Karl Marx. Volume de capital um | Parte V: A produção de mais-valia absoluta e relativa | Capítulo Dezesseis: Mais-valor absoluto e relativo

Karl Marx


Ao considerar o processo de trabalho, começamos (ver Capítulo VII) tratando-o de forma abstrata, à parte de suas formas históricas, como um processo entre o homem e a Natureza. Nós lá declaramos: “Se examinarmos todo o processo de trabalho, do ponto de vista de seu resultado, é claro que tanto os instrumentos quanto o sujeito do trabalho são meios de produção, e que o próprio trabalho é trabalho produtivo.” E na Nota 2, mesma página, acrescentamos ainda: “Este método de determinar, apenas do ponto de vista do processo de trabalho, o que é trabalho produtivo, não é de forma alguma diretamente aplicável ao caso do processo de produção capitalista”. Vamos agora prosseguir com o desenvolvimento deste assunto.


Na medida em que o processo de trabalho é puramente individual, um mesmo operário une em si todas as funções, que mais tarde se separam. Quando um indivíduo se apropria de objetos naturais para seu sustento, ninguém o controla a não ser ele mesmo. Depois disso, ele é controlado por outros. Um único homem não pode operar sobre a Natureza sem colocar seus próprios músculos em ação sob o controle de seu próprio cérebro. Como no corpo natural, a cabeça e a mão esperam uma da outra, o processo de trabalho une o trabalho da mão ao da cabeça. Mais tarde, eles se separam e até mesmo se tornam inimigos mortais. O produto deixa de ser o produto direto do indivíduo, para se tornar um produto social, produzido em comum por um trabalhador coletivo, ou seja, por uma combinação de operários, cada um dos quais participa apenas de uma parte, maior ou menor, na manipulação de o assunto de seu trabalho. À medida que o caráter cooperativo do processo de trabalho se torna cada vez mais acentuado, também, como conseqüência necessária, nossa noção de trabalho produtivo e de seu agente, o trabalhador produtivo, se amplia. Para trabalhar produtivamente, não é mais necessário que você mesmo faça o trabalho manual; basta, se você for um órgão do trabalhador coletivo e desempenhar uma de suas funções subordinadas. A primeira definição dada acima de trabalho produtivo, uma definição deduzida da própria natureza da produção de objetos materiais, ainda permanece correta para o trabalhador coletivo, considerado como um todo. Mas isso não é mais válido para cada membro individualmente.


Por outro lado, entretanto, nossa noção de trabalho produtivo torna-se limitada. A produção capitalista não é meramente a produção de mercadorias, é essencialmente a produção de mais-valor. O trabalhador produz, não para si, mas para o capital. Não é mais suficiente, portanto, que ele simplesmente produza. Ele deve produzir mais-valor. É produtivo apenas aquele trabalhador, aquele que produz mais-valia para o capitalista e, portanto, trabalha para a autoexpansão do capital. Se tomarmos um exemplo fora da esfera da produção de objetos materiais, um mestre-escola é um trabalhador produtivo quando, além de espancar as cabeças de seus alunos, trabalha como um cavalo para enriquecer o proprietário da escola. O facto de este último ter investido o seu capital numa fábrica de ensino, em vez de numa fábrica de salsichas, não altera a relação. Conseqüentemente, a noção de um trabalhador produtivo implica não apenas uma relação entre trabalho e efeito útil, entre trabalhador e produto do trabalho, mas também uma relação social de produção específica, uma relação que surgiu historicamente e marca o trabalhador como o meio direto. de criação de mais-valor. Ser um trabalhador produtivo não é, portanto, um golpe de sorte, mas um infortúnio. No Livro IV. que trata da história da teoria, será visto com mais clareza, que a produção de mais-valor foi em todos os tempos, pelos economistas políticos clássicos, a característica distintiva do trabalhador produtivo. Conseqüentemente, sua definição de trabalhador produtivo muda com sua compreensão da natureza da mais-valia. Assim, os fisiocratas insistem que apenas o trabalho agrícola é produtivo, visto que somente ele, dizem, produz uma mais-valia. E dizem isso porque, com eles, a mais-valia não existe, exceto na forma de aluguel.


O prolongamento da jornada de trabalho além do ponto em que o trabalhador teria produzido apenas um equivalente para o valor de sua força de trabalho, e a apropriação desse trabalho excedente pelo capital, isso é produção de mais-valia absoluta. Ele constitui a base geral do sistema capitalista e o ponto de partida para a produção da mais-valia relativa. Este último pressupõe que a jornada de trabalho já está dividida em duas partes, trabalho necessário e trabalho excedente. Para prolongar o trabalho excedente, o trabalho necessário é reduzido por métodos pelos quais o equivalente ao salário é produzido em menos tempo. A produção da mais-valia absoluta depende exclusivamente da duração da jornada de trabalho; a produção de mais-valia relativa, revoluciona totalmente os processos técnicos de trabalho e a composição da sociedade. Portanto, pressupõe um modo específico, o modo de produção capitalista, um modo que, junto com seus métodos, meios e condições, surge e se desenvolve espontaneamente sobre o fundamento proporcionado pela sujeição formal do trabalho ao capital. No curso desse desenvolvimento, a sujeição formal é substituída pela sujeição real do trabalho ao capital.


Bastará apenas referir-se a certas formas intermediárias, nas quais o trabalho excedente não é extorquido por compulsão direta do produtor, nem do próprio produtor ainda formalmente sujeito ao capital. Em tais formas, o capital ainda não adquiriu o controle direto do processo de trabalho. Ao lado dos produtores independentes que realizam o artesanato e a agricultura da maneira tradicional e antiquada, está o usurário ou o comerciante, com seu capital de usurário ou de comerciante, alimentando-se deles como um parasita. A predominância, em uma sociedade, dessa forma de exploração exclui o modo de produção capitalista; para qual modo, no entanto, esta forma pode servir de transição, como o fez no final da Idade Média. Finalmente, como mostra a moderna “indústria doméstica”, algumas formas intermediárias são aqui e ali reproduzidas no pano de fundo da Indústria Moderna, embora sua fisionomia esteja totalmente mudada.


Se, por um lado, a mera sujeição formal do trabalho ao capital é suficiente para a produção da mais-valia absoluta, se, por exemplo, é suficiente que os artesãos que anteriormente trabalharam por conta própria, ou como aprendizes de um mestre, devam tornam-se trabalhadores assalariados sob o controle direto de um capitalista; assim, por outro lado, vimos como os métodos de produção de mais-valor relativo são, ao mesmo tempo, métodos de produção de mais-valor absoluto. Mais ainda, o prolongamento excessivo da jornada de trabalho acabou sendo o produto peculiar da Indústria Moderna. De modo geral, o modo de produção especificamente capitalista deixa de ser um mero meio de produção de mais-valor relativo, tão logo esse modo tenha conquistado um ramo inteiro de produção; e ainda mais, assim que conquistou todos os ramos importantes. Em seguida, torna-se a forma de produção geral e socialmente predominante. Como método especial de produção de mais-valia relativa, permanece eficaz apenas, primeiro, na medida em que se apodera de indústrias que antes estavam apenas formalmente sujeitas ao capital, isto é, na medida em que são propagandistas; em segundo lugar, na medida em que as indústrias por ela adquiridas continuam a ser revolucionadas por mudanças nos métodos de produção.


De um ponto de vista, qualquer distinção entre mais-valia absoluta e relativa parece ilusória. A mais-valia relativa é absoluta, pois obriga ao prolongamento absoluto da jornada de trabalho para além do tempo de trabalho necessário à existência do próprio trabalhador. A mais-valia absoluta é relativa, uma vez que torna necessário o desenvolvimento da produtividade do trabalho, que permite que o tempo de trabalho necessário seja confinado a uma parte da jornada de trabalho. Mas se tivermos em mente o comportamento da mais-valia, essa aparência de identidade se desvanece. Uma vez estabelecido e generalizado o modo de produção capitalista, faz-se sentir a diferença entre a mais-valia absoluta e a relativa, sempre que se trata de aumentar a taxa de mais-valia. Supondo que a força de trabalho seja paga pelo seu valor, somos confrontados com esta alternativa: dada a produtividade do trabalho e sua intensidade normal, a taxa de mais-valia só pode ser aumentada pelo prolongamento efetivo da jornada de trabalho; por outro lado, dada a extensão da jornada de trabalho, esse aumento só pode ser efetuado por uma mudança nas magnitudes relativas dos componentes da jornada de trabalho, a saber, trabalho necessário e sobretrabalho; uma mudança que, para que os salários não caiam abaixo do valor da força de trabalho, pressupõe uma mudança na produtividade ou na intensidade do trabalho.


Se o trabalhador deseja todo o seu tempo para produzir os meios de subsistência necessários para si e sua raça, não lhe sobra tempo para trabalhar gratuitamente para os outros. Sem um certo grau de produtividade em seu trabalho, ele não tem esse tempo supérfluo à sua disposição; sem esse tempo supérfluo, sem trabalho excedente e, portanto, sem capitalistas, sem proprietários de escravos, sem senhores feudais, em uma palavra, sem classe de grandes proprietários. [1]


Assim, podemos dizer que a mais-valia repousa sobre uma base natural; mas isso é permitido apenas no sentido muito geral, que não há nenhum obstáculo natural que impeça absolutamente um homem de se livrar do requisito de trabalho para sua própria existência, e sobrecarregar outro com isso, mais, por exemplo, do que obstáculo natural invencível impedir um homem de comer a carne de outro. [2] Nenhuma ideia mística deve de forma alguma estar conectada, como às vezes acontece, com essa produtividade do trabalho historicamente desenvolvida. É somente depois que os homens se elevam acima da categoria dos animais, quando, portanto, seu trabalho foi até certo ponto socializado, que surge um estado de coisas em que o trabalho excedente de um se torna uma condição de existência para o outro. No alvorecer da civilização, a produtividade adquirida pelo trabalho é pequena, mas também o são as necessidades que se desenvolvem com e pelos meios de satisfazê-los. Além disso, naquele período inicial, a porção da sociedade que vivia do trabalho dos outros era infinitamente pequena em comparação com a massa de produtores diretos. Junto com o progresso na produtividade do trabalho, essa pequena porção da sociedade aumenta de forma absoluta e relativa. Além disso, o capital com as relações que o acompanham surge de um solo econômico que é o produto de um longo processo de desenvolvimento. A produtividade do trabalho, que lhe serve de fundamento e ponto de partida, é uma dádiva, não da natureza, mas de uma história que abrange milhares de séculos.


À parte do grau de desenvolvimento, maior ou menor, na forma de produção social, a produtividade do trabalho está atrelada às condições físicas. Tudo isso se refere à constituição do próprio homem (raça etc.) e à natureza circundante. As condições físicas externas se enquadram em duas grandes classes econômicas, (1) Riqueza natural em meios de subsistência, ou seja, um solo fértil, águas repletas de peixes, etc., e (2), riqueza natural nos instrumentos de trabalho, como cachoeiras, rios navegáveis, madeira, metal, carvão etc. No alvorecer da civilização, é a primeira classe que vira a balança; em um estágio superior de desenvolvimento, é o segundo. Compare, por exemplo, a Inglaterra com a Índia ou, nos tempos antigos, Atenas e Corinto com as margens do Mar Negro.


Quanto menor o número de necessidades naturais que exigem imperativamente satisfação, e quanto maior a fertilidade natural do solo e a favourabilidade do clima, tanto menos é o tempo de trabalho necessário para a manutenção e reprodução do produtor. Muito maior, portanto, pode ser o excesso de seu trabalho pelos outros em relação ao seu trabalho por si mesmo. Diodoro observou isso há muito tempo em relação aos antigos egípcios.


“É totalmente incrível quão poucos problemas e despesas a criação de seus filhos lhes causa. Eles cozinham para eles a primeira comida simples disponível; também lhes dão a parte inferior do caule do papiro para comer, na medida em que pode ser assado no fogo, e as raízes e caules das plantas do pântano, alguns crus, outros cozidos e assados. A maioria das crianças anda sem sapatos e sem roupa, porque o ar é muito ameno. Conseqüentemente, uma criança, até que se torne adulto, não custa aos pais, no total, vinte dracmas. É isso, principalmente, que explica por que a população do Egito é tão numerosa e, portanto, por que tantas grandes obras podem ser realizadas. ”


No entanto, as grandes estruturas do antigo Egito devem-se menos à extensão de sua população do que à grande proporção dela que era livremente descartável. Assim como o trabalhador individual pode fazer mais trabalho excedente na proporção em que seu tempo de trabalho necessário é menor, o mesmo ocorre com a população trabalhadora. Quanto menor for a parte que é necessária para a produção dos meios de subsistência necessários, tanto maior é a parte que pode ser destinada a outro trabalho.


A produção capitalista, uma vez assumida, então, todas as outras circunstâncias permanecendo as mesmas, e dada a extensão da jornada de trabalho, a quantidade de trabalho excedente variará com as condições físicas de trabalho, especialmente com a fertilidade do solo. Mas não se segue de forma alguma que o solo mais fértil seja o mais adequado para o crescimento do modo de produção capitalista. Este modo é baseado no domínio do homem sobre a natureza. Onde a natureza é muito pródiga, ela "o mantém sob controle, como uma criança no comando". Ela não impõe a ele nenhuma necessidade de se desenvolver. [5] Não são os trópicos com sua vegetação luxuriante, mas a zona temperada, que é a metrópole da capital. Não é a mera fertilidade do solo, mas a diferenciação do solo, a variedade de seus produtos naturais, as mudanças das estações, que formam a base física para a divisão social do trabalho, e que, por mudanças no natural ambiente, estimula o homem à multiplicação de suas necessidades, suas capacidades, seus meios e modos de trabalho. É a necessidade de colocar uma força natural sob o controle da sociedade, de economizar, de se apropriar ou subjugar em grande escala pelo trabalho das mãos do homem, que primeiro desempenha o papel decisivo na história da indústria. Exemplos são as obras de irrigação no Egito, [6] Lombardia, Holanda, ou na Índia e Pérsia onde a irrigação por meio de canais artificiais, não só abastece o solo com a água indispensável, mas também leva para baixo, no forma de sedimento das colinas, fertilizantes minerais. O segredo do florescente estado da indústria na Espanha e na Sicília sob o domínio dos árabes está em seus trabalhos de irrigação. [7]


Somente as condições naturais favoráveis ​​nos dão apenas a possibilidade, nunca a realidade, do sobretrabalho, nem, conseqüentemente, do mais-valor e do mais-produto. O resultado da diferença nas condições naturais de trabalho é o seguinte, que a mesma quantidade de trabalho satisfaz, em diferentes países, uma massa diferente de necessidades, [8] conseqüentemente, que sob circunstâncias análogas em outros aspectos, o tempo de trabalho necessário é diferente. Essas condições afetam o trabalho excedente apenas como limites naturais, ou seja, fixando os pontos em que o trabalho para outros pode começar. À medida que a indústria avança, esses limites naturais diminuem. No meio de nossa sociedade da Europa Ocidental, onde o trabalhador adquire o direito de trabalhar para seu próprio sustento apenas pagando por ele com trabalho excedente, a ideia facilmente se enraíza de que é uma qualidade inerente do trabalho humano fornecer um excedente produtos. [9] Mas considere, por exemplo, um habitante das ilhas orientais do arquipélago asiático, onde o sagu cresce selvagem nas florestas.


“Quando os habitantes se convencem, fazendo um furo na árvore, de que a medula está madura, o tronco é cortado e dividido em vários pedaços, a medula é extraída, misturada com água e filtrada: fica então bastante adequada para usar como sagu. Uma árvore geralmente rende 300 libras e, ocasionalmente, 500 a 600 libras. Lá, então, as pessoas vão para as florestas e cortam pão para si mesmas, assim como conosco cortam lenha. ” [10]


Suponha agora que tal cortador de pão oriental requeira 12 horas de trabalho por semana para a satisfação de todas as suas necessidades. O presente direto da natureza para ele é muito tempo de lazer. Antes que ele possa aplicar esse tempo de lazer de forma produtiva para si mesmo, toda uma série de eventos históricos é necessária; antes que ele gaste em trabalho excedente para estranhos, a compulsão é necessária. Se a produção capitalista fosse introduzida, o homem honesto talvez tivesse que trabalhar seis dias por semana, para se apropriar do produto de um dia de trabalho. A generosidade da Natureza não explica por que ele teria que trabalhar 6 dias por semana, ou por que ele deveria fornecer 5 dias de trabalho excedente. Isso explica apenas por que seu tempo de trabalho necessário seria limitado a um dia por semana. Mas em nenhum caso seu produto excedente surgiria de alguma qualidade oculta inerente ao trabalho humano.


Assim, não apenas a produtividade social do trabalho historicamente desenvolvida, mas também a sua produtividade natural, parece ser a produtividade do capital com o qual esse trabalho é incorporado.


Ricardo nunca se preocupa com a origem da mais-valia. Ele a trata como algo inerente ao modo de produção capitalista, modo esse que, a seu ver, é a forma natural de produção social. Sempre que discute a produtividade do trabalho, ele busca nele, não a causa da mais-valia, mas a causa que determina a magnitude desse valor. Por outro lado, sua escola proclamou abertamente que a produtividade do trabalho é a causa originária do lucro (leia-se: Mais-valor). Em todo caso, isso é um progresso em relação aos mercantilistas que, por sua vez, derivavam o excesso do preço sobre o custo de produção do produto, do ato da troca, do produto sendo vendido acima do seu valor. No entanto, a escola de Ricardo simplesmente evitou o problema, eles não o resolveram. Na verdade, esses economistas burgueses viram instintivamente, e com razão, que é muito perigoso mexer muito profundamente na questão candente da origem da mais-valia. Mas o que devemos pensar de John Stuart Mill, que, meio século depois de Ricardo, afirma solenemente a superioridade sobre os mercantilistas, repetindo desajeitadamente as miseráveis ​​evasivas dos primeiros vulgarizadores de Ricardo?


Mill diz:

“A causa do lucro é que o trabalho produz mais do que o necessário para seu sustento.”


Até agora, nada além da velha história; mas Mill, desejando acrescentar algo de sua autoria, prossegue:


“Para variar a forma do teorema; a razão pela qual o capital dá lucro é porque os alimentos, roupas, materiais e ferramentas duram mais do que o tempo necessário para produzi-los ”.


Ele aqui confunde a duração do tempo de trabalho com a duração de seus produtos. De acordo com essa visão, um padeiro cujo produto dura apenas um dia nunca poderia extrair de seus trabalhadores o mesmo lucro que um fabricante de máquinas cujos produtos duram 20 anos ou mais. Claro, é muito verdade que se o ninho de um pássaro não durasse mais do que o tempo que leva para ser construído, os pássaros teriam que viver sem ninhos.


Uma vez estabelecida esta verdade fundamental, Mill estabelece sua própria superioridade sobre os mercantilistas.


“Vemos assim”, continua ele, “que o lucro surge, não do incidente da troca, mas da força produtiva do trabalho; e o lucro geral do país é sempre o que a força produtiva do trabalho o torna, haja troca ou não. Se não houvesse divisão de empregos, não haveria compra ou venda, mas ainda haveria lucro. ”


Portanto, para Mill, a troca, a compra e a venda, essas condições gerais da produção capitalista, são apenas um incidente, e sempre haveria lucros, mesmo sem a compra e venda da força de trabalho!


"Se", continua ele, "os trabalhadores do país produzem coletivamente vinte por cento a mais do que seus salários, os lucros serão de vinte por cento, quaisquer que sejam os preços ou não." Por um lado, isso é um pouco raro de tautologia; pois se os trabalhadores produzem uma mais-valia de 20% para o capitalista, seu lucro será igual ao total dos salários dos trabalhadores de 20: 100. Por outro lado, é absolutamente falso dizer que “os lucros serão de 20%”. Sempre serão menos, porque são calculados sobre a soma total do capital adiantado. Se, por exemplo, o capitalista tiver adiantado £ 500, dos quais £ 4OO estão dispostos em meios de produção e £ 100 em salários, e se a taxa de mais-valia for de 20%, a taxa de lucro será 20: 500 , ou seja, 4% e não 20%.


Em seguida, segue um exemplo esplêndido do método de Mill de lidar com as diferentes formas históricas de produção social.


“Suponho, em todo, o estado de coisas que, onde os trabalhadores e os capitalistas são classes separadas, prevalece, com poucas exceções, universalmente; a saber, que o capitalista adianta todas as despesas, incluindo toda a remuneração do trabalhador. ”


Estranha ilusão de ótica de ver em toda parte um estado de coisas que ainda existe apenas excepcionalmente em nossa terra. [11] Mas vamos terminar - Mill está disposto a ceder,


“Que ele deve fazer isso não é uma questão de necessidade inerente.” Pelo contrário: “o trabalhador pode esperar, até que a produção esteja completa, por toda aquela parte de seu salário que excede o mero necessário: e mesmo por todo, se ele tiver em mãos recursos suficientes para seu sustento temporário. Mas, neste último caso, o trabalhador é, nessa medida, realmente um capitalista no negócio, fornecendo uma parte dos fundos necessários para mantê-lo. ”


Mill poderia ter ido mais longe e acrescentado que o trabalhador que promove para si não apenas o necessário para a vida, mas também os meios de produção, nada mais é do que seu próprio trabalhador assalariado. Ele também poderia ter dito que o proprietário camponês americano é apenas um servo que faz trabalho forçado para si mesmo, em vez de para seu senhor.


Depois de provar assim claramente que mesmo que a produção capitalista não existisse, ela sempre existiria, Mill é consistente o suficiente para mostrar, ao contrário, que ela não existe, mesmo quando existe.


"E mesmo no primeiro caso" (quando o trabalhador é um trabalhador assalariado a quem o capitalista oferece todas as necessidades da vida, ele o trabalhador), "pode ser considerado sob a mesma luz" (ou seja, como um capitalista) , "Visto que, contribuindo com seu trabalho por menos do que o preço de mercado, (!) Ele pode ser considerado como emprestando a diferença (?) Ao seu empregador e recebendo-a de volta com juros, etc." [12]


Na realidade, o trabalhador adianta seu trabalho gratuitamente ao capitalista durante, digamos, uma semana, para receber o preço de mercado no final da semana, etc., e é isso que, segundo Mill, o transforma em um capitalista . Na planície nivelada, montes simples parecem colinas; e a planura imbecil da atual burguesia deve ser medida pela altitude de seus grandes intelectos.


Notas de rodapé

1. “A própria existência dos mestres capitalistas, como uma classe distinta, depende da produtividade da indústria.” (Ramsay, l.c., p. 206.) "Se o trabalho de cada homem fosse apenas o suficiente para produzir sua própria comida, não poderia haver propriedade." (Ravenstone, l.c. pág. 14, 15.)


2. De acordo com um cálculo recente, ainda existem pelo menos 4.000.000 de canibais nas partes da terra que já foram exploradas.


3. "Entre os índios selvagens na América, quase tudo é do trabalhador, 99 partes de uma centena devem ser colocadas na conta do trabalho. Na Inglaterra, talvez, o trabalhador não tenha 2/3. ” (The Advantages of the East India Trade, & c., P. 73.)


4. Diodoro, l.c., l. I., c. 80


5. “O primeiro (a riqueza natural), por ser o mais nobre e vantajoso, torna o povo descuidado, orgulhoso e dado a todos os excessos; enquanto o segundo impõe vigilância, literatura, artes e política. ” (O tesouro da Inglaterra pelo comércio exterior. Ou a balança de nosso comércio exterior é a regra de nosso tesouro. Escrito por Thomas Mun de Londres, comerciante, e agora publicado para o bem comum por seu filho John Mun. Londres, 1669, p. 181 , 182.) “Nem posso conceber maior maldição sobre um corpo de pessoas do que ser lançado sobre um pedaço de terra, onde as produções para subsistência e alimentação eram, em grande parte, espontâneas, e o clima pouco exigia ou admitia cuidado com roupas e coberturas ... pode haver um extremo do outro lado. Um solo incapaz de produzir com trabalho é tão ruim quanto um solo que produz abundantemente sem qualquer trabalho. ” (Uma investigação sobre o alto preço atual das provisões. Lond. 1767, p. 10.)


6. A necessidade de prever a ascensão e queda do Nilo criou a astronomia egípcia e, com ela, o domínio dos sacerdotes, como diretores da agricultura. “Le solstice est le moment de l'année ou start la crue du Nil, et celui que les Egyptiens ont du observador avec le plus d'attention .... C'était cette année tropique qu'il leur importait de marquer pour se diriger dans leurs opérations agricoles. Ils durent donc chercher dans le ciel un signe aparente de son retour. ” [O solstício é o momento do ano em que o Nilo começa a subir, e é o momento que os egípcios tiveram que observar com a maior atenção ... Foi a evolução do ano tropical que eles tiveram que estabelecer com firmeza quanto a conduzir suas operações agrícolas de acordo com ela. Eles, portanto, tiveram que procurar nos céus um sinal visível do retorno do solstício.] (Cuvier: Discours sur les révolutions du globe, ed. Hoefer, Paris, 1863, p. 141.)

7. Uma das bases materiais do poder do estado sobre os pequenos organismos produtores desconectados na Índia era a regulação do abastecimento de água. Os governantes maometanos da Índia compreenderam isso melhor do que seus sucessores ingleses. Basta lembrar a fome de 1866, que custou a vida a mais de um milhão de hindus no distrito de Orissa, na presidência de Bengala.


8. “Não há dois países que forneçam igual número de bens de primeira necessidade, em igual abundância e com a mesma quantidade de trabalho. As necessidades dos homens aumentam ou diminuem com a severidade ou temperamento do clima em que vivem; conseqüentemente, a proporção do comércio que os habitantes de diferentes países são obrigados a exercer por necessidade não pode ser a mesma, nem é praticável determinar o grau de variação além dos graus de calor e frio; de onde se pode tirar esta conclusão geral, que a quantidade de trabalho necessária para um certo número de pessoas é maior em climas frios, e menos em climas quentes; pois nos primeiros os homens não querem apenas mais roupas, mas a terra mais cultivada do que nos últimos. ” (Um ensaio sobre as causas dominantes da taxa natural de juros. Lond. 1750. p. 60.) O autor desta obra anônima que marcou época é J. Massy. Hume tirou disso sua teoria do interesse.


9. “Chaque travail doit (parece também fazer parte dos droits et devoirs du citoyen [direitos e deveres do cidadão]) laisser un excédent.” [Todo trabalho deve deixar um excedente] Proudhon.


10. F. Schouw: “Die Erde, die Pflanze und der Mensch,” 2. Ed. Leipz. 1854, p. 148


11. Em edições anteriores do Capital, a citação de John Stuart Mill, “Eu presumo que ... do trabalhador”, foi dada incorretamente, as palavras “onde os trabalhadores e os capitalistas são classes separadas” foram deixadas de fora. Marx, em uma carta datada de 28 de novembro de 1878, apontou isso para Danielson, o tradutor russo de O Capital, acrescentando:


“As próximas duas frases, viz. 'Estranha ilusão de ótica de ver em todos os lugares um estado de coisas que ainda existe apenas excepcionalmente em nossa terra. Mas vamos terminar "- deve ser excluído e a seguinte frase substituída:


"Sr. Mill é bom o suficiente para acreditar que este estado de coisas não é uma necessidade absoluta, mesmo naquele sistema econômico em que ‘trabalhadores e capitalistas são classes separadas’ ”.


O conteúdo desta nota foi retirado do Volksausgabe. A citação de Mill é de seus Princípios de Economia Política, Livro II, Cap. XV, 5.


12. J. St. Mill. Princípios de Pol. Econ. Lond. 1868, pág. 252-53 passim.


Fonte: https://www.marxists.org/archive/marx/works/1867-c1/ch16.htm

Comentários