real da fiação. É esta última parte do implemento do artesão que é primeiramente aproveitada pela revolução industrial, deixando ao trabalhador, além de seu novo trabalho de observar a máquina com os olhos e corrigir seus erros com as mãos, a parte meramente mecânica de ser a força motriz. Por outro lado, os implementos, em relação aos quais o homem sempre agiu como uma simples força motriz, como por exemplo, girando a manivela de um moinho [7], bombeando, movendo para cima e para baixo o braço de um fole, batendo com uma argamassa, &c., tais implementos logo exigem a aplicação de animais, água [8] e vento como força motriz. Aqui e ali, muito antes do período de fabricação, e também, até certo ponto, durante esse período, esses implementos passam para máquinas, mas sem criar qualquer revolução no modo de produção. Torna-se evidente, no período da indústria moderna, que estes implementos, mesmo sob sua forma de ferramentas manuais, já são máquinas. Por exemplo, as bombas com as quais os holandeses, em 1836-7, esvaziaram o Lago do Harlem, foram construídas com base no princípio das bombas comuns; a única diferença é que seus pistões eram acionados por motores a vapor ciclopes europeus, ao invés de por homens. O fole comum e muito imperfeito do ferreiro é, na Inglaterra, ocasionalmente convertido em um motor de sopro, conectando seu braço a um motor a vapor. O próprio motor a vapor, tal como era na sua invenção, durante o período de fabricação no final do século XVII, e tal como continuou até 1780 [9], não deu origem a nenhuma revolução industrial. Foi, ao contrário, a invenção das máquinas que tornou necessária uma revolução na forma de motores a vapor. Assim que o homem, em vez de trabalhar com um implemento sobre o tema de seu trabalho, torna-se meramente a força motriz de um implemento-máquina, é um mero acidente que a força motriz toma o disfarce do músculo humano; e ela pode igualmente tomar a forma de vento, água ou vapor. Naturalmente, isto não impede que tal mudança de forma produza grandes alterações técnicas no mecanismo que foi originalmente construído para ser dirigido apenas pelo homem. Hoje em dia, todas as máquinas que têm sua maneira de fazer, tais como máquinas de costura, máquinas de fazer pão, &c., são, a menos que, por sua própria natureza, seu uso em pequena escala seja excluído, construídas para serem acionadas tanto pelo homem quanto por força motriz puramente mecânica.

Em muitos manuais, a distinção entre o homem como mero poder motivador, e o homem como o trabalhador ou operador propriamente dito, é trazida a um contraste marcante. Por exemplo, o pé é meramente o motor principal da roda giratória, enquanto a mão, trabalhando com o fuso, e desenhando e torcendo, executa a operação real da fiação. É esta última parte do implemento do artesão que é primeiramente aproveitada pela revolução industrial, deixando ao trabalhador, além de seu novo trabalho de observar a máquina com os olhos e corrigir seus erros com as mãos, a parte meramente mecânica de ser a força motriz. Por outro lado, os implementos, em relação aos quais o homem sempre agiu como uma simples força motriz, como por exemplo, girando a manivela de um moinho [7], bombeando, movendo para cima e para baixo o braço de um fole, batendo com uma argamassa, &c., tais implementos logo exigem a aplicação de animais, água [8] e vento como força motriz. Aqui e ali, muito antes do período de fabricação, e também, até certo ponto, durante esse período, esses implementos passam para máquinas, mas sem criar qualquer revolução no modo de produção. Torna-se evidente, no período da indústria moderna, que estes implementos, mesmo sob sua forma de ferramentas manuais, já são máquinas. Por exemplo, as bombas com as quais os holandeses, em 1836-7, esvaziaram o Lago do Harlem, foram construídas com base no princípio das bombas comuns; a única diferença é que seus pistões eram acionados por motores a vapor ciclopes europeus, ao invés de por homens. O fole comum e muito imperfeito do ferreiro é, na Inglaterra, ocasionalmente convertido em um motor de sopro, conectando seu braço a um motor a vapor. O próprio motor a vapor, tal como era na sua invenção, durante o período de fabricação no final do século XVII, e tal como continuou até 1780 [9], não deu origem a nenhuma revolução industrial. Foi, ao contrário, a invenção das máquinas que tornou necessária uma revolução na forma de motores a vapor. Assim que o homem, em vez de trabalhar com um implemento sobre o tema de seu trabalho, torna-se meramente a força motriz de um implemento-máquina, é um mero acidente que a força motriz toma o disfarce do músculo humano; e ela pode igualmente tomar a forma de vento, água ou vapor. Naturalmente, isto não impede que tal mudança de forma produza grandes alterações técnicas no mecanismo que foi originalmente construído para ser dirigido apenas pelo homem. Hoje em dia, todas as máquinas que têm sua maneira de fazer, tais como máquinas de costura, máquinas de fazer pão, &c., são, a menos que, por sua própria natureza, seu uso em pequena escala seja excluído, construídas para serem acionadas tanto pelo homem quanto por força motriz puramente mecânica.

Assim que as ferramentas foram convertidas de implementos manuais do homem em implementos de um aparelho mecânico, de uma máquina, o mecanismo motor também adquiriu uma forma independente, inteiramente emancipado das restrições da força humana. A partir daí, a máquina individual, que temos considerado até agora, afunda em um mero fator de produção por máquinas. Um mecanismo motivador era agora capaz de acionar muitas máquinas ao mesmo tempo. O mecanismo motriz cresce com o número de máquinas que são giradas simultaneamente, e o mecanismo de transmissão se torna um aparato de ampla difusão.


Agora passamos a distinguir a cooperação de uma série de máquinas de um tipo de um sistema complexo de máquinas.


Em um caso, o produto é inteiramente feito por uma única máquina, que realiza todas as várias operações anteriormente feitas por um artesão com sua ferramenta; como, por exemplo, por um tecelão com seu tear; ou por vários artesãos sucessivamente, seja separadamente ou como membros de um sistema de Manufatura. [15] Por exemplo, na fabricação de envelopes, um homem dobrou o papel com a pasta, outro colocou a pastilha, um terceiro virou a aba, na qual o dispositivo fica impressionado, um quarto estampou o dispositivo, e assim por diante; e para cada uma destas operações o envelope teve que mudar de mãos. Uma única máquina de envelope agora realiza todas estas operações de uma só vez, e faz mais de 3.000 envelopes em uma hora. Na exposição de Londres de 1862, havia uma máquina americana para fazer cornetos de papel. Ela cortava o papel, colava, dobrava e terminava 300 em um minuto. Aqui, todo o processo, que, quando realizado como Manufatura, foi dividido em, e realizado por uma série de operações, é completado por uma única máquina, trabalhando uma combinação de várias ferramentas. Agora, seja tal máquina uma mera reprodução de um complicado implemento manual, ou uma combinação de vários implementos simples especializados pela Manufacture, em ambos os casos, na fábrica, ou seja, na oficina em que somente as máquinas são utilizadas, nos encontramos novamente com simples cooperação; e, deixando o trabalhador fora de consideração no momento, esta cooperação se apresenta, em primeiro lugar, como o conglomerado em um lugar de máquinas similares e de atuação simultânea. Assim, uma fábrica de tecelagem é constituída de vários teares, trabalhando lado a lado, e uma fábrica de costura de várias máquinas de costura, todas no mesmo prédio. Mas existe aqui uma unicidade técnica em todo o sistema, devido ao fato de todas as máquinas receberem seu impulso simultaneamente, e em grau igual, a partir das pulsações do motor principal comum, por intermédio do mecanismo de transmissão; e este mecanismo, em certa medida, também é comum a todos eles, uma vez que apenas ramificações particulares do mesmo se ramificam para cada máquina. Assim como uma série de ferramentas formam os órgãos de uma máquina, também uma série de máquinas de um tipo constituem os órgãos do mecanismo motor.

Um verdadeiro sistema de máquinas, porém, não toma o lugar dessas máquinas independentes, até que o sujeito do trabalho passe por uma série de processos de detalhe conectados, que são realizados por uma cadeia de máquinas de vários tipos, uma que complementa a outra. Aqui temos novamente a cooperação por divisão de trabalho que caracteriza a Manufatura; somente agora, é uma combinação de máquinas de detalhes. As ferramentas especiais dos vários trabalhadores de detalhes, como as dos batedores, cambistas, fiadeiras, &c., na fabricação de lã, são agora transformadas em ferramentas de máquinas especializadas, cada máquina constituindo um órgão especial, com uma função especial, no sistema. Nos ramos da indústria nos quais o sistema de máquinas é introduzido pela primeira vez, a própria fabricação fornece, de maneira geral, a base natural para a divisão, e conseqüente organização, do processo de produção. [16] No entanto, uma diferença essencial se manifesta de imediato. Na manufatura são os trabalhadores que, com seus implementos manuais, devem, individualmente ou em grupos, levar adiante cada processo particular de detalhamento. Se, por um lado, o operário se adapta ao processo, por outro, o processo foi previamente adaptado ao operário. Este princípio subjetivo da divisão do trabalho não existe mais na produção por máquinas. Aqui, o processo como um todo é examinado objetivamente, ou seja, sem considerar a questão de sua execução por mãos humanas, ele é analisado em suas fases constituintes; e o problema, como executar cada processo de detalhe, e ligá-los todos em um todo, é resolvido com a ajuda de máquinas, química, &c. [17] Mas, é claro, neste caso também, a teoria deve ser aperfeiçoada pela experiência acumulada em larga escala. Cada máquina de detalhes fornece matéria-prima à máquina seguinte em ordem; e como todas elas estão funcionando ao mesmo tempo, o produto está sempre passando pelas várias etapas de sua fabricação, e também está constantemente em um estado de transição, de uma fase para outra. Assim como na fabricação, a cooperação direta dos trabalhadores de detalhes estabelece uma proporção numérica entre os grupos especiais, assim, em um sistema organizado de máquinas, onde uma máquina de detalhes é constantemente mantida empregada por outra, uma relação fixa é estabelecida entre seus números, seu tamanho e sua velocidade. A máquina coletiva, agora um sistema organizado de vários tipos de máquinas individuais, e de grupos de máquinas individuais, torna-se cada vez mais perfeita, quanto mais o processo como um todo se torna contínuo, ou seja, menos a matéria prima é interrompida em sua passagem de sua primeira fase para sua última; em outras palavras, quanto mais sua passagem de uma fase para outra é efetuada, não pela mão do homem, mas pela própria máquina. Na fabricação, o isolamento de cada processo de detalhe é uma condição imposta pela natureza da divisão do trabalho, mas na fábrica totalmente desenvolvida a continuidade desses processos é, ao contrário, imperativa.

Um sistema de maquinário, seja ele repousando na mera cooperação de máquinas similares, como na tecelagem, ou em uma combinação de máquinas diferentes, como na fiação, constitui em si mesmo um imenso autômato, sempre que é impulsionado por um motor principal auto-atuante. Mas, embora a fábrica como um todo seja movida por seu motor a vapor, algumas das máquinas individuais podem requerer o auxílio do trabalhador para alguns de seus movimentos (tal auxílio era necessário para o funcionamento do carro da mula, antes da invenção da mula auto-atuante, e ainda é necessário em fábricas de fiação fina); ou, para permitir que uma máquina possa fazer seu trabalho, certas partes dela podem exigir que o operário manuseie como uma ferramenta manual; este era o caso nas oficinas dos fabricantes de máquinas, antes da conversão do descanso da mula em um auto-ator. Assim que uma máquina executa, sem a ajuda do homem, todos os movimentos necessários para a elaboração da matéria prima, necessitando apenas da sua assistência, temos um sistema automático de máquinas, e que é suscetível de melhoria constante em seus detalhes. Tais melhorias como o aparelho que detém um quadro de desenho, sempre que uma fita se rompe, e a parada auto-atuante, que detém o power-loom assim que a bobina da lançadeira é esvaziada da trama, são invenções bastante modernas. Como exemplo, tanto da continuidade da produção, como da execução do princípio automático, podemos tomar uma fábrica de papel moderna. Na indústria de papel em geral, podemos estudar em detalhes não apenas as distinções entre modos de produção baseados em diferentes meios de produção, mas também a conexão das condições sociais de produção com esses modos: para a antiga fabricação de papel alemã nos fornece uma amostra da produção artesanal; a da Holanda no século XVII e da França no século XVIII com uma amostra da fabricação no sentido estrito; e a da Inglaterra moderna com uma amostra da fabricação automática deste artigo. Além destas, ainda existem, na Índia e na China, duas formas asiáticas antigas distintas da mesma indústria.


Um sistema organizado de máquinas, ao qual o movimento é comunicado pelo mecanismo de transmissão a partir de um autômato central, é a forma mais desenvolvida de produção por máquinas. Aqui temos, no lugar da máquina isolada, um monstro mecânico cujo corpo enche fábricas inteiras, e cujo poder demoníaco, a princípio velado sob os movimentos lentos e medidos de seus membros gigantes, irrompe em comprimento no rodopio rápido e furioso de seus incontáveis órgãos de trabalho.


Havia mulas e máquinas a vapor antes que houvesse trabalhadores, cuja ocupação exclusiva era fazer mulas e máquinas a vapor; assim como os homens usavam roupas antes que houvesse pessoas como alfaiates. As invenções de Vaucanson, Arkwright, Watt e outros, no entanto, eram praticáveis, apenas porque esses inventores encontraram, prontos para entregar, um número considerável de trabalhadores mecânicos qualificados, colocados à sua disposição durante o período de fabricação. Alguns destes trabalhadores eram artesãos independentes de vários ofícios, outros foram agrupados em manufaturas, nas quais, como mencionado anteriormente, a divisão do trabalho era feita estritamente. À medida que as invenções aumentavam em número, e a demanda pelas máquinas recém-descobertas aumentava, a indústria de máquinas se dividia, cada vez mais, em numerosos ramos independentes, e a divisão do trabalho nestes manufaturados era cada vez mais desenvolvida. Aqui, então, vemos na manufatura a base técnica imediata da indústria moderna. A Manufacture produziu as máquinas, por meio das quais a indústria moderna aboliu o artesanato e os sistemas de fabricação naquelas esferas de produção em que se apoderou pela primeira vez. O sistema de fábrica foi, portanto, levantado, no curso natural das coisas, sobre uma base inadequada. Quando o sistema atingiu um certo grau de desenvolvimento, teve que enraizar esta fundação pronta, que entretanto havia sido elaborada nas linhas antigas, e construir para si uma base que deveria corresponder a seus métodos de produção. Assim como a máquina individual mantém um caráter anão, desde que seja trabalhada apenas pelo poder do homem, e assim como nenhum sistema de máquina poderia ser desenvolvido adequadamente antes que o motor a vapor tomasse o lugar das anteriores forças motrizes, animais, vento e até mesmo água; assim também a indústria moderna foi aleijada em seu completo desenvolvimento, desde que seu instrumento característico de produção, a máquina, devia sua existência à força pessoal e habilidade pessoal, e dependia do desenvolvimento muscular, da agudeza da visão e da astúcia da mão, com a qual os trabalhadores de detalhes dos fabricantes, e os trabalhadores manuais do artesanato, empunhavam seus implementos anões. Assim, além do carinho das máquinas feitas desta maneira, uma circunstância que está sempre presente na mente do capitalista, a expansão das indústrias levadas adiante por meio de máquinas, e a invasão por máquinas de novos ramos de produção, estavam dependentes do crescimento de uma classe de operários, que, devido à natureza quase artística de seu emprego, podiam aumentar seu número apenas gradativamente, e não por saltos e limites. Mas além disso, em uma determinada etapa de seu desenvolvimento, a indústria moderna tornou-se tecnologicamente incompatível com a base fornecida para ela pelo artesanato e pela manufatura. O aumento do tamanho das máquinas principais, do mecanismo de transmissão e das próprias máquinas, a maior complicação, multiformidade e regularidade dos detalhes destas máquinas, à medida que se afastavam cada vez mais do modelo daquelas feitas originalmente por trabalho manual, e adquiriam uma forma, sem restrições, exceto pelas condições sob as quais trabalhavam, [18] o aperfeiçoamento do sistema automático, e o uso, cada dia mais inevitável, de um material mais refratário, como o ferro em vez da madeira - a solução de todos esses problemas, que surgiram pela força das circunstâncias, em todos os lugares encontraram um obstáculo nas restrições pessoais, que mesmo o trabalhador coletivo da Manufatura não poderia romper, a não ser de forma limitada. Máquinas como a moderna prensa hidráulica, o moderno power-loom e o moderno motor de cardagem, nunca poderiam ter sido fornecidas pela Manufacture.

Uma mudança radical no modo de produção em uma esfera da indústria envolve uma mudança semelhante em outras esferas. Isto acontece inicialmente em ramos da indústria que estão ligados entre si por serem fases separadas de um processo, e ainda assim estão isolados pela divisão social do trabalho, de tal forma, que cada um deles produz uma mercadoria independente. Assim, a fiação por máquinas tornou a tecelagem por máquinas uma necessidade, e ambos juntos tornaram imperativa a revolução mecânica e química que ocorreu no branqueamento, impressão e tingimento. Assim também, por outro lado, a revolução na fiação do algodão exigiu a invenção do descaroçamento, para separar as sementes da fibra de algodão; foi somente por meio desta invenção, que a produção de algodão se tornou possível na enorme escala atualmente necessária. [19] Mas mais especialmente, a revolução nos modos de produção da indústria e da agricultura tornou necessária uma revolução nas condições gerais do processo social de produção, ou seja, nos meios de comunicação e de transporte. Em uma sociedade cujo eixo, para usar uma expressão de Fourier, era a agricultura em pequena escala, com suas indústrias domésticas subsidiárias, e o artesanato urbano, os meios de comunicação e transporte eram tão inadequados às exigências produtivas do período manufatureiro, com sua extensa divisão do trabalho social, sua concentração dos instrumentos de trabalho, e dos trabalhadores, e seus mercados coloniais, que de fato se tornaram revolucionados. Da mesma forma, os meios de comunicação e de transporte transmitidos do período de fabricação logo se tornaram insuportáveis tresmalhos na indústria moderna, com sua pressa febril de produção, sua enorme extensão, sua constante afluência de capital e trabalho de uma esfera de produção para outra, e suas conexões recém-criadas com os mercados do mundo inteiro. Assim, além das mudanças radicais introduzidas na construção de embarcações à vela, os meios de comunicação e transporte se adaptaram gradualmente aos modos de produção da indústria mecânica, através da criação de um sistema de vaporizadores fluviais, ferroviários, marítimos e telegráficos. Mas as enormes massas de ferro que agora tinham que ser forjadas, soldadas, cortadas, perfuradas e moldadas, exigiam, de sua parte, máquinas ciclopeias, para a construção das quais os métodos do período de fabricação eram totalmente inadequados.

A própria indústria moderna tinha, portanto, que tomar em mãos a máquina, seu instrumento característico de produção, e construir máquinas por máquinas. Não foi até que o fizesse, que construiu para si uma base técnica adequada, e se apoiou em seus próprios pés. As máquinas, ao mesmo tempo em que se utilizavam cada vez mais, nas primeiras décadas deste século, apropriavam-se, pouco a pouco, da fabricação de máquinas propriamente ditas. Mas foi somente durante a década anterior a 1866, que a construção de ferrovias e vaporizadores oceânicos em uma escala estupenda chamou à existência as máquinas ciclópicas agora empregadas na construção de máquinas de primeira linha.


A condição mais essencial para a produção de máquinas por máquinas era um motor principal capaz de exercer qualquer quantidade de força, e ainda sob perfeito controle. Tal condição já era fornecida pelo motor a vapor. Mas, ao mesmo tempo, era necessário produzir as linhas retas, planos, círculos, cilindros, cones e esferas geometricamente precisos, necessários nas partes de detalhe das máquinas. Este problema Henry Maudsley resolveu na primeira década deste século com a invenção do descanso de deslizamento, uma ferramenta que logo se tornou automática, e de forma modificada foi aplicada a outras máquinas construtivas além do torno, para o qual foi originalmente destinada. Este aparelho mecânico substitui, não alguma ferramenta em particular, mas a própria mão, que produz uma determinada forma segurando e guiando a ferramenta de corte ao longo do ferro ou outro material sobre o qual foi operado. Assim, tornou-se possível produzir as formas das partes individuais das máquinas

"com um grau de facilidade, precisão e velocidade, que nenhuma experiência acumulada da mão do trabalhador mais qualificado poderia dar". [20]

Se agora fixamos nossa atenção na parte das máquinas empregadas na construção de máquinas, que constitui a ferramenta operacional, encontramos os implementos manuais reaparecendo, mas em uma escala ciclópica européia. A parte operacional da broqueadora é uma imensa furadeira acionada por um motor a vapor; sem esta máquina, por outro lado, os cilindros de grandes motores a vapor e de prensas hidráulicas não poderiam ser feitos. O torno mecânico é apenas uma reprodução ciclópica do torno comum; a aplainadora, um carpinteiro de ferro, que trabalha o ferro com as mesmas ferramentas que o carpinteiro humano emprega na madeira; o instrumento que, no cais de Londres, corta os folheados, é uma lâmina de barbear gigantesca; a ferramenta da máquina de tosquiar, que tesoura o ferro tão facilmente como uma tesoura de alfaiate, é um par de tesouras monstruosas; e o martelo a vapor trabalha com uma cabeça de martelo comum, mas de um peso tal que o próprio Thor não poderia empunhá-la. [21] Estes martelos a vapor são uma invenção do Nasmyth, e há um que pesa mais de 6 toneladas e golpeia com uma queda vertical de 7 pés, sobre uma bigorna pesando 36 toneladas. É uma mera brincadeira de criança para esmagar um bloco de granito em pó, mas não é menos capaz de dirigir, com uma sucessão de torneiras leves, um prego em um pedaço de madeira macia. [22]


Os implementos do trabalho, na forma de máquinas, necessitam da substituição das forças naturais pela força humana, e da aplicação consciente da ciência, ao invés da regra do polegar. Na manufatura, a organização do processo social do trabalho é puramente subjetiva; é uma combinação de trabalhadores de detalhes; em seu sistema de máquinas, a indústria moderna tem um organismo produtivo que é puramente objetivo, no qual o trabalhador torna-se um mero apêndice de uma condição material de produção já existente. Em simples cooperação, e mesmo naquela fundada na divisão do trabalho, a supressão do trabalhador isolado, pelo coletivo, ainda parece ser mais ou menos acidental. As máquinas, com algumas exceções a serem mencionadas posteriormente, operam apenas por meio de mão-de-obra associada, ou mão-de-obra em comum. Assim, o caráter cooperativo do processo de trabalho é, neste último caso, uma necessidade técnica ditada pelo próprio instrumento do trabalho.


SEÇÃO 2: O VALOR TRANSFERIDO PELAS MÁQUINAS PARA O PRODUTO


Vimos que as forças produtivas resultantes da cooperação e da divisão do trabalho não custam nada de capital. Elas são forças naturais do trabalho social. Assim também as forças físicas, como vapor, água, &c., quando apropriadas aos processos produtivos, não custam nada. Mas assim como um homem requer pulmões para respirar, ele requer algo que é trabalho da mão do homem, a fim de consumir as forças físicas produtivamente. Uma roda d'água é necessária para explorar a força da água, e um motor a vapor para explorar a elasticidade do vapor. Uma vez descoberta, a lei do desvio da agulha magnética no campo de uma corrente elétrica, ou a lei da magnetização do ferro, em torno da qual circula uma corrente elétrica, nunca custa um centavo. [23] Mas a exploração destas leis para fins de telegrafia, &c., necessita de um aparelho caro e extenso. A ferramenta, como já vimos, não é exterminada pela máquina. Por ser um implemento anão do organismo humano, ela se expande e se multiplica para o implemento de um mecanismo criado pelo homem. O capital agora coloca o trabalhador a trabalhar, não com uma ferramenta manual, mas com uma máquina que por si só manipula as ferramentas. Embora, portanto, fique claro à primeira vista que, ao incorporar tanto as estupendas forças físicas, como as ciências naturais, com o processo de produção, a indústria moderna eleva a produtividade do trabalho a um grau extraordinário, não é de forma alguma igualmente claro, que esta força produtiva aumentada não é, por outro lado, adquirida por um aumento do gasto de mão-de-obra. As máquinas, como qualquer outro componente de capital constante, não criam nenhum novo valor, mas cedem seu próprio valor ao produto que servem para gerar. Na medida em que a máquina tem valor e, em conseqüência, peças com valor para o produto, ela forma um elemento no valor desse produto. Em vez de ser barateado, o produto se torna mais caro em proporção ao valor da máquina. E é claro como o meio-dia, que as máquinas e sistemas de máquinas, os instrumentos característicos da mão-de-obra da Indústria Moderna, são incomparavelmente mais carregados de valor do que os implementos usados no artesanato e nos manufaturados.

Em primeiro lugar, deve ser observado que as máquinas, embora sempre entrando como um todo no processo de trabalho, entram no processo de agregação de valor apenas por bits. Ela nunca acrescenta mais valor do que perde, em média, por desgaste. Portanto, há uma grande diferença entre o valor de uma máquina e o valor transferido em um determinado tempo por essa máquina para o produto. Quanto maior a vida útil da máquina no processo de trabalho, maior é essa diferença. É verdade, sem dúvida, como já vimos, que cada instrumento de trabalho entra como um todo no processo de trabalho, e apenas uma peça, proporcionalmente à sua perda média diária por desgaste, no processo de agregação de valor. Mas esta diferença entre o instrumento como um todo e seu desgaste diário, é muito maior em uma máquina do que em uma ferramenta, porque a máquina, sendo feita de material mais durável, tem uma vida útil mais longa; porque seu emprego, sendo regulado por leis estritamente científicas, permite maior economia no desgaste de suas peças, e nos materiais que consome; e por último, porque seu campo de produção é incomparavelmente maior do que o de uma ferramenta. Depois de ter em conta, tanto no caso da máquina quanto no da ferramenta, seu custo médio diário, ou seja, o valor que transmitem ao produto pelo seu desgaste médio diário, e pelo consumo de substâncias auxiliares, tais como petróleo, carvão, etc., cada um deles faz seu trabalho gratuitamente, assim como as forças fornecidas pela Natureza sem a ajuda do homem. Quanto maior o poder produtivo da máquina em comparação com o da ferramenta, maior é a extensão de seu serviço gratuito em comparação com o da ferramenta. Na indústria moderna, o homem conseguiu pela primeira vez fazer com que o produto de seu trabalho passado trabalhasse em larga escala e gratuitamente, como as forças da Natureza. [24]

Ao tratar da Cooperação e Manufatura, foi demonstrado que certos fatores gerais de produção, como os edifícios, são, em comparação com os meios de produção dispersos do trabalhador isolado, economizados por serem consumidos em comum, e que, portanto, tornam o produto mais barato. Em um sistema de máquinas, não só a estrutura da máquina é consumida em comum por seus numerosos implementos operacionais, mas o motor principal, juntamente com uma parte do mecanismo de transmissão, é consumido em comum pelas numerosas máquinas operacionais.

Dada a diferença entre o valor da máquina, e o valor transferido por ela em um dia para o produto, a medida em que este último valor torna o produto mais caro, depende, em primeira instância, do tamanho do produto; por assim dizer, de sua área. O Sr. Baynes, de Blackburn, em uma palestra publicada em 1858, estima que

"cada verdadeira potência mecânica de cavalo [25] acionará 450 fusos de mula auto-atuantes, com preparação, ou 200 fusos de tordo, ou 15 teares para pano de 40 polegadas com os aparelhos para empenar, dimensionar, &c".

No primeiro caso, é a produção diária de 450 fusos de mula, no segundo, de 200 fusos de torsel, no terceiro, de 15 teares de potência, sobre os quais o custo diário de um cavalo-potência, e o desgaste das máquinas acionadas por essa potência, são distribuídos; de modo que apenas um valor mínimo é transferido por tal desgaste para um quilo de fio ou um quintal de pano. O mesmo é o caso do martelo a vapor mencionado acima. Uma vez que seu desgaste diário, seu consumo de carvão, &c., são espalhados sobre as estupendas massas de ferro marteladas por ele em um dia, apenas um pequeno valor é acrescentado a cem pesos de ferro; mas esse valor seria muito grande, se o instrumento ciclópico fosse empregado na condução em pregos.

Dada a capacidade de trabalho de uma máquina, ou seja, o número de suas ferramentas operacionais, ou, quando se trata de força, sua massa, a quantidade de seu produto dependerá da velocidade de suas peças de trabalho, da velocidade, por exemplo, dos fusos, ou do número de golpes dados pelo martelo em um minuto. Muitos destes colossais martelos golpeiam setenta vezes em um minuto, e a máquina patenteada da Ryder para forjar fusos com pequenos martelos dá até 700 golpes por minuto.

Dado o ritmo no qual as máquinas transferem seu valor para o produto, a quantidade de valor assim transferida depende do valor total das máquinas. [26] Quanto menos mão de obra ela contém, menor o valor que ela confere ao produto. Quanto menos valor ele cede, tanto mais produtivo ele é, e tanto mais seus serviços se aproximam dos das forças naturais. Mas a produção de máquinas por máquinas diminui seu valor em relação à sua extensão e eficácia.

Uma análise e comparação dos preços das mercadorias produzidas por artesanato ou fabricantes, e dos preços das mesmas mercadorias produzidas por máquinas, mostra em geral, que, no produto das máquinas, o valor devido aos instrumentos de trabalho aumenta relativamente, mas diminui absolutamente. Em outras palavras, sua quantidade absoluta diminui, mas sua quantidade, relativamente ao valor total do produto, de uma libra de fio, por exemplo, aumenta. [27]

É evidente que sempre que custa tanto mão-de-obra para produzir uma máquina quanto é poupada pelo emprego dessa máquina, não há nada além de uma transposição de mão-de-obra; conseqüentemente, a mão-de-obra total necessária para produzir uma mercadoria não é diminuída ou a produtividade da mão-de-obra não é aumentada. É claro, porém, que a diferença entre a mão-de-obra que uma máquina custa e a mão-de-obra que ela economiza, em outras palavras, que o grau de sua produtividade não depende da diferença entre seu próprio valor e o valor do implemento que ela substitui. Enquanto a mão-de-obra gasta em uma máquina, e consequentemente a parte de seu valor agregado ao produto, permanecer menor que o valor agregado pelo trabalhador ao produto com sua ferramenta, sempre há uma diferença de mão-de-obra economizada em favor da máquina. A produtividade de uma máquina é, portanto, medida pela força de trabalho humano que ela substitui. De acordo com o Sr. Baynes, são necessários 2 operadores para os 450 fusos de mula, incluindo as máquinas de preparação, [28] que são acionados por um cavalo; cada fuso de mula auto-atuante, trabalhando dez horas, produz 13 onças de fio (número médio de espessuras); conseqüentemente, 2½ os operadores giram semanalmente 365 5/8 lbs. de fio. Assim, deixando resíduos de um lado, 366 lbs. de algodão absorvem, durante sua conversão em fio, apenas 150 horas de trabalho, ou quinze dias de trabalho de dez horas cada. Mas com uma roda giratória, supondo que a roda giratória manual produza treze onças de fio em sessenta horas, o mesmo peso de algodão absorveria 2.700 dias de trabalho de dez horas cada, ou 27.000 horas de trabalho. [29] Onde a impressão em bloco, o velho método de impressão manual de calico, foi substituído pela impressão em máquina, uma única máquina imprime, com a ajuda de um homem ou menino, tanto calico de quatro cores em uma hora, como antes levava 200 homens a fazer. [30] Antes de Eli Whitney inventar o descaroçamento do algodão em 1793, a separação da semente de um quilo de algodão custava em média um dia de trabalho. Através de sua invenção, uma negra foi capaz de limpar 100 libras por dia; e desde então, a eficácia do descaroçador foi consideravelmente aumentada. Uma libra de algodão, que antes custava 50 centavos para produzir, incluía depois daquela invenção mais mão-de-obra não remunerada, e consequentemente era vendida com maior lucro, a 10 centavos. Na Índia eles empregam para separar a lã da semente, um instrumento, metade máquina, metade ferramenta, chamada churka; com este um homem e uma mulher podem limpar 28 lbs. diariamente. Com a churka inventada há alguns anos pelo Dr. Forbes, um homem e um menino produzem 250 lbs. diariamente. Se bois, vapor ou água forem usados para conduzi-la, apenas alguns meninos e meninas são necessários como alimentadores. Dezesseis dessas máquinas movidas por bois fazem tanto trabalho em um dia quanto, em média, 750 pessoas faziam. [31]

Como já foi dito, uma lavra a vapor faz tanto trabalho em uma hora a um custo de três pences, quanto 66 homens a um custo de 15 xelins. Volto a este exemplo para esclarecer uma noção errônea. Os 15 xelins não são de forma alguma a expressão em dinheiro de todo o trabalho gasto em uma hora pelos 66 homens. Se a relação entre trabalho excedente e mão-de-obra necessária fosse de 100%, estes 66 homens produziriam em uma hora um valor de 30 xelins, embora seus salários, 15 xelins, representem apenas sua mão-de-obra por meia hora. Suponha, então, que uma máquina custasse tanto quanto o salário de um ano dos 150 homens que ela desloca, digamos £3.000; esses £3.000 não são de forma alguma a expressão em dinheiro do trabalho adicionado ao objeto produzido por esses 150 homens antes da introdução da máquina, mas apenas da parcela do trabalho de seu ano que foi gasto para eles mesmos e representado por seus salários. Por outro lado, as £3.000, o valor monetário da máquina, expressa toda a mão-de-obra gasta em sua produção, não importa em que proporção essa mão-de-obra constitua salário para o trabalhador, e o valor excedente para o capitalista. Portanto, embora uma máquina custe tanto quanto a força de trabalho deslocada por ela custa, mesmo assim a força de trabalho materializada nela é muito menor do que a força de trabalho viva que ela substitui. [32]

O uso de máquinas com a finalidade exclusiva de baratear o produto, é limitado desta forma, que menos mão-de-obra deve ser gasta na produção das máquinas do que é deslocada pelo emprego dessas máquinas, No entanto, para o capitalista, este uso é ainda mais limitado. Ao invés de pagar pela mão-de-obra, ele paga apenas o valor da força de trabalho empregada; portanto, o limite para seu uso de uma máquina é fixado pela diferença entre o valor da máquina e o valor da força de trabalho substituída por ela. Como a divisão do dia de trabalho em trabalho necessário e excedente de trabalho difere em diferentes países, e mesmo no mesmo país em diferentes períodos, ou em diferentes ramos da indústria; e ainda, como o salário real do trabalhador em um momento afunda abaixo do valor de sua força de trabalho, em outro aumenta acima dele, é possível que a diferença entre o preço da máquina e o preço da força de trabalho substituída por aquela máquina varie muito, embora a diferença entre a quantidade de mão-de-obra necessária para produzir a máquina e a quantidade total substituída por ela, permaneça constante. [33] Mas é apenas a diferença anterior que determina o custo, para o capitalista, de produzir uma mercadoria e, através da pressão da concorrência, influencia sua ação. Daí a invenção agora um dia de máquinas na Inglaterra que são utilizadas apenas na América do Norte; assim como nos séculos XVI e XVII, as máquinas foram inventadas na Alemanha para serem utilizadas apenas na Holanda, e assim como muitas invenções francesas do século XVIII foram exploradas apenas na Inglaterra. Nos países mais antigos, as máquinas, quando empregadas em alguns ramos da indústria, criam uma tal redundância de mão-de-obra em outros ramos que, nestes últimos, a queda dos salários abaixo do valor da força de trabalho impede o uso de máquinas e, do ponto de vista do capitalista, cujo lucro vem, não de uma diminuição da mão-de-obra empregada, mas da mão-de-obra paga, torna o uso supérfluo e muitas vezes impossível. Em alguns ramos da fabricação de lã na Inglaterra, o emprego de crianças diminuiu consideravelmente nos últimos anos, e em alguns casos foi totalmente abolido. Por quê? Porque as Leis de Fábrica tornaram necessários dois conjuntos de crianças, um trabalhando seis horas, o outro quatro, ou cada um trabalhando cinco horas. Mas os pais se recusaram a vender os "meio-tempo" mais baratos do que os "a tempo integral". Daí a substituição das máquinas pelos "meia-temporizadores". [34] Antes que o trabalho de mulheres e crianças menores de 10 anos fosse proibido nas minas, os capitalistas consideravam o emprego de mulheres e meninas nuas, muitas vezes em companhia de homens, até agora sancionado por seu código moral, e especialmente por seus livros contábeis, que somente após a aprovação da Lei é que eles recorreram à maquinaria. Os Yankees inventaram uma máquina quebradora de pedras. Os ingleses não fazem uso dela, porque o "desgraçado" [35] que faz este trabalho é pago por uma parcela tão pequena de seu trabalho, que a maquinaria aumentaria o custo de produção para o capitalista. [36] Na Inglaterra as mulheres ainda são usadas ocasionalmente em vez de cavalos para transportar barcos de canal, [37] porque a mão-de-obra necessária para produzir cavalos e máquinas é uma quantidade conhecida com precisão, enquanto que a necessária para manter as mulheres da população excedente está abaixo de todos os cálculos. Portanto, em nenhum lugar encontramos um desperdício mais vergonhoso de mão-de-obra humana para os fins mais desprezíveis do que na Inglaterra, a terra das máquinas.

SEÇÃO 3: OS EFEITOS IMEDIATOS DAS MÁQUINAS SOBRE O OPERÁRIO

O ponto de partida da indústria moderna é, como demonstramos, a revolução nos instrumentos do trabalho, e esta revolução atinge sua forma mais desenvolvida no sistema organizado de maquinaria de uma fábrica. Antes de perguntarmos como o material humano é incorporado a este organismo objetivo, vamos considerar alguns efeitos gerais desta revolução sobre o próprio operário.

A. Apropriação de mão-de-obra suplementar-potência por capital. O Emprego de Mulheres e Crianças


Na medida em que a maquinaria dispensa energia muscular, ela se torna um meio de empregar operários de leve força muscular, e aqueles cujo desenvolvimento corporal é incompleto, mas cujos membros são ainda mais maleáveis. O trabalho de mulheres e crianças era, portanto, a primeira coisa procurada pelos capitalistas que utilizavam máquinas. Esse poderoso substituto do trabalho e dos trabalhadores foi imediatamente transformado em um meio de aumentar o número de trabalhadores assalariados, inscrevendo, sob o domínio direto do capital, cada membro da família do trabalhador, sem distinção de idade ou sexo. O trabalho obrigatório para o capitalista usurpou o lugar, não só das brincadeiras das crianças, mas também do trabalho gratuito em casa dentro de limites moderados para o sustento da família. [38]

O valor da força de trabalho foi determinado não apenas pelo tempo de trabalho necessário para manter o trabalhador adulto individual, mas também por aquele necessário para manter sua família. A maquinaria, jogando cada membro dessa família no mercado de trabalho, espalha o valor da força de trabalho do homem sobre toda a sua família. Desvaloriza, portanto, sua força de trabalho. Comprar a força de trabalho de uma família de quatro trabalhadores pode, talvez, custar mais do que custou anteriormente para comprar a força de trabalho do chefe de família, mas, em troca, quatro dias de trabalho toma o lugar de um, e seu preço cai na proporção do excesso de trabalho de quatro sobre o excesso de trabalho de um. Para que a família possa viver, quatro pessoas devem agora, não apenas mão-de-obra, mas gastar o excedente de trabalho para o capitalista. Assim vemos que a maquinaria, ao mesmo tempo em que aumenta o material humano que forma o principal objeto do poder de exploração do capital [39], aumenta o grau de exploração.

A maquinaria também revoluciona o contrato entre o operário e o capitalista, que estabelece formalmente suas relações mútuas. Tomando a troca de mercadorias como nossa base, nossa primeira suposição foi que capitalista e operário se encontravam como pessoas livres, como proprietários independentes de mercadorias; um possuindo dinheiro e meios de produção, o outro possuindo força de trabalho. Mas agora o capitalista compra crianças e jovens menores de idade. Anteriormente, o trabalhador vendia sua própria força de trabalho, da qual ele se desfazia nominalmente como agente livre. Agora ele vende a esposa e o filho. Ele se tornou um traficante de escravos. [40] A demanda por trabalho infantil muitas vezes se assemelha em forma de inquéritos aos escravos negros, como antigamente eram lidos entre os anúncios nas revistas americanas.

"Minha atenção", diz um inspetor de fábrica inglês, "foi atraída para um anúncio no jornal local de uma das mais importantes cidades produtoras do meu distrito, do qual o seguinte é uma cópia: Procura-se, 12 a 20 jovens, não mais jovens do que o que pode passar por 13 anos. Salários, 4 xelins por semana. Aplicar &c.". [41]

A frase "o que pode passar por 13 anos", faz referência ao fato de que, pela Lei de Fábrica, crianças menores de 13 anos podem trabalhar apenas 6 horas. Um cirurgião nomeado oficialmente deve certificar sua idade. O fabricante, portanto, pergunta por crianças que parecem já ter 13 anos de idade. A diminuição, muitas vezes por saltos e limites no número de crianças menores de 13 anos empregadas nas fábricas, uma diminuição que é demonstrada de forma surpreendente pelas estatísticas inglesas dos últimos 20 anos, foi na maior parte, de acordo com as evidências dos próprios inspetores da fábrica, o trabalho dos cirurgiões certificadores, que exageraram a idade das crianças, de acordo com a ganância do capitalista pela exploração, e as sórdidas necessidades de tráfico dos pais. No famoso distrito de Bethnal Green, é realizado um mercado público todas as segundas e terças-feiras de manhã, onde crianças de ambos os sexos a partir dos 9 anos de idade, se contratam para os fabricantes de seda. "Os termos usuais são 1s. 8d. por semana (isto pertence aos pais) e '2d. para mim e para o chá'. O contrato é vinculativo apenas para a semana. A cena e a linguagem enquanto este mercado está ocorrendo são bastante vergonhosas". [42] Ocorreu também na Inglaterra, que as mulheres levaram "crianças da casa de trabalho e deixaram qualquer um tirá-las por 2s". 6d. por semana". [43] Apesar da legislação, o número de meninos vendidos na Grã-Bretanha por seus pais para atuar como máquinas de limpeza de chaminés vivas (embora existam muitas máquinas para substituí-los) ultrapassa 2.000. [44] A revolução efetuada pelas máquinas nas relações jurídicas entre o comprador e o vendedor de mão-de-obra, fazendo com que a transação como um todo perdesse a aparência de um contrato entre pessoas livres, deu ao Parlamento inglês uma desculpa, fundada em princípios jurídicos, para a interferência do Estado com as fábricas. Sempre que a lei limita o trabalho de crianças a 6 horas em indústrias com as quais antes não havia interferido, as reclamações dos fabricantes são sempre renovadas. Eles alegam que os números dos pais retiram seus filhos da indústria trazida sob a lei, a fim de vendê-los onde a "liberdade do trabalho" ainda reina, ou seja, onde crianças menores de 13 anos são obrigadas a trabalhar como pessoas adultas e, portanto, podem ser livradas a um preço maior. Mas como o capital é, por natureza, um nivelador, uma vez que ele exerce em todas as esferas da produção a igualdade nas condições de exploração do trabalho, a limitação por lei do trabalho infantil, em um ramo da indústria, torna-se a causa de sua limitação em outros.

Já fizemos alusão à deterioração física, tanto das crianças e jovens como das mulheres, que maquinam, primeiro diretamente nas fábricas que disparam em sua base, e depois indiretamente em todos os demais ramos da indústria, sujeitos à exploração do capital. Neste lugar, portanto, nos debruçamos apenas sobre um ponto, a enorme mortalidade, durante os primeiros anos de sua vida, dos filhos dos operários. Em dezesseis dos distritos de registro em que a Inglaterra está dividida, há, para cada 100.000 crianças vivas com menos de um ano de idade, apenas 9.000 mortes em um ano em média (em um distrito apenas 7.047); em 24 distritos as mortes são superiores a 10.000, mas inferiores a 11.000; em 39 distritos, superiores a 11.000, mas inferiores a 12.000; em 48 distritos acima de 12.000, mas abaixo de 13.000; em 22 distritos acima de 20.000; em 25 distritos acima de 21.000; em 17 acima de 22.000; em 11 acima de 23.000; em Hoo, Wolverhampton, Ashton-under-Lyne e Preston, mais de 24.000; em Nottingham, Stockport e Bradford, mais de 25.000; em Wisbeach, 16.000; e em Manchester, 26.125. [45] Como foi demonstrado por um inquérito médico oficial no ano de 1861, as altas taxas de mortalidade são, além das causas locais, principalmente devido ao emprego das mães longe de suas casas, e à negligência e maus-tratos, conseqüentes de sua ausência, tais como, entre outros, alimentação insuficiente, alimentos inadequados e dosagem de opiáceos; além disso, surge um distanciamento antinatural entre mãe e filho, e como conseqüência, a fome intencional e o envenenamento das crianças. [46] Nesses distritos agrícolas, "onde existe um mínimo no emprego de mulheres, a taxa de mortalidade é, por outro lado, muito baixa". [47] A Comissão de Inquérito de 1861 levou, contudo, ao inesperado resultado de que, em alguns distritos puramente agrícolas ribeirinhos do Mar do Norte, a taxa de mortalidade de crianças com menos de um ano de idade quase igualou a dos piores distritos fabris. O Dr. Julian Hunter foi, portanto, encarregado de investigar este fenômeno no local. Seu relatório está incorporado com o "Sexto Relatório sobre Saúde Pública". [48] Até aquele momento, supunha-se que as crianças eram dizimadas pela malária e por outras doenças peculiares dos distritos baixos e pantanosos. Mas o inquérito mostrou o contrário, ou seja, que a mesma causa que afastou a malária, a conversão da terra, de um morro no inverno e um pasto escasso no verão, em terra frutífera de milho, criou a taxa de mortalidade excepcional dos bebês. [49] Os 70 médicos, que o Dr. Hunter examinou naquele distrito, estavam "maravilhosamente de acordo" sobre este ponto. Na verdade, a revolução no modo de cultivo havia levado à introdução do sistema industrial.

Mulheres casadas, que trabalham em gangues juntamente com meninos e meninas, são, por uma quantia estipulada, colocadas à disposição do fazendeiro, por um homem chamado "agente funerário", que contrata para toda a gangue. "Estas gangues às vezes viajam muitos quilômetros de sua própria aldeia; elas devem ser encontradas de manhã e à noite nas estradas, vestidas com saiotes curtos, com casacos e botas adequados e às vezes com calças, parecendo maravilhosamente fortes e saudáveis, mas manchadas com uma imoralidade habitual e sem atenção aos resultados fatais que seu amor por esta vida ocupada e independente está trazendo sobre seus infelizes descendentes que estão se lamentando em casa". [50]


Todos os fenômenos dos distritos fabris são aqui reproduzidos, incluindo, mas em maior medida, infanticídio mal disfarçado, e dosagem de crianças com opiáceos. [51]


"Meu conhecimento de tais males", diz o Dr. Simon, o oficial médico do Conselho Privado e editor-chefe dos Relatórios sobre Saúde Pública, "pode desculpar a profunda apreensão com que eu considero qualquer grande emprego industrial de mulheres adultas". [52]


"Feliz de fato", exclama o Sr. Baker, inspetor de fábrica, em seu relatório oficial, "feliz de fato será para os distritos industriais da Inglaterra, quando toda mulher casada que tenha família estiver proibida de trabalhar em qualquer trabalho têxtil". [53]


A degradação moral causada pela exploração capitalista de mulheres e crianças tem sido tão exaustivamente descrita por F. Engels em seu "Lage der Arbeitenden Klasse Englands", e outros escritores, que eu só preciso mencionar o assunto neste lugar. Mas a desolação intelectual artificialmente produzida pela conversão de seres humanos imaturos em meras máquinas para a fabricação de excedentes de valor, um estado de espírito claramente distinguível daquela ignorância natural que mantém a mente em pousio sem destruir sua capacidade de desenvolvimento, sua fertilidade natural, esta desolação finalmente obrigou até mesmo o Parlamento inglês a fazer da educação elementar uma condição obrigatória para o emprego "produtivo" de crianças menores de 14 anos, em todas as indústrias sujeitas às Leis de Fábrica. O espírito da produção capitalista se destaca claramente na formulação ridícula das chamadas cláusulas de educação nas Atas de Fábrica, na ausência de uma máquina administrativa, uma ausência que novamente torna ilusória a compulsão, na oposição dos próprios fabricantes a estas cláusulas de educação, e nos truques e artimanhas que eles mesmos colocam em prática para evitá-las.


"Por isso, o legislador é o único culpado, por ter aprovado uma lei ilusória, que, embora pareça prever que as crianças empregadas nas fábricas sejam educadas, não contém nenhuma promulgação pela qual esse fim professado possa ser assegurado. Ela não prevê nada mais do que que que as crianças devem em certos dias da semana, e por um certo número de horas (três) em cada dia, ser colocadas dentro das quatro paredes de um lugar chamado escola, e que o empregador da criança deve receber semanalmente um certificado para esse fim assinado por uma pessoa designada pelo assinante como mestre ou professora". [54]


Antes da aprovação da Lei de Fábrica emendada, 1844, aconteceu, não raro, que os certificados de freqüência à escola eram assinados pelo mestre ou professora com uma cruz, pois eles próprios não conseguiam escrever.


"Em certa ocasião, ao visitar um lugar chamado escola, do qual tinham sido emitidos certificados de freqüência escolar, fiquei tão impressionado com a ignorância do mestre, que lhe disse: 'Ore, senhor, você sabe ler? Sua resposta foi: 'Aye, summat!' e como justificativa de seu direito de conceder certificados, ele acrescentou: 'De qualquer forma, estou diante de meus estudiosos'".

 

Os inspetores, quando o Projeto de Lei de 1844 estava em preparação, não deixaram de representar o estado vergonhoso dos lugares chamados escolas, certificados dos quais eram obrigados a admitir como um cumprimento das leis, mas tiveram sucesso apenas em obter tanto, que desde a aprovação da Lei de 1845,


as figuras no certificado da escola devem ser preenchidas na caligrafia do mestre da escola, que também deve assinar seu cristão e sobrenome por extenso". [55]


Sir John Kincaid, inspetor de fábrica da Escócia, relata experiências do mesmo tipo.

"A primeira escola que visitamos foi mantida por uma Sra. Ann Killin. Ao pedir-lhe para soletrar seu nome, ela cometeu um erro, começando com a letra C, mas corrigindo-se imediatamente, ela disse que seu nome começou com um K. Ao olhar para sua assinatura, no entanto, nos livros de certificados da escola, notei que ela soletrou de várias maneiras, enquanto sua caligrafia não deixava dúvidas quanto à sua inaptidão para ensinar. Ela mesma também reconheceu que não conseguia manter o registro ... Em uma segunda escola encontrei a sala de aula com 15 pés de comprimento e 10 pés de largura, e contei neste espaço 75 crianças, que estavam tagarelando algo ininteligível" [56] Mas não é somente nos lugares miseráveis acima mencionados que as crianças obtêm certificados de freqüência escolar sem ter recebido instrução de qualquer valor, pois em muitas escolas onde há um professor competente, seus esforços são de pouco proveito da multidão que distrai crianças de todas as idades, desde crianças de 3 anos de idade ou mais; seu sustento, miserável no melhor dos casos, dependendo da pence recebida do maior número de crianças que é possível abarrotar no espaço. A isto se deve acrescentar o escasso mobiliário escolar, a deficiência de livros e outros materiais para o ensino e o efeito depressivo sobre as próprias crianças pobres de uma atmosfera próxima e ruidosa. Já estive em muitas dessas escolas, onde vi filas de crianças não fazendo absolutamente nada; e isto é certificado como freqüência escolar, e, em retornos estatísticos, tais crianças são definidas como sendo educadas". [57]


Na Escócia, os fabricantes tentam tudo o que podem fazer sem as crianças que são obrigadas a freqüentar a escola.


"Não é necessário nenhum outro argumento para provar que as cláusulas educacionais da Lei de Fábrica, sendo mantidas em tal desfavor entre os proprietários da fábrica, tendem em grande medida a excluir essa classe de crianças do emprego e do benefício da educação contemplada por esta Lei". [58]


Horrivelmente grotesco, isto aparece em obras impressas, que são reguladas por uma lei especial. Por essa Lei,

"toda criança, antes de ser empregada em uma gráfica deve ter freqüentado a escola por pelo menos 30 dias, e não menos de 150 horas, durante os seis meses imediatamente anteriores a esse primeiro dia de trabalho, e durante a continuação de seu emprego na gráfica, deve freqüentar por um período semelhante de 30 dias, e 150 horas durante cada período sucessivo de seis meses.... A freqüência à escola deve ser entre 8h e 18h. Nenhuma freqüência inferior a 2½, nem superior a 5 horas em qualquer dia, deve ser considerada como parte das 150 horas. Em circunstâncias normais, as crianças freqüentam a escola de manhã e à tarde por 30 dias, por pelo menos 5 horas por dia, e ao expirar os 30 dias, tendo sido atingido o total legal de 150 horas, tendo, em seu idioma, recuperado o livro, retornam ao trabalho impresso, onde continuam até que os seis meses tenham expirado, quando outra parcela da freqüência escolar se torna devida, e procuram novamente a escola até que o livro seja novamente recuperado.... Muitos meninos que freqüentaram a escola pelo número de horas exigido, quando retornam à escola após o término de seus seis meses de trabalho na gráfica, estão nas mesmas condições que quando freqüentaram a escola pela primeira vez que os meninos da gráfica, que perderam tudo o que ganharam com sua prévia freqüência escolar.... Em outros trabalhos de impressão, a freqüência das crianças à escola é feita de forma a depender totalmente das exigências do trabalho no estabelecimento. O número necessário de horas é composto a cada seis meses, por prestações que vão de 3 a 5 horas de cada vez, distribuídas, talvez, por todo o semestre.... Por exemplo, a freqüência em um dia pode ser de 8 a 11 da manhã, em outro dia de I p.m. a 4 p.m, e a criança poderia não comparecer à escola novamente por vários dias, quando compareceria das 15h às 18h; então poderia comparecer por 3 ou 4 dias consecutivos, ou por uma semana, então não apareceria na escola por 3 semanas ou um mês, depois disso, em alguns dias ímpares, em algumas horas ímpares, quando o agente que a empregava escolheu poupá-la; e assim a criança era, por assim dizer, fustigada da escola para o trabalho, do trabalho para a escola, até que a história de 150 horas fosse contada". [59]

Pela adição excessiva de mulheres e crianças às fileiras dos trabalhadores, as máquinas finalmente quebram a resistência que os operadores masculinos no período de fabricação continuaram a se opor ao despotismo do capital. [60]


B. Prolongamento do Dia de Trabalho


Se as máquinas são o meio mais poderoso para aumentar a produtividade do trabalho - ou seja, para encurtar o tempo de trabalho necessário na produção de uma mercadoria, elas se tornam nas mãos do capital o meio mais poderoso, naquelas indústrias por ele invadidas pela primeira vez, para prolongar o dia de trabalho além de todos os limites estabelecidos pela natureza humana. Ele cria, por um lado, novas condições através das quais o capital pode dar livre curso a esta tendência constante e, por outro lado, novos motivos para aguçar o apetite do capital pelo trabalho de outros.


Em primeiro lugar, sob a forma de máquinas, os implementos de trabalho tornam-se automáticos, as coisas se movem e trabalham independentemente do trabalhador. São a partir daí um perpétuo móvel industrial, que continuaria produzindo para sempre, não encontrou certas obstruções naturais nos corpos fracos e nas fortes vontades de seus atendentes humanos. O autômato, como capital, e porque é capital, é dotado, na pessoa do capitalista, de inteligência e vontade; é portanto animado pelo desejo de reduzir ao mínimo a resistência oferecida por aquela barreira natural repelente mas elástica, o homem. [61] Esta resistência é, além disso, diminuída pela aparente leveza do trabalho da máquina e pelo caráter mais flexível e dócil das mulheres e crianças que nela trabalham. [62]


A produtividade das máquinas é, como vimos, inversamente proporcional ao valor transferido por elas para o produto. Quanto maior a vida útil da máquina, maior é a massa dos produtos sobre os quais o valor transmitido pela máquina é distribuído, e menor é a porção desse valor agregado a cada mercadoria. A vida útil ativa de uma máquina depende, no entanto, claramente da duração do dia útil, ou da duração do processo de trabalho diário multiplicado pelo número de dias durante os quais o processo é realizado.


O desgaste de uma máquina não é exatamente proporcional ao seu tempo de trabalho. E mesmo se assim fosse, uma máquina que trabalhe 16 horas diárias por 7½ anos, cobre um período de trabalho tão longo quanto, e não transmite ao produto total mais valor do que, a mesma máquina não teria se ela trabalhasse apenas 8 horas diárias por 15 anos. Mas no primeiro caso, o valor da máquina seria reproduzido duas vezes mais rapidamente do que no segundo, e o capitalista, por este uso da máquina, absorveria em 7½ anos tanto mais-valia quanto no segundo caso ele absorveria em 15 anos.


O desgaste material de uma máquina é de dois tipos. O primeiro resulta do uso, pois as moedas se desgastam ao circular, o outro resulta do não uso, pois uma espada enferruja quando deixada em sua bainha. O último tipo é devido aos elementos. O primeiro é mais ou menos diretamente proporcional, o segundo, em certa medida, inversamente proporcional, ao uso da máquina. [63]


Mas além do desgaste material, uma máquina também sofre, o que podemos chamar de uma depreciação moral. Ela perde valor de troca, seja por máquinas do mesmo tipo sendo produzidas mais baratas do que ela, ou por máquinas melhores entrando em concorrência com ela. [64] Em ambos os casos, seja a máquina sempre tão jovem e cheia de vida, seu valor não é mais determinado pelo trabalho realmente materializado nela, mas pelo tempo de trabalho necessário para reproduzi-la ou a máquina melhor. Ela perdeu, portanto, mais ou menos valor. Quanto menor o período necessário para reproduzir seu valor total, menor é o perigo de depreciação moral; e quanto mais longo o dia de trabalho, mais curto é esse período. Quando a máquina é introduzida pela primeira vez em uma indústria, novos métodos de reproduzi-la mais barato seguem golpe após golpe, [65] e assim fazem as melhorias, que não só afetam partes individuais e detalhes da máquina, mas toda sua construção. É, portanto, nos primeiros dias de vida das máquinas que este incentivo especial para o prolongamento do dia de trabalho se faz sentir mais intensamente. [66]


Dada a duração do dia de trabalho, todas as outras circunstâncias permanecem as mesmas, a exploração do dobro do número de trabalhadores exige, não apenas a duplicação da parte de capital constante que é investida em máquinas e edifícios, mas também da parte que é disposta em matéria-prima e substâncias auxiliares. O alongamento do dia de trabalho, por outro lado, permite a produção em escala ampliada sem qualquer alteração na quantidade de capital disposto em máquinas e edifícios. [67] Portanto, não só há um aumento do valor excedente, mas o dispêndio necessário para obtê-lo diminui. É verdade que isto ocorre, mais ou menos, a cada alongamento do dia de trabalho; mas no caso em consideração, a mudança é mais acentuada, pois o capital convertido em instrumentos de trabalho predomina em maior grau. [68] O desenvolvimento do sistema de fábrica fixa uma parcela cada vez maior do capital numa forma em que, por um lado, seu valor é capaz de contínua auto-expansão, e na qual, por outro lado, perde tanto o valor de uso quanto o valor de troca sempre que perde contato com o trabalho vivo. Quando um operário", disse o Sr. Ashworth, um magnata do algodão, ao Professor Nassau W. Senior, "dá a pá, ele torna inútil, para aquele período, um capital de dezoito pences". Quando um de nosso povo deixa a fábrica, ele torna inútil um capital que já custou 100.000 libras". [69] Apenas fantasia! tornando "inútil", por um único momento, um capital que custou 100.000 libras esterlinas! É, na verdade, monstruoso, que um único de nosso povo saia da fábrica! O aumento do uso de máquinas, como percebeu claramente após as instruções que recebeu da Ashworth, torna "desejável" um aumento constante da duração do dia de trabalho. [70]


As máquinas produzem mais-valia relativa; não apenas depreciando diretamente o valor da força de trabalho, e indiretamente barateando o mesmo através do barateamento das mercadorias que entram em sua reprodução, mas também, quando é introduzida esporadicamente pela primeira vez em uma indústria, convertendo a força de trabalho empregada pelo proprietário dessas máquinas em força de trabalho de maior grau e maior eficácia, elevando o valor social do artigo produzido acima de seu valor individual, permitindo assim que o capitalista substitua o valor da força de trabalho de um dia por uma parcela menor do valor do produto de um dia. Durante este período de transição, quando o uso de máquinas é uma espécie de monopólio, os lucros são, portanto, excepcionais, e o capitalista se esforça para explorar a fundo "o tempo ensolarado deste seu primeiro amor", prolongando ao máximo o dia de trabalho. A magnitude do lucro aguça seu apetite por mais lucro.


À medida que o uso de máquinas se torna mais geral em uma determinada indústria, o valor social do produto se reduz a seu valor individual, e a lei de que a mais-valia não surge da força de trabalho que foi substituída pelas máquinas, mas da força de trabalho efetivamente empregada para trabalhar com as máquinas, afirma-se. O valor excedente surge apenas do capital variável, e vimos que a quantidade de valor excedente depende de dois fatores, a saber, a taxa de valor excedente e o número de trabalhadores empregados simultaneamente. Dada a duração do dia útil, a taxa de mais-valia é determinada pela duração relativa da mão-de-obra necessária e do trabalho excedente em um dia. O número de trabalhadores empregados simultaneamente depende, por seu lado, da relação entre a variável e o capital constante. Agora, por mais que o uso de máquinas possa aumentar o trabalho excedente em detrimento da mão-de-obra necessária, aumentando a produtividade do trabalho, é claro que ele atinge este resultado, apenas diminuindo o número de trabalhadores empregados por uma determinada quantidade de capital. Ele converte o que antes era capital variável, investido em força de trabalho, em maquinaria que, sendo capital constante, não produz mais-valia. É impossível, por exemplo, espremer tanto valor excedente em 2 como em 24 operários. Se cada um desses 24 homens dá apenas uma hora de trabalho excedente em 12, os 24 homens dão juntos 24 horas de trabalho excedente, enquanto 24 horas é o total da mão-de-obra dos dois homens. Portanto, a aplicação de máquinas à produção de mais-valia implica uma contradição que está imanente nela, pois dos dois fatores da mais-valia criada por uma determinada quantidade de capital, um, a taxa de mais-valia, não pode ser aumentada, exceto pela diminuição do outro, o número de operários. Esta contradição vem à tona, assim que pelo emprego geral de máquinas em uma determinada indústria, o valor da mercadoria produzida pela máquina regula o valor de todas as mercadorias do mesmo tipo; e é esta contradição que, por sua vez, leva o capitalista, sem que ele esteja consciente do fato, [71] a um alongamento excessivo do dia de trabalho, para que ele possa compensar a diminuição do número relativo de trabalhadores explorados, por um aumento não só do relativo, mas do excedente-laboral absoluto.


Se, então, o emprego capitalista de máquinas, por um lado, fornece novos e poderosos motivos para um alongamento excessivo do dia de trabalho, e muda radicalmente, assim como os métodos de trabalho, como também o caráter do organismo social de trabalho, de forma a quebrar toda a oposição a esta tendência, por outro lado, produz, em parte abrindo-se aos novos estratos capitalistas da classe trabalhadora, antes inacessíveis a ele, em parte libertando os trabalhadores que suplanta, uma população trabalhadora excedente, [72] que é obrigada a se submeter ao ditame do capital. Daí aquele fenômeno notável na história da indústria moderna, que a maquinaria varre toda restrição moral e natural sobre a duração do dia de trabalho. Daí, também, o paradoxo econômico, que o instrumento mais poderoso para encurtar o tempo de trabalho, torna-se o meio mais infalível para colocar cada momento do tempo do trabalhador e de sua família à disposição do capitalista, com o objetivo de expandir o valor de seu capital. "Se", sonhou Aristóteles, o maior pensador da antiguidade, "se cada instrumento, quando convocado, ou mesmo de sua própria vontade, pudesse fazer o trabalho que lhe convém, assim como as criações de Daedalus se moviam de si mesmas, ou os tripés de Hephaestos fossem de sua própria vontade ao seu trabalho sagrado, se os tecelões tecelões tecessem de si mesmos, então não haveria necessidade nem de aprendizes para os mestres trabalhadores, nem de escravos para os senhores". [73] E Antipatros, um poeta grego da época de Cícero, saudou a invenção da roda d'água para moer milho, uma invenção que é a forma elementar de toda maquinaria, como doadora de liberdade para as escravas, e a portadora de volta da era dourada. [74] Oh! esses pagãos! Eles entenderam, como o sábio Bastiat, e diante dele o ainda mais sábio MacCulloch descobriu, nada de economia política e de cristianismo. Eles não compreenderam, por exemplo, que o maquinário é o meio mais seguro de prolongar o dia de trabalho. Eles talvez desculparam a escravidão de um no chão que era um meio para o pleno desenvolvimento de outro. Mas para pregar a escravidão das massas, a fim de que alguns poucos parvenus grosseiros e semi-educados, pudessem se tornar "eminentes fiadores", "fabricantes de salsichas extensivas" e "comerciantes influentes de sapatos pretos", para fazer isso, faltava-lhes o galo do cristianismo.


C. Intensificação do trabalho

O alongamento imoderado do dia de trabalho, produzido por máquinas nas mãos do capital, leva a uma reação da sociedade, cujas próprias fontes de vida são ameaçadas; e, daí, a um dia de trabalho normal, cuja duração é fixada por lei. A partir daí, um fenômeno com o qual já nos deparamos, a saber, a intensificação do trabalho, torna-se de grande importância. Nossa análise do valor absoluto excedente tinha como referência principal a extensão ou duração do trabalho, assumindo-se sua intensidade como dada. Agora passamos a considerar a substituição de uma mão-de-obra mais intensiva por mão-de-obra de duração mais extensa, e o grau da primeira.


É evidente que, na proporção em que o uso de máquinas se espalha, e a experiência de uma classe especial de trabalhadores habituados a máquinas se acumula, a rapidez e a intensidade do trabalho aumentam como conseqüência natural. Assim, na Inglaterra, durante meio século, o alongamento do dia de trabalho foi acompanhado de um aumento da intensidade do trabalho de fábrica. No entanto, o leitor verá claramente, que onde temos mão de obra, não realizada por encaixes e começos, mas repetida dia após dia com uniformidade invariável, um ponto deve inevitavelmente ser alcançado, onde a extensão do dia de trabalho e a intensidade do trabalho se excluem mutuamente, de tal forma que o alongamento do dia de trabalho se torna compatível apenas com um menor grau de intensidade, e um maior grau de intensidade, apenas com um encurtamento do dia de trabalho. Assim, tão logo a revolta da classe trabalhadora, gradualmente crescente, obrigou o Parlamento a encurtar compulsoriamente as horas de trabalho e começar por impor um dia de trabalho normal às fábricas propriamente ditas, tão logo um aumento da produção de mais-valia pelo prolongamento do dia de trabalho foi, de uma vez por todas, posto um fim, a partir daquele momento, o capital se jogou com toda a sua força na produção de mais-valia relativa, apressando-se em melhorar ainda mais a maquinaria. Ao mesmo tempo, ocorreu uma mudança na natureza do valor relativo excedente. Em geral, o modo de produção de mais-valia relativa consiste em elevar o poder produtivo do trabalhador, de modo a permitir que ele produza mais em um determinado tempo com o mesmo gasto de mão-de-obra. O tempo de trabalho continua a transmitir como antes o mesmo valor ao produto total, mas esta quantidade inalterada de valor de troca é distribuída por mais valor de uso; daí o valor de cada mercadoria afunda. Caso contrário, porém, tão logo ocorra o encurtamento obrigatório das horas de trabalho. O imenso impulso que dá ao desenvolvimento do poder produtivo, e à economia nos meios de produção, impõe ao trabalhador o aumento do gasto de mão-de-obra em um determinado tempo, maior tensão da força de trabalho, e maior enchimento dos poros do dia de trabalho, ou condensação da mão-de-obra a um grau que só é alcançável dentro dos limites do dia de trabalho reduzido. Esta condensação de uma maior massa de trabalho em um determinado período a partir daí conta para o que realmente é, uma maior quantidade de trabalho. Além de uma medida de sua extensão, ou seja, duração, o trabalho agora adquire uma medida de sua intensidade ou do grau de sua condensação ou densidade. [75] A hora mais densa das dez horas do dia de trabalho contém mais mão-de-obra, ou seja, a energia de trabalho gasta do que a hora mais porosa das doze horas do dia de trabalho. Portanto, o produto de uma das primeiras horas tem tanto ou mais valor do que o produto de 1 1/5 das últimas horas. Além do aumento do rendimento do valor relativo excedente através do aumento da produtividade da mão-de-obra, a mesma massa de valor é agora produzida para o capitalista, digamos, por 3 1/3 horas de trabalho excedente, e 6 2/3 horas de mão-de-obra necessária, como era anteriormente produzido por 4 horas de trabalho excedente e 8 horas de mão-de-obra necessária.

Chegamos agora à questão: Como o trabalho é intensificado?


O primeiro efeito de encurtar o dia de trabalho resulta da lei evidente, que a eficiência da força de trabalho está em uma razão inversa à duração de seus gastos. Assim, dentro de certos limites, o que se perde ao encurtar a duração é ganho pela crescente tensão da força de trabalho. Que o trabalhador realmente gasta mais força de trabalho, é assegurado pelo modo em que o capitalista lhe paga. [76] Nessas indústrias, como a cerâmica, onde a maquinaria desempenha pouco ou nenhum papel, a introdução das Leis de Fábrica mostrou de forma impressionante que o mero encurtamento da jornada de trabalho aumenta em um grau maravilhoso a regularidade, uniformidade, ordem, continuidade e energia do trabalho. [77] No entanto, parecia duvidoso que este efeito fosse produzido na própria fábrica, onde a dependência do trabalhador do movimento contínuo e uniforme das máquinas já havia criado a mais rigorosa disciplina. Assim, quando em 1844 estava sendo debatida a redução do dia de trabalho para menos de doze horas, os mestres declararam quase unanimemente

"que seus espectadores nas diferentes salas tomaram bom cuidado para que as mãos não perdessem tempo", que "a extensão da vigilância e atenção por parte dos trabalhadores dificilmente poderia ser aumentada" e, portanto, que a velocidade das máquinas e outras condições permanecessem inalteradas, "esperar em uma fábrica bem administrada qualquer resultado importante do aumento da atenção dos trabalhadores era um absurdo". [78]

Esta afirmação foi contrariada por experiências. Robert Gardner reduziu as horas de trabalho em suas duas grandes fábricas de Preston, em 20 de abril de 1844, de doze para onze horas por dia. O resultado de cerca de um ano de trabalho foi que "a mesma quantidade de produto pelo mesmo custo foi recebida, e o trabalhador como um todo ganhou em onze horas tantos salários quanto ganhava antes em doze". [79] Passo por cima das experiências feitas nas salas de fiação e cardagem, porque elas foram acompanhadas por um aumento de 2% na velocidade das máquinas. Mas no departamento de tecelagem, onde, além disso, foram tecidos muitos tipos de artigos de fantasia figurativos, não houve a menor alteração nas condições do trabalho. O resultado foi: "De 6 de janeiro a 20 de abril de 1844, com um dia de doze horas, salário semanal médio de cada mão 10s. 1½d., de 20 de abril a 29 de junho de 1844, com um dia de onze horas, salário semanal médio de 10s. 3½d.” [80] Aqui temos mais produzido em onze horas do que anteriormente em doze, e inteiramente em conseqüência de uma aplicação mais estável e economia de tempo por parte dos trabalhadores. Enquanto eles recebiam o mesmo salário e ganhavam uma hora de tempo livre, o capitalista conseguia a mesma quantidade produzida e poupava o custo do carvão, gás e outros itens do gênero, por uma hora. Experiências semelhantes, e com o mesmo sucesso, foram realizadas nos moinhos de Messrs. Horrocks e Jacson. [81]


O encurtamento das horas de trabalho cria, para começar, as condições subjetivas para a condensação do trabalho, permitindo que o trabalhador exerça mais força em um determinado tempo. Assim, assim que esse encurtamento se torna obrigatório, a maquinaria torna-se nas mãos do capital o meio objetivo, sistematicamente empregado para espremer mais mão-de-obra em um determinado tempo. Isto é feito de duas maneiras: aumentando a velocidade da maquinaria e dando ao trabalhador mais maquinaria para a barraca. É necessário melhorar a construção da maquinaria, em parte porque sem ela não se pode exercer maior pressão sobre o trabalhador, e em parte porque o capitalista reduziu as horas de mão-de-obra para exercer a mais rigorosa vigilância sobre o custo de produção. As melhorias no motor a vapor aumentaram a velocidade do pistão e, ao mesmo tempo, tornaram possível, através de uma maior economia de energia, dirigir com o mesmo ou mesmo um menor consumo de carvão mais máquinas com o mesmo motor. As melhorias no mecanismo de transmissão diminuíram o atrito e, o que tão marcadamente distingue as máquinas modernas das mais antigas, reduziram o diâmetro e o peso do eixo a um mínimo constantemente decrescente. Finalmente, as melhorias nas máquinas operativas, ao mesmo tempo em que reduziram seu tamanho, aumentaram sua velocidade e eficiência, como no moderno power-loom; ou, ao mesmo tempo em que aumentaram o tamanho de sua estrutura, também aumentaram a extensão e o número de suas peças de trabalho, como nos spinning-mules, ou aumentaram a velocidade dessas peças de trabalho por alterações imperceptíveis de detalhes, como aquelas que há dez anos aumentaram em um quinto a velocidade dos fusos em mulas auto-atuantes.

A redução da jornada de trabalho para 12 horas na Inglaterra a partir de 1832. Em 1836, um fabricante declarou:


"A mão de obra agora submetida nas fábricas é muito maior do que costumava ser ... em comparação com trinta ou quarenta anos atrás ... devido à maior atenção e atividade exigida pelo grande aumento da velocidade que é dada às máquinas". [82]


No ano de 1844, Lord Ashley, agora Lord Shaftesbury, fez na Câmara dos Comuns as seguintes declarações, apoiadas por provas documentais:


"O trabalho realizado por aqueles envolvidos nos processos de fabricação, é três vezes maior do que no início de tais operações". A maquinaria executou, sem dúvida, o trabalho que exigiria os nervos de milhões de homens; mas também multiplicou prodigiosamente o trabalho daqueles que são governados por seus movimentos temerosos.... Em 1815, o trabalho de seguir um par de mulas fiando o algodão de nº 40 - contabilizando 12 horas para o dia de trabalho - envolveu uma necessidade de caminhar 8 milhas. Em 1832, a distância percorrida para seguir um par de mulas, fiando fio de algodão com o mesmo número, era de 20 milhas, e freqüentemente mais. Em 1835" (pergunta - 1815 ou 1825?) "o fiador colocava diariamente, em cada uma dessas mulas, 820 trechos, perfazendo um total de 1.640 trechos no decorrer do dia. Em 1832, o fiandeiro colocou em cada mula 2.200 trechos, perfazendo um total de 4.400 trechos. Em 1844, 2.400 trechos, perfazendo um total de 4.800; e em alguns casos, a quantidade de mão-de-obra necessária é ainda maior.... Tenho outro documento enviado em 1842, declarando que a mão-de-obra está aumentando progressivamente - aumentando não apenas porque a distância a ser percorrida é maior, mas porque a quantidade de bens produzidos é multiplicada, enquanto as mãos são menos proporcionais do que antes; e, além disso, porque uma espécie inferior de algodão é agora frequentemente fiada, o que é mais difícil de se trabalhar.... Na sala de cardação também tem havido um grande aumento de mão-de-obra. Uma pessoa lá faz o trabalho antes dividido entre duas. Na sala de tecelagem, onde um grande número de pessoas é empregado, e principalmente as fêmeas ... a mão-de-obra aumentou nos últimos anos totalmente 10%, devido ao aumento da velocidade das máquinas de fiar. Em 1838, o número de hanks fiados por semana era de 18.000, em 1843 era de 21.000. Em 1819, o número de picaretas em teares por minuto era de 60 - em 1842 era de 140, mostrando um grande aumento de mão-de-obra". [83]


Diante desta notável intensidade de mão-de-obra que já havia sido alcançada em 1844 sob a Lei das Doze Horas, parecia haver uma justificativa para a afirmação feita naquela época pelos fabricantes ingleses, de que qualquer progresso adicional nessa direção era impossível, e, portanto, cada redução adicional das horas de trabalho significava uma produção menor. A aparente correção de suas razões será melhor demonstrada pela seguinte declaração contemporânea de Leonard Horner, o inspetor de fábrica, seu sempre vigilante censor.


"Agora, como a quantidade produzida deve, no essencial, ser regulada pela velocidade da maquinaria, deve ser do interesse do proprietário da fábrica conduzi-la na máxima velocidade compatível com estas condições seguintes, ou seja, a preservação da maquinaria de uma deterioração muito rápida; a preservação da qualidade do artigo fabricado; e a capacidade do trabalhador de seguir o movimento sem um esforço maior do que ele pode sustentar para uma constância. Um dos problemas mais importantes, portanto, que o proprietário de uma fábrica tem que resolver é descobrir a velocidade máxima em que ele pode correr, com a devida consideração às condições acima. Acontece com freqüência que ele descobre que foi muito rápido, que as quebras e o mau trabalho mais do que contrabalançam o aumento da velocidade, e que é obrigado a afrouxar seu ritmo. Concluí, portanto, que como um proprietário ativo e inteligente de moinhos descobriria o máximo de segurança, não seria possível produzir tanto em onze horas como em doze. Além disso, presumi que o operário pago à peça, se esforçaria ao máximo de acordo com o poder de continuar no mesmo ritmo". [84]


Horner, portanto, chegou à conclusão de que uma redução das horas de trabalho abaixo de doze horas diminuiria necessariamente a produção. [85] Ele mesmo, dez anos depois, cita sua opinião de 1845 como prova do quanto subestimou naquele ano a elasticidade das máquinas e da força de trabalho do homem, ambas simultaneamente esticadas ao extremo pela redução obrigatória do dia de trabalho.


Chegamos agora ao período que se segue à introdução da Lei das Dez Horas em 1847 nos moinhos ingleses de algodão, lã, seda e linho.


"A velocidade dos fusos aumentou sobre tordos 500, e sobre mulas 1.000 revoluções por minuto, ou seja, a velocidade do fuso de tordo, que em 1839 era de 4.500 vezes por minuto, é agora (1862) 5.000; e do fuso de mula, que era de 5.000, é agora 6.000 vezes por minuto, totalizando no primeiro caso um décimo, e no segundo caso um quinto de aumento adicional". [86]


James Nasmyth, o eminente engenheiro civil de Patricroft, perto de Manchester, explicou em uma carta a Leonard Horner, escrita em 1852, a natureza das melhorias no motor a vapor que haviam sido feitas entre os anos de 1848 e 1852. Depois de observar que a potência dos motores a vapor, sendo sempre estimada nos retornos oficiais de acordo com a potência de motores similares em 1828 [87], é apenas nominal, e pode servir apenas como um índice de sua potência real, ele prossegue dizendo:


"Estou confiante de que do mesmo peso das máquinas com motores a vapor, estamos agora obtendo pelo menos 50% mais trabalho ou trabalho realizado em média, e que em muitos casos os motores a vapor idênticos que, nos dias da velocidade restrita de 220 pés por minuto, produziam 50 cavalos de potência, estão agora produzindo mais de 100..." "O moderno motor a vapor de 100 cavalos de potência é capaz de ser impulsionado com uma força muito maior do que anteriormente, decorrente de melhorias em sua construção, capacidade e construção das caldeiras, &c....". "Embora o mesmo número de mãos seja empregado em proporção à potência do cavalo que em períodos anteriores, há menos mãos empregadas em proporção à maquinaria". [88] "No ano de 1850, as fábricas do Reino Unido empregaram 134.217 mãos nominais de cavalos para dar movimento a 25.638.716 fusos e 301.445 teares. O número de fusos e teares em 1856 era respectivamente 33.503.580 do primeiro, e 369.205 do segundo, o que, contando com a força da potência nominal do cavalo necessária para ser a mesma de 1850, exigiria uma força igual a 175.000 cavalos, mas a potência real dada no retorno para 1856 é de 161.435, menos em cima de 10.000 cavalos do que, calculando com base no retorno de 1850, as fábricas deveriam ter exigido em 1856". [89] "Os fatos assim evidenciados pelo retorno (de 1856) parecem ser que o sistema de fábrica está aumentando rapidamente; que embora o mesmo número de mãos seja empregado em proporção à potência do cavalo como em períodos anteriores, há menos mãos empregadas em proporção à maquinaria; que o motor a vapor é capaz de impulsionar um peso maior da maquinaria por economia de força e outros métodos, e que uma quantidade maior de trabalho pode ser desligada por melhorias na maquinaria, e nos métodos de fabricação, pelo aumento da velocidade da maquinaria, e por uma variedade de outras causas". [90]


"As grandes melhorias feitas em máquinas de todo tipo elevaram muito seu poder produtivo. Sem dúvida, o encurtamento das horas de trabalho... deu o impulso para essas melhorias". Estas últimas, combinadas com a pressão mais intensa sobre o trabalhador, tiveram o efeito de que pelo menos tanto é produzido no dia de trabalho encurtado (em duas horas ou um sexto) como era anteriormente produzido durante o dia de trabalho mais longo". [91] 


Um fato é suficiente para mostrar o quanto a riqueza dos fabricantes aumentou junto com a exploração mais intensa da força de trabalho. De 1838 a 1850, o aumento proporcional médio do algodão inglês e outras fábricas foi de 32%, enquanto que de 1850 a 1856 foi de 86%.


Mas por muito grande que tenha sido o progresso da indústria inglesa durante os 8 anos de 1848 a 1856 sob a influência de um dia de trabalho de 10 horas, ele superou em muito o período seguinte de 6 anos, de 1856 a 1862. Nas fábricas de seda, por exemplo, existiam em 1856, fusos 1.093.799; em 1862, 1.388.544; em 1856, teares 9.260; em 1862, 10.709. Mas o número de operadores era, em 1856, 56.131; em 1862, 52.429. O aumento dos fusos foi, portanto, de 26,9% e dos teares de 15,6%, enquanto o número de operadores diminuiu 7%. No ano de 1850 foram empregados 875.830 fusos de lã; em 1856, 1.324.549 (aumento de 51,2%), e em 1862, 1.289.172 (diminuição de 2,7%). Mas se deduzirmos os fusos duplicados que figuram nos números de 1856, mas não naqueles de 1862, descobriremos que depois de 1856 o número de fusos permaneceu quase estacionário. Por outro lado, depois de 1850, a velocidade dos fusos e teares foi em muitos casos dobrada. O número de teares de lã era, em 1850, de 32.617; em 1856, de 38.956; em 1862, de 43.048. O número de operários era, em 1850, 79.737; em 1856, 87.794; em 1862, 86.063; incluídos nestes, porém, as crianças menores de 14 anos eram, em 1850, 9.956; em 1856, 11.228; em 1862, 13.178. Portanto, apesar do grande aumento do número de teares em 1862, em comparação com 1856, o número total de trabalhadores empregados diminuiu e o das crianças exploradas aumentou. [92]


Em 27 de abril de 1863, o Sr. Ferrand disse na Câmara dos Comuns:

"Fui informado por delegados de 16 distritos de Lancashire e Cheshire, em cujo nome falo, que o trabalho nas fábricas está, em conseqüência das melhorias no maquinário, em constante aumento. Em vez de, como antes, uma pessoa com duas ajuda a barracar dois teares, agora uma pessoa barraca três teares sem ajuda, e não é incomum para uma pessoa barracar quatro. Doze horas de trabalho, como é evidente pelos fatos aduzidos, estão agora comprimidas em menos de 10 horas. É, portanto, evidente, até que ponto a labuta da fábrica em funcionamento aumentou muito durante os últimos 10 anos". [93]


Embora, portanto, os Inspetores de Fábrica, incessantemente e com justiça, elogiem os resultados das Leis de 1844 e 1850, mas admitem que o encurtamento das horas de trabalho já provocou uma intensificação do trabalho tão prejudicial à saúde do trabalhador e à sua capacidade de trabalho.


"Na maioria dos moinhos de algodão, lã e seda, um esgotante estado de excitação necessário para permitir que os trabalhadores se preocupem satisfatoriamente com a maquinaria, cujo movimento foi muito acelerado nos últimos anos, não me parece improvável que seja uma das causas daquele excesso de mortalidade por doença pulmonar, que o Dr. Greenhow apontou em seu recente relatório sobre este assunto". [94]


Não pode haver a menor dúvida de que a tendência que impele o capital, tão logo um prolongamento das horas de trabalho seja proibido de uma vez por todas, a se compensar, através de um aumento sistemático da intensidade do trabalho, e a converter cada melhoria na maquinaria em um meio mais perfeito de esgotar o trabalhador, deve levar logo a um estado de coisas no qual uma redução das horas de trabalho será novamente inevitável. [95] Por outro lado, o rápido avanço da indústria inglesa entre 1848 e a época atual, sob a influência de um dia de 10 horas, ultrapassa o avanço feito entre 1833 e 1847, quando o dia era de 12 horas, em muito mais do que este último ultrapassa o avanço feito durante o meio século após a primeira introdução do sistema de fábrica, quando o dia de trabalho era sem limites. [96] 


SEÇÃO 4: A FÁBRICA


No início deste capítulo, consideramos aquilo que podemos chamar o corpo da fábrica, ou seja, máquinas organizadas em um sistema. Vimos como a maquinaria, ao anexar o trabalho de mulheres e crianças, aumenta o número de seres humanos que formam o material para a exploração capitalista, como ela confisca todo o tempo disponível do trabalhador, através da extensão imoderada das horas de trabalho, e como finalmente seu progresso, que permite um enorme aumento da produção em períodos cada vez mais curtos, serve como um meio de realizar mais trabalho sistematicamente em um tempo menor, ou de explorar mais intensamente a força de trabalho. Agora nos voltamos para a fábrica como um todo, e isso em sua forma mais perfeita.

Dr. Ure, o Pindar da fábrica automática, descreve-a, por um lado, como

"Cooperação combinada de muitas ordens de operários, adultos e jovens, em tendendo com assídua habilidade, um sistema de máquinas produtivas, continuamente impulsionado por uma potência central" (o motor principal); por outro lado, como "um vasto autômato, composto de vários órgãos mecânicos e intelectuais, atuando em concerto ininterrupto para a produção de um objeto comum, todos eles subordinados a uma força motriz auto-regulada".

Estas duas descrições estão longe de ser idênticas. Em uma, o trabalhador coletivo, ou corpo social de trabalho, aparece como o sujeito dominante, e o autômato mecânico como o objeto; na outra, o próprio autômato é o sujeito, e os trabalhadores são meramente órgãos conscientes, coordenados com os órgãos inconscientes do autômato, e junto com eles, subordinados à força motriz central. A primeira descrição é aplicável a todo possível emprego de máquinas em larga escala, a segunda é característica de seu uso pelo capital e, portanto, do moderno sistema de fábrica. Ure prefere, portanto, descrever a máquina central, da qual vem o movimento, não apenas como um autômato, mas como um autocrata. "Nesses espaçosos salões, o poder benigno do vapor convoca ao seu redor suas miríades de homens dispostos". [97]

Junto com a ferramenta, a habilidade do operário em manuseá-la passa para a máquina. As capacidades da ferramenta são emancipadas das restrições que são inseparáveis da força de trabalho humana. Assim, a base técnica sobre a qual se baseia a divisão do trabalho na manufatura, é varrida. Assim, no lugar da hierarquia de operários especializados que caracteriza a fabricação, há, na fábrica automática, uma tendência a igualizar e reduzir ao mesmo nível todo tipo de trabalho que tem que ser feito pelas mentes das máquinas; [98] no lugar das diferenciações artificialmente produzidas dos operários de detalhe, pisam as diferenças naturais de idade e sexo.

Na medida em que a divisão do trabalho reaparece na fábrica, é principalmente uma distribuição dos operários entre as máquinas especializadas; e das massas de operários, porém não organizados em grupos, entre os vários departamentos da fábrica, em cada um dos quais eles trabalham em várias máquinas semelhantes colocadas juntas; sua cooperação, portanto, é apenas simples. O grupo organizado, peculiar à fabricação, é substituído pela conexão entre o chefe de obra e seus poucos auxiliares. A divisão essencial é, em operários que são realmente empregados nas máquinas (entre os quais estão incluídos alguns que cuidam do motor), e em meros auxiliares (quase exclusivamente crianças) desses operários. Entre os atendentes são considerados mais ou menos todos os "Alimentadores" que fornecem as máquinas com o material a ser trabalhado. Além destas duas classes principais, há uma classe numericamente insignificante de pessoas, cuja ocupação é cuidar de toda a maquinaria e repará-la de tempos em tempos; tais como engenheiros, mecânicos, marceneiros, &c. Trata-se de uma classe superior de operários, alguns com formação científica, outros criados para uma profissão; é distinta da classe operativa da fábrica, e meramente agregada a ela. [99] Esta divisão de trabalho é puramente técnica.

Para trabalhar em uma máquina, o trabalhador deve ser ensinado desde a infância, para que possa aprender a adaptar seus próprios movimentos ao movimento uniforme e incessante de um autômato. Quando a máquina, como um todo, forma um sistema de máquinas múltiplas, trabalhando simultaneamente e em conjunto, a cooperação baseada nela, exige a distribuição de vários grupos de operários entre os diferentes tipos de máquinas. Mas o emprego de máquinas elimina a necessidade de cristalizar esta distribuição após o modo de fabricação, pela anexação constante de um determinado homem a uma determinada função. [100] Como o movimento de todo o sistema não procede do operário, mas das máquinas, uma mudança de pessoas pode ocorrer a qualquer momento sem interrupção do trabalho. A prova mais marcante disto é dada pelo sistema de relés, colocado em funcionamento pelos fabricantes durante sua revolta de 1848-1850. Por último, a rapidez com que os jovens aprendem a trabalhar com as máquinas, elimina a necessidade de se criar uma classe especial de operários para o emprego exclusivo das máquinas. [101] Com relação ao trabalho dos simples auxiliares, ele pode, em certa medida, ser substituído no moinho por máquinas, [102] e devido a sua extrema simplicidade, permite uma mudança rápida e constante dos indivíduos sobrecarregados com esta burrice.

Embora, tecnicamente falando, o antigo sistema de divisão do trabalho seja atirado borda fora por máquinas, ele se mantém na fábrica, como um hábito tradicional transmitido pela manufatura, e depois é sistematicamente remodelado e estabelecido de forma mais hedionda pelo capital, como um meio de explorar a força de trabalho. A especialidade vitalícia de manusear uma e a mesma ferramenta, agora se torna a especialidade vitalícia de servir uma e a mesma máquina. A máquina é colocada em um uso errado, com o objetivo de transformar o trabalhador, desde sua infância, em uma parte de uma máquina de detalhes. [103] Desta forma, não apenas os gastos de sua reprodução são consideravelmente reduzidos, mas ao mesmo tempo sua indefesa dependência da fábrica como um todo, e portanto do capitalista, se torna completa. Aqui como em qualquer outro lugar, devemos distinguir entre o aumento da produtividade devido ao desenvolvimento do processo social de produção, e aquele devido à exploração capitalista desse processo. No artesanato e na manufatura, o operário faz uso de uma ferramenta, na fábrica, a máquina faz uso dele. Ali os movimentos do instrumento de trabalho procedem dele, aqui são os movimentos da máquina que ele deve seguir. Na fabricação, os operários são partes de um mecanismo vivo. Na fábrica temos um mecanismo sem vida independente do operário, que se torna seu mero apêndice vivo.

"A rotina miserável de trabalho e trabalho sem fim, na qual o mesmo processo mecânico é passado repetidamente, é como o trabalho de Sísifo". A carga de trabalho, como a rocha, continua sempre caindo sobre o operário desgastado". [104]

Ao mesmo tempo em que o trabalho de fábrica esgota o sistema nervoso até o extremo, ele elimina o jogo multifacetado dos músculos e confisca cada átomo de liberdade, tanto na atividade corporal quanto na intelectual. [105] O aligeiramento do trabalho, mesmo, torna-se uma espécie de tortura, já que a máquina não liberta o trabalhador do trabalho, mas priva o trabalho de todo interesse. Todo tipo de produção capitalista, na medida em que não é apenas um processo de trabalho, mas também um processo de criação de mais-valia, tem isto em comum, que não é o trabalhador que emprega os instrumentos do trabalho, mas os instrumentos do trabalho que empregam o trabalhador. Mas é somente no sistema de fábrica que esta inversão adquire pela primeira vez uma realidade técnica e palpável. Por meio de sua conversão em um autômato, o instrumento de trabalho confronta o trabalhador, durante o processo de trabalho, na forma de capital, de trabalho morto, que domina, e bombeia a força de trabalho viva e seca. A separação dos poderes intelectuais de produção do trabalho manual, e a conversão desses poderes no poder do capital sobre o trabalho, é, como já demonstramos, finalmente completada pela indústria moderna erguida sobre os alicerces da maquinaria. A habilidade especial de cada indivíduo insignificante operativo de fábrica desaparece como uma quantidade infinitesimal diante da ciência, das gigantescas forças físicas e da massa de trabalho que são incorporadas no mecanismo da fábrica e, junto com esse mecanismo, constituem o poder do "mestre". Este "mestre", portanto, em cujo cérebro a maquinaria e seu monopólio estão inseparavelmente unidos, sempre que ele cai com suas "mãos", desdenhosamente lhes diz:

"Os operários da fábrica devem manter na memória o fato de que a sua mão-de-obra é realmente uma espécie de pouca qualificada; e que não há nenhuma que seja mais facilmente adquirida, ou de sua qualidade mais amplamente remunerada, ou que por um breve treinamento dos menos experientes possa ser adquirida mais rapidamente, bem como abundantemente.... A maquinaria do mestre realmente desempenha um papel muito mais importante no negócio da produção do que a mão-de-obra e a habilidade do operador, que seis meses de educação podem ensinar, e um operário comum pode aprender". [106]


A subordinação técnica do operário ao movimento uniforme dos instrumentos de trabalho, e a peculiar composição do corpo de trabalhadores, que consiste em indivíduos de ambos os sexos e de todas as idades, dão origem a uma disciplina de quartel, que é elaborada em um sistema completo na fábrica, e que desenvolve plenamente o trabalho antes mencionado de olhar para o lado, dividindo assim os trabalhadores em operários e espectadores, em soldados particulares e sargentos de um exército industrial. "A principal dificuldade [na fábrica automática] ... reside ... sobretudo no treinamento de seres humanos para renunciar a seus hábitos de trabalho desregrados, e para se identificar com a regularidade invariável do complexo autômato. Elaborar e administrar um código de disciplina de fábrica bem sucedido, adequado às necessidades de diligência da fábrica, foi o empreendimento hercúleo, a nobre conquista do Arkwright! Mesmo nos dias de hoje, quando o sistema está perfeitamente organizado e seu trabalho é reduzido ao máximo, é quase impossível converter pessoas que ultrapassaram a idade da puberdade em mãos úteis de fábrica". [107] O código de fábrica no qual o capital formula, como um legislador privado, e por sua própria vontade, sua autocracia sobre seu povo trabalhador, desacompanhado dessa divisão de responsabilidade, em outros assuntos tão aprovados pela burguesia, e desacompanhado do sistema representativo ainda mais aprovado, este código não é senão a caricatura capitalista daquela regulamentação social do processo de trabalho que se torna necessária na cooperação em grande escala, e no emprego em comum, de instrumentos de trabalho e especialmente de máquinas. O lugar do chicote do condutor-escravo é tomado pelo livro de penalidades do espectador. Todas as punições se resolvem naturalmente em multas e deduções de salários, e o talento legal da fábrica de Lycurgus organiza as coisas de tal forma, que uma violação de suas leis é, se possível, mais lucrativa para ele do que a manutenção das mesmas. [108] Aqui faremos apenas alusão às condições materiais sob as quais a mão-de-obra da fábrica é levada adiante. Cada órgão do sentido é ferido em grau igual pela elevação artificial da temperatura, pela atmosfera carregada de poeira, pelo barulho ensurdecedor, sem mencionar o perigo à vida e ao membro entre a maquinaria densamente lotada, que, com a regularidade das estações, emite sua lista de mortos e feridos na batalha industrial. [109] A economia dos meios sociais de produção, amadurecida e forçada como em uma estufa pelo sistema de fábrica, se transforma, nas mãos do capital, em roubo sistemático do que é necessário para a vida do operário enquanto ele trabalha, roubo do espaço, da luz, do ar e da proteção de sua pessoa contra os acompanhamentos perigosos e prejudiciais do processo produtivo, sem mencionar o roubo de aparelhos para o conforto do operário. [110] Fourier está errado quando ele chama as fábricas de "bagnos temperados"? [111]


 SEÇÃO 5: O CONFLITO ENTRE OPERÁRIO E MÁQUINA

A disputa entre o capitalista e o trabalhador assalariado remonta à própria origem do capital. A competição continuou durante todo o período de fabricação. [112] Mas somente desde a introdução da maquinaria o operário lutou contra o próprio instrumento do trabalho, a encarnação material do capital. Ele se revolta contra esta forma particular dos meios de produção, como sendo a base material do modo de produção capitalista.


No século XVII, quase toda a Europa sofreu revoltas dos trabalhadores contra o tear de fitas, uma máquina de tecer fitas e enfeites, chamada na Alemanha de Bandmühle, Schnurmühle, e Mühlenstuhl. Estas máquinas foram inventadas na Alemanha. Abbé Lancellotti, em uma obra que apareceu em Veneza em 1636, mas que foi escrita em 1579, diz o seguinte:


"Anthony Müller de Danzig viu, há cerca de 50 anos, naquela cidade, uma máquina muito engenhosa, que tece de 4 a 6 peças de uma só vez. Mas a apreensão do prefeito de que esta invenção pudesse jogar um grande número de trabalhadores nas ruas, fez com que o inventor fosse secretamente estrangulado ou afogado".


Em Leyden, esta máquina não foi usada até 1629; ali, os tumultos dos tecelões de fitas obrigaram a Câmara Municipal a proibi-la.


"In hac urbe", diz Boxhorn (Inst. Pol., 1663), referindo-se à introdução desta máquina em Leyden, "ante hos viginti circiter annos instrumentum quidam invenerunt textorium, quo solus plus panni et facilius conficere poterat, quan plures aequali tempore". Hinc turbae ortae et querulae textorum, tandemque usus hujus instrumenti a magistratu prohibitus est".

[Nesta cidade, há cerca de vinte anos, algumas pessoas inventaram um instrumento para tecelagem, com o qual uma única pessoa podia tecer mais tecido, e mais facilmente, do que muitas outras no mesmo período de tempo. Como resultado, surgiram distúrbios e reclamações dos tecelões, até que a Câmara Municipal finalmente proibiu o uso deste instrumento].

Depois de fazer vários decretos mais ou menos proibitivos contra este tear em 1632, 1639, &c., os Estados Gerais da Holanda autorizaram, sob certas condições, a sua utilização pelo decreto de 15 de dezembro de 1661. Também foi proibido em Colônia em 1676, ao mesmo tempo em que sua introdução na Inglaterra estava causando distúrbios entre os trabalhadores. Por um decreto imperial de 19 de fevereiro de 1685, seu uso foi proibido em toda a Alemanha. Em Hamburgo, foi queimado em público por ordem do Senado. O Imperador Carlos VI, em 9 de fevereiro de 1719, renovou o edital de 1685, e só em 1765 seu uso foi abertamente permitido no Electorate of Saxony. Esta máquina, que sacudiu a Europa para suas fundações, foi de fato a precursora da mula e do power-loom, e da revolução industrial do século XVIII. Ela permitiu que um menino totalmente inexperiente, colocasse todo o tear com todas as suas lançadeiras em movimento, simplesmente movendo uma haste para trás e para frente, e em sua forma melhorada produzida de 40 a 50 peças ao mesmo tempo.


Por volta de 1630, uma serraria, erguida perto de Londres por um holandês, sucumbiu aos excessos da população. Mesmo no início do século XVIII, serrarias movidas pela água superaram a oposição do povo, apoiada como foi pelo Parlamento, apenas com grande dificuldade. Assim que, em 1758, a Everet ergueu a primeira máquina de cortar lã movida a água, a mesma foi incendiada por 100.000 pessoas que haviam sido expulsas do trabalho. Cinqüenta mil trabalhadores, que antes tinham vivido da cardagem de lã, fizeram uma petição ao Parlamento contra os moinhos de rabiscar e os motores de cardagem da Arkwright. A enorme destruição de máquinas que ocorreu nos distritos industriais ingleses durante os primeiros 15 anos deste século, causada principalmente pelo emprego do power-loom, e conhecida como o movimento Luddite, deu aos governos anti-Jacobin de um Sidmouth, um Castlereagh, e similares, um pretexto para as medidas mais reacionárias e forçadas. Levou tempo e experiência antes que os trabalhadores aprendessem a distinguir entre a maquinaria e seu emprego pelo capital, e a dirigir seus ataques, não contra os instrumentos materiais de produção, mas contra o modo em que eles são usados. [113]


Os concursos sobre salários na manufatura, pré-fabricação, e não são, em nenhum sentido, dirigidos contra sua existência. A oposição contra o estabelecimento de novos fabricantes, provém das guildas e cidades privilegiadas, não dos trabalhadores. Assim, os escritores do período de fabricação tratam a divisão do trabalho principalmente como um meio de praticamente fornecer uma deficiência de trabalhadores, e não como um meio de realmente deslocar aqueles que estão no trabalho. Esta distinção é evidente por si mesma. Se for dito que 100 milhões de pessoas seriam necessárias na Inglaterra para girar com a velha roda giratória o algodão que agora é girado com mulas por 500.000 pessoas, isto não significa que as mulas tomaram o lugar daqueles milhões que nunca existiram. Significa apenas isto, que muitos milhões de trabalhadores seriam obrigados a substituir as máquinas de fiar. Se, por outro lado, dizemos que na Inglaterra o power-loom jogou 800.000 tecelões nas ruas, não nos referimos às máquinas existentes, que teriam que ser substituídas por um número definido de trabalhadores, mas a um número de tecelões existentes que foram realmente substituídos ou deslocados pelos teares. Durante o período de fabricação, o trabalho artesanal, embora alterado pela divisão do trabalho, ainda era a base. As exigências dos novos mercados coloniais não puderam ser satisfeitas devido ao número relativamente pequeno de operários das cidades, transmitidos da idade média, e os fabricantes propriamente ditos abriram novos campos de produção à população rural, expulsa da terra pela dissolução do sistema feudal. Naquela época, portanto, a divisão do trabalho e a cooperação nas oficinas, eram vistas mais pelo aspecto positivo, que eles tornavam os trabalhadores mais produtivos. [114] Muito antes do período da indústria moderna, a cooperação e a concentração dos instrumentos do trabalho nas mãos de poucos, deram origem, em numerosos países onde estes métodos eram aplicados na agricultura, a grandes, repentinas e forçadas revoluções nos modos de produção e, conseqüentemente, nas condições de existência e nos meios de emprego das populações rurais. Mas esta disputa a princípio ocorre mais entre os grandes e os pequenos proprietários de terras do que entre o capital e o trabalho assalariado; por outro lado, quando os trabalhadores são deslocados pelos instrumentos do trabalho, por ovelhas, cavalos, &c., neste caso, a força é recorrida diretamente, em primeira instância, como prelúdio à revolução industrial. Os operários são primeiro expulsos da terra, e depois vêm as ovelhas. A apropriação de terra em grande escala, como foi perpetrada na Inglaterra, é o primeiro passo para criar um campo para o estabelecimento da agricultura em grande escala. [115] Daí esta subversão da agricultura coloca, a princípio, mais o surgimento de uma revolução política.


O instrumento de trabalho, quando toma a forma de uma máquina, torna-se imediatamente um concorrente do próprio operário. [116] A auto-expansão do capital por meio de máquinas é a partir daí diretamente proporcional ao número de pessoas que trabalham, cujos meios de subsistência foram destruídos por essas máquinas. Todo o sistema de produção capitalista se baseia no fato de que o trabalhador vende sua força de trabalho como uma mercadoria. A divisão do trabalho especializa essa força de trabalho, reduzindo-a à habilidade de lidar com uma determinada ferramenta. Assim que o manuseio desta ferramenta se torna o trabalho de uma máquina, então, com o valor de uso, o valor de troca também, da força de trabalho do operário desaparece; o operário torna-se invencível, como o papel-moeda jogado fora da moeda por decreto legal. Essa parcela da classe trabalhadora, portanto, por máquinas tornadas supérfluas, ou seja, não mais imediatamente necessárias para a auto-expansão do capital, ou vai para o muro na disputa desigual do antigo artesanato e manufatura com máquinas, ou então inunda todos os ramos da indústria de mais fácil acesso, inundam o mercado de trabalho e afundam o preço da força de trabalho abaixo de seu valor. Como grande consolo, impressiona os trabalhadores, primeiro, que seus sofrimentos sejam apenas temporários ("uma inconveniência temporária"), segundo, que as máquinas adquiram o domínio sobre todo um determinado campo de produção, apenas gradualmente, de modo que a extensão e a intensidade de seu efeito destrutivo seja diminuída. A primeira consolação neutraliza a segunda. Quando a maquinaria se apodera gradualmente de uma indústria, ela produz miséria crônica entre os operadores que competem com ela. Quando a transição é rápida, o efeito é agudo e sentido por grandes massas. A história não revela nenhuma tragédia mais horrível do que a gradual extinção dos tecelões ingleses em teares manuais, uma extinção que se estendeu por várias décadas, e finalmente foi selada em 1838. Muitos deles morreram de fome, muitos com famílias vegetando por um longo tempo em 2½ d. por dia. [117] Por outro lado, as máquinas de algodão inglesas produziram um efeito agudo na Índia. O Governador Geral relatou 1834-35:


"A miséria dificilmente encontra um paralelo na história do comércio. Os ossos dos tecelões de algodão estão clareando as planícies da Índia".

Sem dúvida, ao transformá-los para fora deste mundo "temporal", a maquinaria não lhes causou mais do que "um inconveniente temporário". Quanto ao resto, como a maquinaria está continuamente se apoderando de novos campos de produção, seu efeito temporário é realmente permanente. Assim, o caráter de independência e estranhamento que o modo de produção capitalista como um todo dá aos instrumentos de trabalho e ao produto, como contra o trabalhador, é desenvolvido por meio de máquinas em um antagonismo profundo. [118] Portanto, é com o advento da maquinaria, que o operário se revolta pela primeira vez brutalmente contra os instrumentos do trabalho.


O instrumento do trabalho derruba o operário. Este antagonismo direto entre os dois surge mais fortemente, sempre que máquinas recém introduzidas competem com artesanato ou manufatura, transmitidas de tempos passados. Mas mesmo na indústria moderna, o aperfeiçoamento contínuo das máquinas e o desenvolvimento do sistema automático tem um efeito análogo.


"O objetivo da melhoria das máquinas é diminuir o trabalho manual, para proporcionar o desempenho de um processo ou a conclusão de um elo em uma fabricação com a ajuda de um ferro em vez do aparato humano". [119] "A adaptação da potência à maquinaria até então movida à mão, é quase de ocorrência diária ... as pequenas melhorias na maquinaria tendo por objeto economia de potência, a produção de melhor trabalho, o desligamento de mais trabalho ao mesmo tempo, ou no fornecimento do lugar de uma criança, de uma mulher ou de um homem, são constantes, e embora às vezes aparentemente sem grande momento, têm resultados de certa forma importantes". [120] "Sempre que um processo exige destreza e firmeza de mão peculiares, ele é retirado, o mais rápido possível, do trabalhador astuto, que é propenso a irregularidades de muitos tipos, e é colocado a cargo de um mecanismo peculiar, de tal forma auto-regulado que uma criança pode superintendê-lo". [121] "No plano automático, a mão-de-obra qualificada é progressivamente substituída". [122] "O efeito de melhorias nas máquinas, não apenas na superação da necessidade de emprego da mesma quantidade de mão-de-obra adulta que antes, a fim de produzir um determinado resultado, mas na substituição de uma descrição de mão-de-obra humana por outra, a menos hábil para a mais hábil, juvenil para a adulta, feminina para a masculina, causa uma nova perturbação na taxa de salários". [123] "O efeito da substituição da mula auto-atuante pela mula comum, é descarregar a maior parte dos homens fiadores, e reter adolescentes e crianças". [124]

O extraordinário poder de expansão do sistema de fábrica devido à experiência prática acumulada, aos meios mecânicos disponíveis e ao constante progresso técnico, foi-nos provado pelos passos gigantescos desse sistema sob a pressão de um dia de trabalho mais curto. Mas quem, em 1860, o ano Zenith da indústria inglesa do algodão, teria sonhado com as melhorias galopantes das máquinas e o correspondente deslocamento de trabalhadores, chamados a existir durante os 3 anos seguintes, sob o estímulo da Guerra Civil americana? Alguns exemplos dos Relatórios dos Inspetores de Fábricas serão suficientes sobre este ponto. Um fabricante de Manchester afirma:


"Antes tínhamos 75 motores de cardagem, agora temos 12, fazendo a mesma quantidade de trabalho.... Estamos fazendo com menos mãos em 14, com uma economia de salário de £10 por semana". Nossa economia estimada em resíduos é de cerca de 10% na quantidade de algodão consumida". "Em outra fábrica de fiação fina em Manchester, fui informado de que através do aumento da velocidade e da adoção de alguns processos de auto-atendimento, foi feita uma redução, em número, de um quarto em um departamento, e acima da metade em outro, e que a introdução da máquina de pentear no lugar da segunda cardagem, tinha reduzido consideravelmente, o número de mãos anteriormente empregadas na sala de cardagem".

Estima-se que uma outra fiação-moinho irá economizar 10% de mão-de-obra. Os senhores Gilmour, fiadores em Manchester, estado: "Em nosso departamento de sala de sopro consideramos que nossas despesas com novas máquinas são totalmente um terço a menos em salários e mãos ... na sala de fuselagem e de desenho, cerca de um terço a menos em despesas, e também um terço a menos em mãos; na sala de fiação, cerca de um terço a menos em despesas. Mas isto não é tudo; quando nosso fio vai para os fabricantes, é tão melhor pela aplicação de nossas novas máquinas, que eles produzirão uma quantidade maior de tecido, e mais barato do que a partir do fio produzido pelas máquinas antigas". [125] O Sr. Redgrave faz mais observações no mesmo Relatório:


"A redução das mãos contra o aumento da produção está, de fato, ocorrendo constantemente, nos moinhos de lã a redução começou há algum tempo e continua; alguns dias desde então, o mestre de uma escola no bairro de Rochdale me disse, que a grande queda na escola das meninas não é causada apenas pela angústia, mas pelas mudanças de máquinas nos moinhos de lã, em conseqüência das quais ocorreu uma redução de 70 máquinas de curta duração". [126]

A tabela a seguir mostra o resultado total das melhorias mecânicas na indústria inglesa do algodão devido à Guerra Civil Americana.

Número de fábricas185718611868
Inglaterra e Baleias2.0462.7152.405
Escócia152163131
Irlanda12913
Reino Unido2.2102.8872.549
Número de teares elétricos185718611868
Inglaterra e Baleias275.590368.125344.719
Escócia21.62430.11031.864
Irlanda1.6331.7572.746
Reino Unido298.847399.992379.329
Número de fusos185718611868
Inglaterra e Baleias25.818.57628.352.12530.478.228
Escócia2.041.1291.915.3981.397.546
Irlanda150.512119.944124.240
Reino Unido28.010.21730.387.46732.000.014
Número de pessoas empregadas185718611868
Inglaterra e Baleias341.170407.598357.052
Escócia34.69841.23739.809
Irlanda3.3452.7344.203
Reino Unido379.213452.569401.064

Assim, entre 1861 e 1868, 338 fábricas de algodão desapareceram, em outras palavras, máquinas mais produtivas em maior escala estavam concentradas nas mãos de um número menor de capitalistas. O número de teares de potência diminuiu em 20.663; mas como seu produto aumentou no mesmo período, um tear melhorado deve ter rendido mais do que um tear antigo. Finalmente, o número de fusos aumentou em 1.612.541, enquanto que o número de operadores diminuiu em 50.505. A miséria "temporária" infligida aos trabalhadores pela crise do algodão, foi agravada, e de ser temporária tornou-se permanente, pelo rápido e persistente progresso das máquinas.


Mas a maquinaria não age apenas como um concorrente que leva a melhor sobre o operário, e está constantemente a ponto de torná-lo supérfluo. É também um poder inimigo dele, e como tal, o capital o proclama dos telhados e, como tal, faz uso dele. É a arma mais poderosa para reprimir greves, aquelas revoltas periódicas da classe trabalhadora contra a autocracia do capital [127]. Segundo Gaskell, o motor a vapor foi do primeiro antagonista do poder humano, um antagonista que permitiu ao capitalista pisar sob os pés as crescentes reivindicações dos operários, que ameaçavam o sistema de fábrica recém-nascida com uma crise. [128] Seria possível escrever uma história e tanto das invenções, feitas desde 1830, com o único objetivo de fornecer ao capital armas contra as revoltas da classe trabalhadora. À frente destes em importância, está a mula auto-atuante, pois abriu uma nova época no sistema automático[129].


Nasmyth, o inventor do martelo pneumático, apresenta as seguintes evidências perante a Comissão do Sindicato dos Comerciantes, no que diz respeito às melhorias feitas por ele nas máquinas e introduzidas em conseqüência da ampla e longa greve dos engenheiros em 1851.


"A característica de nossas modernas melhorias mecânicas, é a introdução de maquinaria de ferramentas auto-atuantes. O que todo operário mecânico tem agora a fazer, e o que todo garoto pode fazer, não é trabalhar sozinho, mas sim superintender o belo trabalho da máquina. Toda a classe de operários que dependem exclusivamente de sua habilidade, está agora eliminada. Anteriormente, eu empregava quatro rapazes para cada mecânico. Graças a estas novas combinações mecânicas, reduzi o número de homens adultos de 1.500 para 750. O resultado foi um aumento considerável em meus lucros".


Ure diz de uma máquina usada na impressão de calico:


"Os capitalistas procuravam, longamente, a libertação desta escravidão intolerável" [isto é, aos seus olhos, os termos onerosos de seus contratos com os trabalhadores] "nos recursos da ciência, e foram rapidamente restabelecidos em sua regra legítima, a da cabeça sobre os membros inferiores".


Falando de uma invenção para o curativo de urdiduras:


"Então os descontentes combinados, que se imaginavam inexpugnavelmente entrincheirados atrás das antigas linhas de divisão de trabalho, encontraram seus flancos virados e suas defesas tornadas inúteis pelas novas táticas mecânicas, e foram obrigados a se renderem à discrição".


Com relação à invenção da mula auto-atuante, diz ele:


"Uma criação destinada a restaurar a ordem entre as classes trabalhadoras.... Esta invenção confirma a grande doutrina já proposta, segundo a qual quando o capital alista a ciência a seu serviço, a mão refratária do trabalho será sempre ensinada a docilidade"[130].


Embora o trabalho de Ure tenha surgido há 30 anos, numa época em que o sistema da fábrica era comparativamente pouco desenvolvido, ele ainda expressa perfeitamente o espírito da fábrica, não apenas por seu cinismo indisfarçado, mas também pela ingenuidade com que desfaz as estúpidas contradições do cérebro capitalista. Por exemplo, depois de ter proposto a "doutrina" acima mencionada, que o capital, com a ajuda da ciência levada em seu salário, sempre reduz a mão de obra refratária à docilidade, ele cresce indignado porque


"ela (ciência físico-mecânica) tem sido acusada de se emprestar aos ricos capitalistas como um instrumento para assediar os pobres".


Depois de pregar um longo sermão para mostrar quão vantajoso é para as classes trabalhadoras o rápido desenvolvimento das máquinas, ele as adverte que, por sua obstinação e suas greves, apressam esse desenvolvimento.


"Revulsões violentas desta natureza", diz ele, "exibem o homem míope no caráter desprezível de um auto-tormentor".


Algumas páginas antes ele afirma o contrário.


"Não fossem as colisões e interrupções violentas resultantes de visões errôneas entre os operadores da fábrica, o sistema da fábrica teria sido desenvolvido ainda mais rapidamente e vantajosamente para todos os envolvidos". Então ele exclama novamente: "Felizmente para o estado da sociedade nos distritos de algodão da Grã-Bretanha, as melhorias no maquinário são graduais". "Diz-se que" (melhoria nas máquinas) "diminui a taxa de ganhos dos adultos ao deslocar uma parte deles, tornando assim seu número superabundante em comparação com a demanda por sua mão-de-obra. Certamente aumenta a demanda pelo trabalho das crianças e aumenta a taxa de seus salários".

Por outro lado, este mesmo dispensador de consolo defende a baixeza do salário das crianças com o argumento de que impede os pais de enviar seus filhos muito cedo para a fábrica. Todo o seu livro é uma reivindicação de um dia de trabalho de duração irrestrita; que o Parlamento deve proibir que crianças de 13 anos se esgotem trabalhando 12 horas por dia, lembra sua alma liberal dos dias mais sombrios da Idade Média. Isto não o impede de chamar os operadores da fábrica para agradecer à Providência, que por meio de máquinas lhes deu o lazer de pensar em seus "interesses imortais". [131]


SEÇÃO 6: A TEORIA DA COMPENSAÇÃO NO QUE DIZ RESPEITO AOS TRABALHADORES DESLOCADOS POR MÁQUINAS

James Mill, MacCulloch, Torrens, Senior, John Stuart Mill, e toda uma série de economistas políticos burgueses, insistem que todas as máquinas que deslocam os trabalhadores, simultaneamente e necessariamente liberam uma quantidade de capital adequada para empregar os mesmos trabalhadores idênticos. [132]


Suponha que um capitalista empregue 100 trabalhadores, a £30 por ano cada um, em uma fábrica de tapetes. O capital variável anualmente estabelecido é, portanto, de £3.000. Suponha, também, que ele dispense 50 de seus trabalhadores e empregue os 50 restantes com maquinário que lhe custa £1.500. Para simplificar, não levamos em conta os edifícios, o carvão, &c. Suponha também que a matéria-prima consumida anualmente custa £3.000, tanto antes como depois da mudança. [133] Algum capital é liberado por esta metamorfose? Antes da mudança, a soma total de £6.000 consistia na metade de capital constante, e metade de capital variável. Após a mudança, ela consiste em £4.500 constantes ( £3.000 de matéria-prima e £1.500 de máquinas), e £1.500 de capital variável. O capital variável, ao invés de ser uma metade, é apenas um quarto do capital total. Em vez de ser liberado, uma parte do capital está aqui fechada de tal forma que deixa de ser trocada contra a força de trabalho: a variável foi transformada em capital constante. Outras coisas que permanecem inalteradas, o capital de £6.000, não pode, no futuro, empregar mais de 50 homens. Com cada melhoria no maquinário, empregará menos. Se a maquinaria recém introduzida tivesse custado menos do que a força de trabalho e os implementos deslocados por ela, se, por exemplo, em vez de custar £1.500, tivesse custado apenas £1.000, um capital variável de £1.000 teria sido convertido em capital constante, e bloqueado; e um capital de £500 teria sido liberado. Esta última soma, supondo que os salários não fossem alterados, formaria um fundo suficiente para empregar cerca de 16 dos 50 homens dispensados; não, menos de 16, pois, para ser empregada como capital, uma parte destas £500 deve agora se tornar capital constante, deixando assim apenas o restante a ser colocado em força de trabalho.


Mas, suponhamos, além disso, que a fabricação da nova maquinaria proporciona emprego a um maior número de mecânicos, isso pode ser chamado de compensação para os carpinteiros, jogados nas ruas? Na melhor das hipóteses, sua construção emprega menos homens do que seu emprego desloca. A soma de £1.500 que antes representava o salário dos fabricantes de carpetes descarregados, agora representa na forma de maquinaria: (1) o valor dos meios de produção utilizados na construção dessas máquinas, (2) o salário dos mecânicos empregados em sua construção, e (3) o valor excedente caindo para a parte de seu "mestre". Além disso, as máquinas não precisam ser renovadas até que estejam desgastadas. Assim, a fim de manter o número crescente de mecânicos em emprego constante, um fabricante de tapetes deve deslocar os operários por máquinas.


De fato, os apologistas não querem dizer que este tipo de situação seja liberada.


Eles têm em suas mentes os meios de subsistência dos trabalhadores liberados. Não se pode negar, no caso acima, que a maquinaria não só libera 50 homens, colocando-os à disposição de outros, mas, ao mesmo tempo, retira-se de seu consumo e liberta meios de subsistência no valor de £1.500. O simples fato, de forma alguma novo, de que as máquinas cortam os trabalhadores de seus meios de subsistência é, portanto, em linguagem econômica, equivalente a isso, que as máquinas liberam meios de subsistência para o trabalhador, ou convertem esses meios em capital para seu emprego. O modo de expressão, você vê, é tudo. Nominibus mollire licet mala.


Esta teoria implica que o valor de £1.500 de meios de subsistência era capital que estava sendo ampliado pelo trabalho dos 50 homens dispensados. Que, conseqüentemente, este capital cai fora do emprego tão logo iniciam suas férias forçadas, e nunca descansa até encontrar um novo investimento, onde pode ser novamente consumido produtivamente por estes mesmos 50 homens. Que, mais cedo ou mais tarde, portanto, o capital e os trabalhadores devem se reunir novamente, e que, então, a compensação esteja completa. Que os sofrimentos dos trabalhadores deslocados por máquinas são, portanto, tão transitórios quanto as riquezas deste mundo.


Em relação aos operários dispensados, o valor de £1.500 em meios de subsistência nunca foi capital. O que realmente os confrontou como capital, foi a soma de £1.500, depois disposta em maquinário. Olhando mais de perto, veremos que esta soma representava parte dos tapetes produzidos em um ano pelos 50 homens dispensados, que receberam como salário de seu empregador em dinheiro e não em espécie. Com os tapetes em forma de dinheiro, eles compraram meios de subsistência no valor de £1.500. Estes meios, portanto, não eram para eles capital, mas mercadorias, e eles, no que diz respeito a estas mercadorias, não eram trabalhadores assalariados, mas compradores. A circunstância de terem sido "liberados" pelas máquinas, dos meios de compra, os transformou de compradores em não-compradores. Daí uma menor demanda por essas mercadorias - voilà tout. Se esta diminuição não for compensada por um aumento de algum outro trimestre, o preço de mercado das commodities cai. Se este estado de coisas durar por algum tempo, e se estender, segue-se uma descarga de mão-de-obra empregada na produção destas commodities. Parte do capital que anteriormente era dedicado à produção dos meios de subsistência necessários, tem que ser reproduzido de outra forma. Enquanto os preços caem e o capital é deslocado, os trabalhadores empregados na produção dos meios de subsistência necessários são, por sua vez, "liberados" de uma parte de seus salários. Em vez de provar, portanto, que quando a maquinaria liberta o trabalhador de seus meios de subsistência, converte simultaneamente esses meios em capital para seu posterior emprego, nossos apologistas, com sua lei da oferta e da demanda, provam, ao contrário, que a maquinaria joga os trabalhadores nas ruas, não apenas naquele ramo de produção em que é introduzida, mas também naqueles ramos em que não é introduzida.


Os fatos reais, que são travestidos pelo otimismo dos economistas, são os seguintes: Os operários, quando expulsos da oficina pela maquinaria, são lançados no mercado de trabalho, e ali somam-se ao número de operários à disposição dos capitalistas. Na Parte VII deste livro será visto que este efeito das máquinas, que, como vimos, é representado como uma compensação para a classe trabalhadora, é, ao contrário, um flagelo muito assustador. Por enquanto, direi apenas isto: Os operários que são expulsos do trabalho em qualquer ramo da indústria, podem sem dúvida procurar emprego em algum outro ramo. Se eles o encontram, e assim renovam o vínculo entre eles e os meios de subsistência, isto se dá apenas por intermédio de um capital novo e adicional que está procurando investimento; não de modo algum por intermédio do capital que os empregava anteriormente e que depois foi convertido em maquinaria. E mesmo se eles encontrarem emprego, que má procura é a deles! Aleijados como estão pela divisão do trabalho, esses pobres demônios valem tão pouco fora de seu antigo ofício, que não conseguem encontrar admissão em nenhuma indústria, exceto em algumas de tipo inferior, que são supridas em excesso com mão-de-obra mal remunerada. [134] Além disso, cada ramo da indústria atrai a cada ano um novo fluxo de homens, que fornecem um contingente a partir do qual preencher as vagas, e para atrair um suprimento para expansão. Assim que as máquinas liberam uma parte dos trabalhadores empregados em um determinado ramo da indústria, os homens de reserva também são desviados para novos canais de emprego, e são absorvidos por outros ramos; enquanto que as vítimas originais, durante o período de transição, em sua maioria morrem de fome e perecem.


É um fato indubitável que a maquinaria, como tal, não é responsável por "libertar" o trabalhador dos meios de subsistência. Ela barateia e aumenta a produção naquele ramo que se apodera, e a princípio não faz nenhuma mudança na massa dos meios de subsistência produzidos em outros ramos. Assim, após sua introdução, a sociedade possui tanto, se não mais, das necessidades da vida do que antes, para os trabalhadores expulsos do trabalho; e isso além da enorme parcela da produção anual desperdiçada pelos não-trabalhadores. E este é o ponto em que nossos apologistas confiam! As contradições e antagonismos inseparáveis do emprego capitalista da maquinaria, não existem, dizem eles, pois não surgem da maquinaria, como tal, mas de seu emprego capitalista! Uma vez que, portanto, a maquinaria, considerada isoladamente, encurta as horas de trabalho, mas, quando a serviço do capital, as prolonga; uma vez que em si mesma alivia o trabalho, mas quando empregada pelo capital, aumenta a intensidade do trabalho; uma vez que em si mesma é uma vitória do homem sobre as forças da Natureza, mas nas mãos do capital, faz do homem o escravo dessas forças; já que em si aumenta a riqueza dos produtores, mas nas mãos do capital, faz deles pobres - por todas essas e outras razões, diz o economista burguês sem mais delongas, é claro como o meio-dia que todas essas contradições são uma mera aparência da realidade, e que, de fato, não têm nem uma existência real nem teórica. Assim, ele se salva de toda a confusão adicional do cérebro e, além disso, declara implicitamente que seu oponente é estúpido o suficiente para lutar contra, não contra o emprego capitalista da maquinaria, mas contra a própria maquinaria.

Sem dúvida, ele está longe de negar que o inconveniente temporário pode resultar do uso capitalista de máquinas. Mas onde está a medalha sem seu reverso! Qualquer emprego de maquinaria, exceto pelo capital, é para ele uma impossibilidade. A exploração do trabalhador pela máquina é, portanto, com ele, idêntica à exploração da máquina pelo trabalhador. Quem, portanto, expõe o estado real das coisas no emprego capitalista da máquina, é contra seu emprego de qualquer forma, e é inimigo do progresso social! [135] Exatamente o raciocínio do célebre Bill Sykes. "Cavalheiros do júri, sem dúvida a garganta deste viajante comercial foi cortada". Mas isso não é culpa minha, é culpa da faca". Devemos, para um inconveniente tão temporário, abolir o uso da faca? Apenas considere! onde estaria a agricultura e o comércio sem a faca? Não é tão salutar na cirurgia, como é saber em anatomia? E, além disso, uma ajuda voluntária no conselho festivo? Se você abolir a faca - você nos joga de volta às profundezas da barbárie". [136]


Embora a maquinaria expulse necessariamente os homens do trabalho naquelas indústrias em que é introduzida, ainda assim pode, apesar disso, provocar um aumento do emprego em outras indústrias. Este efeito, entretanto, não tem nada em comum com a chamada teoria da remuneração. Como cada artigo produzido por uma máquina é mais barato que um artigo semelhante produzido à mão, deduzimos a seguinte lei infalível: Se a quantidade total do artigo produzido por máquinas, for igual à quantidade total do artigo anteriormente produzido por um artesanato ou por fabricação, e agora produzido por máquinas, então a mão-de-obra total gasta é diminuída. A nova mão-de-obra gasta nos instrumentos de trabalho, nas máquinas, no carvão, etc., deve necessariamente ser menor que a mão-de-obra deslocada pelo uso da máquina; caso contrário, o produto da máquina seria tão caro, ou mais caro, que o produto do trabalho manual. Mas, de fato, a quantidade total do artigo produzido pela máquina com um número reduzido de trabalhadores, em vez de permanecer igual, excede em muito a quantidade total do artigo feito à mão que foi deslocado. Suponha que 400.000 jardas de tecido tenham sido produzidas em teares elétricos por menos tecelões do que os que poderiam tecer 100.000 jardas à mão. No produto quadruplicado há quatro vezes mais matéria prima. Portanto, a produção de matéria-prima deve ser quadruplicada. Mas no que diz respeito aos instrumentos de mão-de-obra, tais como edifícios, carvão, máquinas, etc., é diferente; o limite até o qual a mão-de-obra adicional necessária para sua produção pode aumentar, varia com a diferença entre a quantidade do artigo feito à máquina e a quantidade do mesmo artigo que o mesmo número de operários poderia fazer à mão.

Assim, como o uso de máquinas se estende em uma determinada indústria, o efeito imediato é aumentar a produção nas outras indústrias que fornecem os primeiros meios de produção. A extensão do emprego para um número maior de homens depende, dada a duração do dia de trabalho e a intensidade do trabalho, da composição do capital empregado, ou seja, da relação de sua constante com seu componente variável. Esta proporção, por sua vez, varia consideravelmente com o grau em que a maquinaria já se apoderou, ou está se apoderando, desses ofícios. O número de homens condenados a trabalhar em minas de carvão e metal aumentou enormemente devido ao progresso do sistema de fábrica inglês; mas durante as últimas décadas este aumento de número tem sido menos rápido, devido ao uso de novas máquinas na mineração. [137] Um novo tipo de operário ganha vida junto com a máquina, ou seja, seu fabricante. Já aprendemos que as máquinas possuem até mesmo deste ramo de produção em uma escala que cresce mais a cada dia. [138] Quanto à matéria prima, [139] não há a menor dúvida de que os rápidos avanços da fiação do algodão, não só impulsionaram com o luxo tropical o crescimento do algodão nos Estados Unidos, e com ele o comércio de escravos africanos, mas também fizeram da criação de escravos o principal negócio dos estados-escravos fronteiriços. Quando, em 1790, o primeiro censo de escravos foi realizado nos Estados Unidos, seu número era de 697.000; em 1861 tinha quase atingido quatro milhões. Por outro lado, não é menos certo que o surgimento das fábricas de lã inglesa, juntamente com a conversão gradual das terras aráveis em pasto para ovelhas, trouxe o superfluidade dos trabalhadores agrícolas que os levou a serem levados em massa para as cidades. A Irlanda, tendo durante os últimos vinte anos reduzido sua população em quase metade, está neste momento passando por um processo de redução ainda maior do número de seus habitantes, de modo a adequar-se exatamente às exigências de seus proprietários e dos fabricantes ingleses de lã.


Quando as máquinas são aplicadas em qualquer uma das etapas preliminares ou intermediárias pelas quais o sujeito de mão-de-obra tem que passar até a conclusão, há um aumento no rendimento do material nessas etapas e, simultaneamente, um aumento na demanda de mão-de-obra nos artesanatos ou manufaturas fornecidas pelos produtos das máquinas. A fiação por máquinas, por exemplo, forneceu fios tão baratos e tão abundantes que os tecelões em teares manuais foram, no início, capazes de trabalhar em tempo integral sem aumento de gastos. Seus ganhos aumentaram de acordo com isso. [140] Daí um fluxo de pessoas para o comércio de tecelagem de algodão, até que os 800.000 tecelões, chamados à existência pela Jenny, o tordo e a mula, foram esmagados pelo tear de teares. Assim também, devido à abundância de materiais de vestuário produzidos por máquinas, o número de alfaiates, costureiras e costureiras, continuou a aumentar até o aparecimento da máquina de costura.

Em proporção como maquinaria, com a ajuda de um número relativamente pequeno de trabalhadores, aumenta a massa de matérias-primas, produtos intermediários, instrumentos de trabalho, &c., a transformação dessas matérias-primas e produtos intermediários se divide em inúmeros ramos; a produção social aumenta em diversidade. O sistema de fábrica leva a divisão social do trabalho imensamente mais longe do que a fabricação, pois aumenta a produtividade das indústrias que aproveita, em um grau muito maior.


O resultado imediato da maquinaria é aumentar o valor excedente e a massa de produtos nos quais o valor excedente é incorporado. E, à medida que as substâncias consumidas pelos capitalistas e seus dependentes se tornam mais abundantes, também estas ordens da sociedade se tornam mais abundantes. Sua crescente riqueza, e o número relativamente diminuído de trabalhadores necessários para produzir as necessidades da vida geram, simultaneamente com o surgimento de novos e luxuosos desejos, os meios de satisfazer esses desejos. Uma parte maior da produção da sociedade é transformada em excedente de produção, e uma parte maior do excedente de produção é fornecida para consumo em uma multiplicidade de formas refinadas. Em outras palavras, a produção de luxos aumenta. [141] As formas refinadas e variadas dos produtos também se devem a novas relações com os mercados do mundo, relações que são criadas pela indústria moderna. Não somente maiores quantidades de artigos de luxo estrangeiros são trocadas por produtos domésticos, mas uma maior massa de matérias-primas, ingredientes e produtos intermediários estrangeiros são utilizados como meios de produção nas indústrias domésticas. Devido a estas relações com os mercados do mundo, a demanda de mão de obra aumenta nos transportes, que se dividem em numerosas variedades. [142]

O aumento dos meios de produção e subsistência, acompanhado por uma relativa diminuição do número de trabalhadores, provoca um aumento da demanda de mão-de-obra na confecção de canais, docas, túneis, pontes, etc., obras que só podem dar frutos no futuro distante. Também são formados novos ramos de produção, criando novos campos de trabalho, como resultado direto ou da maquinaria ou das mudanças industriais em geral provocadas por ela. Mas o lugar ocupado por estes ramos na produção geral está, mesmo nos países mais desenvolvidos, longe de ser importante. O número de trabalhadores que neles encontram emprego é diretamente proporcional à demanda, criada por essas indústrias, pela forma mais crua de trabalho manual. As principais indústrias deste tipo são, atualmente, as de gás, telégrafos, fotografia, navegação a vapor e ferrovias. De acordo com o censo de 1861 para Inglaterra e País de Gales, encontramos na indústria do gás (gas-works, produção de aparelhos mecânicos, servidores das companhias de gás, &c), 15.211 pessoas; na telegrafia, 2.399; na fotografia, 2.366; na navegação a vapor, 3.570; e nas ferrovias, 70.599, dos quais os "navvies" não qualificados, mais ou menos permanentemente empregados, e todo o pessoal administrativo e comercial, perfazem cerca de 28.000. O número total de pessoas, portanto, empregadas nestas cinco novas indústrias é de 94.145.


Por fim, a extraordinária produtividade da indústria moderna, acompanhada por uma exploração mais ampla e intensa da força de trabalho em todas as outras esferas de produção, permite o emprego improdutivo de uma parte cada vez maior da classe trabalhadora, e a conseqüente reprodução, em uma escala constantemente crescente, dos antigos escravos domésticos sob o nome de uma classe serviçal, incluindo homens-servos, mulheres-servos, lacaios, &c. Segundo o censo de 1861, a população da Inglaterra e do País de Gales era de 20.066.244; destes, 9.776.259 homens, e 10.289.965 mulheres. Se deduzirmos desta população todos os que são muito velhos ou muito jovens para trabalhar, todas as mulheres, jovens e crianças improdutivas, as classes "ideológicas", tais como funcionários do governo, padres, advogados, soldados, &c.; além disso, todos os que não têm outra ocupação que não seja consumir o trabalho de outros sob a forma de aluguel, juros, &c. e, por último, os pobres, vagabundos e criminosos, restam em números redondos oito milhões dos dois sexos de cada idade, incluindo nesse número todos os capitalistas que estão de alguma forma engajados na indústria, comércio ou finanças. Entre estes 8 milhões estão:

 PESSOAS
Trabalhadores agrícolas (incluindo pastores, empregados agrícolas e criadas que vivem nas casas dos fazendeiros)1.098.261
Todos os que estão empregados nas fábricas de algodão, lã, lã penteada, linho, cânhamo, seda e juta, na confecção de meias e rendas por máquinas[143] 642.607
Todos os que trabalham em minas de carvão e minas de metal565.835
Todos os que estão empregados em trabalhos de metal (altos-fornos, laminadores, etc.) e manufaturas de metal de todo tipo[144] 396.998
A classe serva[145] 1.208.648



Todas as pessoas empregadas em fábricas têxteis e em minas, consideradas em conjunto, número 1.208.442; as empregadas em fábricas têxteis e indústrias de metais, consideradas em conjunto, número 1.039.605; em ambos os casos, menos do que o número de escravos domésticos modernos. Que esplêndido resultado da exploração capitalista das máquinas!


SEÇÃO 7: REPULSÃO E ATRAÇÃO DE TRABALHADORES PELO SISTEMA DE FÁBRICA. CRISES NO COMÉRCIO DO ALGODÃO


Todos os economistas políticos de qualquer posição admitem que a introdução de novas máquinas tem um efeito banal sobre os operários do antigo artesanato e dos fabricantes com os quais essas máquinas competem no início. Quase todos eles lamentam a escravidão do operário da fábrica. E qual é o grande trunfo que eles jogam? Essa maquinaria, após os horrores do período de introdução e desenvolvimento terem diminuído, em vez de diminuir, a longo prazo aumenta o número de escravos do trabalho! Sim, a Economia Política se revela na teoria hedionda, hedionda para todo "filantropo" que acredita na eterna necessidade ordenada pela Natureza para a produção capitalista, que depois de um período de crescimento e transição, mesmo seu coroamento de sucesso, o sistema de fábrica baseado em maquinário, tritura mais trabalhadores do que em sua primeira introdução que joga nas ruas. [146]


É verdade que em alguns casos, como vimos em casos de fábricas inglesas de lã penteada e seda, uma extensão extraordinária do sistema de fábrica pode, em um determinado estágio de seu desenvolvimento, ser acompanhada não apenas por um relativo, mas por uma diminuição absoluta do número de operários empregados. No ano de 1860, quando um censo especial de todas as fábricas no Reino Unido foi feito por ordem do Parlamento, as fábricas naquelas partes de Lancashire, Cheshire e Yorkshire, incluídas no distrito do Sr. Baker, o inspetor de fábrica, contavam com 652; 570 delas continham 85.622 teares elétricos, 6.819.146 fusos (exclusivos dos fusos duplos), empregavam 27.439 cavalos (vapor), e 1.390 (água), e 94.119 pessoas. No ano de 1865, as mesmas fábricas continham, teares 95.163, fusos 7.025.031, tinham uma potência de vapor de 28.925 cavalos, e uma potência de água de 1.445 cavalos, e empregavam 88.913 pessoas. Entre 1860 e 1865, portanto, o aumento nos teares foi de 11%, nos fusos 3%, e na potência do motor 3%, enquanto o número de pessoas empregadas diminuiu 5½%. [147] Entre 1852 e 1862, houve uma considerável extensão da fabricação de lã inglesa, enquanto o número de mãos empregadas nela permaneceu quase estacionário,


"mostrando o quanto a introdução de novas máquinas havia suplantado o trabalho dos períodos anteriores". [148]

Em certos casos, o aumento do número de mãos empregadas é apenas aparente; ou seja, não se deve à extensão das fábricas já estabelecidas, mas à anexação gradual dos ofícios conectados; por exemplo, o aumento dos teares a vapor, e das mãos empregadas por eles entre 1838 e 1856, foi, no comércio do algodão, simplesmente devido à extensão deste ramo da indústria; mas nos outros ofícios à aplicação do vapor ao tear do tapete, ao tear da fita, e ao tear do linho, que antes era trabalhado pelo poder dos homens. [149] Portanto, o aumento das mãos nestes últimos ofícios foi apenas um sintoma de uma diminuição do número total empregado. Finalmente, consideramos esta questão inteiramente à parte do fato de que em toda parte, exceto nas indústrias metalúrgicas, jovens (menores de 18 anos), mulheres e crianças formam o elemento preponderante na classe das mãos de fábrica.


No entanto, apesar da massa de mãos realmente deslocadas e praticamente substituídas por máquinas, podemos entender como os operários das fábricas, através da construção de mais fábricas e da extensão das antigas em uma determinada indústria, podem se tornar mais numerosos que os operários e artesãos que foram deslocados. Suponha, por exemplo, que no antigo modo de produção, um capital de £500 é empregado semanalmente, sendo dois quintos constantes e três quintos variáveis, ou seja, £200 sendo dispostos em meios de produção, e £300, digamos £1 por homem, em força de trabalho. Na introdução das máquinas, a composição deste capital é alterada. Vamos supor que consista em quatro quintos de constante e um quinto de variável, o que significa que apenas £100 são agora dispostos em força de trabalho. Conseqüentemente, dois terços dos operários são dispensados. Se agora o negócio se estender, e o capital total empregado crescer para £1.500 sob condições inalteradas, o número de operários empregados aumentará para 300, tanto quanto antes da introdução da maquinaria. Se o capital crescer ainda mais para £2.000, 400 homens serão empregados, ou um terço a mais do que sob o antigo sistema. Seus números, de fato, aumentaram em 100, mas relativamente, ou seja, em proporção ao capital total adiantado, diminuíram em 800, pois o capital de £2.000 teria, no antigo estado das coisas, empregado 1.200 ao invés de 400 homens. Portanto, uma diminuição relativa no número de mãos é consistente com um aumento real. Assumimos acima que enquanto o capital total aumenta, sua composição permanece a mesma, pois as condições de produção permanecem constantes. Mas já vimos que, a cada avanço no uso de máquinas, o componente constante do capital, aquela parte que consiste em máquinas, matéria-prima, &c., aumenta, enquanto que o componente variável, a parte disposta em força de trabalho, diminui. Sabemos também que em nenhum outro sistema de produção a melhoria é tão contínua, e a composição do capital empregado muda tão constantemente como no sistema da fábrica. Estas mudanças são, no entanto, continuamente interrompidas por períodos de descanso, durante os quais há uma mera extensão quantitativa das fábricas sobre a base técnica existente. Durante tais períodos, os operários aumentam em número.  Certamente, este crescimento parece menos importante quando consideramos que em 1838 os tecelões em teares manuais com suas famílias ainda contavam com 800.000, [150] para não mencionar aqueles expulsos do trabalho na Ásia, e no continente europeu.

Nas poucas observações que ainda tenho a fazer sobre este ponto, vou me referir a algumas relações realmente existentes, cuja existência nossa investigação teórica ainda não revelou.


Desde que, em um determinado ramo da indústria, o sistema de fábrica se estenda às custas do antigo artesanato ou de fabricação, o resultado é tão certo quanto o resultado de um encontro entre um exército equipado com carregadores de cerveja e um armado com arcos e flechas. Este primeiro período, durante o qual a maquinaria conquista seu campo de ação, é de importância decisiva devido aos lucros extraordinários que ela ajuda a produzir. Estes lucros não só formam uma fonte de acumulação acelerada, mas também atraem para a esfera favorecida de produção uma grande parte do capital social adicional que está sendo constantemente criado, e está sempre em busca de novos investimentos. As vantagens especiais deste primeiro período de atividade rápida e furiosa são sentidas em todos os ramos de produção que as máquinas invadem. Tão logo, porém, como o sistema de fábrica ganhou uma certa amplitude e um grau de maturidade definido, e, especialmente, tão logo sua base técnica, a maquinaria, é ela mesma produzida por máquinas; tão logo a mineração de carvão e de ferro, as indústrias metalúrgicas e os meios de transporte foram revolucionados; tão logo, em resumo, como as condições gerais necessárias para a produção pelo sistema industrial moderno foram estabelecidas, este modo de produção adquire uma elasticidade, uma capacidade de extensão súbita por saltos e limites que não encontra obstáculos, exceto no fornecimento de matéria-prima e no descarte do produto. Por um lado, o efeito imediato das máquinas é aumentar o fornecimento de matéria prima da mesma forma, por exemplo, como o descaroçamento do algodão aumentou a produção de algodão. [151] Por outro lado, a barateza dos artigos produzidos pelas máquinas e a melhoria dos meios de transporte e comunicação fornecem as armas para a conquista de mercados estrangeiros. Ao arruinar a produção artesanal em outros países, a maquinaria os converte à força em campos para o fornecimento de sua matéria-prima. Desta forma, a Índia Oriental foi obrigada a produzir algodão, lã, cânhamo, juta e anil para a Grã-Bretanha. [152] Ao fazer constantemente uma parte das mãos "supranumerárias", a indústria moderna, em todos os países onde criou raízes, dá um impulso à emigração e à colonização de terras estrangeiras, que são assim convertidas em assentamentos para o cultivo da matéria-prima da pátria; assim como a Austrália, por exemplo, foi convertida em uma colônia para o cultivo da lã. [153] Surge uma nova divisão internacional do trabalho, uma divisão adequada às exigências dos principais centros da indústria moderna, e converte uma parte do globo em um campo de produção principalmente agrícola, para abastecer a outra parte, que continua sendo um campo principalmente industrial. Esta revolução está ligada a mudanças radicais na agricultura, que não precisamos mais investigar aqui. [154]


Por moção do Sr. Gladstone, a Câmara dos Comuns ordenou, em 17 de fevereiro de 1867, a devolução das quantidades totais de grãos, milho e farinha, de todos os tipos, importados e exportados do Reino Unido, entre os anos de 1831 e 1866. A seguir, um resumo do resultado. A farinha é dada em moedas de milho. (Veja a tabela na p. 426.)


PERÍODOS QUINQUENIAIS E O ANO 1866
MÉDIA ANUAL1831-18351836-18401841-18451846-18501851-18551856-18601861-1865  1866
Importar1.096.3732.389.7292.843.8658.776.5528.345.23710.913.61215.009.87116.457.340
Exportar225.263251.770139.056155.461307.491341.150302.754216.218
Excesso de importação
sobre exportação
871.1102.137.9592.704.8098.621.0918.037.74610.572.46214.707.11716.241.122
POPULAÇÃO
Média anual
em cada período
24.621.10725.929.50727.262.56927.797.59827.572.92328.391.54429.381.46029.935.404
Quantidade média de
milho etc. em qrs.,
consumido anualmente
per capita
além da produção doméstica
consumida
0,0360,0820,0990,3100,2910,372

O enorme poder, inerente ao sistema de fábrica, de expansão por saltos, e a dependência desse sistema dos mercados do mundo, gera necessariamente uma produção febril, seguida de um enchimento excessivo dos mercados, o que resulta em uma contração dos mercados que prejudica a produção. A vida da indústria moderna se torna uma série de períodos de atividade moderada, prosperidade, superprodução, crise e estagnação. A incerteza e a instabilidade a que a maquinaria sujeita o emprego e, conseqüentemente, as condições de existência dos operadores se tornam normais, devido a estas mudanças periódicas do ciclo industrial. Exceto nos períodos de prosperidade, há fúria entre os capitalistas o combate mais furioso pela participação de cada um nos mercados. Esta participação é diretamente proporcional à barateza do produto. Além da rivalidade que esta luta gera na aplicação de máquinas melhoradas para substituir a mão de obra e de novos métodos de produção, chega também um momento em cada ciclo industrial, em que se tenta uma redução forçada dos salários abaixo do valor da mão de obra, com o objetivo de baratear as mercadorias. [156]


Uma condição necessária, portanto, para o crescimento do número de mãos de fábrica, é um crescimento proporcionalmente muito mais rápido da quantidade de capital investido nas fábricas. Este crescimento, entretanto, é condicionado pelo refluxo e fluxo do ciclo industrial. Além disso, é constantemente interrompido pelo progresso técnico que, em um momento, praticamente abastece o lugar de novos operários, em outro, realmente desloca os antigos. Esta mudança qualitativa na indústria mecânica descarrega continuamente as mãos da fábrica, ou fecha suas portas contra o novo fluxo de recrutas, enquanto a extensão puramente quantitativa das fábricas absorve não apenas os homens expulsos do trabalho, mas também os novos contingentes. As pessoas que trabalham são, assim, continuamente repelidas e atraídas, atiradas de um pilar para outro, enquanto, ao mesmo tempo, ocorrem constantes mudanças no sexo, idade e habilidade dos impostos.


O lote dos operários da fábrica será melhor retratado fazendo uma rápida pesquisa sobre o curso da indústria inglesa de algodão.

De 1770 a 1815, este comércio foi deprimido ou estagnado por apenas 5 anos. Durante este período de 45 anos, os fabricantes ingleses tiveram o monopólio das máquinas e dos mercados do mundo. De 1815 a 1821 a depressão; 1822 e 1823 a prosperidade; 1824 a abolição das leis contra os sindicatos, grande extensão das fábricas em todos os lugares; 1825 a crise; 1826 a grande miséria e tumultos entre os operários das fábricas; 1827 uma ligeira melhoria; 1828 um grande aumento dos laços de poder e das exportações; 1829 exportações, especialmente para a Índia, superam todos os anos anteriores; 1830 mercados saturados, grande aflição; 1831 a 1833 depressão contínua, o monopólio do comércio com a Índia e a China retirado da East India Company; 1834 grande aumento de fábricas e máquinas, falta de mãos. A nova lei pobre favorece a migração de trabalhadores agrícolas para os distritos fabris. Os distritos do país varreram as crianças. Comércio de escravos brancos; 1835 grande prosperidade, fome contemporânea dos tecelões em teares manuais; 1836 grande prosperidade; 1837 e 1838 depressão e crise; 1839 renascimento; 1840 grande depressão, tumultos, chamada dos militares; 1841 e 1842 sofrimento assustador entre os operários das fábricas; 1842 os fabricantes trancam as mãos para fora das fábricas a fim de impor a revogação das Leis do Milho. Os operários entram em milhares nas cidades de Lancashire e Yorkshire, são levados de volta pelos militares e seus líderes são levados a julgamento em Lancaster; 1843 grande miséria; 1844 renascimento; 1845 grande prosperidade; 1846 melhoria contínua no início, depois reação. Revogação das Leis do Milho; 1847 crise, redução geral dos salários em 10 e mais por cento. em homenagem ao "grande pão"; 1848 depressão contínua; Manchester sob proteção militar; 1849 renascimento; 1850 prosperidade; 1851 queda dos preços, baixos salários, greves freqüentes; 1852 melhora começa, greves continuam, os fabricantes ameaçam importar mãos estrangeiras; 1853 aumento das exportações. Greve por 8 meses e grande miséria em Preston; 1854 prosperidade, mercados saturados; 1855 notícias de fracassos chegam dos Estados Unidos, Canadá e dos mercados do Leste; 1856 grande prosperidade; 1857 crise; 1858 melhoria; 1859 grande prosperidade, aumento das fábricas; 1860 Zenith do comércio inglês de algodão, os mercados indiano, australiano e outros mercados tão saturados de mercadorias que mesmo em 1863 não tinham absorvido o lote inteiro; o Tratado de Comércio francês, enorme crescimento de fábricas e máquinas; 1861 a prosperidade continua por um tempo, reação, a Guerra Civil Americana, fome do algodão: 1862 a 1863 colapso completo.

A história da fome do algodão é muito característica para dispensar um momento de morar nela. Pelas indicações quanto ao estado dos mercados do mundo em 1860 e 1861, vemos que a fome do algodão chegou na hora certa para os fabricantes, e foi até certo ponto vantajosa para eles, fato que foi reconhecido nos relatórios da Câmara de Comércio de Manchester, proclamada no Parlamento por Palmerston e Derby, e confirmada pelos acontecimentos. [157] Sem dúvida, entre as 2.887 fábricas de algodão do Reino Unido em 1861, havia muitas de pequeno porte. De acordo com o relatório do Sr. A. Redgrave, dos 2.109 moinhos incluídos em seu distrito, 392, ou 19% empregavam menos de dez cavalos de potência cada; 345, ou 16% empregavam 10 H. P., e menos de 20 H. P.; enquanto 1.372 empregavam mais de 20 H. P. [158] A maioria dos pequenos moinhos eram galpões de tecelagem, construídos durante o período de prosperidade após 1858, em sua maioria por especuladores, dos quais um fornecia o fio, outro a maquinaria, um terço os prédios, e eram trabalhados por homens que tinham sido negligenciados, ou por outras pessoas de poucos recursos. Estes pequenos fabricantes foram, em sua maioria, para a parede. O mesmo destino os teria ultrapassado na crise comercial que só foi impedida pela fome do algodão. Apesar de terem formado um terço do número total de fabricantes, suas fábricas absorveram uma parte muito menor do capital investido no comércio do algodão. Quanto à extensão da paralisação, parece a partir de estimativas autênticas, que em outubro de 1862, 60,3% dos fusos, e 58% dos teares estavam de pé. Isto se refere ao comércio de algodão como um todo, e, naturalmente, requer modificações consideráveis para distritos individuais. Apenas muito poucas fábricas trabalhavam em tempo integral (60 horas por semana), o restante trabalhava em intervalos. Mesmo naqueles poucos casos em que o tempo integral era trabalhado, e ao ritmo habitual de salário por peça, os salários semanais dos operários necessariamente encolhiam, devido ao algodão bom ser substituído por mau, Sea Island por egípcio (em fábricas de fiação fina), americano e egípcio por Surat, e algodão puro por misturas de desperdícios e Surat. A fibra mais curta do algodão Surat e seu estado sujo, a maior fragilidade do fio, a substituição de todo tipo de ingredientes pesados por farinha no dimensionamento das urdiduras, tudo isso diminuiu a velocidade das máquinas, ou o número de teares que poderiam ser superintendidos por um tecelão, aumentou a mão-de-obra causada por defeitos nas máquinas, e reduziu a massa da peça, reduzindo a massa do produto desligada. Onde o algodão Surat era usado, a perda para os operadores quando em tempo integral, era de 20, 30, e mais por cento. Mas além disso, a maioria dos fabricantes reduziu a taxa de salário por peça em 5, 7½ e 10 por cento. Podemos, portanto, conceber a situação daquelas mãos que foram empregadas por apenas 3, 3½ ou 4 dias por semana, ou por apenas 6 horas por dia. Mesmo em 1863, após uma melhoria comparativa, os salários semanais dos fiadores e dos tecelões eram de 3s. 4d., 3s. 10d., 4s. 6d. e 5s. 1d. [159] Mesmo neste estado miserável das coisas, porém, o espírito inventivo do mestre nunca parou, mas foi exercitado ao fazer deduções nos salários. Estas foram, em certa medida, infligidas como uma penalidade por defeitos no artigo acabado que eram realmente devidos a seu algodão ruim e a sua maquinaria inadequada. Além disso, onde o fabricante era proprietário das cabanas dos trabalhadores, ele pagava a si mesmo seus aluguéis deduzindo o valor desses salários miseráveis. O Sr. Redgrave nos fala de mentes auto-atuantes (operários que administram um par de mulas auto-atuantes)

"ganhando ao final de uma quinzena de trabalho completo de 8s. 11d., e que desta soma foi deduzido o aluguel da casa, o fabricante, no entanto, devolvendo metade do aluguel como presente. As mentes tiraram a soma de 6s. 11d. Em muitos lugares as mentes auto-atuantes variavam de 5s. a 9s. por semana, e as tecelãs de 2s. a 6s. por semana, durante a última parte de 1862". [160]


Mesmo quando o tempo de trabalho era curto, o aluguel era freqüentemente deduzido do salário dos operários. [161] Não é de admirar que em algumas partes do Lancashire tenha surgido uma espécie de febre de fome. Mas mais característica do que tudo isso, foi a revolução que ocorreu no processo de produção às custas do pessoal de trabalho. Experimentos em corpore vili, como os dos anatomistas em sapos, foram feitos formalmente.


"Embora", diz o Sr. Redgrave, "eu tenha dado os ganhos reais dos operários nas diversas fábricas, não se segue que eles ganhem a mesma quantia semana após semana". Os operários estão sujeitos a grandes flutuações devido à constante experimentação dos fabricantes... os ganhos dos operários sobem e descem com a qualidade das misturas de algodão; às vezes eles estão dentro de 15 por cento dos ganhos anteriores, e depois, em uma ou duas semanas, caíram de 50 para 60 por cento". [162]


Essas experiências não foram feitas somente às custas dos meios de subsistência do operário. Seus cinco sentidos também tiveram que pagar a penalidade.


"As pessoas que são empregadas na composição do algodão Surat reclamam muito. Eles me informam que ao abrir os fardos de algodão há um cheiro intolerável, que causa doença.... Nas salas de mistura, rabiscos e cardápios, o pó e a sujeira que são desengatados, irritam as passagens de ar e dão origem a tosse e dificuldade de respirar. Uma doença da pele, sem dúvida devido à irritação da sujeira contida no algodão Surat, também prevalece.... Sendo a fibra tão curta, uma grande quantidade de tamanho, tanto animal quanto vegetal, é utilizada.... A bronquite é mais prevalente devido à poeira. A dor de garganta inflamatória é comum, pela mesma causa. Doenças e dispepsia são produzidas pela freqüente quebra da trama, quando o tecelão suga a trama através do olho do vaivém". Por outro lado, os substitutos da farinha foram uma bolsa de Fortunatus para os fabricantes, ao aumentar o peso do fio. Eles fizeram com que "15 lbs. de matéria-prima pesassem 26 lbs. depois de tecida". [163]


No Relatório de Inspetores de Fábricas de 30 de abril de 1864, lemos o seguinte:


"O comércio está utilizando este recurso atualmente em um grau que é até mesmo desacreditável". Ouvi, com boa autoridade, falar de um pano de 8 lbs. que era feito de 5 1/4 lbs. de algodão e 2 3/4 lbs. de tamanho; e de outro pano de 5 1/4 lbs. dos quais 2 lbs. era de tamanho. Estas eram camisas de exportação comuns. Em panos de outras descrições, às vezes se adiciona até 50% de tamanho; para que um fabricante possa, e se vanglorie verdadeiramente, de que está enriquecendo vendendo tecidos por menos dinheiro por libra do que pagou pelo mero fio do qual são compostos". [164]


Mas os trabalhadores tiveram que sofrer, não apenas com as experiências dos fabricantes dentro das fábricas, e dos municípios fora, não apenas com os salários reduzidos e a ausência de trabalho, com a falta e a caridade, e com os discursos elogiosos dos senhores e comunas.


"Mulheres infelizes que, em conseqüência da fome do algodão, foram expulsas do mercado de trabalho, tornando-se assim marginalizadas da sociedade; e agora, embora o comércio tenha ressuscitado, e o trabalho seja abundante, continuam membros dessa classe infeliz, e é provável que continuem assim. Há também no bairro mais prostitutas jovens do que eu conheço nos últimos 25 anos". [165]


Encontramos então, nos primeiros 45 anos do comércio inglês de algodão, de 1770 a 1815, apenas 5 anos de crise e estagnação; mas este foi o período de monopólio. O segundo período, de 1815 a 1863, conta, durante seus 48 anos, apenas 20 anos de renascimento e prosperidade contra 28 de depressão e estagnação. Entre 1815 e 1830 a competição com o continente europeu e com os Estados Unidos se instala. Depois de 1833, a extensão dos mercados asiáticos é imposta pela "destruição da raça humana" (a extinção por atacado dos tecelões indianos em teares manuais). Após a revogação das Leis do Milho, de 1846 a 1863, há 8 anos de atividade moderada e prosperidade contra 9 anos de depressão e estagnação. A condição dos operadores adultos do sexo masculino, mesmo durante os anos de prosperidade, pode ser julgada a partir da nota subjunta. [166]


SEÇÃO 8: REVOLUÇÃO EFETUADA NA FABRICAÇÃO, ARTESANATO E INDÚSTRIA DOMÉSTICA PELA INDÚSTRIA MODERNA


A. Derrube da cooperação baseada no artesanato e na divisão do trabalho


Vimos como o maquinário se desfaz da cooperação baseada no artesanato e da fabricação baseada na divisão do trabalho artesanal. Um exemplo do primeiro tipo é a máquina de corte; ela substitui a cooperação entre cortadores de relva. Um exemplo marcante do segundo tipo, é a máquina de fazer agulhas. Segundo Adam Smith, 10 homens, em sua época, faziam em cooperação, mais de 48.000 agulhas por dia. Por outro lado, uma única agulha-máquina faz 145.000 em um dia de trabalho de 11 horas. Uma mulher ou uma menina superintende quatro dessas máquinas, e assim produz quase 600.000 agulhas em um dia, e mais de 3.000.000 em uma semana. [167] Uma única máquina, quando toma o lugar da cooperação ou da fabricação, pode ela mesma servir como base de uma indústria de caráter artesanal. Ainda assim, tal retorno ao artesanato é apenas uma transição para o sistema de fábrica, que, via de regra, faz sua aparição tão logo os músculos humanos são substituídos, com a finalidade de conduzir as máquinas, por uma força motriz mecânica, como o vapor ou a água. Aqui e ali, mas em qualquer caso apenas por um tempo, uma indústria pode ser levada a cabo, em pequena escala, por meio de uma força mecânica. Isto é feito através da contratação de força de vapor, como é feito em alguns ofícios de Birmingham, ou pelo uso de pequenos motores calóricos, como em alguns ramos da tecelagem. [168] Na indústria de tecelagem de seda de Coventry, a experiência das "fábricas artesanais" foi experimentada. No centro de uma praça rodeada por fileiras de cabanas, foi construída uma casa de máquinas e o motor foi conectado por eixos com os teares das cabanas. Em todos os casos, a potência foi contratada em tanto por tear. O aluguel era pago semanalmente, quer os teares funcionassem ou não. Cada cabana tinha de 2 a 6 teares; alguns pertenciam ao tecelão, outros foram comprados a crédito, outros foram contratados. A luta entre estas casas de campo e a fábrica propriamente dita durou mais de 12 anos. Terminou com a ruína completa das 300 fábricas de casas de campo. [169] Onde quer que a natureza do processo não envolvesse produção em larga escala, as novas indústrias que surgiram nas últimas décadas, tais como a fabricação de envelopes, a fabricação de galões de aço, &c., passaram, como regra geral, primeiro pela fase de artesanato, e depois pela fase de fabricação, como fases curtas de transição para a fase de fábrica. A transição é muito difícil nos casos em que a produção do artigo por fabricação consiste, não de uma série de processos graduados, mas de um grande número de processos desconectados. Esta circunstância constituiu um grande entrave para o estabelecimento de fábricas de pino de aço. No entanto, há cerca de 15 anos, foi inventada uma máquina que realizava automaticamente 6 operações separadas de uma só vez. As primeiras penas de aço eram fornecidas pelo sistema artesanal, no ano de 1820, a £7 4s. o bruto; em 1830 elas eram fornecidas por fabricação a 8s., e hoje o sistema de fábrica as fornece ao comércio a partir de 2 a 6d. o bruto. [170]


B. Reação do Sistema de Fábrica nas Indústrias de Fabricação e Domésticas


Junto com o desenvolvimento do sistema de fábrica e da revolução na agricultura que o acompanha, a produção em todos os outros ramos da indústria não apenas se estende, mas altera seu caráter. O princípio, realizado no sistema de fábrica, de analisar o processo de produção em suas fases constituintes, e de resolver os problemas assim propostos pela aplicação da mecânica, da química e de toda a gama das ciências naturais, torna-se o princípio determinante em toda parte. Assim, a maquinaria se aperta primeiro nas indústrias de manufatura para um processo de detalhe, depois para outro. Assim, o cristal sólido de sua organização, baseado na antiga divisão do trabalho, se dissolve e dá lugar a mudanças constantes. Independentemente disso, ocorre uma mudança radical na composição do trabalhador coletivo, uma mudança das pessoas que trabalham em conjunto. Em contraste com o período de fabricação, a divisão do trabalho é a partir daí baseada, sempre que possível, no emprego de mulheres, de crianças de todas as idades, e de trabalhadores não qualificados, em uma palavra, em mão-de-obra barata, como é caracteristicamente chamada na Inglaterra. Este é o caso não apenas de toda a produção em larga escala, empregando ou não máquinas, mas também da chamada indústria doméstica, seja ela realizada nas casas das pessoas que trabalham ou em pequenas oficinas. Esta moderna chamada indústria doméstica não tem nada, exceto o nome, em comum com a indústria doméstica antiquada, cuja existência pressupõe o artesanato urbano independente, a agricultura camponesa independente e, sobretudo, uma casa de morada para o operário e sua família. Essa indústria antiquada foi agora convertida em um departamento externo da fábrica, da manufatura ou do armazém. Além dos operários da fábrica, dos operários da manufatura e do artesão, que ela concentra em grandes massas em um só lugar, e comanda diretamente, o capital também põe em movimento, por meio de fios invisíveis, outro exército; o dos trabalhadores das indústrias domésticas, que habitam nas grandes cidades e também estão espalhados sobre a face do país. Um exemplo: A fábrica de camisas do Sr. Tillie em Londonderry, que emprega 1.000 operários na própria fábrica, e 9.000 pessoas espalhadas por todo o país e trabalhando em suas próprias casas. [171]


A exploração de mão-de-obra barata e imatura é realizada de forma mais descarada na Manufatura moderna do que na fábrica propriamente dita. Isto porque a base técnica do sistema de fábrica, a saber, a substituição de máquinas por energia muscular, e o caráter leve da mão-de-obra, está quase totalmente ausente na manufatura e, ao mesmo tempo, as mulheres e as crianças super jovens estão sujeitas, de forma inconsciente, à influência de substâncias venenosas ou prejudiciais. Esta exploração é mais descarada na chamada indústria doméstica do que nos fabricantes, e isso porque o poder de resistência dos trabalhadores diminui com sua disseminação; porque toda uma série de parasitas saqueadores se insinuam entre o empregador e o trabalhador; porque uma indústria doméstica sempre tem que competir ou com o sistema de fábrica, ou com a fabricação no mesmo ramo de produção; porque a pobreza rouba ao trabalhador as condições mais essenciais para seu trabalho, de espaço, luz e ventilação; porque o emprego se torna cada vez mais irregular; e, finalmente, porque nestes últimos recursos das massas tornadas "redundantes" pela indústria e agricultura modernas, a competição pelo trabalho atinge seu máximo. A economia nos meios de produção, primeiro realizada sistematicamente no sistema fabril, e aí, desde o início, coincide com o mais imprudente desperdício de mão-de-obra e roubo das condições normalmente necessárias para o trabalho - esta economia mostra agora seu lado antagônico e assassino cada vez mais em um determinado ramo da indústria, quanto menos o poder produtivo social da mão-de-obra e a base técnica para uma combinação de processos são desenvolvidos nesse ramo.


C. Manufatura Moderna


Prossigo agora, por meio de alguns exemplos, para ilustrar os princípios apresentados acima. Na verdade, o leitor já está familiarizado com os numerosos exemplos dados no capítulo sobre a jornada de trabalho. Nas fábricas de ferragens de Birmingham e arredores, encontram-se empregadas, principalmente em trabalhos muito pesados, 30.000 crianças e jovens, além de 10.000 mulheres. Lá, eles podem ser vistos nas insalubres fundições de latão, fábricas de botões, esmaltação, galvanização e trabalhos de lapidação. [172] Devido ao trabalho excessivo de seus trabalhadores, adultos e não adultos, certas casas de Londres onde jornais e livros são impressos, receberam o nome de mau agouro de "matadouros". [173] Excessos semelhantes são praticados na encadernação de livros, onde as vítimas são principalmente mulheres, meninas e crianças; os jovens têm que fazer trabalhos pesados ​​em passeios de corda e trabalho noturno em minas de sal, fábricas de velas e fábricas de produtos químicos; os jovens trabalham até a morte no acabamento de teares em tecelagem de seda, quando não é feito por máquinas. [174] Um dos tipos de trabalho mais vergonhosos, sujos e mal pagos, e no qual mulheres e meninas são preferencialmente empregadas, é a separação de trapos. É bem sabido que a Grã-Bretanha, além de seu imenso estoque de trapos, é o empório para o comércio de trapos de todo o mundo. Eles vêm do Japão, dos Estados mais remotos da América do Sul e das Ilhas Canárias. Mas as principais fontes de abastecimento são Alemanha, França, Rússia, Itália, Egito, Turquia, Bélgica e Holanda. Eles são usados ​​para fazer estrume, para fazer rebanho, para má qualidade, e servem como matéria-prima para o papel. Os separadores de trapos são o meio para a propagação de varíola e outras doenças infecciosas, e eles próprios são as primeiras vítimas. [175] Um exemplo clássico de excesso de trabalho, de trabalho duro e inadequado e de seus efeitos brutalizantes no trabalhador desde a infância para cima, é proporcionado não apenas pela mineração de carvão e mineiros em geral, mas também pela fabricação de ladrilhos e tijolos, em qual setor o maquinário recém-inventado é, na Inglaterra, usado apenas aqui e ali. Entre maio e setembro o trabalho dura das 5 da manhã às 8 da tarde e, quando a secagem é feita ao ar livre, costuma durar das 4 da manhã às 9 da noite. Trabalhar das 5 da manhã às 7 da noite é considerado "reduzido" e "moderado". Tanto meninos quanto meninas de 6 e até 4 anos de idade estão empregados. Eles trabalham pelo mesmo número de horas, muitas vezes mais, do que os adultos. O trabalho é árduo e o calor do verão aumenta o cansaço. Em um certo campo de azulejos em Mosley, por exemplo, uma jovem de 24 anos de idade tinha o hábito de fazer 2.000 azulejos por dia, com a ajuda de 2 meninas, que carregavam o barro para ela e empilhavam os azulejos . Essas meninas carregavam diariamente 10 toneladas pelas laterais escorregadias dos poços de argila, de uma profundidade de 9 metros e, em seguida, a uma distância de 60 metros.


“É impossível uma criança passar pelo purgatório de um campo de ladrilhos sem grande degradação moral ... a linguagem vulgar, que estão acostumadas a ouvir desde a mais tenra idade, os hábitos imundos, indecentes e desavergonhados, em meio aos quais , sem saber e meio selvagens, eles crescem, tornando-os na vida após a morte sem lei, abandonados, dissolutos ... Uma fonte terrível de desmoralização é o modo de vida. Cada moldador, que é sempre um trabalhador qualificado, e o chefe de um grupo, fornece aos seus 7 subordinados alimentação e alojamento em sua cabana. Quer sejam membros de sua família ou não, os homens, meninos e meninas dormem todos no chalé, que contém geralmente dois, excepcionalmente 3 quartos, todos no andar térreo e mal ventilados. Essas pessoas estão tão exaustos após o trabalho árduo do dia, que nem as regras de saúde, de limpeza, nem de decência são minimamente observadas. Muitas dessas cabanas são modelos de desordem, sujeira e poeira ... O maior mal do sistema que emprega as jovens neste tipo de trabalho consiste em que, via de regra, as acorrenta desde a infância por toda a sua vida após a ralé mais abandonada. Eles se tornam meninos rudes e desbocados, antes que a natureza lhes ensinasse que são mulheres. Vestidos com alguns trapos sujos, as pernas nuas muito acima dos joelhos, o cabelo e o rosto sujos de sujeira, eles aprendem a tratar com desprezo todos os sentimentos de decência e vergonha. Durante as refeições, ficam deitados no campo ou observam os meninos se banhando em um canal vizinho. Terminada a longa jornada de trabalho, eles vestem roupas melhores e acompanham os homens aos bares. ”


É natural que a excessiva insobilidade predomine desde a infância em toda a classe.


“O pior é que os oleiros se desesperam. Você também pode, disse alguém da melhor espécie para um capelão de Southallfield, tentar criar e melhorar o diabo como um pedreiro, senhor! " [176]

Quanto à maneira pela qual o capital efetua uma economia nos requisitos de trabalho, na Manufatura moderna (na qual incluo todas as oficinas de tamanho maior, exceto as fábricas propriamente ditas), o material oficial e mais amplo sobre ele pode ser encontrado no Relatórios de saúde pública IV. (1863) e VI. (1864). A descrição das oficinas, mais especialmente as dos impressores e alfaiates londrinos, supera as fantasias mais repugnantes de nossos escritores de romance. O efeito na saúde dos trabalhadores é evidente. Dr. Simon, o diretor médico do Conselho Privado e editor oficial do "Public Health Reports", diz:


“No meu quarto Relatório (1863) mostrei como é praticamente impossível para os trabalhadores insistirem naquilo que é o seu primeiro direito sanitário, isto é, o direito de que, não importa o trabalho para o qual seu empregador os reúna, o trabalho, na medida em que depende dele, deve ser liberado de todas as condições prejudiciais evitáveis. Salientei que, embora os trabalhadores sejam praticamente incapazes de fazer a si próprios essa justiça sanitária, eles não conseguem obter qualquer apoio efetivo das administrações pagas da polícia sanitária ... A vida de miríades de operários e trabalhadoras é agora inutilmente torturada e encurtado pelo sofrimento físico sem fim que sua mera ocupação gera. ” [177]


Para ilustrar a maneira como as salas de trabalho influenciam o estado de saúde, o Dr. Simon apresenta a seguinte tabela de mortalidade. [178]


Número de pessoas de
todas as idades empregadas
nas respectivas
indústrias.
Indústrias comparadas no
que diz respeito à saúde.
Taxa de mortalidade por 100.000 homens
nas respectivas indústrias
entre as idades declaradas
Idade 25-35.Idade 35-45.Idade 45-55.
958.265Agricultura na
Inglaterra e País de Gales
7438051.145
22.301 homens
12.379 mulheres
Alfaiates londrinos9581.2622.093
13.803Impressoras londrinas8941.7472.367

D. Indústria Doméstica Moderna


Agora chego à chamada indústria nacional. Para se ter uma ideia dos horrores desta esfera, na qual o capital conduz sua exploração no contexto da moderna indústria mecânica, deve-se recorrer ao aparentemente idílico ofício de pregos, [179] realizado em alguns lugares remotos. aldeias da Inglaterra. Neste lugar, porém, bastará citar alguns exemplos dos ramos das rendas e do entrançado de palha que ainda não se realizam com o auxílio de máquinas e que ainda não competem com os ramos que se realizam. em fábricas ou em fábricas.


Das 150.000 pessoas empregadas na Inglaterra na produção de rendas, cerca de 10.000 estão sob a autoridade do Factory Act de 1861. Quase todos os 140.000 restantes são mulheres, jovens e crianças de ambos os sexos, mas do sexo masculino. , sendo fracamente representado. O estado de saúde deste material barato para exploração será visto na tabela a seguir, calculada pelo Dr. Trueman, médico do Dispensário Geral de Nottingham. De 686 mulheres rendeiras, a maioria com idades entre 17 e 24 anos, o número de tuberculosas foi:

1852 . - 1 em 45.1857 . - 1 em 13.
1853 . - 1 em 28.1858 . - 1 em 15.
1854 . - 1 em 17.1859 . - 1 em 9.
1856 . - 1 em 15.1861 . - 1 em 8. [180]

Esse progresso na taxa de consumo deveria ser suficiente para o mais otimista dos progressistas e para o maior vendedor de mentiras entre os bagmen do livre comércio da Alemanha.


A Lei de Fábrica de 1861 regulamenta a confecção real da renda, desde que seja feita por máquinas, e essa é a regra na Inglaterra. Os ramos que estamos agora prestes a examinar, apenas no que diz respeito aos trabalhadores que trabalham em casa, e não aqueles que trabalham em fábricas ou armazéns, dividem-se em duas divisões, viz. (1), acabamento; (2), consertando. O primeiro dá o toque final à renda feita à máquina e inclui várias subdivisões.


O acabamento das rendas é feito nas chamadas “casas das amantes”, ou pelas mulheres em suas próprias casas, com ou sem a ajuda dos filhos. As mulheres que mantêm as “casas das patroas” são elas mesmas pobres. A oficina fica em uma casa particular. As amantes recebem pedidos de fabricantes ou armazéns e empregam tantas mulheres, meninas e crianças quanto o tamanho de seus quartos e a demanda flutuante do negócio permitem. O número de trabalhadoras empregadas nessas salas varia de 20 a 40 em algumas e de 10 a 20 em outras. A idade média com que as crianças começam a trabalhar é de seis anos, mas em muitos casos é inferior a cinco. O horário normal de trabalho é das 8 da manhã às 8 da noite, com 1 hora e meia para as refeições, que são feitas em intervalos irregulares, e muitas vezes em oficinas sujas. Quando os negócios estão agitados, o trabalho frequentemente dura das 8 ou mesmo 6 horas da manhã até 10, 11 ou 12 horas da noite. Nos quartéis ingleses, o espaço regulamentar atribuído a cada soldado é de 500 a 600 pés cúbicos, e nos hospitais militares de 1.200 pés cúbicos. Mas, nessas chiqueiras de acabamento, cada pessoa tem de 67 a 100 pés cúbicos. Ao mesmo tempo, o oxigênio do ar é consumido pelas lâmpadas a gás. Para manter a renda limpa e embora o chão seja de ladrilhos ou amordaçado, as crianças muitas vezes são obrigadas, mesmo no inverno, a tirar os sapatos.

“Não é incomum em Nottingham encontrar 14 a 20 crianças amontoadas em uma pequena sala, de, talvez, não mais de 12 pés quadrados, e empregadas por 15 horas das 24, em um trabalho que por si só é exaustivo , por seu cansaço e monotonia, e além disso continua sob todas as condições prejudiciais possíveis ... Mesmo as crianças mais novas trabalham com uma atenção tensa e uma rapidez que é surpreendente, quase nunca dando descanso aos dedos ou carrancudo em seus movimentos. Se uma pergunta for feita a eles, eles nunca levantam os olhos do trabalho por medo de perder um único momento. ”


O “bastão longo” é usado pelas patroas como um estimulante cada vez mais à medida que as horas de trabalho se prolongam.


“As crianças aos poucos se cansam e ficam inquietas como pássaros no final de sua longa detenção em uma ocupação que é monótona, cansativa e cansativa pela uniformidade da postura do corpo. O trabalho deles é como escravidão. ” [181]

Quando as mulheres e seus filhos trabalham em casa, o que hoje em dia significa em um quarto alugado, muitas vezes em um sótão, o estado de coisas é, se possível, ainda pior. Este tipo de trabalho é distribuído em um raio de 80 milhas de Nottingham. Ao sair dos depósitos às 9 ou 10 horas da noite, as crianças costumam receber um feixe de renda para levar para casa e terminar. O fariseu de um capitalista representado por um de seus servos acompanha essa ação, é claro, com a frase untuosa: "Isso é para a mãe", mas ele sabe muito bem que os pobres filhos devem sentar e ajudar. [182]


A confecção de renda para almofadas é realizada principalmente na Inglaterra, em dois distritos agrícolas; um, o distrito de renda de Honiton, estendendo-se de 20 a 30 milhas ao longo da costa sul de Devonshire e incluindo alguns lugares em North Devon; o outro compreende grande parte dos condados de Buckingham, Bedford e Northampton, e também as partes adjacentes de Oxfordshire e Huntingdonshire. As cabanas dos lavradores são os locais onde normalmente se desenvolve o trabalho. Muitos fabricantes empregam mais de 3.000 dessas rendeiras, principalmente crianças e jovens do sexo feminino. O estado de coisas descrito como incidental ao acabamento de renda é aqui repetido, exceto que, em vez das "casas das amantes", encontramos as chamadas "escolas de renda", mantidas por mulheres pobres em seus chalés. A partir do quinto ano e muitas vezes antes, até o décimo segundo ou décimo quinto ano, as crianças trabalham nessas escolas; durante o primeiro ano os muito jovens trabalham de quatro a oito horas e, posteriormente, das seis da manhã às oito e dez horas da noite.


“Os quartos são geralmente as salas comuns de pequenas cabanas, a chaminé fechada para impedir a entrada de correntes de ar, os internos são mantidos aquecidos apenas pelo calor animal, e isso freqüentemente no inverno. Em outros casos, essas assim chamadas salas de escola são como pequenos depósitos sem lareiras ... A superlotação nesses covis e a conseqüente contaminação do ar são freqüentemente extremas. Somado a isso está o efeito prejudicial de ralos, latrinas, substâncias em decomposição e outras imundícies usuais nos purlieus das cabanas menores. ” No que diz respeito ao espaço: “Em uma escola de renda 18 meninas e uma patroa, 35 pés cúbicos para cada pessoa; em outro, onde o cheiro era insuportável, 18 pessoas e 24,5 metros cúbicos por cabeça. Nesta indústria, encontram-se crianças empregadas de 2 e 2 anos e meio ”. [183]

Onde a confecção de rendas termina nos condados de Buckingham e Bedford, o entrançamento de palha começa e se estende por grande parte de Hertfordshire e pelas partes oeste e norte de Essex. Em 1861, havia 40.043 pessoas empregadas no trançamento de palha e na fabricação de chapéus de palha; destes 3.815 eram homens de todas as idades, o restante mulheres, das quais 14.913, incluindo cerca de 7.000 crianças, tinham menos de 20 anos de idade. No lugar das escolas de renda encontramos aqui as “escolas de trança de palha”. As crianças começam sua instrução em trançar palha geralmente no 4º ano, geralmente entre o 3º e o 4º ano. Educação, é claro, eles não recebem nada. As próprias crianças chamam as escolas primárias de “escolas naturais”, para distingui-las dessas instituições sugadoras de sangue, nas quais são mantidas no trabalho simplesmente para cumprir a tarefa, geralmente 30 metros por dia, prescrita por suas mães meio famintas. Essas mesmas mães costumam fazer com que trabalhem em casa, depois que a escola acaba, até 10, 11 e 12 horas da noite. A palha corta suas bocas, com as quais eles a umedecem constantemente, e seus dedos. O Dr. Ballard dá a opinião geral de todo o corpo de oficiais médicos em Londres, de que 300 pés cúbicos é o espaço mínimo adequado para cada pessoa em um quarto ou sala de trabalho. Mas nas escolas de trança de palha o espaço é distribuído de forma mais moderada do que nas escolas de renda, “12 2/3, 17, 18½ e abaixo de 22 pés cúbicos para cada pessoa”.


“O menor desses números, diz um dos comissários, o Sr. White, representa menos espaço do que a metade do que uma criança ocuparia se embalada em uma caixa de 3 pés em cada direção.”


Assim os filhos aproveitam a vida até a idade de 12 ou 14 anos. Os miseráveis ​​pais famintos não pensam em nada a não ser em conseguir o máximo possível de seus filhos. Estes, logo que crescem, não se importam nem um centavo, e naturalmente, com os pais, e os deixam.


“Não é de admirar que a ignorância e o vício abundem em uma população tão educada ... Sua moralidade está em declínio, ... um grande número de mulheres têm filhos ilegítimos, e que em uma idade tão imatura que até aqueles mais familiarizados com estatísticas criminais ficam surpresos. ” [184]

E a terra natal dessas famílias modelo é o país cristão padrão para a Europa; é o que diz pelo menos o conde Montalembert, certamente uma autoridade competente em cristianismo!


Os salários nas indústrias acima, por mais miseráveis que sejam (o salário máximo de uma criança nas escolas de trança de palha aumentando em casos raros para 3 xelins), são reduzidos muito abaixo de seu valor nominal pela prevalência do sistema de caminhões em toda parte, mas especialmente nos distritos de renda. [185]


E. Passagem da Manufatura Moderna, uma Indústria Doméstica para a Indústria Mecânica Moderna. A aceleração desta revolução pela aplicação dos atos da fábrica a essas indústrias

O barateamento da força de trabalho, pelo simples abuso do trabalho de mulheres e crianças, pelo simples roubo de todas as condições normais necessárias para trabalhar e viver, e pela brutalidade do excesso de trabalho e trabalho noturno, finalmente encontra obstáculos naturais que não pode ser ultrapassado. Da mesma forma, quando baseados nesses métodos, faça o barateamento das mercadorias e a exploração capitalista em geral. Tão logo este ponto é finalmente alcançado - e leva muitos anos - a hora soou para a introdução da maquinaria e, a partir daí, a rápida conversão das dispersas indústrias domésticas e também das manufaturas em indústrias de fábrica.


Um exemplo, na escala mais colossal, desse movimento é proporcionado pela produção de vestuários. Esta indústria, de acordo com a classificação da Comissão de Emprego Infantil, compreende chapéus de palha, chapéus de senhora, bonecos, alfaiates, modistas e costureiras, camisas, espartilhos, luvas, sapateiros, entre outros. muitos ramos menores, como a confecção de gravatas, colares etc. Em 1861, o número de mulheres empregadas nessas indústrias, na Inglaterra e no País de Gales, era de 586.299, destas 115.242 pelo menos tinham menos de 20 anos e 16.650. menores de 15 anos. O número dessas trabalhadoras no Reino Unido em 1861 era de 750.334. O número de homens empregados na Inglaterra e no País de Gales na fabricação de chapéus, sapatos, luvas e alfaiataria era de 437.969; destes 14.964 menores de 15 anos, 89.285 entre 15 e 20 anos e 333.117 maiores de 20 anos. Muitos dos ramos menores não estão incluídos nessas figuras. Mas considere as figuras como estão; temos então apenas para a Inglaterra e o País de Gales, de acordo com o censo de 1861, um total de 1.024.277 pessoas, quase a mesma quantidade absorvida pela agricultura e pecuária. Começamos a entender o que acontece com as imensas quantidades de mercadorias conjuradas pela magia das máquinas e com as enormes massas de trabalhadores que essas máquinas liberam.


A produção de vestuários é levada a cabo parcialmente em fábricas em cujas salas de trabalho há apenas uma reprodução daquela divisão do trabalho, cujas membranas foram encontradas prontas à mão; em parte por pequenos mestres-artesãos; estes, entretanto, não funcionam, como antigamente, para consumidores individuais, mas para fábricas e armazéns, e a tal ponto que muitas vezes cidades inteiras e trechos do país mantêm certos ramos, como a fabricação de calçados, como uma especialidade; enfim, em grande escala pelas chamadas trabalhadoras domésticas, que formam um departamento externo das manufaturas, armazéns e mesmo das oficinas dos senhores menores. [186]


A matéria-prima, etc., é fornecida pela indústria mecânica, a massa de material humano barato (taillable à merci et miséricorde) é composta pelos indivíduos “liberados” pela indústria mecânica e pela agricultura aprimorada. As manufaturas desta classe devem sua origem principalmente à necessidade do capitalista de ter um exército pronto para atender a qualquer aumento de demanda. [187] Essas manufaturas, no entanto, permitiram que o artesanato disperso e as indústrias domésticas continuassem a existir como uma base ampla. A grande produção de mais-valia nesses ramos de trabalho e o progressivo barateamento de seus artigos foram e são devidos principalmente aos salários mínimos pagos, não mais do que o necessário para uma vegetação miserável e ao prolongamento do tempo de trabalho. ao máximo suportável pelo organismo humano. De fato, foi pelo baixo preço do suor e do sangue humanos, que foram convertidos em mercadorias, que os mercados se expandiram constantemente e continuam a se expandir diariamente; mais especialmente foi este o caso com os mercados coloniais da Inglaterra, onde, além disso, os gostos e hábitos ingleses prevalecem. Por fim, o ponto crítico foi alcançado. A base do antigo método, a pura brutalidade na exploração dos trabalhadores, acompanhada mais ou menos por uma divisão sistemática do trabalho, já não bastava para os mercados em expansão e para a competição cada vez mais rápida dos capitalistas. Chegou a hora do advento das máquinas. A máquina decididamente revolucionária, a máquina que ataca em igual grau a totalidade dos inúmeros ramos desta esfera da produção, da costura, da alfaiataria, do calçado, da costura, da chapelaria e tantas outras, é a máquina de costura.

Seu efeito imediato sobre os trabalhadores é como o de todas as máquinas que, desde o surgimento da indústria moderna, conquistaram novos ramos do comércio. Crianças de uma idade muito tenra são deixadas à deriva. O salário dos operários da máquina aumenta em comparação com o das empregadas domésticas, muitas das quais pertencem aos mais pobres dos pobres. A do artesão mais bem situado, com quem a máquina compete, afunda. As novas mãos da máquina são exclusivamente meninas e mulheres jovens. Com a ajuda da força mecânica, eles destroem o monopólio que o trabalho masculino tinha do trabalho mais pesado e afastam o número de trabalhos mais leves de mulheres idosas e crianças muito pequenas. A competição opressora esmaga o mais fraco dos trabalhadores manuais. O terrível aumento de mortes por fome durante os últimos 10 anos em Londres ocorre em paralelo com a extensão da costura à máquina. [188] As novas operárias giram as máquinas com as mãos e os pés, ou apenas com as mãos, às vezes sentadas, às vezes de pé, de acordo com o peso, o tamanho e a marca especial da máquina, e despendem uma grande quantidade de força de trabalho. Sua ocupação é prejudicial, devido às longas horas, embora na maioria dos casos não sejam tão longas como no antigo sistema. Onde quer que a máquina de costura se localize em salas de trabalho estreitas e já superlotadas, ela aumenta as influências prejudiciais.


“O efeito”, diz o Sr. Lord, “ao entrar em salas de trabalho de teto baixo, nas quais 30 a 40 mãos de máquinas estão trabalhando, é insuportável ... O calor, em parte devido aos fogões a gás usados ​​para aquecer os ferros, é horrível. ... Mesmo quando horas moderadas de trabalho, ou seja, das 8 da manhã às 6 da tarde, prevalecem em tais lugares, ainda assim, 3 ou 4 pessoas desmaiam regularmente todos os dias. ” [189]

A revolução nos métodos industriais, que é o resultado necessário da revolução nos instrumentos de produção, é efetuada por uma mistura de formas de transição. Essas formas variam de acordo com a extensão em que a máquina de costura se tornou predominante em um ramo, da indústria ou outro, com o tempo de operação, com a condição anterior dos operários, com a preponderância da manufatura. , do artesanato ou da indústria nacional, ao aluguel das salas de trabalho, [190] & c. Na costura, por exemplo, onde a maior parte do trabalho já estava organizada, principalmente pela simples cooperação, a máquina de costura constituía inicialmente apenas um novo fator naquela indústria manufatureira. Na alfaiataria, na confecção de camisas, na confecção de calçados etc., todas as formas se misturam. Aqui o sistema de fábrica propriamente dito. Neles, os intermediários recebem a matéria-prima do en chef capitalista e se agrupam em torno de suas máquinas de costura, em “câmaras” e “sótãos”, de 10 a 50 ou mais operárias. Finalmente, como sempre acontece com as máquinas quando não organizadas em um sistema, e quando também podem ser usadas em proporções anãs, o artesão e as empregadas domésticas, junto com suas famílias, ou com um pouco de trabalho extra de fora, fazem uso de seus próprias máquinas de costura. [191] O sistema realmente prevalente na Inglaterra é que o capitalista concentra um grande número de máquinas em suas instalações e, em seguida, distribui o produto dessas máquinas para posterior manipulação entre os trabalhadores domésticos. [192] A variedade das formas de transição, no entanto, não esconde a tendência de conversão para o sistema de fábrica propriamente dito. Essa tendência é alimentada pela própria natureza da máquina de costura, os múltiplos usos das quais impulsionam a concentração, sob o mesmo teto, e uma administração, de ramos previamente separados de um comércio. Também é favorecido pela circunstância de que o bordado preparatório, e certas outras operações, são mais convenientemente realizados nas instalações onde a máquina está trabalhando; bem como pela inevitável expropriação das costureiras manuais e das trabalhadoras domésticas que trabalham com suas próprias máquinas. Este destino já os ultrapassou em parte. A quantidade cada vez maior de capital investido em máquinas de costura, [193] estimula a produção e satura os mercados de artigos feitos à máquina, dando assim o sinal aos trabalhadores domésticos para a venda de suas máquinas. A superprodução das próprias máquinas de costura faz com que seus produtores, na falta de venda, as deixem sair por uma semana, esmagando assim, por sua competição mortal, os pequenos proprietários de máquinas. [194] As constantes mudanças na construção das máquinas, e seu preço cada vez mais barato, depreciam dia a dia as mais antigas, e permitem que sejam vendidas em grande número, a preços absurdos, a grandes capitalistas, que sozinhos podem empregar com lucro. Finalmente, a substituição do homem pela máquina a vapor dá, nesta, como em todas as revoluções semelhantes, o golpe final. A princípio, o uso da força a vapor encontra meras dificuldades técnicas, como instabilidade nas máquinas, dificuldade em controlar sua velocidade, rápido desgaste das máquinas mais leves, etc., todos logo superados pela experiência. [195] Se, por um lado, a concentração de muitas máquinas nas grandes fábricas leva ao uso da força do vapor, por outro lado, a competição do vapor com os músculos humanos se apressa na concentração de operários e máquinas nas grandes fábricas. Assim, a Inglaterra está atualmente experimentando, não apenas na colossal indústria de confecção de roupas, mas na maioria dos outros ofícios mencionados acima, a conversão da manufatura, do artesanato e do trabalho doméstico no sistema fabril, após cada uma dessas formas da produção, totalmente transformada e desorganizada sob a influência da indústria moderna, há muito reproduziu, e até exagerou, todos os horrores do sistema fabril, sem participar de nenhum dos elementos de progresso social que ele contém. [196]

Esta revolução industrial, que ocorre de forma espontânea, é artificialmente ajudada pela extensão das Leis da Fábrica a todas as indústrias em que mulheres, jovens e crianças trabalham. A regulamentação obrigatória da jornada de trabalho no que diz respeito à sua duração, pausas, início e fim, o sistema de transmissões de crianças, a exclusão de todas as crianças menores de uma certa idade, etc., necessita, por um lado, de mais máquinas [197] e a substituição do vapor como força motriz no lugar dos músculos. Por outro lado, para compensar a perda de tempo, ocorre uma expansão dos meios de produção utilizados em comum, dos fornos, edifícios, etc., em uma palavra, maior concentração dos meios de produção e um congresso correspondentemente maior de trabalhadores. A principal objeção, repetida e veementemente instada em nome de cada manufatura ameaçada com a Lei da Fábrica, é de fato esta, para continuar o negócio na escala antiga, um maior dispêndio de capital será necessário. Mas, no que diz respeito ao trabalho nas chamadas indústrias domésticas e às formas intermediárias entre elas e a Manufatura, tão logo sejam postos limites à jornada de trabalho e ao emprego das crianças, essas indústrias vão por água abaixo. A exploração ilimitada da força de trabalho barata é a única base de seu poder de competir.


Uma das condições essenciais para a existência do sistema fabril, principalmente quando a jornada de trabalho é fixada, é a certeza do resultado, ou seja, a produção em um determinado momento de uma determinada quantidade de mercadorias, ou de uma determinada efeito útil. As pausas estatutárias da jornada de trabalho, aliás, implicam a suposição de que a cessação periódica e repentina do trabalho não prejudica o artigo em processo de produção. Essa certeza no resultado e essa possibilidade de interromper o trabalho são, naturalmente, mais fáceis de serem alcançadas nas indústrias puramente mecânicas do que naquelas em que os processos químicos e físicos atuam; como, por exemplo, no comércio de cerâmica, no branqueamento, tingimento, panificação e na maioria das indústrias de metal. Onde quer que haja uma jornada de trabalho sem restrição quanto à duração, onde haja trabalho noturno e desperdício irrestrito de vidas humanas, aí o menor obstáculo apresentado pela natureza do trabalho para uma mudança para melhor é logo visto como uma barreira eterna erguida por natureza. Nenhum veneno mata vermes com mais certeza do que a Lei da Fábrica remove essas barreiras eternas. Ninguém protestou tanto sobre as “impossibilidades” do que nossos amigos fabricantes de cerâmica. Em 1864, no entanto, eles foram trazidos ao abrigo da Lei e, em dezesseis meses, toda "impossibilidade" havia desaparecido.


“O método aprimorado”, exigido pela Lei, “de escorregar por pressão em vez de por evaporação, os fogões recém-construídos para secar a louça em seu estado verde, etc., são eventos de grande importância na arte da cerâmica , e marcar um avanço com o qual o século anterior não poderia rivalizar ... Ele até mesmo reduziu consideravelmente a temperatura dos próprios fogões com uma considerável economia de combustível e com um efeito mais rápido sobre os utensílios. ” [199]

Apesar de toda profecia, o preço de custo da faiança não subiu, mas sim a quantidade produzida, a tal ponto que a exportação dos doze meses, findos em dezembro de 1865, superou em £ 138.628 o valor médio da três anos anteriores. Na fabricação de fósforos, considerava-se um requisito indispensável que os meninos, mesmo enquanto amassando o jantar, continuassem mergulhando os fósforos no fósforo derretido, cujo vapor venenoso subia até seus rostos. A Lei da Fábrica (1864) tornou a economia de tempo uma necessidade, e assim forçou a existência uma máquina de imersão, cujo vapor não poderia entrar em contato com os trabalhadores. [200] Assim, na atualidade, nos ramos da fabricação de rendas ainda não sujeitos à Lei da Fábrica, sustenta-se que os horários das refeições não podem ser regulares devido aos diferentes períodos exigidos pelos diversos tipos de rendas para secagem , cujos períodos variam de três minutos a uma hora e mais. A esta resposta os Comissários de Emprego Infantil:


“As circunstâncias deste caso são precisamente análogas às dos stainers de papel, de que tratamos em nosso primeiro relatório. Alguns dos principais fabricantes do comércio insistiram que, devido à natureza dos materiais usados ​​e seus vários processos, eles não seriam capazes, sem perdas graves, de parar para as refeições em qualquer momento. Mas foi visto pelas evidências que, com o devido cuidado e acordo prévio, a dificuldade apreendida seria superada; e, consequentemente, pela cláusula 6 da seção 6 da Lei de Extensão de Atos da Fábrica, aprovada durante esta Sessão do Parlamento, um intervalo de dezoito meses é dado a eles a partir da aprovação da Lei antes de serem obrigados a cumprir o horário das refeições, especificado pelos Atos de Fábrica. ” [201]

Mal a lei foi aprovada quando nossos amigos fabricantes descobriram:


“Os inconvenientes que esperávamos advir da introdução dos Factory Acts em nosso ramo de manufatura, fico feliz em dizer, não surgiram. Não encontramos nenhuma interferência na produção; em suma, produzimos mais ao mesmo tempo. ” [202]


É evidente que o legislador inglês, que certamente ninguém se aventurará a censurar por ter uma overdose de gênio, foi levado pela experiência à conclusão de que uma simples lei obrigatória é suficiente para decretar todos os chamados impedimentos, aos quais se opõe o natureza do processo, à restrição e regulamentação da jornada de trabalho. Assim, com a introdução da Lei da Fábrica em um determinado setor, é fixado um período que varia de seis a dezoito meses, dentro do qual cabe aos fabricantes remover todos os impedimentos técnicos ao funcionamento da Lei. “Impossível! ne me dites jamais ce bête de mot! ” é particularmente aplicável à tecnologia moderna. Mas embora os Atos de Fábrica amadureçam artificialmente os elementos materiais necessários para a conversão do sistema de manufatura no sistema de fábrica, mas, ao mesmo tempo, devido à necessidade que impõem de maior gasto de capital, aceleram o declínio do pequeno mestres e a concentração do capital. [203]


Além dos impedimentos puramente técnicos que podem ser removidos por meios técnicos, os hábitos irregulares dos próprios trabalhadores dificultam a regulamentação das horas de trabalho. Este é especialmente o caso onde o salário por peça predomina, e onde a perda de tempo em uma parte do dia ou da semana pode ser compensada por horas extras subsequentes ou por trabalho noturno, um processo que brutaliza o trabalhador adulto e arruína sua esposa e filhos. [204] Embora essa ausência de regularidade no dispêndio de força de trabalho seja uma reação natural e rude contra o tédio da labuta monótona, ela se origina, também, em um grau muito maior da anarquia na produção, anarquia que por sua vez pré- supõe a exploração desenfreada da força de trabalho pelo capitalista. Além das mudanças periódicas gerais do ciclo industrial e das flutuações especiais nos mercados aos quais cada indústria está sujeita, podemos também contar o que é chamado de “estação”, dependendo ou da periodicidade das estações favoráveis ​​do ano para a navegação; ou na moda, e na colocação repentina de grandes pedidos que devem ser executados no menor tempo possível. O hábito de dar ordens torna-se mais frequente com a extensão de ferrovias e telégrafos.


“A extensão do sistema ferroviário em todo o país tem tendido muito a incentivar o curto prazo. Os compradores agora vêm de Glasgow, Manchester e Edimburgo uma vez a cada quinze dias ou mais para os armazéns da cidade atacadistas que fornecemos e dão pequenas encomendas que requerem execução imediata, em vez de comprar do estoque como costumavam fazer. Anos atrás sempre podíamos trabalhar nos tempos de folga, para atender a demanda da próxima safra, mas agora ninguém sabe dizer de antemão qual será a demanda naquela época ”. [205]

Nas fábricas e manufaturas que ainda não estão sujeitas às Leis da Fábrica, o excesso de trabalho mais terrível prevalece periodicamente durante o que é chamado de estação, em conseqüência de pedidos repentinos. No departamento externo da fábrica, da manufatura e do armazém, as chamadas trabalhadoras domésticas, cujo emprego é na melhor das hipóteses irregular, são inteiramente dependentes de sua matéria-prima e suas encomendas ao capricho do capitalista, que , nesta indústria, não é prejudicado por qualquer consideração pela depreciação de seus edifícios e máquinas, e não arrisca nada com uma paralisação do trabalho, mas a pele do próprio trabalhador. Aqui, então, ele se põe sistematicamente a trabalhar para formar uma força de reserva industrial que deve estar pronta a qualquer momento; durante uma parte do ano dizima esta força pela labuta mais desumana, durante a outra parte a deixa morrer de fome por falta de trabalho.


“Os empregadores valem-se da habitual irregularidade nos trabalhos de casa, quando se pretende um trabalho extra à força, para que o trabalho prossiga até às 23h00 e às 12h00. ou 2 da manhã, ou como a frase usual é, "todas as horas" e que em locais onde "o fedor é suficiente para derrubá-lo, você vai até a porta, talvez, e a abra, mas estremece para ir mais longe." [206] “Eles são homens curiosos”, disse uma das testemunhas, um sapateiro, falando dos mestres, “eles acham que não faz mal a um menino trabalhar muito durante metade do ano, se ele está quase ocioso para o outro metade." [207]

Da mesma forma que os impedimentos técnicos, também os “usos que cresceram com o crescimento do comércio” foram e ainda são proclamados pelos capitalistas interessados ​​como obstáculos devido à natureza do trabalho. Esse era o clamor favorito dos senhores do algodão na época em que foram ameaçados pela primeira vez com as Leis da Fábrica. Embora sua indústria dependa mais da navegação do que qualquer outra, a experiência os desmentiu. Desde então, toda pretensa obstrução aos negócios foi tratada pelos inspetores de fábrica como uma mera farsa. [208] As investigações meticulosamente cuidadosas da Comissão de Emprego Infantil provam que o efeito da regulamentação das horas de trabalho, em algumas indústrias, foi espalhar a massa de trabalho anteriormente empregada de forma mais uniforme ao longo de todo o ano [208a] que esta regulamentação foi o primeiro freio racional aos caprichos assassinos e sem sentido da moda, [208b] caprichos que combinam tão mal com o sistema da indústria moderna; que o desenvolvimento da navegação oceânica e dos meios de comunicação em geral varreu a base técnica sobre a qual o trabalho sazonal foi realmente apoiado, [209] e que todas as outras dificuldades ditas invencíveis desapareceram antes que edifícios maiores, maquinários adicionais, aumentassem no número de trabalhadores empregados, [210] e nas alterações causadas por todos eles no modo de conduzir o comércio atacadista. [211] Mas, apesar de tudo isso, o capital nunca se reconcilia com tais mudanças - e isso é admitido continuamente por seus próprios representantes - exceto "sob a pressão de um Ato Geral do Parlamento" [212] para a regulamentação obrigatória do horas de trabalho.


SEÇÃO 9: OS ATOS DE FÁBRICA. CLÁUSULAS SANITÁRIAS E EDUCACIONAIS DA MESMA. SUA EXTENSÃO GERAL NA INGLATERRA

A legislação de fábrica, a primeira reação consciente e metódica da sociedade contra a forma espontânea do processo de produção desenvolvida, é, como vimos, tanto o produto necessário da indústria moderna quanto o fio de algodão, os autoatores e o telégrafo elétrico. . Antes de passar à consideração da extensão dessa legislação na Inglaterra, iremos em breve observar certas cláusulas contidas nos Factory Acts, e não relacionadas às horas de trabalho.


Além de sua redação, que torna mais fácil para o capitalista evitá-las, as cláusulas sanitárias são extremamente escassas e, de fato, limitadas a provisões para caiar as paredes, para garantir a limpeza em alguns outros assuntos, para ventilação e proteção. contra máquinas perigosas. No terceiro livro, voltaremos à oposição fanática dos senhores às cláusulas que lhes impunham um pequeno gasto com aparelhos para proteger os membros de seus trabalhadores, uma oposição que lança uma luz nova e flagrante sobre o dogma do livre comércio. , segundo o qual, em uma sociedade com interesses conflitantes, cada indivíduo necessariamente promove o bem comum, buscando nada além de seu próprio benefício pessoal! Um exemplo é suficiente. O leitor sabe que, nos últimos 20 anos, a indústria do linho se expandiu muito e que, com essa ampliação, aumentou o número de moinhos de escoriação na Irlanda. Em 1864 havia naquele país 1.800 dessas fábricas. Regularmente, no outono e no inverno, mulheres e “jovens”, esposas, filhos e filhas dos pequenos fazendeiros vizinhos, uma classe de pessoas totalmente desacostumadas com máquinas, são retirados do trabalho no campo para alimentar os rolos das moendas com linho. Os acidentes, tanto em número quanto em espécie, são totalmente incomparáveis ​​na história das máquinas. Em um moinho de embreagem, em Kildinan, perto de Cork, ocorreram entre 1852 e 1856, seis acidentes fatais e sessenta mutilações; cada um dos quais poderia ter sido evitado pelos aparelhos mais simples, ao custo de alguns xelins. Dr. W. White, o cirurgião certificador para fábricas em Downpatrick, afirma em seu relatório oficial, datado de 15 de dezembro de 1865:

“Os acidentes graves nas moendas são da mais terrível natureza. Em muitos casos, um quarto do corpo é arrancado do tronco e envolve a morte ou um futuro de lamentável incapacidade e sofrimento. O aumento de moinhos no país irá, é claro, estender esses resultados terríveis, e será uma grande vantagem se eles forem submetidos à legislatura. Estou convencido de que, com a supervisão adequada de moinhos de espancamento, um vasto sacrifício de vidas e membros seria evitado. ” [213]


O que poderia mostrar melhor o caráter do modo de produção capitalista, do que a necessidade que existe de forçá-lo, por meio de Atos do Parlamento, aos mais simples aparelhos para manter a limpeza e a saúde? Nas cerâmicas, a Lei de Fábrica de 1864 "caiou e limpou mais de 200 oficinas, após um período de abstinência de qualquer limpeza, em muitos casos de 20 anos, e em alguns, inteiramente" (esta é a "abstinência" de o capitalista!) “no qual estavam empregados 27.800 artesãos, até então respirando durante dias prolongados e muitas vezes noites de trabalho, uma atmosfera mefítica, e que tornava uma ocupação comparativamente inócua, grávida de doença e morte. A lei melhorou muito a ventilação. ” [214]


Ao mesmo tempo, esta parte da Lei mostra de forma impressionante que o modo de produção capitalista, devido à sua própria natureza, exclui todo aperfeiçoamento racional além de um certo ponto. Tem-se afirmado repetidamente que os médicos ingleses são unânimes em declarar que, onde o trabalho é contínuo, 500 pés cúbicos é o mínimo espaço que deve ser concedido a cada pessoa. Ora, se as Leis da Fábrica, devido às suas disposições obrigatórias, indiretamente apressam a conversão de pequenas oficinas em fábricas, atacando indiretamente os direitos de propriedade dos capitalistas menores e garantindo o monopólio aos grandes, então, se fosse feito obrigatório para fornecer o espaço adequado para cada operário em cada oficina, milhares de pequenos empregadores seriam, de uma só vez, expropriados diretamente! A própria raiz do modo de produção capitalista, ou seja, a autoexpansão de todo o capital, grande ou pequeno, por meio da compra e consumo “livres” da força de trabalho, seria atacada. A legislação de fábrica, portanto, chega a um impasse diante desses 500 pés cúbicos de espaço para respirar. Os oficiais sanitários, os comissários de investigação industrial, os inspetores de fábrica, todos harpa, uma e outra vez, sobre a necessidade daqueles 500 pés cúbicos e sobre a impossibilidade de arrancá-los do capital. Assim, de fato, declaram que o consumo e outras doenças pulmonares entre os trabalhadores são condições necessárias à existência do capital. [215]


Por mais mesquinhas que pareçam as cláusulas da Lei sobre educação, elas proclamam que a educação elementar é uma condição indispensável para o emprego das crianças. [216] O sucesso dessas cláusulas provou pela primeira vez a possibilidade de combinar educação e ginástica [217] com trabalho manual e, conseqüentemente, de combinar trabalho manual com educação e ginástica. Os inspetores de fábrica logo descobriram, questionando os professores, que as crianças da fábrica, embora recebessem apenas metade da educação dos alunos do dia normal, aprendiam a mesma coisa e muitas vezes mais.


“Isso pode ser explicado pelo simples fato de que, por estarem apenas metade do dia na escola, estão sempre descansados ​​e quase sempre prontos e dispostos a receber instrução. O sistema em que trabalham, metade trabalho manual e metade escola, dá a cada emprego um descanso e um alívio para o outro; conseqüentemente, ambos são muito mais adequados à criança, do que seriam se ela fosse mantida constantemente em um. É bastante claro que um menino que esteve na escola toda a manhã não consegue (principalmente no tempo quente) lidar com alguém que chega fresco e brilhante de seu trabalho. ” [218]


Mais informações sobre este ponto serão encontradas no discurso de Sênior no Congresso de Ciências Sociais em Edimburgo em 1863. Ele mostra, entre outras coisas, como as monótonas e inutilmente longas horas escolares das crianças das classes alta e média, inutilmente aumentam o trabalho do professor, "embora ele não apenas infrutífero, mas absolutamente prejudicial, desperdiça o tempo, a saúde e a energia das crianças". [219] Do sistema Factory brotou, como Robert Owen nos mostrou em detalhes, o germe da educação do futuro, uma educação que irá, no caso de cada criança acima de uma determinada idade, combinar trabalho produtivo com instrução e ginástica , não apenas como um dos métodos de aumentar a eficiência da produção, mas como o único método de produzir seres humanos plenamente desenvolvidos.


A indústria moderna, como vimos, elimina por meios técnicos a divisão de trabalho da manufatura, sob a qual cada homem é amarrado por toda a vida a uma única operação de detalhe. Ao mesmo tempo, a forma capitalista dessa indústria reproduz essa mesma divisão do trabalho de uma forma ainda mais monstruosa; na própria fábrica, convertendo o operário em um apêndice vivo da máquina; e em todos os lugares fora da Fábrica, em parte pelo uso esporádico de máquinas e trabalhadores mecânicos, [220] em parte pelo restabelecimento da divisão do trabalho em uma base nova pela introdução geral do trabalho de mulheres e crianças, e de trabalho não qualificado barato .


O antagonismo entre a divisão manufatureira do trabalho e os métodos da indústria moderna se faz sentir fortemente. Ela se manifesta, entre outras formas, no terrível fato de que grande parte das crianças empregadas nas fábricas e manufaturas modernas, desde a mais tenra idade, são apegadas às mais simples manipulações, e exploradas durante anos, sem serem ensinadas uma única espécie de trabalho que posteriormente os tornaria úteis, mesmo na mesma manufatura ou fábrica. No comércio de impressão de cartas inglês, por exemplo, existia antigamente um sistema, correspondente ao das antigas manufaturas e artesanatos, de levar os aprendizes do trabalho fácil para o trabalho cada vez mais difícil. Eles passaram por um curso de ensino até terminarem de imprimir. Saber ler e escrever era para cada um um requisito da sua profissão. Tudo isso foi mudado pela máquina de impressão. Emprega dois tipos de operários, um adulto, inquilino, o outro, rapazes, na sua maioria de 11 a 17 anos, cuja única ocupação é espalhar as folhas por baixo da máquina ou retirar dela as folhas impressas. Eles realizam esta tarefa cansativa, especialmente em Londres, por 14, 15 e 16 horas seguidas, durante vários dias da semana, e frequentemente por 36 horas, com apenas 2 horas de descanso para refeições e sono. [221] Grande parte deles não sabe ler e são, via de regra, selvagens absolutos e criaturas extraordinárias.


“Para qualificá-los para a obra que têm de fazer, eles não requerem treinamento intelectual; há pouco espaço para habilidade e menos para julgamento; seus salários, embora bastante elevados para os meninos, não aumentam proporcionalmente à medida que crescem, e a maioria deles não pode buscar promoção para o cargo mais bem pago e mais responsável de zelador de máquinas, porque embora cada máquina tenha apenas um zelador, ela tem pelo menos dois, e muitas vezes quatro meninos ligados a ele. ” [222]


Assim que envelhecem para o trabalho infantil, isto é, cerca de 17 anos, no máximo, são dispensados ​​das tipografias. Eles se tornam recrutas do crime. Várias tentativas de conseguir emprego em outro lugar foram infrutíferas por sua ignorância e brutalidade, e por sua degradação mental e corporal.


Tal como acontece com a divisão do trabalho no interior das oficinas de manufatura, o mesmo ocorre com a divisão do trabalho no interior da sociedade. Enquanto o artesanato e a manufatura formarem a base geral da produção social, a sujeição do produtor exclusivamente a um ramo, o rompimento da multifariedade de seu emprego, [223] é um passo necessário no desenvolvimento. Com base nessa base, cada ramo separado da produção adquire empiricamente a forma que lhe é tecnicamente adequada, lentamente a aperfeiçoa e, assim que um determinado grau de maturidade é alcançado, rapidamente cristaliza essa forma. A única coisa que aqui e ali provoca uma mudança, além da nova matéria-prima fornecida pelo comércio, é a alteração gradual dos instrumentos de trabalho. Mas também sua forma, uma vez definitivamente estabelecida pela experiência, petrifica-se, como se prova pelo fato de serem, em muitos casos, transmitidos da mesma forma de uma geração a outra durante milhares de anos. Uma característica é que, mesmo no século XVIII, os diferentes ofícios eram chamados de “mistérios” (mystères); [224] em seus segredos ninguém, mas aqueles devidamente iniciados poderiam penetrar. a indústria moderna rasgou o véu que ocultava dos homens seu próprio processo social de produção e que transformou os vários ramos de produção espontaneamente divididos em tantos enigmas, não apenas para estranhos, mas até para iniciados. O princípio que perseguia, de transformar cada processo em seus movimentos constituintes, sem qualquer consideração à sua possível execução pela mão do homem, criou a nova ciência moderna da tecnologia. As formas variadas, aparentemente desconexas e petrificadas dos processos industriais agora se resolviam em tantas aplicações conscientes e sistemáticas das ciências naturais para a obtenção de determinados efeitos úteis. A tecnologia também descobriu as poucas principais formas fundamentais de movimento, que, apesar da diversidade dos instrumentos utilizados, são necessariamente realizadas por toda ação produtiva do corpo humano; assim como a ciência da mecânica não vê na maquinaria mais complicada senão a repetição contínua dos poderes mecânicos simples.


A indústria moderna nunca considera e trata a forma existente de um processo como final. A base técnica dessa indústria é, portanto, revolucionária, enquanto todos os modos de produção anteriores eram essencialmente conservadores. [225] Por meio de máquinas, processos químicos e outros métodos, está continuamente causando mudanças não apenas na base técnica da produção, mas também nas funções do trabalhador e nas combinações sociais do processo de trabalho. Ao mesmo tempo, com isso também revoluciona a divisão do trabalho dentro da sociedade, e incessantemente lança massas de capital e de trabalhadores de um ramo de produção para outro. Mas se a indústria moderna, por sua própria natureza, necessita, portanto, variação do trabalho, fluência de funções, mobilidade universal do trabalhador, por outro lado, em sua forma capitalista, ela reproduz a velha divisão do trabalho com suas particularizações ossificadas. Vimos como essa contradição absoluta entre as necessidades técnicas da indústria moderna e o caráter social inerente à sua forma capitalista dissipa toda fixidez e segurança na situação do trabalhador; como ameaça constantemente, ao lhe tirar os instrumentos de trabalho, arrancar-lhe das mãos os seus meios de subsistência, [226] e, suprimindo a sua função de pormenor, torná-lo supérfluo, vimos, também, como este antagonismo se desdobra sua fúria na criação daquela monstruosidade, um exército industrial de reserva, mantido na miséria para estar sempre à disposição do capital; nos incessantes sacrifícios humanos da classe operária, no mais temerário esbanjamento da força de trabalho e na devastação provocada por uma anarquia social que transforma todo progresso econômico em calamidade social. Este é o lado negativo. Mas se, por um lado, a variação do trabalho no presente se impõe à maneira de uma lei natural avassaladora, e com a ação cegamente destrutiva de uma lei natural que encontra resistência [227] em todos os pontos, a indústria moderna, sobre o por outro lado, por meio de suas catástrofes impõe a necessidade de reconhecer, como lei fundamental da produção, a variação do trabalho, conseqüentemente aptidão do trabalhador para trabalhos variados, conseqüentemente o maior desenvolvimento possível de suas variadas aptidões. Torna-se uma questão de vida ou morte para a sociedade adaptar o modo de produção ao funcionamento normal desta lei. A Indústria Moderna, de fato, obriga a sociedade, sob pena de morte, a substituir o detalhista de hoje, atrapalhado pela repetição ao longo da vida de uma mesma operação trivial, e assim reduzido ao mero fragmento de um homem, por o indivíduo plenamente desenvolvido, apto para uma variedade de trabalhos, pronto para enfrentar qualquer mudança de produção, e para quem as diferentes funções sociais que desempenha, são apenas muitos modos de dar espaço livre para seus próprios poderes naturais e adquiridos.


Um passo já dado espontaneamente para efetuar esta revolução é o estabelecimento de escolas técnicas e agrícolas, e de “écoles d'enseignement professionnel”, nas quais os filhos dos operários recebem um pouco de instrução em tecnologia e no manejo prático dos vários instrumentos de trabalho. Embora a Lei da Fábrica, aquela primeira e escassa concessão arrancada do capital, se limite a combinar a educação elementar com o trabalho na fábrica, não pode haver dúvida de que quando a classe trabalhadora chega ao poder, como inevitavelmente deve acontecer, a instrução técnica, ambas teórica e prática, terá seu devido lugar nas escolas da classe operária. Também não há dúvida de que tais fermentos revolucionários, cujo resultado final é a abolição da velha divisão do trabalho, são diametralmente opostos à forma capitalista de produção e ao status econômico do trabalhador correspondente a essa forma. Mas o desenvolvimento histórico dos antagonismos, imanentes a uma dada forma de produção, é a única maneira pela qual essa forma de produção pode ser dissolvida e uma nova forma estabelecida. “Ne sutor ultra crepidam” - este nec plus ultra da sabedoria artesanal se tornou um absurdo absoluto, a partir do momento em que o relojoeiro Watt inventou a máquina a vapor, o barbeiro Arkwright, o throstle e o joalheiro Fulton, o navio a vapor. [228]


Enquanto a legislação fabril se limitar a regulamentar o trabalho nas fábricas, manufaturas etc., ela é considerada uma mera interferência nos direitos de exploração do capital. Mas quando se trata de regulamentar o chamado “trabalho doméstico”, [229] é imediatamente visto como um ataque direto à pátria potestas, à autoridade dos pais. O terno Parlamento inglês há muito fingiu evitar dar esse passo. A força dos fatos, entretanto, obrigou-o finalmente a reconhecer que a indústria moderna, ao derrubar o fundamento econômico em que se baseava a família tradicional, e o trabalho familiar que lhe corresponde, também havia afrouxado todos os laços familiares tradicionais. Os direitos das crianças tinham que ser proclamados. O relatório final do Ch. Empl. Com. de 1866, afirma:


“É infelizmente, em um grau doloroso, aparente ao longo de todas as evidências, que contra nenhuma pessoa as crianças de ambos os sexos requerem tanto proteção quanto contra seus pais.” O sistema de exploração ilimitada do trabalho infantil em geral e do chamado trabalho doméstico em particular é "mantido apenas porque os pais são capazes, sem verificação ou controle, de exercer esse poder arbitrário e danoso sobre seus filhos jovens e tenros. .. Os pais não devem possuir o poder absoluto de fazer de seus filhos meras 'máquinas para ganhar tanto salário semanal ....' As crianças e jovens, portanto, em todos esses casos, podem justificadamente reivindicar do legislador, como um direito natural , que uma isenção deve ser assegurada a eles, do que destrói prematuramente sua força física, e os rebaixa na escala dos seres intelectuais e morais. ” [230]

 

Não foi, no entanto, o uso indevido da autoridade dos pais que criou a exploração capitalista, direta ou indireta, do trabalho infantil; mas, ao contrário, foi o modo capitalista de exploração que, ao varrer a base econômica da autoridade dos pais, fez com que seu exercício degenerasse em um uso nocivo de poder. Por mais terrível e repugnante que possa parecer a dissolução, no regime capitalista, dos antigos laços familiares, não obstante, a indústria moderna, por atribuir uma parte importante do processo produtivo, fora da esfera doméstica, às mulheres, aos jovens. , e para filhos de ambos os sexos, cria uma nova base econômica para uma forma superior da família e das relações entre os sexos. Obviamente, é tão absurdo considerar a forma teutônico-cristã da família absoluta e definitiva quanto aplicar esse caráter às formas romanas, gregas ou orientais antigas que, além disso, assumiram juntos formam uma série no desenvolvimento histórico. Além disso, é óbvio que o fato do grupo coletivo de trabalho ser composto por indivíduos de ambos os sexos e de todas as idades, deve necessariamente, em condições adequadas, tornar-se uma fonte de desenvolvimento humano; embora em sua forma espontânea, brutal e capitalista, onde o trabalhador existe para o processo de produção, e não o processo de produção para o trabalhador, esse fato é uma fonte pestilenta de corrupção e escravidão. [231]


A necessidade de uma generalização dos Atos de Fábrica, para transformá-los de uma lei excepcional relativa à fiação e tecelagem mecânica - aquelas primeiras criações da maquinaria - em uma lei que afeta a produção social como um todo, surgiu, como vimos, do modo em que a indústria moderna foi historicamente desenvolvida. Na retaguarda dessa indústria, a forma tradicional de manufatura, de artesanato e de indústria nacional, está inteiramente revolucionada; as manufaturas estão constantemente passando para o sistema de fábrica e o artesanato para as manufaturas; e, por último, as esferas do artesanato e das indústrias domésticas tornam-se, em um tempo, comparativamente falando, maravilhosamente curto, antros de miséria onde a exploração capitalista obtém liberdade para os excessos mais selvagens. Existem duas circunstâncias que finalmente mudam a escala: primeiro, a experiência constantemente recorrente de que o capital, assim que se encontra sujeito ao controle legal em um ponto, se compensa ainda mais imprudentemente em outros pontos; [232] em segundo lugar, o clamor dos capitalistas por igualdade nas condições de competição, ou seja, por restrição igual a toda exploração do trabalho. [233] Sobre este ponto, vamos ouvir dois gritos de partir o coração. Os Srs. Cooksley, de Bristol, fabricantes de pregos e correntes etc., introduziram espontaneamente os regulamentos da Lei da Fábrica em seus negócios.


“Como o antigo sistema irregular prevalece nas obras vizinhas, os Srs. Cooksley estão sujeitos à desvantagem de ter seus filhos atraídos para continuar seu trabalho em outro lugar depois das 18h00. ‘Isso’, eles dizem naturalmente, ‘é uma injustiça e uma perda para nós, pois esgota uma parte da força do menino, da qual devemos ter todo o benefício’. ” [234]


O Sr. J. Simpson (caixa de papel e fabricante de bolsas, Londres) declara perante os comissários do Ch. Empl. Com .:


“Ele assinaria qualquer petição para isso” (interferência legislativa) ... “Do jeito que estava, ele sempre se sentia inquieto à noite, quando fechava sua casa, para que os outros não estivessem trabalhando mais tarde que ele e escapando de suas ordens. [235]


Resumindo, o Ch. Empl. Com. diz:


“Seria injusto para os grandes empregadores que suas fábricas fossem regulamentadas, enquanto as horas de trabalho em locais menores em seu próprio ramo de negócios não estivessem sob restrição legislativa. E à injustiça decorrente das condições desleais de concorrência, em matéria de horários, que seriam criadas caso os menores postos de trabalho fossem dispensados, acrescentaria-se a desvantagem para os grandes fabricantes, de encontrarem sua oferta de mão-de-obra juvenil e feminina sacada. para os locais de trabalho isentos de legislação. Além disso, um estímulo seria dado à multiplicação dos locais de trabalho menores, que são quase invariavelmente os menos favoráveis ​​à saúde, conforto, educação e melhoria geral das pessoas ”. [236]



Em seu relatório final, a Comissão propõe submeter à Lei da Fábrica mais de 1.400.000 crianças, jovens e mulheres, dos quais cerca da metade são explorados em pequenas indústrias e pelo chamado trabalho doméstico. [237] Diz,


“Mas se parecer adequado ao Parlamento colocar todo esse grande número de crianças, jovens e mulheres sob a legislação protetora acima mencionada ... não se pode duvidar que tal legislação teria um efeito mais benéfico, não apenas sobre os jovens e os fracos, que são seus objetos mais imediatos, mas sobre o corpo ainda maior de trabalhadores adultos, que em todos esses empregos, direta e indiretamente, ficariam imediatamente sob sua influência. Isso os obrigaria a horários regulares e moderados; isso faria com que seus locais de trabalho fossem mantidos em um estado saudável e limpo; seria, portanto, administrar e aumentar aquela reserva de força física da qual o seu próprio bem-estar e o do país tanto dependem; salvaria a nova geração daquele esforço excessivo em uma idade precoce que mina suas constituições e leva à decadência prematura; por fim, garantiria a eles - pelo menos até a idade de 13 anos - a oportunidade de receber os elementos da educação, e poria fim a essa total ignorância ... tão fielmente exibida nos Relatórios de nossos Comissários Assistentes, e que não pode ser considerada sem a mais profunda dor e um profundo senso de degradação nacional. ” [238]


O Gabinete Conservador [239] anunciou no Discurso do Trono, em 5 de fevereiro de 1867, que havia enquadrado as propostas da Comissão Industrial de Investigação [240] em projetos de lei. Para chegar até lá, foram necessários mais vinte anos de experimentum in corpore vili. Já em 1840, uma Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o trabalho infantil foi nomeada. Seu Relatório, em 1842, desdobrado, nas palavras de Nassau W. Senior,


“O quadro mais assustador de avareza, egoísmo e crueldade por parte de senhores e pais, e de miséria, degradação e destruição juvenil e infantil já apresentado ... Pode-se supor que descreve os horrores de uma época passada. Mas infelizmente há evidências de que esses horrores continuam tão intensos quanto antes. Um panfleto publicado por Hardwicke há cerca de 2 anos afirma que os abusos denunciados em 1842 estão em plena floração nos dias de hoje. É uma prova estranha do abandono geral da moral e da saúde dos filhos da classe trabalhadora, que este relatório tenha passado despercebido por 20 anos, durante os quais as crianças, 'criadas sem o mais remoto sinal de compreensão do que é significado pelo termo moral, que não tinha nem conhecimento, nem religião, nem afeição natural ', foram autorizados a se tornar os pais da geração presente. ” [241]


Tendo as condições sociais mudado, o Parlamento não podia ousar engavetar as exigências da Comissão de 1862, como fizera com as da Comissão de 1840. Daí em 1864, quando a Comissão ainda não tinha publicado mais do que uma parte das suas. relatórios, as indústrias de faiança (incluindo as olarias), os fabricantes de guarnições de papel, fósforos, cartuchos e bonés e cortadores de fustão foram submetidos às Leis em vigor nas indústrias têxteis. No Discurso do Trono, em 5 de fevereiro de 1867, o Gabinete Conservador da época anunciou a introdução de Projetos de Lei, fundados nas recomendações finais da Comissão, que havia concluído seus trabalhos em 1866.


Em 15 de agosto de 1867, a Lei de Extensão de Atos de Fábrica, e em 21 de agosto, a Lei de Regulamentação de Oficinas recebeu o consentimento real; a primeira lei referindo-se às grandes indústrias, a última às pequenas.


O primeiro se aplica a altos-fornos, fábricas de ferro e cobre, fundições, oficinas mecânicas, fábricas de metal, fábricas de guta-percha, fábricas de papel, fábricas de vidro, fábricas de tabaco, impressão de cartas (incluindo jornais), encadernação, em suma, a todos os estabelecimentos industriais do tipo acima, nos quais 50 pessoas ou mais estejam ocupadas simultaneamente e por pelo menos 100 dias durante o ano.


Para dar uma ideia da extensão da esfera abrangida pela Lei de Regulamentação das Oficinas em sua aplicação, citamos de sua cláusula de interpretação, as seguintes passagens:


"Artesanato significa qualquer trabalho manual exercido por meio de comércio, ou para fins de ganho em, ou incidental à fabricação de qualquer artigo ou parte de um artigo, ou em, ou incidental à, alteração, reparo, ornamentação, acabamento, ou de outra forma adaptando para venda qualquer artigo. ”


"Oficina significa qualquer sala ou local ao ar livre ou coberto, no qual qualquer artesanato é realizado por qualquer criança, jovem ou mulher, e para o qual e sobre o qual a pessoa por quem tal criança, jovem ou a mulher está empregada, tem o direito de acesso e controle. ”


"Empregado significa ocupado em qualquer artesanato, seja por salário ou não, sob um mestre ou sob um pai como aqui definido."


"Pai deve significar pai, tutor ou pessoa, tendo a custódia de, ou controle sobre, qualquer ... criança ou jovem."


A cláusula 7, que impõe pena para o emprego de crianças, jovens e mulheres, contrariando o disposto na Lei, sujeita a multas, não só o ocupante da oficina, pai ou não, mas até


“O pai, ou a pessoa que obtém qualquer benefício direto do trabalho de, ou que tem o controle sobre, a criança, o jovem ou a mulher.”

A Lei de Extensão de Atos de Fábrica, que afeta os grandes estabelecimentos, derroga a Lei de Fábrica por uma multidão de exceções cruéis e compromissos covardes com os senhores.


A Lei de Regulamentação das Oficinas, miserável em todos os seus detalhes, permaneceu letra morta nas mãos das autoridades municipais e locais encarregadas de sua execução. Quando, em 1871, o Parlamento retirou-lhes este poder, para o conferir aos Inspetores de Fábrica, a cuja província juntou assim de um só golpe mais de cem mil oficinas e trezentas olarias, cuidou-se no mesmo tempo para não adicionar mais de oito assistentes à sua equipe já insuficiente. [242]


O que nos impressiona, então, na legislação inglesa de 1867, é, por um lado, a necessidade imposta ao parlamento das classes dominantes, de adotar em princípio medidas tão extraordinárias e em tão grande escala, contra os excessos da exploração capitalista; e, por outro lado, a hesitação, a repugnância e a má-fé com que se prestou à tarefa de pôr em prática aquelas medidas.


A Comissão de Inquérito de 1862 também propôs uma nova regulamentação da indústria de mineração, uma indústria diferenciada das outras pela característica excepcional de que os interesses do latifundiário e do capitalista ali se juntassem. O antagonismo desses dois interesses havia sido favorável à legislação de Fábrica, por outro lado, a ausência desse antagonismo é suficiente para explicar os atrasos e a trapaça da legislação sobre minas.


A Comissão de Inquérito de 1840 havia feito revelações tão terríveis, tão chocantes e criando tal escândalo por toda a Europa que, para salvar sua consciência, o Parlamento aprovou a Lei de Mineração de 1842, na qual se limitou a proibir o emprego subterrâneo de crianças em minas. menores de 10 anos e mulheres.


Em seguida, outra lei, a Lei de Inspeção de Minas de 1860, prevê que as minas sejam inspecionadas por funcionários públicos nomeados especialmente para esse fim, e que meninos com idades entre 10 e 12 anos não sejam empregados, a menos que tenham um certificado escolar, ou ir para a escola por um certo número de horas. Esta lei foi uma letra morta devido ao número ridiculamente pequeno de inspetores, a escassez de seus poderes e outras causas que se tornarão aparentes à medida que prosseguirmos.


Um dos livros azuis mais recentes sobre minas é o “Relatório do Comitê Selecionado de Minas, junto com & c. Provas, 23 de julho de 1866. ” Este Relatório é o trabalho de uma Comissão Parlamentar selecionada entre membros da Câmara dos Comuns e autorizada a convocar e interrogar testemunhas. É um volumoso volume em fólio, no qual o próprio Relatório ocupa apenas cinco linhas nesse sentido; que a comissão nada tem a dizer e que mais testemunhas devem ser interrogadas!


O modo de examinar as testemunhas lembra o interrogatório das testemunhas nos tribunais de justiça ingleses, onde o advogado tenta, por meio de questões impudentes, inesperadas, ambíguas e complicadas, colocadas sem conexão, para intimidar, surpreender e confundir o testemunha, e dar um sentido forçado às respostas que lhe foram extorquidas. Neste inquérito, os próprios membros da comissão são os examinadores, e entre eles podem ser encontrados tanto proprietários de minas como exploradores de minas; as testemunhas são, em sua maioria, mineradores de carvão trabalhando. Toda a farsa é característica demais do espírito do capital, para não exigirmos alguns extratos deste Relatório. Por uma questão de concisão, classifiquei-os. Posso também acrescentar que todas as perguntas e suas respostas são numeradas nos livros do English Blue.


1. Emprego em minas de meninos de 10 anos ou mais. - Nas minas o trabalho, inclusive de ida e volta, costuma durar 14 ou 15 horas, às vezes até das 3, 4 e 5 horas da manhã, até 5 e 6 horas da tarde (nº 6, 452, 83). Os adultos trabalham em dois turnos, de oito horas cada; mas não há alternância com os meninos, por conta do gasto (n. 80, 203, 204). Os meninos mais novos se ocupam principalmente em abrir e fechar as portas de ventilação nas várias partes da mina; os mais velhos são empregados em trabalhos mais pesados, no transporte de carvão, etc. (n. 122, 739, 1747). Eles trabalham essas longas horas no subsolo até seus 18 ou 22 anos, quando são colocados para o trabalho de mineração propriamente dito (nº 161). As crianças e os jovens são atualmente mais mal tratados e mais trabalhados do que em qualquer período anterior (n. 1663-1667). Os mineiros exigem quase unanimemente uma lei do Parlamento proibindo o emprego nas minas de crianças menores de 14 anos. E agora Hussey Vivian (ele próprio um explorador de minas) pergunta:


“A opinião do trabalhador não dependeria da pobreza da família do trabalhador?” Sr. Bruce: “Você não acha que seria um caso muito difícil, onde um pai tivesse sido ferido, ou onde ele estivesse doente, ou onde um pai estivesse morto, e houvesse apenas uma mãe, para prevenir uma criança entre 12 anos e 14 ganhando 1s. 7d. um dia para o bem da família? ... Você deve estabelecer uma regra geral? ... Você está preparado para recomendar legislação que impeça o emprego de crianças menores de 12 e 14 anos, seja qual for o estado de seus pais? ” "Sim." (ns. 107-110). Vivian: “Supondo que uma lei fosse aprovada impedindo o emprego de crianças menores de 14 anos, não seria provável que ... os pais de crianças procurassem emprego para seus filhos em outras direções, por exemplo, na manufatura?” “Geralmente não, eu acho” (n. 174). Kinnaird: “Alguns dos meninos são guardiões de portas?” "Sim." “Geralmente não há uma corrente de ar muito forte toda vez que você abre ou fecha uma porta?” "Sim, geralmente há." “Parece uma coisa muito fácil, mas na verdade é bastante dolorosa?” "Ele está preso lá da mesma forma que se estivesse na cela de uma prisão." Bourgeois Vivian: “Sempre que um menino está equipado com uma lâmpada, ele não consegue ler?” “Sim, ele pode ler, se se encontrar em velas ... Suponho que ele seria considerado culpado se fosse descoberto lendo; ele está lá para cuidar de seus negócios, ele tem um dever a cumprir, e ele tem que cuidar disso em primeiro lugar, e eu não acho que seria permitido cair no poço. ” (ns. 139, 141, 143, 158, 160).


II. Educação. - Os mineiros trabalhadores querem uma lei para a educação obrigatória de seus filhos, como nas fábricas. Eles declaram que as cláusulas da Lei de 1860, que exigem a obtenção de um certificado escolar antes de empregar meninos de 10 e 12 anos, são bastante ilusórias. O exame das testemunhas sobre este assunto é verdadeiramente divertido.


“É (a Lei) exigida mais contra os senhores ou contra os pais?” “É necessário contra ambos, eu acho.” "Você não pode dizer se é necessário contra um mais do que contra o outro?" "Não; Eu dificilmente posso responder a essa pergunta. ” (ns. 115, 116). “Parece haver algum desejo por parte dos empregadores de que os meninos tenham horários que lhes permitam ir à escola?” "Não; as horas nunca são encurtadas para esse fim ”. (n. 137) Sr. Kinnaird: “Deveria dizer que os mineiros geralmente melhoram a sua educação; Você tem algum exemplo de homens que, desde que começaram a trabalhar, melhoraram muito sua educação, ou preferem voltar e perder qualquer vantagem que possam ter ganho? ” “Geralmente pioram: não melhoram; eles adquirem maus hábitos; eles começam a beber, jogar e coisas do gênero, e ficam completamente destruídos ”. (nº 211.) “Eles fazem alguma tentativa do tipo (para fornecer instrução) tendo escolas à noite?” “Existem poucas minas onde as escolas noturnas são realizadas, e talvez nessas minas alguns meninos vão para essas escolas; mas eles estão tão exaustos fisicamente que é inútil que eles vão lá. ” (n. 454.) “Você é então”, conclui o burguês, “contra a educação?” “Certamente que não; mas, ”& c. (nº 443.) “Mas eles (os empregadores) não são obrigados a exigi-los (certificados escolares)?” “Por lei eles são; mas não estou ciente de que sejam exigidos pelos empregadores ”. “Então, é sua opinião que esta disposição da Lei quanto à exigência de certificados, geralmente não é realizada nas minas?” “Não é realizado.” (ns. 443, 444.) “Os homens se interessam muito por esta questão (da educação)?” “A maioria deles faz.” (nº 717). “Eles estão muito ansiosos para ver a lei aplicada?” “A maioria é.” (n. 718.) “Você acha que neste país qualquer lei que você aprovar ... pode realmente ser eficaz, a menos que a própria população ajude a colocá-la em prática?” "Muitos homens podem desejar se opor a empregar um menino, mas talvez se tornem marcados por isso." (n. 720.) “Marcado por quem?” “Por seus empregadores.” (nº 721). “Você acha que os empregadores achariam alguma falta em um homem que obedecesse a lei ...?” "Eu acredito que sim." (nº 722.) “Você já ouviu falar de algum operário que se opôs a empregar um menino entre 10 e 12 anos que não sabia escrever nem ler?” “Não é uma opção dos homens.” (nº 123.) “Você pediria a interferência do Parlamento?” “Eu acho que se algo eficaz deve ser feito na educação dos filhos dos mineiros, isso terá que ser tornado obrigatório por lei do Parlamento.” (n. 1634.) “Você colocaria essa obrigação apenas sobre os mineiros, ou sobre todos os trabalhadores da Grã-Bretanha?” “Vim falar pelos mineiros.” (nº 1636.) “Por que você deveria distingui-los (garotos de carvão) de outros garotos?” “Porque eu acho que eles são uma exceção à regra.” (nº 1638.) “Em que aspecto?” “Em um aspecto físico.” (nº 1639.) “Por que a educação deveria ser mais valiosa para eles do que para outras classes de rapazes?” “Não sei se é mais valioso; mas, por meio do esforço excessivo nas minas, há menos chance para os meninos que estão empregados lá obterem educação, seja nas escolas dominicais ou nas escolas diurnas ”. (n. 1640.) “É impossível olhar para uma questão deste tipo absolutamente por si mesma?” (n. 1644.) “Há escolas suficientes?” - “Não” ... (n. 1646). “Se o Estado exigisse que todas as crianças fossem mandadas para a escola, haveria escolas para as crianças frequentarem?” “Não; mas acho que se as circunstâncias surgissem, as escolas estariam abertas.” (n. 1647.) “Alguns deles (os meninos) não sabem ler nem escrever, suponho?” “A maioria não pode ... A maioria dos próprios homens não pode.” (ns. 705, 725.)


III. Emprego de mulheres. - Desde 1842, as mulheres não são mais empregadas no subsolo, mas ocupam-se na superfície no carregamento do carvão, etc., na extração dos tubos para os canais e vagões ferroviários, na triagem, etc. Seu número aumentou consideravelmente nos últimos três ou quatro anos. (n. 1727.) São em sua maioria esposas, filhas e viúvas dos mineiros trabalhadores, e suas idades variam de 12 a 50 ou 60 anos. (ns. 645, 1779.)


“Qual é o sentimento entre os trabalhadores mineiros quanto ao emprego das mulheres?” “Eu acho que eles geralmente o condenam.” (nº 648.) "Que objeção você vê a isso?" “Eu acho que é degradante para o sexo.” (nº 649.) “Existe uma peculiaridade no vestuário?” "Sim ... é antes um vestido de homem e acredito que, em alguns casos, afoga todo o senso de decência." "As mulheres fumam?" "Alguns fazem." “E suponho que seja um trabalho muito sujo?” "Muito sujo." "Eles ficam pretos e sujos?" “Tão negros quanto aqueles que estão nas minas ... Eu acredito que uma mulher que tem filhos (e há muitos nas margens que têm) não pode cumprir seu dever para com os filhos.” (ns. 650-654, 701.) “Você acha que essas viúvas poderiam conseguir emprego em qualquer outro lugar, o que lhes traria o mesmo salário (de 8s. a 10s. por semana)?” "Não posso falar sobre isso." (nº 709.) “Você ainda estaria preparado, estaria” (sujeito de coração duro!) “para impedir que eles obtivessem seu sustento por esses meios?” "Eu poderia." (nº 710.) “Qual é o sentimento geral no distrito ... quanto ao emprego de mulheres?” “A sensação é degradante; e desejamos, como mineiros, ter mais respeito pelo belo sexo do que vê-los colocados no banco do poço ... Parte do trabalho é muito difícil; algumas dessas meninas arrecadam até 10 toneladas de coisas por dia. ” (ns. 1715,1717.) “Você acha que as mulheres que trabalham nas minas são menos morais do que as mulheres que trabalham nas fábricas?” “. ..a porcentagem de maus pode ser um pouco mais ... do que com as meninas nas fábricas. ” (n. 1237.) “Mas você não está muito satisfeito com o estado de moralidade nas fábricas?” "Não." (n. 1733.) “Você proibiria o emprego de mulheres também nas fábricas?” "Não, eu não faria." (n. 1734.) “Por que não?” “Acho que é uma ocupação mais honrosa para eles nas fábricas.” (nº 1735). “Ainda assim, é prejudicial à moralidade deles, você acha?” “Não tanto quanto trabalhando no banco de poço; mas é mais na posição social que assumo; Eu não considero isso apenas em sua base moral. A degradação, em seu impacto social sobre as meninas, é deplorável ao extremo. Quando essas 400 ou 500 meninas se tornam esposas de mineiros, os homens sofrem muito com essa degradação, e isso os faz deixar suas casas e beber. ” (n. 1736.) “Você seria obrigado a interromper o emprego de mulheres na siderurgia também, não seria, se o interrompesse nas minas?” “Não posso falar por nenhum outro ofício.” (n. 1737). “Você pode ver alguma diferença nas circunstâncias das mulheres empregadas em siderúrgicas e nas circunstâncias das mulheres empregadas acima do solo nas minas?” "Eu não verifiquei nada quanto a isso." (nº 1740.) “Você consegue ver algo que faça distinção entre uma classe e outra?” “Não tenho averiguado isso, mas sei da visitação de casa em casa, que é uma situação deplorável em nosso distrito ...” (n. 1741.) “Você interferiria em todos os casos no emprego das mulheres onde aquele emprego estava degradando? ” “Seria prejudicial, penso, desta forma: os melhores sentimentos dos ingleses foram adquiridos com a instrução de uma mãe. ... ”(n. 1750.)“ Isso se aplica igualmente aos empregos agrícolas, não é? ” “Sim, mas isso é apenas por duas temporadas, e temos trabalho nas quatro temporadas.” (n. 1751.) “Eles muitas vezes trabalham dia e noite, molhados até a pele, sua constituição prejudicada e sua saúde arruinada.” "Você não perguntou sobre esse assunto, talvez?" “Certamente tomei nota disso à medida que avançava, e certamente não vi nada paralelo aos efeitos do emprego de mulheres no banco do poço .... É o trabalho de um homem ... um homem forte . ” (ns. 1753, 1793, 1794.) “Seu sentimento sobre todo o assunto é que a melhor classe de mineiros que desejam se elevar e se humanizar, em vez de obter ajuda das mulheres, são puxados por eles?” "Sim." (n. 1808.) Depois de mais algumas perguntas tortuosas desses burgueses, o segredo de sua “simpatia” pelas viúvas, famílias pobres etc., finalmente é revelado. “O proprietário do carvão nomeia certos senhores para supervisionar os trabalhos, e é sua política, para receber aprovação, colocar as coisas da maneira mais econômica que puderem, e essas meninas são empregadas a partir de 1s. até 1s. 6d. um dia, onde um homem à taxa de 2s. 6d. um dia teria que ser empregado. ” (n. 1816.)


4. Inquéritos do coroner. -


"Com relação aos inquéritos do legista em seu distrito, os trabalhadores têm confiança nos procedimentos desses inquéritos quando ocorrem acidentes?" "Não; eles não têm." (nº 360.) “Por que não?” “Principalmente porque os homens geralmente escolhidos são homens que nada sabem sobre minas e coisas do gênero.” “Não são os trabalhadores convocados para os júris?” "Nunca, mas como testemunhas do meu conhecimento." “Quem são as pessoas que geralmente são convocadas para esses júris?” “Geralmente os comerciantes da vizinhança ... por suas circunstâncias, às vezes são suscetíveis de serem influenciados por seus empregadores ... os donos das obras. Eles geralmente são homens que não têm conhecimento e mal podem entender as testemunhas que são chamadas diante deles, e os termos que são usados ​​e semelhantes. ” “Você teria o júri composto por pessoas que trabalharam na mineração?” “Sim, em parte ... eles (os trabalhadores) pensam que o veredicto não está de acordo com as evidências dadas em geral.” (ns. 361, 364, 366, 368, 371, 375.) “Um grande objetivo em convocar um júri é ter um júri imparcial, não é?” "Sim, acho que sim." “Você acha que os júris seriam imparciais se fossem compostos em grande parte por trabalhadores?” “Não vejo motivo para que os operários tenham de agir parcialmente ... eles necessariamente têm um melhor conhecimento das operações relacionadas com a mina.” “Você não acha que haveria uma tendência por parte dos trabalhadores de retornar veredictos injustamente severos?” "Não acho que não." (ns. 378, 379, 380.)


V. Pesos e medidas falsas. - Os operários exigem ser pagos semanalmente em vez de quinzenalmente e em peso em vez do conteúdo cúbico das cubas; eles também exigem proteção contra o uso de pesos falsos, etc. (n. 1071.)


“Se as banheiras fossem aumentadas de forma fraudulenta, um homem poderia interromper o trabalho dando um aviso prévio de 14 dias?” “Mas se ele vai para outro lugar, a mesma coisa está acontecendo lá.” (nº 1071.) “Mas ele pode sair daquele lugar onde o mal foi cometido?” “É geral; onde quer que ele vá, ele tem que se submeter ”. (n. 1072.) “Um homem poderia sair dando um aviso prévio de 14 dias?” "Sim." (n. 1073.) E, no entanto, não estão satisfeitos!


VI. Inspeção de minas. - As vítimas de explosões não são as únicas coisas de que sofrem os trabalhadores. (n. 234, sqq.)


“Nossos homens reclamaram muito da má ventilação das minas ... a ventilação é tão ruim em geral que os homens mal conseguem respirar; tornam-se totalmente impróprios para qualquer tipo de emprego, depois de terem estado por um longo tempo em conexão com seu trabalho; na verdade, apenas na parte da mina onde estou trabalhando, os homens foram obrigados a deixar seus empregos e voltar para casa por causa disso ... alguns deles estão sem trabalho há semanas apenas em consequência do mau estado de a ventilação onde não há gás explosivo ... geralmente há bastante ar nos cursos principais, mas não se dá o trabalho de colocar ar nos locais de trabalho onde os homens estão trabalhando ”. “Por que você não se candidata ao inspetor?” “Para dizer a verdade, muitos homens são tímidos nesse ponto; houve casos de homens sendo sacrificados e perdendo o emprego em conseqüência de se candidatarem ao inspetor ”. “Por que ele é um homem marcado por ter reclamado?” "Sim ...... E ele acha difícil conseguir emprego em outra mina?" "Sim." “Você acha que as minas em sua vizinhança são inspecionadas o suficiente para garantir o cumprimento das disposições da Lei?” "Não; eles não são inspecionados de forma alguma ... o inspetor desceu apenas uma vez no fosso, e já faz sete anos ... No distrito a que pertenço não há um número suficiente de inspetores. Temos um velho com mais de 70 anos para inspecionar mais de 130 minas. ” “Você deseja ter uma classe de subinspetores?” "Sim." (ns. 234, 241, 251, 254, 274, 275, 554, 276, 293.) “Mas você acha que seria possível para o governo manter um exército de inspetores que seria necessário para fazer tudo o que você deseja que façam, sem informação dos homens? ” "Não, eu acho que seria quase impossível ..." "Seria desejável que os inspetores viessem com mais frequência?" “Sim, e sem ser chamado.” (n. 280, 277.) "Você não acha que o efeito de ter esses inspetores examinando as minas com tanta frequência seria o de transferir a responsabilidade (!) de fornecer ventilação adequada dos proprietários das minas para os funcionários do Governo?" “Não, eu não acho isso, eu acho que eles deveriam fazer questão de fazer cumprir as leis que já existem.” (n. 285.) “Quando você fala de subinspetores, você se refere a homens com menor salário e de cunho inferior aos atuais fiscais?” "Eu não os teria inferiorizado, se você pudesse obtê-los de outra forma." (nº 294.) “Você quer apenas mais inspetores ou quer uma classe baixa de homens como inspetores?” “Um homem que baterá e cuidará para que as coisas sejam mantidas em ordem; um homem que não teria medo de si mesmo. ” (nº 295.) “Se você obteve seu desejo de nomear uma classe inferior de inspetores, você acha que não haveria perigo por falta de habilidade, etc.?” “Eu acho que não, eu acho que o governo veria depois disso, e teria homens adequados nessa posição.” (n. 297.)

Este tipo de exame torna-se afinal demais até para o presidente da comissão, e ele interrompe com a observação:


"Você quer uma classe de homens que examinariam todos os detalhes da mina, e iriam a todos os buracos e cantos, e investigariam os fatos reais ... eles relatariam ao inspetor-chefe, que então traria seu conhecimento científico para apoiar os fatos que eles declararam? ” (ns. 298, 299.) “Não haveria um grande gasto se todos esses trabalhos antigos fossem mantidos ventilados?” “Sim, despesas podem ser incorridas, mas a vida seria ao mesmo tempo protegida.” (n. 531.)


Um mineiro em atividade se opõe à seção 17 da Lei de 1860; ele diz,


“No momento, se o inspetor de minas encontrar uma parte da mina imprópria para trabalhar, ele deve informar o proprietário da mina e o Ministro do Interior. Feito isso, é dado ao proprietário 20 dias para examinar o assunto; ao final de 20 dias ele tem o poder de recusar fazer qualquer alteração na mina; mas, quando ele se recusa, o proprietário da mina escreve ao Ministro do Interior, ao mesmo tempo nomeando cinco engenheiros, e desses cinco engenheiros nomeados pelo próprio proprietário da mina, o Ministro do Interior nomeia um, eu acho, como árbitro, ou nomeia árbitros entre eles; agora achamos que, nesse caso, o proprietário da mina virtualmente nomeia seu próprio árbitro. ” (n. 581.)


Examinador burguês, ele mesmo proprietário de uma mina:


"Mas ... esta é uma objeção meramente especulativa?" (n. 586.) “Então você tem uma opinião muito ruim sobre a integridade dos engenheiros de minas?” “É certamente injusto e injusto.” (n. 588.) “Os engenheiros de minas não possuem uma espécie de caráter público, e você não acha que eles estão acima de tomar uma decisão parcial como você apreende?” “Não desejo responder a uma pergunta como essa com respeito ao caráter pessoal daqueles homens. Acredito que, em muitos casos, eles agiriam de forma muito parcial, de fato, e que não deveria estar em suas mãos fazer isso, onde as vidas dos homens estão em jogo. ” (n. 589.)


Este mesmo burguês não se envergonha de fazer esta pergunta: “Você não acha que o dono da mina também sofre perdas com uma explosão?” Finalmente, “Vocês, trabalhadores de Lancashire, não são capazes de cuidar de seus próprios interesses sem chamar o governo para ajudá-los?” "Não." (n. 1042.)


No ano de 1865, havia 3.217 minas de carvão na Grã-Bretanha e 12 inspetores. O próprio proprietário de uma mina de Yorkshire calcula (Times, 26 de janeiro de 1867) que, deixando de lado o trabalho de escritório, que absorve todo o seu tempo, cada mina pode ser visitada apenas uma vez em dez anos por um inspetor. Não admira que as explosões tenham aumentado progressivamente, tanto em número como em extensão (às vezes com uma perda de 200-300 homens), durante os últimos dez anos. Essas são as belezas da produção capitalista “livre”! [Esta frase foi adicionada ao texto em inglês em conformidade com a 4ª edição alemã. - Ed.]


A própria lei defeituosa, aprovada em 1872, é a primeira que regulamenta as horas de trabalho das crianças empregadas nas minas e responsabiliza, em certa medida, os exploradores e proprietários pelos chamados acidentes.


A Comissão Real nomeada em 1867 para investigar o emprego de crianças, jovens e mulheres na agricultura, publicou alguns relatórios muito importantes. Várias tentativas de aplicar os princípios dos Atos da Fábrica, mas de uma forma modificada, à agricultura foram feitas, mas até agora resultaram em completo fracasso. Tudo o que desejo chamar a atenção aqui é a existência de uma tendência irresistível para a aplicação geral desses princípios.


Se a extensão geral da legislação de fábrica a todas as profissões com o propósito de proteger a classe trabalhadora, tanto mental como corporalmente, tornou-se inevitável, por outro lado, como já apontamos, essa extensão apressa a conversão geral de numerosos isolados pequenas indústrias em algumas indústrias combinadas continuaram em grande escala; portanto, acelera a concentração do capital e a predominância exclusiva do sistema fabril. Ele destrói tanto as formas antigas quanto as de transição, atrás das quais o domínio do capital ainda está parcialmente oculto, e as substitui pelo domínio direto e aberto do capital; mas, com isso, também generaliza a oposição direta a esse domínio. Embora em cada oficina individual imponha uniformidade, regularidade, ordem e economia, aumenta pelo imenso estímulo que a limitação e a regulação da jornada de trabalho dão ao aperfeiçoamento técnico, a anarquia e as catástrofes da produção capitalista como um todo, o intensidade do trabalho, e a competição da maquinaria com o trabalhador. Com a destruição de pequenas indústrias domésticas, ele destrói o último recurso da “população redundante” e, com ele, a única válvula de escape remanescente de todo o mecanismo social. Amadurecendo as condições materiais e a combinação em escala social dos processos de produção, amadurece as contradições e antagonismos da forma capitalista de produção e, assim, fornece, junto com os elementos para a formação de uma nova sociedade, as forças por explodir o antigo. [243]


SEÇÃO 10: INDÚSTRIA MODERNA E AGRICULTURA

A revolução provocada pela indústria moderna na agricultura e nas relações sociais dos produtores agrícolas será investigada mais adiante. Neste lugar, iremos apenas indicar alguns resultados a título de antecipação. Se o uso da maquinaria na agricultura está, em sua maior parte, livre dos efeitos físicos prejudiciais que tem sobre o operário da fábrica, sua ação em suplantar os trabalhadores é mais intensa e encontra menos resistência, como veremos mais adiante em detalhes. Nos condados de Cambridge e Suffolk, por exemplo, a área de terra cultivada aumentou muito nos últimos 20 anos (até 1868), enquanto no mesmo período a população rural diminuiu, não apenas relativamente, mas absolutamente. Nos Estados Unidos, ainda é apenas virtualmente que as máquinas agrícolas substituem os trabalhadores; em outras palavras, eles permitem o cultivo pelo fazendeiro de uma superfície maior, mas não expulsam realmente os trabalhadores empregados. Em 1861, o número de pessoas ocupadas na Inglaterra e no País de Gales na fabricação de máquinas agrícolas era de 1.034, enquanto o número de trabalhadores agrícolas empregados no uso de máquinas agrícolas e máquinas a vapor não ultrapassava 1.205.


No âmbito da agricultura, a indústria moderna tem um efeito mais revolucionário do que em qualquer outro lugar, por isso aniquila o camponês, baluarte da velha sociedade, e o substitui pelo trabalhador assalariado. Assim, o desejo de mudanças sociais e os antagonismos de classe são levados ao mesmo nível no campo e nas cidades. Os métodos irracionais e antiquados de agricultura são substituídos por métodos científicos. A produção capitalista destrói completamente o antigo vínculo de união que mantinha a agricultura e a manufatura unidas em sua infância. Mas, ao mesmo tempo, cria as condições materiais para uma síntese superior no futuro, a saber, a união da agricultura e da indústria com base nas formas mais aperfeiçoadas que cada uma adquiriu durante sua separação temporária. A produção capitalista, por reunir a população nos grandes centros e causar uma preponderância cada vez maior da população urbana, por um lado concentra a força motriz histórica da sociedade; por outro lado, perturba a circulação da matéria entre o homem e o solo, ou seja, impede o retorno ao solo de seus elementos consumidos pelo homem na forma de alimentos e roupas; portanto, viola as condições necessárias para a fertilidade duradoura do solo. Com esta ação, destrói ao mesmo tempo a saúde do trabalhador da cidade e a vida intelectual do trabalhador rural. [244] Mas ao mesmo tempo em que perturba as condições naturalmente cultivadas para a manutenção dessa circulação da matéria, exige imperiosamente sua restauração como sistema, como lei reguladora da produção social e sob uma forma apropriada ao pleno desenvolvimento da raça humana. . Na agricultura como na manufatura, a transformação da produção sob o domínio do capital, significa, ao mesmo tempo, o martírio do produtor; o instrumento de trabalho torna-se o meio de escravizar, explorar e empobrecer o trabalhador; a combinação social e a organização dos processos de trabalho são transformadas em um modo organizado de esmagar a vitalidade, liberdade e independência individual do trabalhador. A dispersão dos trabalhadores rurais em áreas maiores quebra seu poder de resistência, enquanto a concentração aumenta o dos operários da cidade. Na agricultura moderna, como nas indústrias urbanas, o aumento da produtividade e da quantidade da mão-de-obra posta em movimento são compradas ao custo de devastar e consumir pela própria doença a força de trabalho. Além disso, todo progresso na agricultura capitalista é um progresso na arte, não apenas de roubar o trabalhador, mas de roubar o solo; todo progresso no aumento da fertilidade do solo por um determinado tempo é um progresso no sentido de arruinar as fontes duradouras dessa fertilidade. Quanto mais um país começa seu desenvolvimento com base em uma indústria moderna, como os Estados Unidos, por exemplo, mais rápido é esse processo de destruição. A produção capitalista, portanto, desenvolve a tecnologia e a combinação de vários processos em um todo social, apenas minando as fontes originais de toda a riqueza - o solo e o trabalhador.


Notas de rodapé

1. Mill deveria ter dito, “de qualquer ser humano não alimentado pelo trabalho de outras pessoas”, pois, sem dúvida, as máquinas aumentaram muito o número de preguiçosos abastados.

2. Ver, por exemplo, Hutton: “Curso de Matemática”.

3. "Deste ponto de vista, podemos traçar uma linha nítida de distinção entre uma ferramenta e uma máquina: pás, martelos, cinzéis, etc., combinações de alavancas e parafusos, em todos os quais, não importa o quão complicados possam ser seja em outros aspectos, o homem é a força motriz, ... tudo isso se enquadra na ideia de uma ferramenta; mas o arado, que é puxado pela força animal, e moinhos de vento, etc., deve ser classificado entre as máquinas. ” (Wilhelm Schulz: “Die Bewegung der Produktion.” Zürich, 1843, p. 38.) Em muitos aspectos, um livro a ser recomendado.

4Antes de sua época, máquinas de fiar, embora muito imperfeitas, já haviam sido utilizadas, e a Itália foi provavelmente o país de seu primeiro aparecimento. Uma história crítica da tecnologia mostraria quão pouco qualquer uma das invenções do século 18 é obra de um único indivíduo. Até agora não existe tal livro. Darwin nos interessou pela história da Tecnologia da Natureza, ou seja, na formação dos órgãos das plantas e dos animais, cujos órgãos servem como instrumentos de produção para a sustentação da vida. Não merece a história dos órgãos produtivos do homem, dos órgãos que constituem a base material de toda organização social, igual atenção? E não seria mais fácil compilar tal história, visto que, como diz Vico, a história humana difere da história natural por termos feito a primeira, mas não o último? A tecnologia revela o modo do homem lidar com a Natureza, o processo de produção pelo qual ele sustenta sua vida, e assim também revela o modo de formação de suas relações sociais e das concepções mentais que fluem delas. Mesmo toda história da religião que deixa de levar em conta essa base material é acrítica. É, na realidade, muito mais fácil descobrir pela análise o cerne terreno das criações nebulosas da religião, do que, inversamente, é desenvolver a partir das relações reais da vida as formas celestiais correspondentes dessas relações. O último método é o único materialista e, portanto, o único científico. Os pontos fracos do materialismo abstrato das ciências naturais, um materialismo que exclui a história e seu processo,

5. Especialmente na forma original do tear mecânico, reconhecemos, à primeira vista, o antigo tear. Em sua forma moderna, o tear mecânico sofreu alterações essenciais.

6. Foi apenas durante os últimos 15 anos (isto é, desde cerca de 1850), que uma parte cada vez maior dessas máquinas-ferramenta foi fabricada na Inglaterra por máquinas, e não pelos mesmos fabricantes que as fabricam. Exemplos de máquinas para a fabricação dessas ferramentas mecânicas são, o motor automático de fabricação de bobinas, o motor de cardetting, máquinas de fabricação de lançadeiras e máquinas para forjar mulas e fusos de aceleração.

7. Moisés diz: “Não amordaçarás o boi que pisa o milho.” Os filantropos cristãos da Alemanha, ao contrário, prendiam ao pescoço dos servos uma tábua de madeira, que usavam como força motriz para moer, a fim de evitar que colocassem farinha na boca com as mãos.

8. Foi em parte a falta de riachos com boa queda sobre eles, e em parte suas batalhas com a superabundância de água em outros aspectos, que obrigou os holandeses a recorrer ao vento como força motriz. O próprio moinho de vento foi obtido da Alemanha, onde sua invenção foi a origem de uma bela disputa entre os nobres, os sacerdotes e o imperador sobre a qual dos três o vento "pertencia". O ar escraviza, era o grito na Alemanha, ao mesmo tempo que o vento libertava a Holanda. O que reduziu à escravidão, neste caso, não foi o holandês, mas a terra para o holandês. Em 1836, 12.000 moinhos de vento de 6.000 cavalos de potência ainda eram empregados na Holanda, para evitar que dois terços da terra fossem reconvertidos em pântanos.

9. Foi, de fato, muito melhorado pelo primeiro motor de ação simples de Watt; mas, nesta forma, continuou a ser uma mera máquina para levantar água e o licor das minas de sal.

10. “A união de todos esses instrumentos simples, acionados por um único motor, constitui uma máquina.” (Babbage, lc)

11Em janeiro de 1861, John C. Morton leu para a Society of Arts um artigo sobre “As forças empregadas na agricultura”. Ele declara: “Cada melhoria que promove a uniformidade do terreno torna a máquina a vapor cada vez mais aplicável à produção de força mecânica pura ... A potência dos cavalos é necessária sempre que cercas tortas e outras obstruções impedem a ação uniforme. Essas obstruções estão desaparecendo a cada dia. Para operações que exigem mais exercício da vontade do que força real, o único poder aplicável é aquele controlado a cada instante pela mente humana - em outras palavras, o poder do homem. ” O Sr. Morton então reduz a força do vapor, os cavalos de força e a força de trabalho à unidade em uso geral para motores a vapor, ou seja, a força necessária para levantar 33.000 libras. um pé em um minuto e calcula que o custo de um cavalo-vapor de uma máquina a vapor seja de 3d., e de um cavalo a 5½d. por hora. Além disso, se um cavalo deve manter totalmente sua saúde, ele não pode trabalhar mais do que 8 horas por dia. Três, pelo menos, de cada sete cavalos usados ​​na lavoura durante o ano podem ser dispensados ​​usando a força do vapor, a uma despesa não maior do que aquela que os cavalos dispensados ​​custariam durante os 3 ou 4 meses em que por si só, eles podem ser usados ​​de forma eficaz. Por fim, a força a vapor, nas operações agrícolas em que pode ser empregada, melhora, em comparação com os cavalos de força, a qualidade do trabalho. Para fazer o trabalho de uma máquina a vapor seriam necessários 66 homens, a um custo total de 15 s. uma hora, e para fazer o trabalho de um cavalo, 32 homens, a um custo total de 8 s. uma hora. Três pelo menos em cada sete cavalos usados ​​na lavoura durante o ano podem ser dispensados ​​usando a força do vapor, a uma despesa não maior do que aquela que os cavalos dispensados ​​custariam durante os 3 ou 4 meses em que por si só, eles podem ser usados ​​de forma eficaz. Por fim, a força a vapor, nas operações agrícolas em que pode ser empregada, melhora, em comparação com os cavalos de força, a qualidade do trabalho. Para fazer o trabalho de uma máquina a vapor seriam necessários 66 homens, a um custo total de 15 s. uma hora, e para fazer o trabalho de um cavalo, 32 homens, a um custo total de 8 s. uma hora. Três pelo menos em cada sete cavalos usados ​​na lavoura durante o ano podem ser dispensados ​​usando a força do vapor, a uma despesa não maior do que aquela que os cavalos dispensados ​​custariam durante os 3 ou 4 meses em que por si só, eles podem ser usados ​​de forma eficaz. Por fim, a força a vapor, nas operações agrícolas em que pode ser empregada, melhora, em comparação com os cavalos de força, a qualidade do trabalho. Para fazer o trabalho de uma máquina a vapor seriam necessários 66 homens, a um custo total de 15 s. uma hora, e para fazer o trabalho de um cavalo, 32 homens, a um custo total de 8 s. uma hora. A força a vapor, nas operações agrícolas em que pode ser empregada, melhora, em comparação com os cavalos de força, a qualidade do trabalho. Para fazer o trabalho de uma máquina a vapor seriam necessários 66 homens, a um custo total de 15 s. uma hora, e para fazer o trabalho de um cavalo, 32 homens, a um custo total de 8 s. uma hora. A força a vapor, nas operações agrícolas em que pode ser empregada, melhora, em comparação com os cavalos de força, a qualidade do trabalho. Para fazer o trabalho de uma máquina a vapor seriam necessários 66 homens, a um custo total de 15 s. uma hora, e para fazer o trabalho de um cavalo, 32 homens, a um custo total de 8 s. uma hora.

12. Faulhaber, 1625; De Caus, 1688.

13. A turbina moderna libera a exploração industrial de energia hídrica de muitos de seus antigos grilhões.

14“Nos primórdios das manufaturas têxteis, a localização da fábrica dependia da existência de um riacho com queda suficiente para girar uma roda d'água; e, embora o estabelecimento dos moinhos de água fosse o início do desmembramento do sistema doméstico de manufatura, os moinhos necessariamente situados sobre riachos, e freqüentemente a distâncias consideráveis ​​um do outro, faziam parte de um sistema rural do que um sistema urbano; e não foi até a introdução da força a vapor como um substituto para o riacho que as fábricas foram reunidas nas cidades e localidades onde o carvão e a água necessários para a produção de vapor foram encontrados em quantidades suficientes. A máquina a vapor é a origem das cidades manufatureiras. ” (A. Redgrave em "Relatórios do Insp. De Fato., 30 de abril de 1860," p. 36.)

15. Do ponto de vista da divisão do trabalho na manufatura, tecer não era simples, mas, pelo contrário, complicado trabalho manual; e, conseqüentemente, o tear mecânico é uma máquina que faz um trabalho muito complicado. É totalmente errôneo supor que a maquinaria moderna originalmente se apropriou daquelas operações que a divisão do trabalho havia simplificado. A fiação e a tecelagem foram, durante o período de fabricação, divididas em novas espécies, e os implementos foram modificados e melhorados; mas o trabalho em si não foi de forma alguma dividido e manteve seu caráter artesanal. Não é o trabalho, mas o instrumento de trabalho, que serve de ponto de partida da máquina.

16Antes da época da Indústria Mecânica, a manufatura de lã era a manufatura predominante na Inglaterra. Portanto, era nessa indústria que, na primeira metade do século XVIII, se realizava o maior número de experimentos. O algodão, que exigia uma preparação menos cuidadosa para seu tratamento com máquinas, tirou o benefício da experiência adquirida com a lã, assim como posteriormente a manipulação da lã por máquinas se desenvolveu nas linhas de fiação e tecelagem de algodão com máquinas. Foi apenas durante os dez anos imediatamente anteriores a 1866 que detalhes isolados da manufatura da lã, como o penteado, foram incorporados ao sistema fabril. “A aplicação de força ao processo de pentear a lã ... extensivamente em operação desde a introdução da máquina de pentear, especialmente a de Lister ... sem dúvida teve o efeito de tirar do trabalho um grande número de homens. Antigamente, a lã era penteada à mão, mais freqüentemente na cabana da penteadeira. Agora é muito geralmente penteado na fábrica, e o trabalho manual é substituído, exceto em alguns tipos específicos de trabalho, em que a lã penteada à mão ainda é preferida. Muitas das penteadeiras encontraram emprego nas fábricas, mas o produto das penteadeiras tem uma proporção tão pequena em relação à máquina, que o emprego de um grande número de penteadeiras acabou. ” (“Rep. Do Insp. De Fato. De 31 de outubro de 1856,” p. 16.) em que a lã penteada à mão ainda é preferida. Muitas das penteadeiras encontraram emprego nas fábricas, mas o produto das penteadeiras tem uma proporção tão pequena em relação à máquina, que o emprego de um grande número de penteadeiras acabou. ” (“Rep. Do Insp. De Fato. De 31 de outubro de 1856,” p. 16.) em que a lã penteada à mão ainda é preferida. Muitas das penteadeiras encontraram emprego nas fábricas, mas o produto das penteadeiras tem uma proporção tão pequena em relação à da máquina, que o emprego de um grande número de penteadeiras acabou. ” (“Rep. Do Insp. De Fato. De 31 de outubro de 1856,” p. 16.)

17. “O princípio do sistema de fábrica, então, é substituir ... a partição de um processo em seus constituintes essenciais, para a divisão ou graduação do trabalho entre os artesãos.” (Andrew Ure: "The Philosophy of Manufactures", Lond., 1835, p. 20.)

18O tear mecânico foi inicialmente feito principalmente de madeira; em sua forma moderna aprimorada, é feito de ferro. Até que ponto as velhas formas dos instrumentos de produção influenciaram suas novas formas no início, é mostrado, entre outras coisas, pela comparação mais superficial do atual tear mecânico com o antigo, dos modernos aparelhos de sopro de um alto-forno com a primeira reprodução mecânica ineficiente dos foles comuns, e talvez de forma mais impressionante do que de qualquer outra forma, pelas tentativas antes da invenção da presente locomotiva, de construir uma locomotiva que realmente tivesse dois pés, que à moda de um cavalo, ele se erguia alternadamente do solo. É somente após um desenvolvimento considerável da ciência da mecânica e experiência prática acumulada,

19. O descaroçador de algodão de Eli Whitney tinha, até tempos muito recentes, sofrido mudanças menos essenciais do que qualquer outra máquina do século XVIII. Foi apenas durante a última década (ou seja, desde 1856) que outro americano, o Sr. Emery, de Albany, Nova York, tornou o gin Whitney antiquado por um aperfeiçoamento tão simples quanto eficaz.

20. “The Industry of Nations”, Lond., 1855, Parte II., P. 239. Este trabalho também observa: 'Simples e aparentemente sem importância como este apêndice para tornos pode parecer, não é, acreditamos, evitar demais afirmar, que sua influência em melhorar e estender o uso de máquinas foi tão grande quanto isso produzido pelas melhorias de Watt na própria máquina a vapor. Sua introdução foi imediatamente para aperfeiçoar todas as máquinas, baratear e estimular a invenção e o aprimoramento. ”

21. Uma dessas máquinas, usada para forjar eixos de roda de pás em Londres, é chamada de “Thor”. Ele forja um fuste de 16½ toneladas com a mesma facilidade com que um ferreiro forja uma ferradura.

22. As máquinas para trabalhar madeira que também podem ser empregadas em pequena escala são, em sua maioria, invenções americanas.

23. A ciência, em geral, não custa nada ao capitalista, fato que de forma alguma o impede de explorá-la. A ciência alheia é tão anexada ao capital quanto o trabalho alheio. A apropriação capitalista e a apropriação pessoal, seja da ciência ou da riqueza material, são, no entanto, coisas totalmente diferentes. O próprio Dr. Ure deplora a grosseira ignorância da ciência mecânica existente entre seus queridos fabricantes de máquinas, e Liebig pode contar uma história sobre a espantosa ignorância da química exibida pelos fabricantes ingleses de produtos químicos.

24Ricardo dá tanta ênfase a este efeito da maquinaria (da qual, em outras conexões, ele não dá mais atenção do que da distinção geral entre o processo de trabalho e o processo de criação de mais-valor), que ocasionalmente perde de vista o valor cedido pelas máquinas ao produto, e coloca as máquinas no mesmo pé que as forças naturais. Assim, "Adam Smith em nenhum lugar subestima os serviços que os agentes naturais e as máquinas executam para nós, mas ele distingue muito justamente a natureza do valor que eles agregam às mercadorias ... ao realizarem seu trabalho gratuitamente, a assistência que eles nos fornecem, não acrescenta nada ao valor em troca ”. (Ric., Lc, pp. 336, 337.) Esta observação de Ricardo é, naturalmente, correta na medida em que é dirigida contra JB Say,

25Um cavalo-força é igual a uma força de 33.000 libras-pé por minuto, ou seja, a uma força que aumenta 33.000 libras um pé por minuto, ou uma libra a 33.000 pés. Este é o cavalo de força pretendido no texto. Na linguagem comum, e também aqui e ali nas citações neste trabalho, é feita uma distinção entre os cavalos de potência “nominais” e “comerciais” ou “indicados” do mesmo motor. O cavalo-força antigo ou nominal é calculado exclusivamente a partir do comprimento do curso do pistão e do diâmetro do cilindro, deixando a pressão do vapor e a velocidade do pistão fora de consideração. Exprime praticamente isto: Este motor seria um de 50 cavalos de potência, se fosse movido com a mesma baixa pressão de vapor, e a mesma velocidade lenta do pistão, como nos dias de Boulton e Watt. Mas os dois últimos fatores aumentaram enormemente desde aqueles dias. Para medir a força mecânica exercida hoje por um motor, foi inventado um indicador que mostra a pressão do vapor no cilindro. A velocidade do pistão é facilmente verificada. Assim, a potência "indicada" ou "comercial" dos cavalos de um motor é expressa por uma fórmula matemática, envolvendo diâmetro do cilindro, comprimento do curso, velocidade do pistão e pressão do vapor, simultaneamente, e mostrando qual múltiplo de 33.000 libras é realmente elevado pelo motor em um minuto. Portanto, um cavalo de potência “nominal” pode exercer três, quatro ou até cinco cavalos de potência “indicados” ou “reais”. Esta observação é feita com o propósito de explicar várias citações nas páginas subsequentes. A velocidade do pistão é facilmente verificada. Assim, a potência "indicada" ou "comercial" dos cavalos de um motor é expressa por uma fórmula matemática, envolvendo diâmetro do cilindro, comprimento do curso, velocidade do pistão e pressão do vapor, simultaneamente, e mostrando qual múltiplo de 33.000 libras é realmente elevado pelo motor em um minuto. Portanto, um cavalo de potência “nominal” pode exercer três, quatro ou mesmo cinco cavalos de potência “indicados” ou “reais”. Esta observação é feita com o propósito de explicar várias citações nas páginas subsequentes. A velocidade do pistão é facilmente verificada. Assim, a potência "indicada" ou "comercial" dos cavalos de um motor é expressa por uma fórmula matemática, envolvendo diâmetro do cilindro, comprimento do curso, velocidade do pistão e pressão do vapor, simultaneamente, e mostrando qual múltiplo de 33.000 libras é realmente elevado pelo motor em um minuto. Portanto, um cavalo de potência “nominal” pode exercer três, quatro ou até cinco cavalos de potência “indicados” ou “reais”. Esta observação é feita com o propósito de explicar várias citações nas páginas subsequentes. um cavalo de potência “nominal” pode exercer três, quatro ou mesmo cinco cavalos de potência “indicados” ou “reais”. Esta observação é feita com o propósito de explicar várias citações nas páginas subsequentes. um cavalo de potência “nominal” pode exercer três, quatro ou mesmo cinco cavalos de potência “indicados” ou “reais”. Esta observação é feita com o propósito de explicar várias citações nas páginas subsequentes. -F. E .

26. O leitor que está imbuído de noções capitalistas naturalmente perderá aqui o “juro” que a máquina, na proporção de seu valor de capital, agrega ao produto. É, no entanto, facilmente visto que, uma vez que uma máquina não cria mais valor novo do que qualquer outra parte do capital constante, ela não pode adicionar qualquer valor sob o nome de "juros". É também evidente que aqui, quando tratamos da produção de mais-valia, não podemos presumir a priori a existência de qualquer parte desse valor sob o nome de juros. O modo de cálculo capitalista, que parece, primâ facie , absurdo e repugnante às leis de criação de valor, será explicado no terceiro livro desta obra.

27Essa porção de valor que é acrescentada pela máquina diminui tanto absoluta quanto relativamente, quando a máquina elimina cavalos e outros animais que são empregados como meras forças motrizes, e não como máquinas para mudar a forma da matéria. Pode-se aqui observar, incidentalmente, que Descartes, ao definir os animais como meras máquinas, via com os olhos da época da manufatura, enquanto para os olhos da idade média os animais eram assistentes do homem, como o foram depois para Von Haller em seu “Restauração der Staatswissenschaften. ” Que Descartes, como Bacon, antecipou uma alteração na forma de produção, e a subjugação prática da Natureza pelo Homem, como resultado dos métodos alterados de pensamento, é claro em seu “Discours de la Méthode”. Ele aí diz:[É possível obter conhecimentos muito úteis na vida e, no lugar da filosofia especulativa ensinada nas escolas, pode-se encontrar uma filosofia prática pela qual, dado que conhecemos os poderes e a eficácia do fogo, da água, do ar, do estrelas, e todos os outros corpos que nos rodeiam, tão bem e tão precisamente quanto conhecemos os vários ofícios de nossos artesãos, seremos capazes de empregá-los da mesma maneira que estes para todos os usos aos quais estão adaptados, e assim, por assim dizer, nos tornamos os mestres e possuidores da natureza, contribuindo assim para a perfeição da vida humana.]No prefácio de “Discourses upon Trade” (1691), de Sir Dudley North, o método de Descartes havia começado a libertar a Economia Política das velhas fábulas e noções supersticiosas de ouro, comércio etc. No geral, entretanto, os primeiros economistas ingleses apoiaram Bacon e Hobbes como seus filósofos; enquanto, em um período posterior, o filósofo [...] da Economia Política na Inglaterra, França e Itália foi Locke.

28. De acordo com o relatório anual (1863) da câmara de comércio de Essen, eram produzidos em 1862, na fábrica de aço fundido de Krupp, com seus 161 fornos, trinta e dois motores a vapor (no ano de 1800 era sobre o número de todas as máquinas a vapor trabalhando em Manchester) e quatorze martelos a vapor (representando ao todo 1.236 cavalos de potência) 49 forjas, 203 máquinas-ferramentas e cerca de 2.400 operários - treze milhões de libras de aço fundido. Aqui não há dois operários para cada cavalo de força.

29. Babbage estima que, em Java, apenas a mão-de-obra de fiação acrescenta 117% ao valor do algodão. No mesmo período (1832), o valor total agregado ao algodão por máquinas e mão de obra na indústria de fiação fina era de cerca de 33% do valor do algodão. ("On the Economy of Machinery", pp. 165, 166.)

30. A impressão por máquina também economiza cor.

31. Ver Paper lido pelo Dr. Watson, Reporter on Products to the Government of India, antes da Society of Arts, 17 de abril de 1860.

32. “Esses agentes mudos (máquinas) são sempre o produto de muito menos trabalho do que aquele que eles deslocam, mesmo quando eles têm o mesmo valor em dinheiro.” (Ricardo, lc, p. 40.)

33. Conseqüentemente, em uma sociedade comunista, haveria um escopo muito diferente para o emprego de máquinas do que em uma sociedade burguesa.

34. “Empregadores de mão-de-obra não manteriam desnecessariamente dois pares de crianças com menos de treze anos ... De fato, uma classe de fabricantes, as fiandeiras de lã, agora raramente emprega crianças com menos de treze anos de idade, ou seja, meio-expedientes. Eles introduziram máquinas aprimoradas e novas de vários tipos, que substituem totalmente o emprego de crianças (isto é, menores de 13 anos); fi, citarei um processo como ilustração dessa diminuição do número de filhos, em que pela adição de um aparelho, denominado máquina de emenda, às máquinas existentes, o trabalho de seis ou quatro meio-tempos, conforme a peculiaridade de cada máquina, pode ser executada por um jovem (com mais de 13 anos) ... o sistema de meio expediente 'estimulou' a invenção da máquina de emenda. ” (Relatórios de insp. De fato de 31 de outubro de 1858.)

35. “Wretch” é o termo reconhecido na economia política inglesa para o trabalhador agrícola.

36. “As máquinas ... freqüentemente não podem ser empregadas até que a mão-de-obra (ele quer dizer os salários) aumente.” (Ricardo, lc, p. 479.)

37. Ver “Relatório do Congresso de Ciências Sociais, em Edimburgo”. Outubro de 1863.

38O Dr. Edward Smith, durante a crise do algodão causada pela Guerra Civil Americana, foi enviado pelo governo inglês a Lancashire, Cheshire e outros lugares, para relatar sobre as condições sanitárias dos operadores de algodão. Ele relatou que do ponto de vista higiênico, e além do banimento dos operários do ambiente fabril, a crise tinha várias vantagens. As mulheres agora tinham tempo suficiente para dar o peito a seus bebês, em vez de envenená-los com o "cordial de Godfrey". Eles tiveram tempo para aprender a cozinhar. Infelizmente, a aquisição dessa arte ocorreu em uma época em que eles não tinham nada para cozinhar. Mas, a partir disso, vemos como o capital, para fins de sua autoexpansão, usurpou o trabalho necessário no lar da família. Essa crise também foi aproveitada para ensinar costura às filhas dos operários nas escolas de costura.

39“O aumento numérico de mão-de-obra tem sido grande, com a crescente substituição da mão-de-obra feminina pelo masculino e, sobretudo, da infantil pelo adulto. Três meninas de 13 anos, com salários de 6 xelins a 8 xelins por semana, substituíram o único homem de idade madura, com salários que variam de 18 xelins a 45 xelins. ” (Th. De Quincey: "The Logic of Political Econ.", Londres, 1844. Nota para a p. 147.) Visto que certas funções familiares, como amamentar e amamentar crianças, não podem ser totalmente suprimidas, as mães devem ser confiscadas pelo capital tente substitutos de algum tipo. O trabalho doméstico, como costura e remendos, deve ser substituído pela compra de artigos prontos. Conseqüentemente, a diminuição no gasto de trabalho na casa é acompanhada por um aumento no gasto de dinheiro. O custo de manter a família aumenta e equilibra a maior renda. Além disso, torna-se impossível economia e julgamento no consumo e preparação dos meios de subsistência. Abundante material relativo a estes fatos, que são ocultados pela Economia Política oficial, pode ser encontrado nos Relatórios dos Inspetores de Fábricas, da Comissão de Emprego Infantil e, mais especialmente, nos Relatórios de Saúde Pública.

40Em flagrante contraste com o grande fato de que a redução das horas de trabalho de mulheres e crianças nas fábricas inglesas era exigida do capital pelos operários do sexo masculino, encontramos nos últimos relatórios da Children's Employment Commission traços dos pais operativos em relação ao tráfico de crianças, que é verdadeiramente revoltante e completamente semelhante ao tráfico de escravos. Mas o fariseu de um capitalista, como se pode ver pelos mesmos relatórios, denuncia essa brutalidade que ele mesmo cria, perpetua e explora, e que, além disso, batiza "liberdade de trabalho". “O trabalho infantil tem sido chamado para ajudar ... até mesmo para trabalhar para o seu próprio pão de cada dia. Sem forças para suportar tal labuta desproporcional, sem instruções para guiar sua vida futura, eles foram lançados em uma situação física e moralmente poluída. O historiador judeu comentou sobre a derrubada de Jerusalém por Tito que não era de se admirar que ela tivesse sido destruída, com uma destruição tão notável, quando uma mãe desumana sacrificou sua própria prole para satisfazer os desejos da fome absoluta. ” (“Public Economy Concentrated”. Carlisle, 1833, p. 66.)

41. A. Redgrave em “Reports of lnsp. de fato. para 31 de outubro de 1858, ”pp. 40, 41.

42. “Children's Employment Commission, Fifth Report,” Londres, 1866, p. 81, n. 31. [Adicionado na 4ª edição alemã. - A indústria da seda Bethnal Green está quase destruída. - FE ]

43. “Children's Employment Commission, Third Report,” Londres, 1864, p. 53, n. 15

44. lc, Quinto Relatório, p. 22, n. 137

45. “Sexto Relatório sobre Saúde Pública”, Lond., 1864, p. 34

46. "Ele (o inquérito de 1861) ... mostrou, além disso, que, embora, com as circunstâncias descritas, os bebês morram sob a negligência e má administração que as ocupações de suas mães implicam, as mães tornam-se em uma grave extensão desnaturalizadas em relação a seus filhos - geralmente não se preocupam muito com a morte, e até mesmo às vezes ... tomando medidas diretas para segurá-la. ” (lc)

47. lc, p. 454.

48. lc, pp. 454-463. “Relatório do Dr. Henry Julian Hunter sobre a mortalidade excessiva de bebês em alguns distritos rurais da Inglaterra.”

49. lc, p. 35 e pp. 455, 456.

50. lc, p. 456.

51. Tanto nos distritos agrícolas como nas fábricas, o consumo de ópio entre os trabalhadores adultos, tanto homens como mulheres, está aumentando diariamente. “Promover a venda de opiáceos ... é o grande objetivo de alguns comerciantes atacadistas empreendedores. Por farmacêuticos, é considerado o artigo principal. ” (lc, p. 459.) Os bebês que tomam opiáceos “encolheram-se e se transformaram em homenzinhos” ou “enrugados como macaquinhos”. (lc, p. 460.) Vemos aqui como a Índia e a China se vingaram da Inglaterra.

52. lc, p. 37

53. “Rep. de Insp. de fato. para 31 de outubro de 1862 ”, p. 59. O Sr. Baker foi anteriormente um médico.

54. L. Horner em “Relatórios do Insp. de fato. para 30 de junho de 1857, ”p. 17

55. L. Horner em “Rep. do lnsp. de fato. para 31 de outubro de 1855, ”pp. 18, 19.

56. Sir John Kincaid em “Rep. de Insp. de fato. para 31 de outubro de 1858 ”, pp. 31, 32.

57. L. Horner em “Reports, & c., Para 31 de outubro de 1857,” pp. 17, 18.

58. Sir J. Kincaid em “Reports, & c., 31 de outubro de 1856,” p. 66

59. A. Redgrave em “Rep. de Insp. de fato., 31º. Outubro de 1857 ”, pp. 41-42. Nas indústrias em que a Lei da Fábrica propriamente dita (não a Lei das Obras de Impressão a que se refere o texto) já está em vigor há algum tempo, os obstáculos no caminho das cláusulas de educação foram, nos últimos anos, superados. Em setores que não estão sob a lei, as opiniões do Sr. J. Geddes, um fabricante de vidro, ainda prevalecem amplamente. Ele informou ao Sr. White, um dos Comissários de Inquérito: “Pelo que posso ver, a maior quantidade de educação que uma parte da classe trabalhadora gozou nos últimos anos é um mal. É perigoso, porque os torna independentes. ” (“Children's Empl. Comm., Fourth Report,” Lond., 1865, p. 253.)

60. “Sr. E., um fabricante ... informou-me que empregava mulheres exclusivamente em seus teares mecânicos ... dá decidida preferência a mulheres casadas, especialmente aquelas que têm famílias em casa que dependem delas para o sustento; eles são atenciosos, dóceis, mais do que mulheres solteiras, e são compelidos a empregar seus maiores esforços para suprir o necessário para a vida. Assim são as virtudes, as virtudes peculiares da personagem feminina a serem pervertidas para seu prejuízo - assim, tudo o que é mais zeloso e terno em sua natureza se torna um meio de sua escravidão e sofrimento. ” (Ten Hours 'Factory Bill. The Speech of Lord Ashley, 15 de março de Lond., 1844, p. 20.)

61. “Desde a introdução geral das máquinas, a natureza humana foi forçada muito além de sua força média.” (Rob. Owen: "Observações sobre os efeitos do sistema de manufatura", 2ª Ed., Londres, 1817.)

62Os ingleses, que tendem a considerar a forma mais primitiva de aparição de uma coisa como a causa de sua existência, costumam atribuir as longas horas de trabalho nas fábricas ao extenso sequestro de crianças, praticado por capitalistas no infância do sistema fabril, em asilos e orfanatos, por meio dos quais roubos, material sem resistência para exploração. Assim, por exemplo, Ficiden, ele mesmo um fabricante, diz: “É evidente que as longas horas de trabalho foram provocadas pela circunstância de um número tão grande de crianças carentes serem abastecidas de diferentes partes do país, que os mestres foram independente das mãos, e que uma vez estabelecido o costume por meio dos materiais miseráveis ​​que eles adquiriram desta forma, eles poderiam impor isso aos seus vizinhos com a maior facilidade. ” (J. Ficiden: “The Curse of the Factory System,” Lond., 1836, p. 11.) Com referência ao trabalho das mulheres, Saunders, o inspetor de fábrica, diz em seu relatório de 1844: “Entre as operárias femininas há algumas mulheres que, por muitas semanas consecutivas, exceto por alguns dias, trabalham das 6h à meia-noite, com menos de 2 horas para as refeições, de modo que em 5 dias da semana elas têm apenas 6 horas de folga. os 24, para ir e voltar de suas casas e descansar na cama ”. m. até a meia-noite, com menos de 2 horas para as refeições, de modo que nos 5 dias da semana restam apenas 6 horas dos 24, para ir e voltar de casa e descansar na cama ”. m. até a meia-noite, com menos de 2 horas para as refeições, de modo que nos 5 dias da semana restam apenas 6 horas de 24 horas para ir e voltar de casa e descansar na cama ”.

63. “Ocasião ... lesão nas delicadas partes móveis do mecanismo metálico por inação.” (Ure, lc, p. 281.)

64. O Manchester Spinner ( Times , 26 de novembro de 1862) antes referido diz em relação a este assunto: "Ele (ou seja, a" tolerância para deterioração de máquinas ") também se destina a cobrir as perdas que constantemente surgem de a substituição de máquinas antes que se desgastem, por outras de uma construção nova e melhor. ”

65. “Foi estimado, aproximadamente, que o primeiro indivíduo de uma máquina recém-inventada custará cerca de cinco vezes mais do que a construção da segunda.” Babbage, lc, p. 349.

66. “As melhorias que ocorreram não muito tempo atrás em armações para fazer uma rede de patentes foram tão grandes que uma máquina em bom estado de conservação que custou £ 1.200, foi vendida alguns anos depois por £ 60 ... melhorias se sucederam tão rapidamente, que as máquinas que nunca haviam sido concluídas foram abandonadas nas mãos de seus fabricantes, porque novas melhorias substituíram sua utilidade. ” (Babbage, lc, p. 233.) Nestes tempos tempestuosos de avante, portanto, os fabricantes de tule logo estenderam a jornada de trabalho, por meio de pares duplos de ponteiros, das 8 horas originais para 24.

67. “É óbvio que, em meio aos fluxos e refluxos dos mercados e às expansões e contrações alternadas da demanda, as ocasiões ocorrerão constantemente, nas quais o fabricante pode empregar capital flutuante adicional sem empregar capital fixo adicional ... se quantidades adicionais de matéria-prima podem ser processadas sem incorrer em uma despesa adicional para edifícios e máquinas. ” (R. Torrens: “On Wages and Combination.” Londres, 1834, p. 64.)

68. Essa circunstância é mencionada apenas para fins de exaustividade, pois não considerarei a taxa de lucro, isto é, a relação entre a mais-valia e o capital total adiantado, até chegar ao terceiro livro.

69. Sênior, "Letters on the Factory Act." Londres, 1837, pp. 13, 14.

70. “A grande proporção de capital fixo para capital circulante ... torna desejáveis ​​longas horas de trabalho.” Com o aumento do uso de máquinas etc., "os motivos para longas horas de trabalho se tornarão maiores, como o único meio pelo qual uma grande proporção do capital fixo pode ser lucrativa." (lc, pp. 11-13.) "Existem certas despesas em uma usina que continuam na mesma proporção se a usina estiver operando em curto ou em tempo integral, como, por exemplo, taxas de aluguel e impostos, seguro contra incêndio, salários de vários empregados permanentes, deterioração de máquinas, com vários outros encargos sobre um estabelecimento industrial, cuja proporção para os lucros aumenta à medida que a produção diminui. ” (“Rep. De Insp. De Fato. De 31 de outubro de 1862,” p. 19.)

71. Por que é que o capitalista, e também os economistas políticos que estão imbuídos de suas opiniões, estão inconscientes dessa contradição imanente, aparecerá na primeira parte do terceiro livro.

72. É um dos maiores méritos de Ricardo ter visto nas máquinas não apenas os meios de produzir mercadorias, mas de criar uma “população redundante”.

73. F. Biese. “Die Philosophie des Aristoteles,” vol. 2. Berlim, 1842, p. 408.

74. Apresento a seguir a tradução deste poema de Stolberg, porque traz em relevo, exatamente no espírito das citações anteriores referentes à divisão do trabalho, a antítese entre as visões dos antigos e dos modernos. “Poupe a mão que mói o milho, Oh, moleiras, e durma suavemente. Que Chantecler anuncie o amanhecer em vão! Deo ordenou que o trabalho das meninas fosse feito pelas ninfas, e agora elas saltam levemente sobre as rodas, de modo que os eixos sacudidos giram com seus raios e puxam a carga das pedras giratórias. Vamos viver a vida de nossos pais, descansar do trabalho e desfrutar dos dons que a Deusa nos envia. ”

“Schonet der mahlenden Hand, o Müllerinnen, und schlafet
Sanft! es verkünde der Hahn euch den Morgen umsonst!
Däo hat die Arbeit der Midchen den Nymphen befohlen,
Und itzt hüpfen sic leicht über die Räder dahin,
Daß die erschütterten Achsen mit ihren Speichen sich wälzen,
Und im Kreise die Last drehen des wälzenden Steins.
Laßt uns leben das Leben der Väter, und laBt uns der Gaben
Arbeitslos uns freun, welche die Göttin uns schenkt. ”

(Gedichte aus dem Griechischen übersetzt von Christian Graf zu Stolberg, Hamburgo, 1782.)

75. Há, é claro, sempre diferenças nas intensidades do trabalho em várias indústrias. Mas essas diferenças são, como Adam Smith mostrou, compensadas em parte por circunstâncias menores, peculiares a cada tipo de trabalho. O tempo de trabalho, como medida de valor, não é, entretanto, afetado neste caso, exceto na medida em que a duração do trabalho, e o grau de sua intensidade, são duas expressões antitéticas e mutuamente exclusivas para uma e a mesma quantidade. de trabalho.

76. Especialmente por peça, uma forma que investigaremos na Parte VI. deste livro.

77. Veja “Rep. do lnsp. de fato. para 31 de outubro de 1865. ”

78. Rep. De Insp. de fato. para 1844 e o trimestre encerrado em 30 de abril de 1845, pp. 20-21.

79. lc, p. 19. Uma vez que os salários por peça não foram alterados, os salários semanais dependiam da quantidade produzida.

80. lc, p. 20

81. O elemento moral desempenhou um papel importante nas experiências acima. Os operários disseram ao inspetor de fábrica: “Trabalhamos com mais ânimo, temos sempre a recompensa de sair mais cedo à noite, e um espírito ativo e alegre permeia todo o moinho, desde o mais novo até o mais velho, e nós podem ajudar muito uns aos outros. ” (lc, p. 21.)

82. John Fielden, lc, p. 32

83. Lord Ashley, IC, pp. 6-9, passim.

84. Rep. De Insp. de fato. para o trimestre encerrado em 30 de setembro de 1844 e de 1º de outubro de 1844 a 30 de abril de 1845, p. 20

85. lc, p. 22

86. “Rep. do lnsp. de fato. para 31 de outubro de 1862, ”p. 62

87. Isso foi alterado no “Retorno Parlamentar” de 1862. Nele, os cavalos de força reais das modernas máquinas a vapor e rodas d'água aparecem no lugar do nominal. Os fusos de duplicação também não estão mais incluídos nos fusos de fiação (como era o caso nas “Devoluções” de 1839, 1850 e 1856); além disso, no caso de moinhos de lã, o número de "gigas" é adicionado, uma distinção feita entre moinhos de juta e de cânhamo de um lado e moinhos de linho do outro, e finalmente a tecelagem de meia é inserida pela primeira vez no relatório.

88. “Rep. de Insp. de fato. para 31 de outubro de 1856, ”pp. 13-14, 20 e 1852, p. 23

89. lc, pp. 14-15.

90. lc, P. 20.

91. “Relatórios, etc., de 31 de outubro de 1858,” pp. 9-10. Compare “Relatórios, etc., de 30 de abril de 1860,” p. 30, sqq.

92. “Relatórios do lnsp. de fato. para 31 de outubro de 1862 ”, pp. 100 e 130.

93. Em dois teares mecânicos modernos, um tecelão agora faz em uma semana de 60 horas 26 peças de certa qualidade, comprimento e largura; enquanto nos antigos teares mecânicos ele não poderia fazer mais do que 4 dessas peças. O custo de tecer um pedaço desse tecido já havia caído de 2s logo depois de 1850. 9d. a 5 1 / 8d.

“Trinta anos atrás (1841), um fiandeiro com três alocadores não era obrigado a cuidar de mais de um par de mulas com 300-324 fusos. Atualmente (1871) ele tem que cuidar com a ajuda de 5 perfuradores 2.200 fusos, e produz não menos do que sete vezes mais fios do que em 1841. ” (Alex. Redgrave, Inspetor de Fábrica - no Journal of Arts , 5 de janeiro de 1872.)

94. “Rep. de Insp. de fato. para 31 de outubro de 1861 ”, pp. 25, 26.

95. A agitação para uma jornada de trabalho de 8 horas já começou (1867) em Lancashire entre os operários da fábrica.

96. Os poucos números a seguir indicam o aumento nas "fábricas" do Reino Unido desde 1848:

Quantidade
exportada.
1848.
Quantidade
exportada.
1851.
Quantidade
exportada.
1860.
Quantidade
exportada.
1865.
ALGODÃO
Fio de algodãolibras
135.831.162
libras
143.966.106
libras
197.343.655
libras
103.751.455
Linha de costura-libras
4.392.176
libras
6.297.554
libras
4.648.611
Roupa de algodãojardas
1.091.373.930
jardas
1.543.161.789
jardas
2.776.218.427
jardas
2.015.237.851
FLAX & HEMP
Fiolibras
11.722.182
libras
18.841.326
libras
31.210.612
libras
36.777.334
Panojardas
88.901.519
jardas
129.106.753
jardas
143.996.773
jardas
247.012.529
SEDA
Fiolibras
466.825
libras
462.513
libras
897.402
libras
812.589
Pano-jardas
1.181.455
jardas
1.307.293
jardas
2.869.837

Fios de lã e penteados
-libras
14.670.880
libras
27.533.968
libras
31.669.267
Pano-jardas
151.231.153
jardas
190.371.507
jardas
278.837.418
Valor
exportado.
1848.
£
Valor
exportado.
1851.
£
Valor
exportado.
1860.
£
Valor
exportado.
1865.
£
ALGODÃO
Fio5.927.8316.634.0269.870.87510.351.049
Pano16.753.36923.454.81042.141.50546.903.796
FLAX & HEMP
Fio493.449951.4261.801.2722.505.497
Pano2.802.7894.107.3964.804.8039.155.358
SEDA
Fio77.789196.380826.107768.064
Pano-1.130.3981.587.3031.409.221
Fio776.9751.484.5443.843.4505.424.047
Pano5.733.8288.377.18312.156.99820.102.259

Ver os Blue books “Statistical Abstract of the United Kingdom,” Nos. 8 e 13. Lond., 1861 e 1866. Em Lancashire, o número de fábricas aumentou apenas 4 por cento. entre 1839 e 1850; 19 por cento. entre 1850 e 1856; e 33 por cento. entre 1856 e 1862; enquanto as pessoas empregadas neles durante cada um dos períodos acima de seus anos aumentaram absolutamente, mas diminuíram relativamente. (Ver “Rep. Of Insp. Of Fact., Para 31 de outubro de 1862,” p. 63.) O comércio de algodão prepondera em Lancashire. Podemos ter uma idéia da estupenda natureza do comércio de algodão naquele distrito quando consideramos que, do número bruto de fábricas têxteis no Reino Unido, ele absorve 45,2 por cento., Dos fusos 83,3 por cento., Dos fusos. teares mecânicos 81,4 por cento., dos cavalos de força mecânica 72,6 por cento., e do número total de pessoas empregadas 58. 2 por cento. (lc, pp. 62-63.)

97. Ure, lc, p. 18

98. Ure, lc, P. 3 1. Veja Karl Marx, lc, pp. 140-141.

99. Parece muito enganador intencional por estatísticas (o que seria possível provar em detalhes em outros casos também), quando a legislação de fábrica inglesa exclui de sua operação a classe de trabalhadores mencionada por último no texto, enquanto o parlamentar retorna incluir expressamente na categoria de operários de fábrica, não apenas engenheiros, mecânicos etc., mas também gerentes, vendedores, mensageiros, armazéns, embaladores etc., em suma, todos, exceto o próprio dono da fábrica.

100. Ure concede isso. Ele diz, “em caso de necessidade”, os operários podem ser movidos à vontade do gerente de uma máquina para outra, e ele exclama triunfantemente: “Tal mudança está em total contradição com a velha rotina, que divide o trabalho, e a um trabalhador atribui a tarefa de moldar a ponta de uma agulha, a outro, a afiação da ponta. ” Muito melhor que ele se perguntasse, por que essa “velha rotina” é abandonada na fábrica automática, apenas “em caso de necessidade. 

101. Quando a angústia é muito grande, como, por exemplo, durante a Guerra Civil Americana, o operário da fábrica é de vez em quando encarregado pelo burguês de fazer o trabalho mais difícil, como construir estradas, etc. Os “ateliers ingleses nationaux ” [workshops nacionais]de 1862 e nos anos seguintes, estabelecido em benefício dos carentes operários algodoeiros, diferem dos franceses de 1848 nisso, que neste último os operários tinham que fazer trabalho improdutivo às custas do Estado, no primeiro tinham que fazem trabalho municipal produtivo em benefício da burguesia, e também mais barato do que os trabalhadores regulares, com os quais foram então colocados em competição. “A aparência física dos operadores de algodão é indiscutivelmente melhorada. Atribuo isso ... quanto aos homens, ao trabalho ao ar livre nas obras públicas. ” (“Rep. Of Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1863,” p. 59.) O escritor aqui faz alusão aos operativos da fábrica de Preston, que trabalhavam em Preston Moor.

102Um exemplo: Os diversos aparelhos mecânicos introduzidos desde a Lei de 1844 nos moinhos de lã, para substituir o trabalho infantil. Tão logo aconteça que os próprios filhos dos fabricantes tenham que passar por um curso de escolaridade como ajudantes na fábrica, esse território quase inexplorado da mecânica logo fará um progresso notável. “Das máquinas, talvez as mulas automáticas sejam tão perigosas quanto qualquer outro tipo. A maioria dos acidentes cometidos por eles acontecem com crianças pequenas, desde rastejar sob as mulas até varrer o chão enquanto as mulas estão em movimento. Vários 'vigilantes' foram multados por este crime, mas sem muitos benefícios gerais. Se os fabricantes de máquinas inventassem apenas uma auto-varredora, por meio de cujo uso a necessidade de essas crianças pequenas rastejarem sob a máquina poderia ser evitada, seria uma adição feliz às nossas medidas de proteção. ” ("Relatórios de inspeção de fato. De 31 de outubro de 1866", p. 63.)

103. Já chega da maravilhosa ideia de Proudhon: ele “constrói” a máquina não como uma síntese de instrumentos de trabalho, mas como uma síntese de operações detalhadas para o benefício do próprio trabalhador.

104. F. Engels, lc, p. 217. Mesmo um livre-negociante comum e otimista, como o Sr. Molinari, chega a dizer: “Un homme s'use plus vite en vigilillant, quinze heures par jour, l'évolution uniforme d'un mécanisme, qu ' en exercant, dans le même espace de temps, sa force physique. Ce travail de vigilância qui servirait peut-être d'utile gymnastique à l'intelligence, s'il n'était pas trop prolongé, détruit à la longue, par son excès, et l'intelligence, et le corps même. ”[Um homem fica exausto mais rapidamente quando vigia o movimento uniforme do mecanismo durante quinze horas por dia, do que quando aplica sua força física durante o mesmo período de tempo. Este trabalho de vigilância, que talvez pudesse servir como um exercício útil para a mente, se não durasse muito, destrói a mente e o corpo a longo prazo, por aplicação excessiva] (G. de Molinari: “Études Économiques. ”Paris, 1846.)

105. F. Engels, lc, p. 216

106. “The Master Spinners 'and Manufacturers' Defense Fund. Relatório do Comitê. ” Manchester, 1854, p. 17. Veremos a seguir, que o “mestre” pode cantar outra canção, quando é ameaçado com a perda de seu autômato “vivo”.

107. Ure, lc, p. 15. Quem conhece a história da vida de Arkwright, nunca chamará este barbeiro-gênio de "nobre". De todos os grandes inventores do século 18, ele foi incontestavelmente o maior ladrão das invenções de outras pessoas e o pior sujeito.

108“A escravidão com que a burguesia amarrou o proletariado não surge em nenhum lugar mais claramente à luz do dia do que no sistema de fábrica. Nele, toda liberdade chega ao fim, tanto na lei quanto na realidade. O operário deve estar na fábrica às cinco e meia. Se ele chegar alguns minutos atrasado, será punido; se chegar 10 minutos atrasado, não poderá entrar antes do café da manhã e, portanto, perderá um quarto do salário diário. Ele deve comer, beber e dormir de acordo com a palavra de ordem ... O despótico sino o chama de sua cama, o chama do café da manhã e do jantar. E como ele se sai na fábrica? Lá, o mestre é o legislador absoluto. Ele faz os regulamentos que lhe agradam; ele altera e faz acréscimos ao seu código à vontade; e se ele inserir o mais absurdo, os tribunais dirão ao trabalhador: Já que você celebrou este contrato voluntariamente, agora você deve executá-lo ... Esses trabalhadores estão condenados a viver, desde o nono ano até a morte, sob esta tortura mental e corporal. ” (F. Engels, lc, p. 217, sq.) O que, “dizem os tribunais”, ilustrarei com dois exemplos. Um ocorre em Sheffield no final de 1866. Naquela cidade, um operário se dedicou por 2 anos a uma siderúrgica. Em conseqüência de uma briga com seu empregador, ele deixou a fábrica e declarou que sob nenhuma circunstância trabalharia mais para aquele patrão. Ele foi processado por quebra de contrato e condenado a dois meses de prisão. (Se o patrão quebrar o contrato, ele só pode ser processado em uma ação civil, e não arrisca nada além de danos pecuniários.) Após o trabalhador cumprir seus dois meses, o patrão o convida a retornar às obras, conforme o contrato . O trabalhador diz: Não, ele já foi punido pela violação. O mestre processa novamente, o tribunal condena novamente, embora um dos juízes, o Sr. Shee, denuncie publicamente isso como uma monstruosidade legal, pela qual um homem pode periodicamente, enquanto viver, ser punido continuamente pelo mesmo ofensa ou crime. Este julgamento não foi dado pelo “Great Unpaid”, o Dogberries provinciais, mas por um dos mais altos tribunais de justiça em Londres. - [Adicionado mas por um dos mais altos tribunais de justiça de Londres. - [Adicionado mas por um dos mais altos tribunais de justiça de Londres. - [Adicionadona 4ª edição alemã. - Estaagora foi eliminado. Com poucas exceções, por exemplo, quando há obras públicas de gás envolvidas, o trabalhador na Inglaterra é agora colocado em pé de igualdade com o empregador em caso de quebra de contrato e só pode ser processado civilmente. - FE] O segundo caso ocorre em Wiltshire no final de novembro de 1863. Cerca de 30 tecelões de tear mecânico, empregados de um Harrup, um fabricante de tecidos em Leower's Mill, Westbury Leigh, conseguiu trabalho porque o mestre Harrup se entregou ao hábito agradável de fazer descontos em seus salários por chegarem ao final da manhã; 6d. por 2 minutos; 1s. por 3 minutos e 1s. 6d. por dez minutos. Isso é uma taxa de 9s. por hora e £ 4 10s. 0d. per diem; enquanto o salário das tecelãs, em média por um ano, nunca ultrapassou 10s. a 12s. semanalmente. Harrup também nomeou um menino para anunciar a hora de início com um apito, o que ele costumava fazer antes das seis da manhã: e se os ponteiros não estivessem todos lá no momento em que o apito cessava, as portas eram fechadas e os ponteiros que estavam de fora eram multados: e como não havia relógio no instalações, as mãos infelizes estavam à mercê do jovem cronometrista inspirado em Harrup. As mãos em greve, mães de famílias e também meninas, se ofereceram para retomar o trabalho se o cronometrista fosse substituído por um relógio e uma escala de multas mais razoável fosse introduzida. Harrup convocou 19 mulheres e meninas perante os magistrados por quebra de contrato. Para a indignação de todos os presentes, cada um deles foi multado em uma multa de 6d. e 2s. 6d. para custos. Harrup foi seguido do tribunal por uma multidão que o assobiou. Uma operação preferida dos fabricantes é punir os operários com descontos feitos em seus salários por causa de falhas no material trabalhado. Este método deu origem em 1866 a uma greve geral nos distritos de cerâmica ingleses. Os relatórios do Ch. Empl. Com. (1863-1866), dão casos em que o trabalhador não só não recebe nenhum salário, mas se torna, por meio de seu trabalho e dos regulamentos penais, devedor ainda por cima de seu digno senhor. A crise tardia do algodão também forneceu exemplos edificantes da sagacidade demonstrada pelos autocratas das fábricas ao fazerem deduções nos salários. O Sr. R. Baker, o Inspetor de Fábricas, disse: “Ultimamente, tenho tido que encaminhar processos contra um ocupante de uma fábrica de algodão por ter deduzido 10d nestes tempos difíceis e dolorosos. um pedaço de alguns dos jovens trabalhadores empregados por ele, para o certificado do cirurgião (pelo qual ele mesmo pagou apenas 6d.), quando apenas permitido pela lei deduzir 3 d., e pelo costume nada em absoluto .... E fui informado de outro, que, a fim de manter sem a lei, mas para atingir o mesmo objetivo, cobra das crianças pobres que trabalham para ele um xelim cada, como uma taxa por aprenderem a arte e o mistério da fiação de algodão, tão logo sejam declaradas pelo cirurgião adequadas e adequadas pessoas para essa ocupação. Portanto, pode haver causas subjacentes para tais exibições extraordinárias como greves, não apenas onde quer que surjam, mas particularmente em momentos como o presente, que sem explicação, as tornam inexplicáveis ​​para a compreensão do público. ” Ele alude aqui a uma greve de tecelões de teares mecânicos em Darwen, junho de 1863. (“Reports of Insp. Of Fact. For 30 April, 1863,” pp. 50-51.

109A proteção conferida pelas Leis da Fábrica contra máquinas perigosas teve um efeito benéfico. “Mas ... existem outras fontes de acidentes que não existiam há vinte anos; um especialmente, viz., o aumento da velocidade da máquina. Rodas, rolos, fusos e lançadeiras são agora propelidos a taxas cada vez maiores; dedos devem ser mais rápidos e ágeis em seus movimentos para pegar o fio partido, pois, se colocados com hesitação ou descuido, eles são sacrificados .... Um grande número de acidentes é causado pela ânsia dos trabalhadores em realizar seu trabalho rapidamente. Deve-se lembrar que é da maior importância para os fabricantes que suas máquinas estejam em movimento, ou seja, produzindo fios e produtos. Cada minuto de paralisação não é apenas uma perda de energia, mas de produção, e os operários são instados pelos supervisores, interessados ​​na quantidade de trabalho desligada, a manter as máquinas em movimento, e não é menos importante para os operários que são pagos por peso ou peça, que as máquinas deve ser mantido em movimento. Consequentemente, embora seja estritamente proibido em muitos, ou melhor, na maioria das fábricas, que as máquinas sejam limpas enquanto em movimento, é, no entanto, a prática constante na maioria, senão em todas, que os trabalhadores, sem reprovação, selecionem resíduos, limpem rolos e rodas, etc., enquanto seus quadros estão em movimento. Assim, somente por esta causa, ocorreram 906 acidentes durante os seis meses ... Embora uma grande quantidade de limpeza esteja constantemente acontecendo, dia após dia, ainda assim, o sábado é geralmente o dia separado para a limpeza completa do maquinário, e muito disso é feito enquanto a máquina está em movimento. ” Como a limpeza não é paga, os operários procuram realizá-la o mais rápido possível. Assim, “o número de acidentes que ocorrem às sextas-feiras, e principalmente aos sábados, é muito maior do que em qualquer outro dia. No primeiro dia, o excesso era de quase 12%. sobre o número médio dos quatro primeiros dias da semana e, no último dia, o excesso é de 25 por cento. durante a média dos cinco dias anteriores; ou, se for considerado o número de horas de trabalho no sábado - 7½ horas no sábado em comparação com 10½ nos outros dias - é um excesso de 65 por cento. aos sábados, na média dos outros cinco dias. ” (“Rep. Of Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1866,” pp. 9, 15, 16, 17.) os trabalhadores procuram fazer isso o mais rápido possível. Assim, “o número de acidentes que ocorrem às sextas-feiras, e principalmente aos sábados, é muito maior do que em qualquer outro dia. No primeiro dia, o excesso era de quase 12%. sobre o número médio dos quatro primeiros dias da semana e, no último dia, o excesso é de 25 por cento. durante a média dos cinco dias anteriores; ou, se for considerado o número de horas de trabalho no sábado - 7 horas e meia no sábado em comparação com 10 horas e meia nos outros dias - houver um excesso de 65 por cento. aos sábados, na média dos outros cinco dias. ” (“Rep. Of Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1866,” pp. 9, 15, 16, 17.) os trabalhadores procuram fazer isso o mais rápido possível. Assim, “o número de acidentes que ocorrem às sextas-feiras, e principalmente aos sábados, é muito maior do que em qualquer outro dia. No primeiro dia, o excesso era de quase 12%. sobre o número médio dos quatro primeiros dias da semana e, no último dia, o excesso é de 25 por cento. durante a média dos cinco dias anteriores; ou, se for considerado o número de horas de trabalho no sábado - 7½ horas no sábado em comparação com 10½ nos outros dias - é um excesso de 65 por cento. aos sábados, na média dos outros cinco dias. ” (“Rep. Of Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1866,” pp. 9, 15, 16, 17.) No primeiro dia, o excesso era de quase 12%. sobre o número médio dos quatro primeiros dias da semana e, no último dia, o excesso é de 25 por cento. durante a média dos cinco dias anteriores; ou, se for considerado o número de horas de trabalho no sábado - 7 horas e meia no sábado em comparação com 10 horas e meia nos outros dias - houver um excesso de 65 por cento. aos sábados, na média dos outros cinco dias. ” (“Rep. Of Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1866,” pp. 9, 15, 16, 17.) No primeiro dia, o excesso era de quase 12%. sobre o número médio dos quatro primeiros dias da semana e, no último dia, o excesso é de 25 por cento. durante a média dos cinco dias anteriores; ou, se for considerado o número de horas de trabalho no sábado - 7½ horas no sábado em comparação com 10½ nos outros dias - é um excesso de 65 por cento. aos sábados, na média dos outros cinco dias. ” (“Rep. Of Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1866,” pp. 9, 15, 16, 17.) se for considerado o número de horas de trabalho no sábado - 7 horas e meia no sábado em comparação com 10 horas e meia nos outros dias - é um excesso de 65 por cento. aos sábados, na média dos outros cinco dias. ” (“Rep. Of Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1866,” pp. 9, 15, 16, 17.) se for considerado o número de horas de trabalho no sábado - 7 horas e meia no sábado em comparação com 10 horas e meia nos outros dias - é um excesso de 65 por cento. aos sábados, na média dos outros cinco dias. ” (“Rep. Of Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1866,” pp. 9, 15, 16, 17.)

110Na Parte I. do Livro III. Farei um relato de uma recente campanha dos fabricantes ingleses contra as Cláusulas dos Atos de Fábrica que protegem as “mãos” contra máquinas perigosas. Por enquanto, deixe esta única citação do relatório oficial de Leonard Horner ser suficiente: “Ouvi alguns proprietários de moinhos falarem com indesculpável leviandade de alguns dos acidentes; tal, por exemplo, como a perda de um dedo é uma questão insignificante. A vida e as perspectivas de um trabalhador dependem tanto de seus dedos que qualquer perda deles é um assunto muito sério para ele. Quando ouço comentários tão imprudentes, geralmente faço esta pergunta: Suponha que você esteja precisando de um trabalhador adicional e dois se candidatem, ambos igualmente qualificados em outros aspectos, mas um perdeu o polegar ou o indicador, com qual você engajaria? Nunca houve hesitação quanto à resposta ... ”Os fabricantes têm“ preconceitos equivocados contra o que ouviram ser representado como uma legislação pseudo-filantrópica ”. (“Rep. De Insp. De Fato., 31 de outubro de 1855.") Esses fabricantes são gente inteligente, e não sem razão eles ficaram entusiasmados com a rebelião dos proprietários de escravos.

111. Nas fábricas que há mais tempo estão sujeitas às Leis da Fábrica, com sua limitação obrigatória das horas de trabalho e outros regulamentos, muitos dos abusos mais antigos desapareceram. O próprio aprimoramento do maquinário exige até certo ponto “uma construção melhorada dos prédios”, e isso é uma vantagem para os operários. (Veja "Rep. De Insp. De Fato. De 31 de outubro de 1863," p. 109.)

112. Veja, entre outros, John Houghton: “Husbandry and Trade Improved.” Londres, 1727. “As Vantagens do Comércio das Índias Orientais, 1720.” John Bellers, lc “Os mestres e seus trabalhadores estão, infelizmente, em uma guerra perpétua entre si. O objetivo invariável do primeiro é fazer seu trabalho o mais barato possível; e eles não deixam de empregar todos os artifícios para esse fim, enquanto os últimos estão igualmente atentos a todas as ocasiões de afligir seus mestres para que cumpram as exigências mais elevadas. ” (“Uma investigação sobre as causas do alto preço atual das provisões”, pp. 61-62. Autor, o Rev. Nathaniel Forster, bastante do lado dos trabalhadores.)

113. Nas manufaturas antiquadas, as revoltas dos trabalhadores contra as máquinas, até hoje, ocasionalmente assumem um caráter selvagem, como no caso dos limadores Sheffield em 1865.

114Sir James Steuart também entende de máquinas nesse sentido. “Je considère donc les machines comme des moyens d'augmenter (virtuellement) le nombre des gens industrieux qu'on n'est pas obligé de nourrir .... En quoi l'effet d'une máquina diffère-t-il de celui de nouveaux habitants? ” (Tradução francesa. T. I., l. I., cap. XIX.) Mais ingênuo é Petty, que diz que substitui "Poligamia". O ponto de vista acima é, no máximo, admissível apenas para algumas partes dos Estados Unidos. Por outro lado, “a maquinaria raramente pode ser usada com sucesso para reduzir o trabalho de um indivíduo; mais tempo seria perdido em sua construção do que poderia ser economizado por sua aplicação. Só é realmente útil quando atua sobre grandes massas, quando uma única máquina pode auxiliar o trabalho de milhares. É, portanto, nos países mais populosos, onde há mais homens ociosos, que é mais abundante ... Não é posto em uso pela escassez de homens, mas pela facilidade com que podem ser trazidos para trabalhar em massa. ” (Piercy Ravenstone: “Reflexões sobre o Sistema de Financiamento e seus Efeitos.” Londres, 1824, p. 45.)

115. [Nota na 4ª edição alemã. - Isso também se aplica à Alemanha. Onde existe em nosso país a agricultura em grande escala, portanto particularmente no Oriente, ela só se tornou possível em conseqüência do desmatamento (“Bauernlegen”), prática que se difundiu no século XVI e foi especialmente assim desde 1648. - FE ]

116. “Máquinas e mão de obra estão em constante competição.” Ricardo, lc, p. 479.

117A competição entre a tecelagem manual e a tecelagem mecânica na Inglaterra, antes da aprovação da Poor Law de 1833, foi prolongada pela complementação dos salários, que haviam caído consideravelmente abaixo do mínimo, com alívio paroquial. “O Rev. Sr. Turner era, em 1827, reitor de Wilmslow em Cheshire, um distrito industrial. As perguntas do Comitê de Emigração e as respostas do Sr. Turner mostram como a competição do trabalho humano contra a maquinaria é mantida. 'Pergunta: O uso do tear mecânico não substituiu o uso do tear manual? Resposta: Sem dúvida; isso os teria superado muito mais do que o fez, se os tecelões de tear manual não estivessem habilitados a se submeter a uma redução de salários. ' 'Pergunta: Mas ao se submeter, ele aceitou salários que são insuficientes para sustentá-lo, e considera a contribuição paroquial como o resto de seu apoio? Resposta: Sim, e de fato a competição entre o tear manual e o tear mecânico é mantida fora dos preços baixos. ' Assim, degradante o pauperismo ou a expatriação, é o benefício que o trabalhador recebe da introdução da maquinaria, a ser reduzido do respeitável e em algum grau independente mecânico, ao miserável miserável que vive do pão degradante da caridade. Eles chamam isso de um inconveniente temporário. ” (“Um ensaio sobre os méritos comparativos da competição e cooperação.” Lond., 1834, p. 29.) ser reduzido de mecânico respeitável e, em certo grau, independente, a desgraçado que vive do pão degradante da caridade. Eles chamam isso de um inconveniente temporário. ” (“Um ensaio sobre os méritos comparativos da competição e cooperação.” Lond., 1834, p. 29.) ser reduzido de mecânico respeitável e, em certo grau, independente, a desgraçado que vive do pão degradante da caridade. Eles chamam isso de um inconveniente temporário. ” (“Um ensaio sobre os méritos comparativos da competição e cooperação.” Lond., 1834, p. 29.)

118. “A mesma causa que pode aumentar a receita do país” (ou seja, como Ricardo explica na mesma passagem, a receita dos latifundiários e capitalistas, cuja riqueza, do ponto de vista econômico, forma a Riqueza da Nação) , “Pode, ao mesmo tempo, tornar a população redundante e deteriorar a condição do trabalhador”. (Ricardo, lc, p. 469.) “O objetivo constante e a tendência de todo aperfeiçoamento das máquinas é, de fato, eliminar inteiramente o trabalho do homem, ou diminuir seu preço substituindo o trabalho de mulheres e crianças para os homens adultos, ou não qualificados para os trabalhadores qualificados. ” (Ure, lc, t. I., p. 35.)

119. “Rep. Insp. Facto. para 31 de outubro de 1858, ”p. 43

120. “Rep. lnsp. Facto. para 31 de outubro de 1856, ”p. 15

121Ure, lc, pág. 19. “A grande vantagem do maquinário empregado na fabricação de tijolos consiste em que o empregador é feito inteiramente independente de trabalhadores qualificados.” (“Ch. Empl. Comm. V. Report,” Lond., 1866, p. 130, n. 46.) O Sr. A. Sturrock, superintendente do departamento de máquinas da Great Northern Railway, diz, com relação à construção de locomotivas etc.: “Os caros operários ingleses são menos usados ​​a cada dia. A produção das oficinas da Inglaterra está sendo aumentada pelo uso de ferramentas aprimoradas e essas ferramentas são novamente servidas por uma classe baixa de trabalho ... Antigamente, sua mão de obra especializada necessariamente produzia todas as peças dos motores. Agora as peças dos motores são produzidas por mão de obra com menos habilidade, mas com boas ferramentas. Por ferramentas, quero dizer máquinas de engenheiros, tornos, aplainadoras, brocas e assim por diante. ” (“Royal Com. on Railways ”, Lond., 1867, Minutes of Evidence, n. 17, 862 e 17, 863.)

122. Ure, lc, p. 20

123. Ure, lc, p. 321.

124. Ure, lc, p. 23

125. “Rep. Insp. Fato, 31 de outubro de 1863, ”pp. 108,109.

126lc, pág. 109. O rápido aperfeiçoamento das máquinas, durante a crise, permitiu aos fabricantes ingleses, imediatamente após o término da Guerra Civil Americana, e quase em nenhum momento, saturar os mercados do mundo novamente. O pano, durante os últimos seis meses de 1866, era quase invendável. Em seguida, iniciou-se o embarque de mercadorias para a Índia e a China, tornando naturalmente mais intensa a abundância. No início de 1867, os fabricantes recorreram à sua maneira usual de sair da dificuldade, a saber, reduzir os salários em 5 por cento. Os trabalhadores resistiram e disseram que o único remédio era trabalhar pouco, 4 dias por semana; e sua teoria era a correta. Depois de resistir por algum tempo, os capitães da indústria auto-eleitos tiveram que se decidir em pouco tempo, com salários reduzidos em alguns lugares e em outros sem.

127. “A relação entre o mestre e o homem nas trocas de garrafas de sílex é uma greve crônica.” Daí o impulso dado à fabricação de vidro prensado, em que as principais operações são feitas por máquinas. Uma empresa em Newcastle, que anteriormente produzia 350.000 libras. de vidro de sílex, agora produz em seu lugar 3.000.500 libras. de vidro prensado. (“Ch. Empl. Comm., Fourth Rep.,” 1865, pp. 262-263.)

128. Gaskell. “The Manufacturing Population of England,” Londres, 1833, pp. 3, 4.

129. W. Fairbairn descobriu várias aplicações muito importantes de máquinas para a construção de máquinas, em conseqüência de greves em suas próprias oficinas.

130. Ure, lc, pp. 368-370

131. Ure, IC, pp. 368, 7, 370, 280, 281, 321, 370, 475.

132. Originalmente, Ricardo também era dessa opinião, mas depois a negou expressamente com a imparcialidade científica e o amor à verdade característicos dele. Veja lc, ch. xxxi. “On Machinery.”

133. Nota bene . Minha ilustração segue inteiramente as linhas dos economistas citados acima.

134. Um discípulo de Ricardo, em resposta às insipididades de JB Say, comenta sobre este ponto: “Onde a divisão do trabalho é bem desenvolvida, a habilidade do trabalhador está disponível apenas naquele ramo particular em que foi adquirida; ele mesmo é uma espécie de máquina. Portanto, não adianta nada repetir, como um papagaio, que as coisas tendem a encontrar seu nível. Olhando ao nosso redor, não podemos deixar de ver que eles são incapazes de encontrar seu nível por um longo tempo; e que, quando o encontram, o nível é sempre mais baixo do que no início do processo. ” (“Uma investigação sobre os princípios que respeitam a natureza da demanda”, & c., Lond. 1821, p. 72.)

135. MacCulloch, entre outros, é um mestre anterior neste cretinismo pretensioso. “Se”, diz ele, com a ingenuidade afetada de uma criança de 8 anos, “se for vantajoso, desenvolver cada vez mais a habilidade do operário, para que ele seja capaz de produzir, com o mesmo ou com menos quantidade de trabalho, uma quantidade constantemente crescente de mercadorias, também deve ser vantajoso que ele se valha da ajuda de máquinas que o ajudem mais efetivamente na obtenção desse resultado. ” (MacCulloch: “Princ. Of Pol. Econ.,” Lond. 1830, p. 166.)

136. “O inventor da máquina de fiar arruinou a Índia, um fato, porém, que nos toca pouco.” A. Thiers: De la propriété. - M. Thiers aqui confunde a máquina de fiar com o tear mecânico, “um fato, porém, que nos toca muito pouco”.

137. De acordo com o censo de 1861 (Vol. II., Lond., 1863), o número de pessoas empregadas em minas de carvão na Inglaterra e no País de Gales era de 246.613, das quais 73.545 estavam abaixo, e 173.067 tinham mais de 20 anos. Dos menores de 20 anos, 835 tinham entre 5 e 10 anos, 30.701 entre 10 e 15 anos, 42.010 entre 15 e 19 anos. O número empregado em minas de ferro, cobre, chumbo, estanho e outras minas de todos os tipos era 319, 222.

138. Na Inglaterra e no País de Gales, em 1861, havia empregados na fabricação de máquinas, 60.807 pessoas, incluindo os mestres e seus funcionários, etc., também todos os agentes e empresários ligados a esta indústria, mas excluindo os fabricantes de pequenas máquinas, tais como máquinas de costura, etc., como também os fabricantes de partes operacionais de máquinas, como fusos. O número total de engenheiros civis era de 3.329.

139. Visto que o ferro é uma das matérias-primas mais importantes; deixe-me afirmar aqui que, em 1861, havia na Inglaterra e no País de Gales 125.771 fundadores de ferro operativos, dos quais 123.430 eram homens, 2.341 mulheres. Dos primeiros, 30.810 eram menores e 92.620 com mais de 20 anos.

140. “Uma família de quatro adultos, com dois filhos como bobinadeiras, ganhava no final do século passado e no início do presente século, com dez horas de trabalho diário, £ 4 por semana. Se o trabalho fosse muito urgente, eles poderiam ganhar mais ... Antes disso, eles sempre sofreram com um suprimento deficiente de fios. ” (Gaskell, lc, pp. 25-27.)

141. F. Engels, em “Lage, etc.,” aponta a condição miserável de um grande número de pessoas que trabalham nesses mesmos artigos de luxo. Veja também vários exemplos nos “Relatórios da Comissão de Emprego Infantil”.

142. Em 1861, na Inglaterra e no País de Gales, havia 94.665 marinheiros no serviço mercante.

143. Destes, apenas 177.596 são do sexo masculino com mais de 13 anos de idade.

144. Destes, 30.501 são mulheres.

145. Destes, 137.447 homens. Nenhum está incluído nos 1.208.648 que não trabalham em residências particulares. Entre 1861 e 1870, o número de criados quase dobrou. Aumentou para 267.671. No ano de 1847 havia 2.694 guarda-caça (para as reservas dos latifundiários), em 1869 eram 4.921. As jovens criadas nas casas da classe média baixa de Londres são, em linguagem comum, chamadas de "escravas".

146Ganilh, ao contrário, considera o resultado final do sistema de fábrica um número absolutamente menor de operativos, às custas de um número cada vez maior de “gens honnêtes” que vivem e desenvolvem sua conhecida “perfectibilité perfectível”. Por mais que ele não entenda o movimento da produção, pelo menos ele sente que a maquinaria deve ser uma instituição muito fatal, se sua introdução converte trabalhadores ocupados em indigentes e seu desenvolvimento chama à existência mais escravos do trabalho do que suprimiu. Não é possível revelar o cretinismo de seu ponto de vista, exceto por suas próprias palavras: "Les classes condamnées à produire et à consommer diminuent, et les classes qui dirigent le travail, qui soulagent, consolent, et éclairent toute la população, se multiplicador ... et s'approprient tous les bienfaits qui résultent de la diminution des frais du travail, de l'abondance des productions, et du bon marché des consommations. Dans cette direction, l'espéce humaine s'élève aux plus hautes conceptions du génie, pénètre dans les deepeurs mystérieuses de la religion, établit les principes salutaires de la moral (que consiste em 's'approprier tous les beinfaits,' etc.) , les lois tutélaires de la liberté (liberdade de 'les classes condamnées à produire?') et du pouvoir, de l'obéissance et de la justice, du devoir et de la l'humanité. ”[As classes condenadas a produzir e a consumir diminuem, e as classes que dirigem o trabalho, que aliviam, consolam e iluminam toda a população, se multiplicam ... e se apropriam de todos os benefícios que resultam da diminuição dos custos do trabalho, da abundância de produtos e o baixo custo dos bens de consumo. Desta forma, a espécie humana sobe às mais altas criações de gênio, penetra nas profundezas misteriosas da religião e estabelece os princípios salutares da moralidade, as leis para a proteção da liberdade e do poder, da obediência e da justiça, da obrigação e da humanidade ] Para esta tolice, consulte “Des Systèmes d'Economie Politique, etc., Par M. Ch. Ganilh ”, 2ème ed., Paris, 1821, t. I, p. 224, e veja p. 212.

147. “Relatórios do Insp. of Fact., 31 de outubro de 1865, ”p. 58, sq. Ao mesmo tempo, porém, os meios de emprego para um maior número de mãos estavam prontos em 110 novos moinhos com 11.625 teares, 628.576 fusos e 2.695 cavalos de potência total de vapor e água (lc).

148. “Relatórios, etc., de 31 de outubro de 1862,” p. 79. No final de 1871, o Sr. A. Redgrave, o inspetor de fábrica, em uma palestra proferida em Bradford, na New Mechanics 'Institution, disse: “O que me impressiona há algum tempo é a aparência alterada do tecido de lã fábricas. Anteriormente, eles estavam cheios de mulheres e crianças, agora as máquinas parecem fazer todo o trabalho. Quando pedi uma explicação sobre isso a um fabricante, ele me deu o seguinte: 'No sistema antigo, eu empregava 63 pessoas; após a introdução de máquinas aprimoradas, reduzi minhas mãos para 33 e, ultimamente, em conseqüência de novas e extensas alterações, consegui reduzir aquelas 33 para 13 '. ”

149. Ver “Relatórios, etc., 31 de outubro de 1856,” p. 16

150. "Os sofrimentos dos tecelões de tear manual foram objeto de uma investigação por uma Comissão Real, mas embora sua angústia tenha sido reconhecida e lamentada, a melhoria de sua condição foi deixada, e provavelmente necessariamente assim, para as chances e mudanças de tempo, que agora se pode esperar ”[20 anos depois!]“ quase obliterou essas misérias, e não é improvável pela grande extensão atual do tear mecânico ”. (“Rep. Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1856,” p. 15.)

151. Outras maneiras pelas quais as máquinas afetam a produção de matéria-prima serão mencionadas no terceiro livro.

152

EXPORTAÇÃO DE ALGODÃO DA ÍNDIA PARA A GRÃ-BRETANHA.
1846. -34.540.143 libras.
1860. -204.141.168 libras.
1865. -445.947.600 libras.
EXPORTAÇÃO DE LÃS DA ÍNDIA PARA A GRÃ-BRETANHA.
1846. -4.570.581 libras.
1860. -20.214.173 libras.
1865. -20.679.111 libras.

153

EXPORTAÇÃO DE LÃ DO CABO PARA A GRÃ-BRETANHA.
1846. -2.958.457 libras.
1860. -16.574.345 libras.
1865. -29.920.623 libras.
EXPORTAÇÃO DE LÃ DA AUSTRÁLIA PARA A GRÃ-BRETANHA.
1846. -21.789.346 libras.
1860. -59.166.616 libras.
1865. -109.734.261 libras.

154. O desenvolvimento econômico dos Estados Unidos é em si um produto da indústria moderna europeia, mais especialmente da inglesa. Em sua forma atual (1866), os Estados ainda devem ser considerados uma colônia europeia. [ Adicionado na 4ª edição alemã. - “Desde então evoluíram para um país cuja indústria ocupa o segundo lugar no mundo, sem por isso perder totalmente o seu caráter colonial.” - FE ]

EXPORTAÇÃO DE ALGODÃO DOS ESTADOS UNIDOS PARA A GRÃ-BRETANHA
1846. -401.949.393 libras.
1852. -765.630.543 libras.
1859. -961.707.264 libras.
1860. -1.115.890.608 libras.
EXPORTAÇÃO DE MILHO, & c., DOS ESTADOS UNIDOS À GRÃ-BRETANHA, 1862
Trigo, cwts16.202.31241.033.503
Cevada3.669.6536.624.800
Aveia, cwts3.174.8014.496.994
Centeio, cwts388.7497.108
Farinha, cwts3.819.4407.207.113
Buckwheat, cwts1.05419.571
Milho, cwts5.473.16111.694.818
Bere ou Bigg (uma espécie de cevada), cwts2.0397.675
Ervilhas811.6201.024.722
Feijão, cwts1.822.9722.037.137
Exportações totais-74.083.441

156Em um apelo feito em julho de 1866, às Sociedades Comerciais da Inglaterra, pelos sapateiros de Leicester, que haviam sido jogados nas ruas por um lock-out, afirma-se: “Há vinte anos o comércio de calçados de Leicester foi revolucionado por a introdução da rebitagem no lugar da costura. Naquela época, bons salários podiam ser ganhos. Houve grande competição entre as diferentes firmas para decidir qual poderia produzir o artigo mais elegante. Pouco depois, porém, surgiu um tipo pior de competição, qual seja, a de vender uns aos outros no mercado. As consequências prejudiciais logo se manifestaram em reduções de salários, e com tanta rapidez foi a queda no preço do trabalho, que muitas empresas agora pagam apenas a metade dos salários originais. E ainda, embora os salários caiam cada vez mais, os lucros aparecem, com cada alteração na escala de salários, para aumentar." Mesmo os maus tempos são aproveitados pelos fabricantes, para obter lucros excepcionais por meio de reduções excessivas de salários, isto é, por roubo direto dos meios de subsistência do trabalhador. Um exemplo (faz referência à crise na tecelagem de seda de Coventry): “Pelas informações que recebi tanto de fabricantes quanto de operários, parece não haver dúvida de que os salários foram reduzidos em maior medida do que a concorrência dos produtores estrangeiros, ou outras circunstâncias tornaram necessárias ... a maioria dos tecelões está trabalhando com uma redução de 30 a 40 por cento. em seus salários. Um pedaço de fita para confecção que o tecelão obteve 6s. ou 7s. cinco anos atrás, agora só traz 3s. 3d. ou 3s. 6d .; outro trabalho agora custa 2s. e 2s. 3d. que anteriormente custava 4s. e 4s. 3d. A redução nos salários parece ter ocorrido em maior extensão do que o necessário para o aumento da demanda. Na verdade, a redução do custo de tecelagem, no caso de muitas descrições de fitas, não foi acompanhada por nenhuma redução correspondente no preço de venda do artigo manufaturado. ” (Relatório do Sr. FD Longe. "Ch. Emp. Com., V. Rep., 1866," p. 114, 1.)

157. Conf “Relatórios do Insp. of Fact., 31 de outubro de 1862, ”p. 30

158. lc, p. 19

159. “Rep. Insp. of Fact., 31 de outubro de 1863, ”pp. 41-45.

160. lc, pp. 41-42

161. lc, p. 57

162. lc, pp. 50-51.

163. lc, pp. 62-63.

164. “Rep. & c., 30 de abril de 1864, ”p. 27

165. De uma carta do Sr. Harris, Chefe da Polícia de Bolton, em “Rep. de Insp. of Fact., 31 de outubro de 1865, ”pp. 61-62.

166Em um apelo, datado de 1863, dos operários da fábrica de Lancashire, etc., com o propósito de formar uma sociedade para a emigração organizada, encontramos o seguinte: “Que uma grande emigração de operários é agora absolutamente essencial para levantá-los de seus presente condição prostrada, poucos negarão; mas para mostrar que um fluxo contínuo de emigração é exigido em todos os momentos, e, sem o qual é impossível que manter sua posição em tempos normais, pedimos para chamar a atenção para os fatos associados: - Em 1814 o valor oficial do algodão as mercadorias exportadas foram de £ 17.665.378, enquanto o valor real de mercado foi de £ 20.070.824. Em 1858, o valor oficial dos produtos de algodão exportados era de £ 182.221.681; mas o valor real ou negociável era de apenas £ 43.001.322, sendo uma quantidade dez vezes vendida por pouco mais do que o dobro do preço anterior. Para produzir resultados tão desvantajosos para o país em geral, e para os operários em particular, várias causas cooperaram, as quais, se as circunstâncias permitissem, deveríamos ter destacado com mais destaque sua atenção; por ora, basta dizer que o mais óbvio é a constante redundância de trabalho, sem a qual um comércio tão ruinoso em seus efeitos jamais poderia ter sido realizado, e que requer um mercado em constante expansão para salvá-lo da aniquilação. Nossas fábricas de algodão podem ser paralisadas pelas estagnações periódicas do comércio, que, segundo as disposições atuais, são tão inevitáveis ​​quanto a própria morte; mas a mente humana está constantemente trabalhando e, embora acreditemos que estejamos certos ao afirmar que seis milhões de pessoas deixaram essas praias durante os últimos 25 anos, ainda assim, do aumento natural da população e do deslocamento da mão-de-obra para baratear a produção, uma grande porcentagem dos adultos do sexo masculino nos tempos mais prósperos acham impossível obter trabalho nas fábricas em quaisquer condições. ” ("Relatórios de inspeção de fato., 30 de abril de 1863," pp. 51-52.) Veremos, em um capítulo posterior, como nossos amigos, os fabricantes, se esforçaram, durante a catástrofe no comércio de algodão, para prevenir por todos os meios, incluindo a interferência do Estado, a emigração dos operativos.

167. “Ch. Vazio. Com. III. Relatório, 1864 ”, p. 108, n. 447.

168. Nos Estados Unidos é frequente a restauração, desta forma, de artesanatos baseados em máquinas; e, portanto, quando a transição inevitável para o sistema de fábrica ocorrer, a concentração resultante irá, em comparação com a Europa e até mesmo com a Inglaterra, avançar com chuteiras de sete léguas.

169. Consulte “Rep. de Insp. of Fact., 31 de outubro de 1865, ”p. 64

170. O Sr. Gillott ergueu em Birmingham a primeira fábrica de canetas de aço em grande escala. Produzia, já em 1851, mais de 180 milhões de canetas por ano e consumia 120 toneladas de aço. Birmingham detém o monopólio desta indústria no Reino Unido e atualmente produz milhares de milhões de canetas de aço. Segundo o Censo de 1861, o contingente de ocupados era de 1.428, dos quais 1.268 mulheres a partir de 5 anos.

171. “Ch. Empl. Com. II. Rep. 1864 ”, p. LXVIII., N. 415.

172. E agora, sem dúvida, as crianças são empregadas na recorte de arquivos em Sheffield.

173. “Ch. Empl. Comm., V. Rep. 1866, ”p. 3, n. 24; p. 6, n. 55, 56; p. 7, n. 59, 60.

174. lc, pp. 114, 115, n. 6, 7. O comissário observa com razão que, embora como regra as máquinas tomem o lugar dos homens, aqui literalmente os jovens substituem as máquinas.

175. Ver o Relatório sobre o comércio de trapos e vários detalhes em “Saúde Pública, VIII. Rep. ” Lond. 1866, app., Pp. 196, 208.

176. “Ch. Empl. Com. V. Rep., 1866 ”, pp. Xvi-xviii, n. 86-97 e pp. 130-133, n. 39-71. Veja também III. Rep., 1864, pp. 48, 56.

177. “Saúde Pública. Sexta Rep., ”Lond. 1864, pp. 29, 31.

178. lc, p. 30. O Dr. Simon observa que a mortalidade entre os alfaiates e impressores londrinos entre 25 e 35 anos é na verdade muito maior, porque os empregadores em Londres obtêm do país um grande número de jovens de até 30 anos, como “aprendizes” e “melhoradores”, que vêm com o propósito de serem aperfeiçoados em seu ofício. Esses números no censo como londrinos, aumentam o número de cabeças sobre as quais a taxa de mortalidade de Londres é calculada, sem adicionar proporcionalmente ao número de mortes naquele lugar. A maior parte deles retorna de fato ao país, principalmente em casos de doenças graves. (lc)

179. Refiro-me aqui a pregos martelados, distintos dos pregos cortados e feitos por máquinas. Veja “Criança. Empl. Comm., Third Rep. ”, Pp. Xi., Xix., N. 125-130, pág. 52, n. 11, pág. 114, n. 487, pág. 137, n. 674.

180. “Ch. Empl. Comm., II. Rep. ”, P. xxii, n. 166

181. “Ch. Empl. Comm., II. Rep., 1864, ”pp. Xix., Xx., Xxi.

182. lc, pp. Xxi .. xxii.

183. lc, pp. Xxix., Xxx.

184. lc, pp. Xi., Xii.

185. “Criança. Empl. Comm., I. Rep. 1863, ”p. 185

186. Na Inglaterra, a chapelaria e a costura são, na sua maior parte, exercidas nas instalações do empregador, em parte por trabalhadoras que aí vivem, em parte por mulheres que vivem fora das instalações.

187. O Sr. White, um comissário, visitou uma fábrica de roupas militares que empregava 1.000 a 1.200 pessoas, quase todas mulheres, e uma fábrica de calçados com 1.300 pessoas; destes, quase metade eram crianças e jovens.

188. Uma instância. O relatório semanal de mortes pelo Registrador-Geral datado de 26 de fevereiro de 1864, contém 5 casos de morte por fome. No mesmo dia, o The Times relata outro caso. Seis vítimas de fome em uma semana!

189. “Criança. Empl. Comm., Second Rep., 1864, ”p. lxvii., n. 406-9, p. 84, n. 124, pág. lxxiii, n. 441, pág. 68, n. 6, pág. 84, n. 126, pág. 78, n. 85, pág. 76, n. 69, pág. lxxii, n. 483.

190. “O aluguel das instalações necessárias para as salas de trabalho parece ser o elemento que, em última análise, determina o ponto; e, conseqüentemente, é na metrópole que o antigo sistema de dar trabalho para pequenos empregadores e famílias foi mantido por mais tempo, e antes devolvido. ” (lc, p. 83, n. 123.) A declaração final nesta citação refere-se exclusivamente à fabricação de calçados.

191. Na fabricação de luvas e em outras indústrias em que a condição dos trabalhadores dificilmente se distingue da dos indigentes, isso não ocorre.

192. lc, p. 83, n. 122

193. Só no comércio atacadista de botas e calçados de Leicester, já havia em 1864 800 máquinas de costura em uso.

194. lc, p. 84, n. 124

195. Instâncias: The Army Clothing Depot em Pimlico, Londres, a fábrica de camisetas de Tillie e Henderson em Londonderry, e a fábrica de roupas dos Srs. Tait em Limerick, que emprega cerca de 1.200 mãos.

196. “Tendency to Factory System” (lc, p. Lxvii). “Todo o emprego está neste momento em um estado de transição e está passando pela mesma Mudança que foi efetuada no comércio de renda, tecelagem, etc.” (lc, n. 405.) “Uma revolução completa” (lc, p. xlvi., n. 318). Na data da Criança. Empl. Com. de 1840, a confecção de meias ainda era feita por trabalho manual. Desde 1846, vários tipos de máquinas foram introduzidos, agora movidos a vapor. O número total de pessoas de ambos os sexos e de todas as idades a partir dos 3 anos para cima, empregadas na confecção de meias na Inglaterra, era em 1862 cerca de 129.000. Destes, apenas 4.063 estavam, de acordo com o Retorno Parlamentar de 11 de fevereiro de 1862, trabalhando sob as Leis da Fábrica.

197. Assim, por exemplo, no comércio de louça de barro, os Srs. Cochrane, da Grã-Bretanha Pottery, Glasgow, relatam: “Para manter nossa quantidade, investimos amplamente em máquinas operadas por trabalho não especializado, e a cada dia nos convence de que podemos produzir uma quantidade maior do que pelo método antigo. ” (“Rep. De Insp. De Fato., 31 de outubro de 1865,” p. 13.) “O efeito do Fato. Atos são para forçar a introdução adicional de máquinas ”(lc, pp. 13-14).

198. Assim, após a extensão da Lei da Fábrica às olarias, houve um grande aumento de jiggers movidos à mão.

199. “Relatório do lnsp. of Fact., 31 de outubro de 1865, ”pp. 96 e 127.

200. A introdução desta e de outras máquinas na criação de jogos fez com que, em apenas um departamento, 230 jovens fossem substituídos por 32 meninos e meninas de 14 a 17 anos de idade. Essa economia de trabalho foi levada ainda mais longe em 1865, pelo emprego da energia a vapor.

201. “Ch. Empl. Comm., 11. Rep., 1864, ”p. ix., n. 50

202. “Rep. de Insp. of Fact., 31 de outubro de 1865, ”p..22.

203. "Mas deve-se ter em mente que essas melhorias, embora realizadas totalmente em alguns estabelecimentos, não são de forma geral, e não podem ser colocadas em uso em muitas das antigas fábricas sem um dispêndio de capital além do meios de muitos dos ocupantes atuais. ” “Não posso deixar de me regozijar”, ​​escreve o Sub-Insp. Maio, "apesar da desorganização temporária que inevitavelmente segue a introdução de tal medida (como a Lei de Extensão da Lei de Fábrica), e é, de fato, um indicativo direto dos males que se destinava a remediar, etc." (Rep. De Insp. De Fato., 31 de outubro de 1865.)

204. Com os altos-fornos, por exemplo, "o trabalho no final da semana geralmente tem duração muito aumentada devido ao hábito dos homens de ficarem ociosos na segunda-feira e, ocasionalmente, durante parte ou toda a terça-feira também." (“Criança. Empl. Com., III. Rep.,” P. Vi.) “Os pequenos mestres geralmente têm horários muito irregulares. Eles perdem dois ou três dias, e então trabalham a noite toda para compensar ... Eles sempre empregam seus próprios filhos, se tiverem algum. ” (lc, p. vii.) “A falta de regularidade na vinda ao trabalho, estimulada pela possibilidade e prática de compensar trabalhando mais horas.” (lc, p. xviii.) “Em Birmingham ... uma enorme quantidade de tempo é perdida ... ociosa parte do tempo, escravizando o resto.” (lc, p. xi.)

205. “Criança. Empl. Com., IV., Rep., ”P. xxxii., "A extensão do sistema ferroviário é dito ter contribuído muito para este costume de dar ordens repentinas e a consequente pressa, negligência dos horários das refeições e horas tardias dos trabalhadores." (lc, p. xxxi.)

206. “Ch. Empl. Comm, IV. Rep. ”, Pp. Xxxv., N. 235, 237.

207. “Ch. Empl. Com. 4. Rep. ”, P. 127, n. 56

208. "Com relação à perda de comércio pela não conclusão dos pedidos de transporte a tempo, lembro que este era o argumento favorito dos mestres da fábrica em 1832 e 1833. Nada que possa ser avançado agora sobre este assunto, poderia ter o força que tinha então, antes que o vapor tivesse reduzido pela metade todas as distâncias e estabelecido novos regulamentos para o trânsito. Ele falhou totalmente no momento da prova quando foi posto à prova e, novamente, certamente falhará se tiver que ser tentado. ” (“Relatórios de insp. De fato., 31 de outubro de 1862,” pp. 54, 55.)

208a. "CH. Empl. Com. 4. Rep. ”, P. xviii, n. 118

208b. John Bellers observou já em 1699: “A incerteza das modas aumenta os pobres necessitados. Tem duas grandes travessuras. 1º, Os jornaleiros ficam infelizes no inverno por falta de trabalho, os mercadores e mestres tecelões não ousam estocar seus estoques para mantê-los empregados antes que a primavera chegue, e eles sabem qual será a moda então; Em segundo lugar, na primavera os jornaleiros não são suficientes, mas os mestres tecelões devem atrair muitos aprendizes, para que possam abastecer o comércio do reino em um quarto ou meio ano, que rouba o arado de mãos, esgota o país de trabalhadores, e em grande parte abastece a cidade com mendigos, e no inverno faz passar fome alguns que têm vergonha de mendigar ”. (“Ensaios sobre os pobres, manufaturas, etc.,” p. 9.)

209. “Ch. Empl. Com. V. Rep., ”P. 171, n. 34

210. A evidência de algumas casas de exportação de Bradford é a seguinte: “Nessas circunstâncias, parece claro que nenhum menino precisa trabalhar mais do que 8h00 às 19h30, para compensar. É apenas uma questão de mãos extras e despesas extras. Se alguns mestres não fossem tão gananciosos, os meninos não trabalhariam até tarde; uma máquina extra custa apenas £ 16 ou £ 18; muito do que ocorre ao longo do tempo deve-se a uma insuficiência de aparelhos e uma falta de espaço. ” "CH. Empl, Comm. V. Rep. ”, P. 171, n. 35, 36, 38.

211. lc Um fabricante de Londres, que em outros aspectos vê a regulamentação obrigatória das horas de trabalho como uma proteção para os trabalhadores contra os fabricantes, e para os próprios fabricantes contra o comércio atacadista, afirma: “A pressão em nosso negócio é causadas pelos embarcadores, que desejam, por exemplo, enviar a mercadoria por veleiro de modo a chegar ao seu destino em determinada estação, e ao mesmo tempo querem embolsar a diferença de frete entre um veleiro e um navio a vapor, ou quem selecione o primeiro dos dois navios a vapor para estar no mercado estrangeiro antes de seus concorrentes. ”

212. “Isso poderia ser evitado”, diz um fabricante, “às custas de uma ampliação das obras sob a pressão de uma Lei Geral do Parlamento”. lc, px, n. 38

213. lc, p. xv., n. 72. sqq.

214. “Rep. Insp. Fato., 31 de outubro de 1865, ”p. 127

215. Foi descoberto, por experimento, que a cada respiração de intensidade média feita por um indivíduo normal e saudável, cerca de 25 polegadas cúbicas de ar são consumidas e que cerca de 20 respirações são feitas a cada minuto. Conseqüentemente, o ar inalado em 24 horas por cada indivíduo é de cerca de 720.000 polegadas cúbicas, ou 416 pés cúbicos. É claro, porém, que o ar que uma vez foi respirado não pode mais servir para o mesmo processo até que seja purificado na grande oficina da Natureza. De acordo com os experimentos de Valentin e Brunner, parece que um homem saudável emite cerca de 1.300 polegadas cúbicas de ácido carbônico por hora; isso daria cerca de 8 onças de carbono sólido expelido dos pulmões em 24 horas. “Todo homem deve ter pelo menos 800 pés cúbicos.” (Huxley.)

216. De acordo com a Lei de Fábrica inglesa, os pais não podem enviar seus filhos menores de 14 anos para fábricas sob o controle da lei, a menos que, ao mesmo tempo, eles permitam que eles recebam educação elementar. O fabricante é responsável pelo cumprimento da lei. “A educação na fábrica é obrigatória e é uma condição de trabalho.” ("Rep. Insp. Fact., 31 de outubro de 1865," p. 111.)

217. Sobre os resultados muito vantajosos de combinar a ginástica (e o treino, no caso dos meninos) com a educação obrigatória para crianças de fábrica e estudantes pobres, ver o discurso de NW Senior no sétimo congresso anual da “Associação Nacional para a Promoção Social Science, ”em“ Report of Proceedings, & c., ”Lond. 1863, pp. 63, 64, também o “Rep. Insp. Fato., 31 de outubro de 1865, ”pp. 118, 119, 120, 126, sqq.

218. “Rep. Insp. Fato., 31 de outubro de 1865, ”p. 118. Um fabricante de seda declara ingenuamente aos Children's Employment Commissioners: “Tenho certeza de que o verdadeiro segredo de produzir trabalhadores eficientes está na união da educação e do trabalho desde a infância. É claro que a ocupação não deve ser muito severa, nem cansativa ou prejudicial à saúde. Mas da vantagem do sindicato não tenho dúvidas. Eu gostaria que meus próprios filhos pudessem ter algum trabalho e também brincar para dar variedade à sua escolaridade. ” (“Ch. Empl. Comm. V. Rep.,” P. 82, nº 36.)

219.Sênior, lc, pág. 66. Como a indústria moderna, quando atinge um certo tom, é capaz, pela revolução que efetua no modo de produção e nas condições sociais de produção, de revolucionar também a mente das pessoas, é demonstrado de forma impressionante por uma comparação com a de Senior. discurso em 1863, com sua filípica contra a Lei da Fábrica de 1833; ou por comparação, das opiniões do congresso acima referido, com o fato de que em certos distritos rurais da Inglaterra os pais pobres são proibidos, sob pena de morte de fome, de educar seus filhos. Assim, por exemplo, o Sr. Snell relata que é uma ocorrência comum em Somersetshire que, quando uma pessoa pobre pede ajuda na paróquia, ela é obrigada a tirar seus filhos da escola. Sr. Wollarton, o clérigo de Feltham,

220Onde quer que as máquinas artesanais, movidas por homens, concorram direta ou indiretamente com as máquinas mais desenvolvidas, movidas por força mecânica, ocorre uma grande mudança no que diz respeito ao operário que a dirige. No início, a máquina a vapor substitui este trabalhador, depois ele deve substituir a máquina a vapor. Consequentemente, a tensão e a quantidade de força de trabalho despendida tornam-se monstruosas, especialmente no caso das crianças que são condenadas a esta tortura. Assim, o Sr. Longe; um dos comissários, encontrou em Coventry e na vizinhança meninos de 10 a 15 anos empregados na condução de teares de fita, sem falar nas crianças menores que tinham de dirigir máquinas menores. “É um trabalho extraordinariamente cansativo. O menino é um mero substituto para a energia a vapor. ” (“Ch. Empl. Comm. V, Rep. 1866;” p. 114, n. 6. ) Quanto às consequências fatais “deste sistema de escravidão”, como o denomina o relatório oficial, ver lc, p. 114 sqq.

221. lc, p. 3, n. 24

222. lc, P. 7, n. 60

223. “Em algumas partes das Terras Altas da Escócia, não muitos anos atrás, cada camponês, de acordo com a Conta Estatística, fabricava seus próprios sapatos de couro curtido por si mesmo. Muitos pastores e cottar também, com sua esposa e filhos, apareceram na Igreja com roupas que não tinham sido tocadas por mãos além das suas, visto que foram tosquiadas das ovelhas e semeadas no campo de linho. Na preparação destes. acrescenta-se que dificilmente um único artigo foi comprado, exceto o furador, a agulha, o dedal e muito poucas partes da ferraria empregada na tecelagem. Os corantes, toci, eram extraídos principalmente pelas mulheres de árvores, arbustos e ervas. ” (Dugald Stewart's "Works", Hamilton's Ed., Vol. Viii., Pp. 327-328.)

224. No célebre “Livre des métiers” de Etienne Boileau, achamos prescrito que um jornaleiro ao ser admitido entre os mestres tinha que jurar “amar seus irmãos com amor fraterno, apoiá-los em seus respectivos ofícios, não intencionalmente para trair os segredos do comércio e, além disso, no interesse de todos, não recomendar suas próprias mercadorias chamando a atenção do comprador para os defeitos nos artigos fabricados por terceiros. ”

225“A burguesia não pode existir sem revolucionar continuamente os instrumentos de produção e, portanto, as relações de produção e todas as relações sociais. A conservação, de forma inalterada, dos antigos modos de produção foi, pelo contrário, a primeira condição de existência de todas as classes industriais anteriores. A revolução constante na produção, a perturbação ininterrupta de todas as condições sociais, a incerteza e a agitação eternas distinguem a época burguesa de todas as anteriores. Todas as relações fixas e congeladas, com sua sequência de preconceitos e opiniões antigas e veneráveis, são varridas, todas as relações recém-formadas tornam-se antiquadas antes que possam ossificar. Tudo o que é sólido se desmancha no ar, tudo o que é sagrado é profanado e o homem é finalmente compelido a enfrentar com sentidos sóbrios suas reais condições de vida, e suas relações com sua espécie. ” (F. Engels und Karl Marx: “Manifest der Kommunistischen Partei.” Lond. 1848, p. 5.)

226.

"Você tira minha vida
quando você pega os meios pelos quais eu vivo."
Shakespeare.

227. Um operário francês, ao voltar de São Francisco, escreveu o seguinte: “Eu nunca poderia ter acreditado que era capaz de trabalhar nas várias ocupações para as quais trabalhava na Califórnia. Eu estava firmemente convencido de que não servia para nada além de imprimir cartas ... Uma vez no meio deste mundo de aventureiros, que mudam de ocupação com a mesma freqüência que mudam de camisa, egad, eu fiz como os outros. Como a mineração não era lucrativa o suficiente, deixei-a para a cidade, onde, sucessivamente, tornei-me tipógrafo, slater, encanador etc. Por assim descobrir que sou apto para qualquer tipo de trabalho, sinto-me menos um molusco e mais um homem. ” (A. Corbon, "De l'enseignement professionnel", 2ème ed., P. 50.)

228.John Bellers, um fenômeno mesmo na história da Economia Política, viu com mais clareza no final do século XVII, a necessidade de abolir o atual sistema de educação e divisão do trabalho, que gera hipertrofia e atrofia nas duas extremidades opostas da sociedade . Entre outras coisas, ele diz o seguinte: “O aprendizado ocioso é pouco melhor do que o aprendizado da ociosidade .... O trabalho corporal é uma instituição primitiva de Deus .... O trabalho sendo tão apropriado para a saúde do corpo quanto o comer é para o seu. a viver; pois quantas dores um homem poupará com facilidade, encontrará na doença .... O trabalho acrescenta óleo à lâmpada da vida, quando o pensamento a inflama .... Um emprego tolo infantil ”(um aviso isto, por pressentimento, contra o Basedows e seus imitadores modernos) “deixa as mentes das crianças tolas,

229. Esse tipo de trabalho ocorre principalmente em pequenas oficinas, como vimos nos negócios de rendas e trançado de palha, e como poderia ser mostrado mais detalhadamente nos negócios de metal de Sheffield, Birmingham etc.

230. “Ch. Empl. Comm., V. Rep., ”P. xxv., n. 162 e II. Rep., P. xxxviii., n, 285, 289, p. xxv., xxvi., n. 191.

231. “O trabalho fabril pode ser tão puro e excelente quanto o trabalho doméstico, e talvez até mais.” ("Rep. Insp. Of Fact., 31 de outubro de 1865," p. 129.)

232. “Rep. Insp. of Fact., 31 de outubro de 1865, ”pp. 27-32.

233. Numerosas instâncias serão encontradas em “Rep. de Insp. de fato. ”

234. “Ch. Empl. Comm., V. Rep., ”Px, n. 35

235. “Ch. Empl. Comm., V. Rep., ”P. ix., n. 28

236. lc, p. xxv., n. 165-167. Quanto às vantagens das indústrias de grande escala, em comparação com as indústrias de pequena escala, consulte “Cap. Empl. Comm., III. Rep. ”, P. 13, n. 144, pág. 25, n. 121, pág. 26, n. 125, pág. 27, n. 140 e c.

237.Os ofícios propostos para serem trazidos ao abrigo da Lei eram os seguintes: confecção de rendas, tecelagem de meias, entrançamento de palha, manufatura de vestuários com suas numerosas subdivisões, confecção de flores artificiais, fabricação de calçados, chapéus, luvas fabricação, alfaiataria, todos os trabalhos em metal, desde altos-fornos até costura, etc., fábricas de papel, fábricas de vidro, fábricas de tabaco, trabalhos de borracha da Índia, fabricação de tranças (para tecer), fabricação manual de tapetes, fabricação de guarda-chuvas e sombrinhas, o fabricação de fusos e carretéis, impressão tipográfica, encadernação de livros, fabricação de artigos de papelaria (incluindo sacos de papel, cartões, papel colorido etc.), fabricação de cordas, fabricação de enfeites de jato, fabricação de tijolos, fabricação manual de seda, tecelagem Coventry , salinas, fornecedores de sebo, fábricas de cimento, refinarias de açúcar, fabricação de biscoitos, várias indústrias ligadas à madeira,e outros negócios mistos.

238. lc, p. xxv., n. 169

239. Aqui (de "The Tory Cabinet ...... a" Nassau W. Senior "), o texto em inglês foi alterado em conformidade com a 4ª edição alemã. - Ed.

240. A Lei de Extensão de Atos de Fábrica foi aprovada em 12 de agosto de 1867. Ela regulamenta todas as fundições, ferrarias e fábricas de metal, incluindo oficinas mecânicas; além disso vidrarias, fábricas de papel, guta-percha e fábrica de borracha da Índia, fábricas de tabaco, impressão de cartas e trabalhos de encadernação e, por último, todas as oficinas em que trabalham mais de 50 pessoas. A Lei de Regulamentação das Horas de Trabalho, aprovada em 17 de agosto de 1867, regulamenta as oficinas menores e as chamadas indústrias domésticas.

Voltarei a essas Leis e à nova Lei de Mineração de 1872 no Volume II.

241. Senior, “Social Science Congress,” pp. 55-58.

242. O “pessoal” deste pessoal consistia em 2 inspetores, 2 inspetores assistentes e 41 subinspetores. Oito subinspetores adicionais foram nomeados em 1871. O custo total de administração dos Atos na Inglaterra, Escócia e Irlanda ascendeu no ano de 1871-72 a não mais que £ 25.347, incluindo as despesas legais incorridas pelos processos de mestres infratores.

243. Robert Owen, o pai das Fábricas e Lojas Cooperativas, mas que, como antes observou, de forma alguma compartilhava das ilusões de seus seguidores no que diz respeito ao porte desses elementos isolados de transformação, não apenas fez praticamente o sistema fabril o único fundamento de seus experimentos, mas também declarou que esse sistema era teoricamente o ponto de partida da revolução social. Herr Vissering, professor de Economia Política na Universidade de Leyden, parece suspeitar disso quando, em seu "Handboek van Practische Staatshuishoudkunde, 1860-62", que reproduz todos os chavões da economia vulgar, ele apóia fortemente o artesanato contra os Sistema de fábrica.

Adicionado na 4ª edição alemã - O "emaranhado desesperadoramente desconcertante de decretos contraditórios" (S. 314) (volume atual, p. 284) que a legislação inglesa deu vida por meio dos Factory Acts mutuamente conflitantes, o Factory Acts Extension Act e a Lei das Oficinas, finalmente tornou-se intolerável, e assim todos os atos legislativos sobre o assunto foram codificados na Lei de Fábrica e Oficina de 1878. É claro que nenhuma crítica detalhada desse código industrial inglês em vigor pode ser apresentada aqui. As seguintes observações terão que ser suficientes. A lei compreende:

1) Moinhos têxteis . Aqui tudo permanece como antes: crianças com mais de 10 anos podem trabalhar 5 horas e meia por dia; ou 6 horas e folga no sábado; jovens e mulheres, 10 horas em 5 dias, e no máximo 6½ no sábado.

2) Fábricas não têxteis . Aqui os regulamentos são trazidos mais perto do que antes daqueles do No. 1, mas ainda existem várias exceções que favorecem os capitalistas e que em certos casos podem ser expandidos com permissão especial do Ministro do Interior.

3) Workshops , definidos aproximadamente como na Lei anterior; quanto às crianças, jovens trabalhadores e mulheres empregadas lá, as oficinas estão quase no mesmo nível das fábricas não têxteis, mas novamente as condições são mais fáceis nos detalhes.

4) Oficinas em que não haja crianças ou jovens trabalhadores empregados, mas somente pessoas de ambos os sexos maiores de 18 anos; esta categoria desfruta de condições ainda mais fáceis.

5) Oficinas Domésticas, se apenas estiverem empregados membros da família, no domicílio familiar: regulamentação ainda mais elástica e simultaneamente a restrição de que o inspetor pode, sem autorização especial do ministério ou tribunal, entrar apenas em cômodos não utilizados também para habitação; e, por último, liberdade irrestrita para trançar palha, rendas e confecção de luvas por membros da família. Com todos os seus defeitos, esta Lei, juntamente com a Lei Federal de Fábrica da Suíça de 23 de março de 1877, ainda é de longe a melhor legislação neste campo. A sua comparação com a referida lei federal suíça é de particular interesse porque demonstra claramente os méritos e deméritos dos dois métodos legislativos - o inglês, o método “histórico”, que intervém quando a ocasião o requer, e o método continental, que se baseia nas tradições da Revolução Francesa e generaliza mais. Infelizmente, devido ao pessoal de inspeção insuficiente, o código inglês ainda é letra morta no que diz respeito à sua aplicação em oficinas.- FE ]

244. “Você divide o povo em dois campos hostis de rudes palhaços e anões emasculados. Deus do céu! uma nação dividida em interesses agrícolas e comerciais, que se autodenomina sã; mais do que isso, se autodenomina iluminada e civilizada, não apenas apesar, mas em conseqüência dessa divisão monstruosa e não natural. ” (David Urquhart, lc, p. 119.) Esta passagem mostra, ao mesmo tempo, a força e a fraqueza daquele tipo de crítica que sabe julgar e condenar o presente, mas não como compreendê-lo.

245.Ver Liebig: “Die Chemie in ihrer Anwendung auf Agricultur und Physiologie,” 7. Auflage, 1862, e especialmente o “Einleitung in die Naturgesetze des Feldbaus,” no primeiro volume. Ter se desenvolvido do ponto de vista das ciências naturais, o lado negativo, isto é, destrutivo da agricultura moderna, é um dos méritos imortais de Liebig. Seu resumo, também, da história da agricultura, embora não esteja livre de erros grosseiros, contém lampejos de luz. É, no entanto, lamentável que ele se arrisque em afirmações aleatórias como as seguintes: "Por uma maior pulverização e aração mais frequente, a circulação de ar no interior do solo poroso é auxiliada, e a superfície exposta à ação do a atmosfera é aumentada e renovada; mas é facilmente visto que o aumento da produção da terra não pode ser proporcional ao trabalho despendido naquela terra, mas aumenta em uma proporção muito menor. Esta lei ”, acrescenta Liebig,“ foi enunciada pela primeira vez por John Stuart Mill em seu 'Princípios de Pol. Econ., 'Vol. 1, pág. 17, da seguinte forma: 'Que a produção da terra aumente,Caeteris Paribus, em proporção decrescente com o aumento dos trabalhadores empregados '(Mill introduz aqui de forma errônea a lei enunciada pela escola de Ricardo, pois desde a' diminuição dos trabalhadores empregados ', manteve o mesmo ritmo na Inglaterra com o avanço da agricultura, a lei descoberta e aplicada à Inglaterra não poderia ser aplicada a esse país, em todos os eventos), 'é a lei universal da indústria agrícola.' Isso é muito notável, já que Mill ignorava o motivo dessa lei. ” (Liebig, lc, Bd. I., p. 143 e Nota.) Além da interpretação errada de Liebig da palavra "trabalho", pela qual ele entende algo muito diferente do que a Economia Política faz, é, em qualquer caso, “Muito notável” que ele fizesse do Sr. John Stuart Mill o primeiro proponente de uma teoria que foi publicada pela primeira vez por James Anderson em A. Os dias de Smith, e foi repetido em várias obras até o início do século 19; uma teoria que Malthus, aquele mestre do plágio (toda a sua teoria da população é um plágio desavergonhado), apropriou-se de si mesmo em 1815; que West desenvolveu ao mesmo tempo e independentemente de Anderson; que no ano de 1817 foi conectada por Ricardo com a teoria geral do valor, então deu a volta ao mundo como a teoria de Ricardo, e em 1820 foi vulgarizada por James Mill, o pai de John Stuart Mill; e que, por fim, foi reproduzido por John Stuart Mill e outros, como um dogma já bastante comum e conhecido por todo estudante. Não se pode negar que John Stuart Mill deve sua, em todos os eventos, "notável" autoridade quase inteiramente a tal uma teoria que Malthus, aquele mestre do plágio (toda a sua teoria da população é um plágio desavergonhado), apropriou-se de si mesmo em 1815; que West desenvolveu ao mesmo tempo e independentemente de Anderson; que no ano de 1817 foi conectada por Ricardo com a teoria geral do valor, então deu a volta ao mundo como a teoria de Ricardo, e em 1820 foi vulgarizada por James Mill, o pai de John Stuart Mill; e que, finalmente, foi reproduzido por John Stuart Mill e outros, como um dogma já bastante comum e conhecido por todos os alunos. Não se pode negar que John Stuart Mill deve sua, em todos os eventos, "notável" autoridade quase inteiramente a tal uma teoria que Malthus, aquele mestre do plágio (toda a sua teoria da população é um plágio desavergonhado), apropriou-se de si em 1815; que West desenvolveu ao mesmo tempo e independentemente de Anderson; que no ano de 1817 foi conectada por Ricardo com a teoria geral do valor, então deu a volta ao mundo como a teoria de Ricardo, e em 1820 foi vulgarizada por James Mill, o pai de John Stuart Mill; e que, finalmente, foi reproduzido por John Stuart Mill e outros, como um dogma já bastante comum e conhecido por todos os alunos. Não se pode negar que John Stuart Mill deve sua, em todos os eventos, "notável" autoridade quase inteiramente a tal que West desenvolveu ao mesmo tempo e independentemente de Anderson; que no ano de 1817 foi conectada por Ricardo com a teoria geral do valor, então deu a volta ao mundo como a teoria de Ricardo, e em 1820 foi vulgarizada por James Mill, o pai de John Stuart Mill; e que, finalmente, foi reproduzido por John Stuart Mill e outros, como um dogma já bastante comum e conhecido por todos os alunos. Não se pode negar que John Stuart Mill deve sua, em todos os eventos, "notável" autoridade quase inteiramente a tal que West desenvolveu ao mesmo tempo e independentemente de Anderson; que no ano de 1817 foi conectada por Ricardo com a teoria geral do valor, então deu a volta ao mundo como a teoria de Ricardo, e em 1820 foi vulgarizada por James Mill, o pai de John Stuart Mill; e que, finalmente, foi reproduzido por John Stuart Mill e outros, como um dogma já bastante comum e conhecido por todos os alunos. Não se pode negar que John Stuart Mill deve sua, em todos os eventos, "notável" autoridade quase inteiramente a tal como um dogma já bastante comum e conhecido por todos os alunos. Não se pode negar que John Stuart Mill deve sua, em todos os eventos, "notável" autoridade quase inteiramente a tal como um dogma já bastante comum e conhecido por todos os alunos. Não se pode negar que John Stuart Mill deve sua, em todos os eventos, "notável" autoridade quase inteiramente a talquid-pro-quos .


Fonte: https://www.marxists.org/archive/marx/works/1867-c1/ch15.htm

Comentários