Teses sobre Feuerbach (Karl Marx 1845)

Karl Marx


 1

O principal defeito de todo materialismo até então existente - o de Feuerbach inclusive - é que o Objeto [der Gegenstand], atualidade, sensualidade, são concebidos apenas na forma do objeto [Objetos], ou de contemplação [Anschauung], mas não como atividade sensual humana, prática [Praxis], não subjetivamente. Assim, aconteceu que o lado ativo, em oposição ao materialismo, foi desenvolvido pelo idealismo - mas apenas abstratamente, pois, é claro, o idealismo não conhece a atividade real, sensual como tal. Feuerbach quer objetos sensuosos [Objekte], diferenciados dos objetos de pensamento, mas ele não concebe a atividade humana em si como atividade objetiva [gegenständliche]. Em A Essência do Cristianismo [Das Wesen des Christenthums], ele considera portanto a atitude teórica como a única atitude genuinamente humana, enquanto a prática [Praxis] é concebida e definida apenas em sua forma de aparência judaica suja [Erscheinungsform][1]. Portanto, ele não compreende o significado de "revolucionário", de "prático-crítico", de atividade.


2

A questão de saber se a verdade objetiva pode ser atribuída ao pensamento humano não é uma questão de teoria, mas uma questão prática. O homem deve provar na prática a verdade, ou seja, a realidade e o poder, o lado [Diesseitigkeit] de seu pensamento. A disputa sobre a realidade ou não realidade do pensamento, que é isolada da prática, é uma questão puramente escolar.


3

A doutrina materialista de que os homens são produtos das circunstâncias e da educação, e que, portanto, os homens mudados são produtos das circunstâncias e da educação mudada, esquece que são os homens que mudam as circunstâncias e que o próprio educador deve ser educado. Por isso, esta doutrina é obrigada a dividir a sociedade em duas partes, uma das quais é superior à sociedade. A coincidência da mudança das circunstâncias e da atividade humana ou da auto- mudança [Selbstveränderung] só pode ser concebida e racionalmente compreendida como uma prática revolucionária.


4

Feuerbach parte do fato da auto-estrangulação religiosa [Selbstentfremdung], da duplicação do mundo em um mundo religioso, imaginário, e secular [weltliche]. Seu trabalho consiste em resolver o mundo religioso em sua base secular. Ele ignora o fato de que, após a conclusão deste trabalho, a principal coisa ainda está por fazer. Pois o fato de que a base secular se levanta de si mesma e se estabelece nas nuvens como um reino independente só pode ser explicado pela luta interior e pela contradição intrínseca desta base secular. Esta última deve ser compreendida em sua contradição e então, pela remoção da contradição, revolucionada. Assim, por exemplo, uma vez descoberto que a família terrena é o segredo da santa família, a primeira deve ser aniquilada [vernichtet] teórica e praticamente.


5

Feuerbach, não satisfeito com o pensamento abstrato, quer a contemplação sensual [Anschauung]; mas ele não concebe a sensualidade como atividade prática, humano-sensuada.


6

Feuerbach resolve a essência da religião na essência do homem [menschliche Wesen = 'natureza humana']. Mas a essência do homem não é uma abstração inerente a cada indivíduo. Na realidade, ela é o conjunto das relações sociais. Feuerbach, que não entra em uma crítica a esta essência real, é, portanto, obrigado:


1. Abstrair-se do processo histórico e definir o sentimento religioso considerado por si mesmo, e pressupor um indivíduo humano abstrato - isolado.


2. A essência, portanto, só pode ser considerada por ele como "espécie", como uma generalidade interna "idiota" que une muitos indivíduos apenas de uma forma natural.


7

Feuerbach consequentemente não vê que o "sentimento religioso" é em si um produto social, e que o indivíduo abstrato que ele analisa pertence na realidade a uma forma social particular.


8

Toda a vida social é essencialmente prática. Todos os mistérios que levam a teoria ao misticismo encontram sua solução racional na prática humana e na compreensão desta prática.


9

O ponto mais alto alcançado pelo materialismo contemplativo [anschauende], ou seja, o materialismo que não compreende a sensualidade como atividade prática, é a contemplação de indivíduos isolados e da sociedade civil [bürgerlichen Gesellschaft].


10

O ponto de vista do velho materialismo é a sociedade civil; o ponto de vista do novo é a sociedade humana ou a humanidade social.


11

Até agora, os filósofos só interpretaram o mundo de várias maneiras; o objetivo é mudá-lo.


Fonte: https://www.marxists.org/archive/marx/works/1845/theses/index.htm

Comentários