Aquele que tem a escola tem o futuro, por Eden e Cedar Paul 1918

Classe trabalhadora


Educação Independente da Classe Trabalhadora - Pensamentos e Sugestões

I - INTRODUTÓRIO


"Uma revolução social de algum tipo será necessária na Inglaterra após a declaração de paz no continente; pois, mesmo supondo algum princípio justo estabelecido pela força das armas, ela ainda terá que ser forjada em uma prática viva pela educação correta e bom governo. Para muitos de nós, a guerra maior ainda está por vir". Estas palavras são citadas do prefácio ao brilhante volume de Caldwell Cook sobre educação, 'The Play Way'. É possível que quando o Sr. Cook escreve sobre uma revolução social ele não esteja contemplando nada muito drástico, que ele não entenda a frase, uma vez que ela estará sob a tutela dos mais bolcheviques entre os leitores deste panfleto; é possível, mais uma vez, que quando ele fala sobre a guerra maior ainda por vir ele não esteja pensando em termos da luta de classes; mas mesmo assim é significativo que o pensamento de um proeminente e bem sucedido educador burguês (Sr. Cook, "The Play Way") seja um dos mais importantes e bem sucedidos educadores burgueses. Cook é um professor da famosa Escola Perse em Cambridge) deveria ser tão amplamente permeado pelo espírito de crítica socialista.

Vamos citar uma fonte ainda mais remotora. Em 4 de março de 1917, na Igreja de All Souls, Winnipeg, o Rev. Horace Westwood, D.D., pregou um sermão verdadeiramente notável sobre "Nossas Forças Educativas e os Problemas da Guerra e da Paz". Não podemos sequer resumir seu longo discurso, e não daremos mais do que o texto sobre o qual ele prega e, a parábola com a qual ele conclui. O texto é de Aristóteles, e corre: "As melhores leis não servem de nada, a menos que os jovens sejam treinados pelo hábito e pela educação no espírito da política". Aqui está a parábola: "Um dia, um profeta do Deus Altíssimo entrou na presença de um de Seus anjos e lhe disse: 'Ó tu, que és um servo do Altíssimo, estou cansado dos problemas da terra e desanimado com a tarefa desesperada de procurar trazer boa vontade, paz e justiça entre os homens'. Será que estas coisas jamais serão ou será tudo um sonho sem esperança? Dê-me uma visão para que eu possa voltar à Terra e profetizar com certeza o que acontecerá entre os homens". O anjo ponderou muito e então lhe disse: "Volte amanhã a esta hora e seu pedido será atendido". Quando o profeta acordou naquela noite em seu sofá, ele se perguntou muito qual seria a visão. Então passou diante de sua imaginação os anfitriões da humanidade gloriosa e livre. Ele viu cidades justas nas quais não havia nada de vil. Ele olhou para aldeias sorridentes, intocadas pelo flagelo da pobreza e para nações libertas da maldição da guerra. E disse a si mesmo: "Certamente esta será a visão que o anjo do Senhor dará". E então ele dormiu. No dia seguinte, na hora marcada, ele foi mais uma vez à presença do anjo. Mas não lhe foi dada uma visão gloriosa. Em vez disso, o anjo o levou até uma criança e disse: "Aqui, ó profeta, está a resposta do Deus Altíssimo". Pois na criança está a solução do enigma do destino"".


II - UMA VISÃO ALEMÃ.


O que os socialistas têm feito até agora para promover a educação das crianças em seu próprio sentido, de acordo com seus próprios ideais e exigências?

Indiscutivelmente possuímos uma literatura pedagógica digna de nota. Essa literatura foi fecundada, pela concepção materialista da história; foi construída sobre as bases estabelecidas pelo pensamento e pelas atividades dos grandes socialistas que nos precederam, seja utópica ou científica; desenvolveu ainda mais o melhor das idéias criativas sobre educação que se encontram nas obras clássicas da literatura burguesa e da filosofia. Educadores social-democratas como Robert Seidel, Otto Rühle, Kate Duncker, & c., têm feito um trabalho muito valioso. Eles chamaram a atenção para as necessidades especiais, para as peculiaridades físicas e mentais da criança proletária; reconheceram a importância do trabalho produtivo em relação ao treinamento da mente e do caráter; formularam o ideal da individualidade socialista, e não deixaram de dar indicações práticas ao longo do caminho da educação socialista.

A literatura da qual estamos falando apela aos pais e professores. Ela assume que os leitores não são meramente animados pelo desejo, mas como sábios possuem poder e oportunidade, de formar a mente das crianças proletárias no espírito da educação socialista. Mas como se falta poder e oportunidade? Quem, devemos perguntar, deve ser o verdadeiro educador de nossos filhos? Será o pai proletário, longe do trabalho de manhã à noite, de modo que ele mal vê seus filhos? Será a mãe proletária, cujas costas estão quase quebradas sob a dupla carga da escravidão doméstica e do trabalho assalariado? Pode a família proletária, cuja decomposição se instalou há muito tempo, tornar-se um instrumento de verdadeira educação? Mesmo quando os pais são excepcionalmente capazes, as dificuldades surgem devido às reivindicações feitas em seu tempo por sua participação ativa no trabalho de organização socialista e sindical, e pela necessidade que sentem de continuidade de sua própria educação.

Longe de nós subestimar a importância da influência exercida pela atmosfera do lar sobre a mentalidade da criança proletária. Muitos pais da classe trabalhadora poderiam ser muito mais para seus filhos do que são hoje, e seriam muito mais do que eles, mas reconhecem o significado supremo da educação socialista. Neste assunto, ignorância, indiferença e negligência ainda são muito gerais entre o proletariado. Mas, tendo em total consideração todas estas coisas, o fato é que nem legalmente nem de outra forma os pais da classe trabalhadora estão em condições de treinar seus filhos em seu próprio espírito.

O mal já é reconhecido há muito tempo, mas poucos de nós ainda estão plenamente conscientes de nossas responsabilidades de longo alcance. O assunto tem sido duplamente e triplamente sublinhado pela guerra. Sob condições de guerra, a decomposição da família proletária foi concluída, e nossos filhos foram entregues mais plenamente do que nunca nas mãos da sociedade capitalista. Muitas mães trabalhadoras, obrigadas a sair para o trabalho, ficam encantadas em saber que seu filho está sendo cuidado em uma creche, em uma escola ou em alguma das muitas instituições beneficentes chamadas a existir pela guerra. Como trabalhadora esforçada, ela não pode deixar de se congratular, mas como socialista convicta, ela não pode deixar de ter um coração pesado. Não importa se a instituição é pública ou privada, o resultado é o mesmo. A sociedade capitalista, vestida como um anjo de luz, retira gradualmente o jovem ser humano da influência favorável de sua mãe e o afasta da perspectiva pela qual os pais lutaram e, por acaso, sofreram.

Como mãe individual, a mulher proletária pouco pode fazer para resistir a esta tendência. Seria um falso consolo se ela dissesse para si mesma: "A vida, que me fez socialista, fará de meus filhos socialistas também". Se isso fosse verdade, a agitação e a propaganda seriam supérfluas, pois as massas se juntariam a nós com a simples inevitabilidade de uma lei natural. Na prática, sabemos que isto não acontece. Depende de nós se o caminho para o socialismo deve ser curto ou longo, suave ou áspero; depende de nós que tomamos consciência da tendência evolutiva, para favorecer essa tendência e para remover obstáculos do caminho.

É inútil olhar com os braços cruzados. O diagnóstico de uma doença não cura a doença. A mera manifestação de queixas não muda nada. A família proletária é impotente. Concordo; mas mais poderosa que a família é a organização da classe proletária. Nossas organizações de classe devem entrar na brecha, desde que a burguesia tenha se esforçado para assegurar o domínio da progênie proletária por meio das organizações que ela tem especialmente previsto para este fim, pela escola e pela igreja, pelas sociedades seculares e religiosas, pelo corpo de cadetes e pela vida no quartel. Demos um longo início à classe dominante, e por este erro temos que culpar não somente a fraqueza política e econômica das massas impensadas, mas também e em grande parte a indiferença dos trabalhadores organizados do Partido Social Democrata e dos sindicatos.

O que temos feito até agora na Alemanha neste campo? Os começos tão triviais que foram feitos deveriam nos envergonhar em vez de nos encorajar. Quase o único trabalho notável até agora foi o dos comitês de proteção à criança, mas a atividade desses comitês tem se preocupado principalmente com o bem-estar físico e moral dos trabalhadores infantis, com tentativas de pôr fim às formas mais bárbaras de exploração. Os únicos esforços feitos em nome da vida mental de nossas crianças têm sido os dos poucos comitês da classe trabalhadora para garantir férias no campo para as crianças e promover diversões de meia-férias. Aqui e ali, também, a atenção dos comitês educacionais dos trabalhadores tem sido voltada para o problema da educação infantil.

Levando tudo isso em conta, no entanto, quão pouco tem sido feito! Por que devemos nos contentar em deixar nossos filhos para a escola estadual, para a rua, para a filantropia burguesa, e para o acaso? Sem dúvida, nossas organizações carecem de dinheiro, tempo, lugares e pessoas adequados. Naturalmente, elas voltaram sua atenção, em primeira instância, para a escolarização dos membros adultos. Quanto aos jovens maiores de 14 anos, existem várias instituições para cuidar de seus interesses.

Bem e bem. Não vamos parar para perguntar se estas várias instituições sempre se puseram a trabalhar com um espírito genuinamente socialista, ou se às vezes não foram inconscientemente influenciadas pela mentalidade burguesa. A questão principal é: por que devemos esperar para começar nosso trabalho até que a mente da criança proletária tenha sido permeada pela perspectiva do imperialismo capitalista? Por que nossos filhos deveriam ser deixados por catorze anos ou mais para professores burgueses de ambos os sexos, a fim de que, então, a um grande custo, eles possam ser recuperados em nome de seus interesses de classe? Será este um método econômico?

Ninguém pode, negar que um certo grau de maturidade intelectual, uma certa experiência de vida, são necessários para a compreensão dos problemas políticos e econômicos Aqueles que só são maduros podem agir com o devido senso de responsabilidade, e com plena consciência de seus objetivos. Mas no que diz respeito à educação das crianças pequenas, esta questão não nos diz respeito. O que desejamos, e com razão desejamos, como pais proletários, é que nossos filhos não se afastem dos ideais e da mentalidade dos trabalhadores conscientes da classe; desejamos a criação de um contrapeso adequado às influências burguesas, nacionalistas e imperialistas de um lado, às quais eles estão agora expostos. Desejamos propagar nossas próprias convicções na mente de nossos filhos; desejamos que nossos filhos se acostumem desde os primeiros a considerar suas organizações de classe como seu verdadeiro lar, desejamos que desde a primeira infância eles sejam animados com o espírito de igualdade, liberdade e fraternidade internacional.

Não faz muito tempo, em um parágrafo que deu a volta à imprensa, foi dito que Maxim Gorki estava planejando a edição de uma biblioteca socialista para crianças, uma série de livretos nos quais as vidas, atividades, lutas e sofrimentos de nossos heróis, os heróis da liberdade e da humanidade, seriam tornados acessíveis à infância. As grandes lutas pela liberdade e o respeito próprio são menos compreensíveis para as crianças do que as sangrentas batalhas, vitórias e conquistas de nobres, príncipes e da burguesia? Há menos heróis e mártires em nosso acampamento do que no outro? O heroísmo do lutador pela liberdade é menos inspirador do que o heroísmo do conquistador? O ideal nacional é mais grandioso, tende melhor a promover a formação do caráter, do que o ideal de uma comunidade socialista de povos?

Ninguém pode manter nada do tipo. O que tem faltado tem sido uma apresentação adequada do material. Estamos sem os livros de histórias, jornais infantis, livros ilustrados, fotografias. Por que esta carência? Porque os trabalhadores adultos têm até agora pouco se preocupado com o assunto, porque, tendo crescido sem educação específica, eles ainda subestimam o esforço educacional sistemático.

Pense nos jogos que nossos filhos estão jogando hoje em dia! As ruas e as praças tocam com seus jogos de guerra. Muitas mães reconhecem tarde demais com horror a influência brutalizante que essas brincadeiras exercem sobre a mente das crianças. Os incidentes da guerra de libertação proletária não poderiam estar tão bem representados nas brincadeiras das crianças? Toda criança é um ator nato; todas as brincadeiras ativas de crianças são jogadas em um teatro realmente vivo. Subestimamos a importância da brincadeira na formação do caráter e do temperamento Na verdade, não perturbamos em nada a questão.

Resumindo, o primeiro essencial é nos encarregarmos da educação e supervisão de nossos próprios filhos. Não devemos esperar até que o mundo do capitalismo já tenha enchido suas cabeças e seus corações com seus pontos de vista, seus desejos e seus impulsos. Não devemos deixar as coisas ao acaso. Não devemos atribuir a tarefa a pais que há muito deixaram de estar em posição de cumpri-la satisfatoriamente. Independentemente da falta de tempo e oportunidade, muitos pais carecem de auto-cultura, aptidão e experiência para ensinar. O amor não pode substituir tudo. A classe trabalhadora organizada deve intervir onde a família proletária falhar por força. Homens e mulheres competentes serão encontrados prontamente entre nossos camaradas assim que o assunto for levado a sério, assim que a importância da questão for adequadamente reconhecida. Este trabalho em nome de nossos filhos é tão importante quanto em qualquer outro ramo do movimento trabalhista. Não se trata simplesmente de uma questão de proteção contra a negligência física e moral; o que nos preocupa é a formação positiva do caráter, o preenchimento da mente da criança com o espírito do socialismo. O futuro para nossos filhos está no socialismo. Tomemo-los pela mão e conduzamo-los em direção a este futuro.

III. - O SISTEMA MONTESSORI


Mas não se trata apenas de pegar nossos filhos pela mão e conduzi-los em direção ao futuro socialista. O pensamento essencial da parábola do Dr. Westwood, citada na primeira seção deste ensaio, e o pensamento essencial do todo, é que nossos filhos, corretamente conduzidos, logo se tornarão os líderes, os pioneiros, na marcha em direção à terra prometida. Não podemos dizer que enquanto o pensamento orientador do que foi chamado de educação no passado foi o de encaixar as crianças nos moldes moldados para elas pelas sociedades estereotipadas e de classe do passado - criar uma moralidade escrava entre as crianças das massas e uma moralidade de mestre (que é apenas o obverso da moralidade escrava) entre as crianças da classe dominante - o pensamento orientador da nova educação é o de proporcionar à mente plástica da infância um ambiente onde possa florescer o desenvolvimento individual que assegurará aos jovens seu lugar de direito na moda de um novo mundo? No estado de classe há limitações óbvias para a aplicação dessas idéias, e não podemos esperar que elas sejam aplicadas de forma notável nas escolas fornecidas pelo estado até que o socialismo tenha sido realizado. Durante a era da transição, a educação socialista deve ser principalmente de caráter experimental, e as escolas nas quais ela deve ser levada adiante devem ser escolas voluntárias. As sugestões quanto à base econômica de um movimento de educação socialista podem ser adiadas para uma etapa posterior do presente estudo. No momento, temos que considerar os princípios gerais da educação, e o objetivo desta seção é examinar a questão da educação de crianças muito jovens, a partir das idades, digamos, de três a sete anos.

Agora muitas pessoas argumentam arbitrariamente que para crianças muito pequenas, se não para crianças de todas as idades, "o melhor lugar é o lar". Nós divergimos fortemente, e isto não apenas porque o lar proletário oferece hoje um meio muito indesejável. Melhore o lar o quanto quiser, e ainda assim o lar médio não será o lugar mais adequado para deixar uma criança durante a maior parte de suas horas de vigília. Concordou que a escola, certamente para crianças muito pequenas, e provavelmente para crianças mais velhas, deveria ser uma "escola em casa"; concordou que deveria combinar com as melhores instalações educacionais as qualidades que caracterizam o bom lar, e que deveria estar livre de toda mancha de "institucionalidade". Mas do ponto de vista da criança, uma das grandes vantagens dos lares autônomos dos velhos tempos era que as famílias eram grandes, e que no círculo familiar a criança tinha o benefício de uma associação contínua com um número considerável, mas não excessivo, de outras crianças. No entanto, as crianças eram pouco diversificadas no ponto de vista da idade, pois as crianças se desenvolviam melhor na companhia das que tinham a mesma idade que elas, e em uma família grande as idades variavam desde a primeira infância até a beira da masculinidade ou da feminilidade. Além disso, estas famílias de "escadas" estão se tornando felizmente raras. A mulher livre do futuro não consentirá, como regra geral, em ter mais do que um pequeno número de filhos; ela limitará, como regra geral, suas atividades de criação e de criação de filhos a um período definido e bastante breve de sua vida de casada, e não se contentará, como as esposas de idade avançada, durante vinte a trinta anos, em "amamentar tolos e cerveja pequena crônica".

Mas se, através do controle de natalidade, a mãe for liberada para outras atividades sociais, e notadamente para a autocultura, não será melhor ela dedicar suas faculdades em expansão à educação de sua própria família limitada, pelo menos durante os primeiros anos de infância? Não pensamos assim. Sustentamos que durante esses anos, nada menos que durante o segundo período da infância, de sete a catorze ou quinze anos, e, claro, menos durante a adolescência, o desenvolvimento da mente humana deve ser presidido por especialistas. Estes serão especialistas de treinamento e temperamento variados. Não são, em geral, as mesmas pessoas que estão igualmente preparadas para atuar como educadores para crianças muito pequenas, para crianças em idade escolar comum e para adolescentes, respectivamente. E se, no caso que estamos considerando agora, uma mãe é uma daquelas cujas aptidões se encaixam especialmente para supervisionar a educação de crianças muito pequenas, ela pode muito mais útil, e muito mais interessante para si mesma, combinar o trabalho de educar seus próprios filhos com a educação dos filhos de outras mulheres que não possuem estes dons peculiares. Ela pode, por exemplo, ser uma das professoras de uma escola Montessori.

"Democracia e solidariedade, liberdade e igualdade", escreve Emmy Freundlich de Viena em um recente artigo em Gleichheit, "devem ser os fundamentos da educação socialista". Em contradição com a educação capitalista, que sempre foi e continua sendo educação em obediência, educação em serviço à autoridade, deve ser nosso principal objetivo educacional como socialistas criar um reino de liberdade e igualdade para as crianças não menos que para os adultos". Vamos citar outra afirmação notável sobre educação, de Augustin e Henriette Hanlon, publicada na The Socialist Review de novembro-dezembro de 1917: "O objetivo da educação é ensinar a criança a se controlar, a ser seu próprio mestre". Para a realização deste fim, o mais importante de tudo é permitir que a atividade da criança se manifeste livremente, sem nenhum outro impedimento além daqueles aplicados pela natureza das coisas. ... A experiência pessoal é o elemento supremo na educação [2] A criança tenta continuamente imitar o que vê feito, enquanto tenta realizar por si mesma os meios de satisfazer suas necessidades. É necessário, portanto, permitir que a criança aja livremente. Deixar que ela se exercite de forma bastante independente... Nunca punir, e nunca recompensar .... Trate uma criança, mesmo uma criança pequena, como se tratasse um adulto". Agora nenhum destes educadores menciona o sistema Montessori, que é de crescimento recente, e que, embora amplamente conhecido na Grã-Bretanha, Suíça e Estados Unidos, bem como no país de sua origem, ainda não teve praticamente nenhuma moda na Alemanha e na França. A escola Montessori proporciona um ambiente no qual todos os princípios educativos acima mencionados são realizados, ela proporciona às crianças pequenas uma sociedade do novo tipo, uma sociedade socialista e sanitariamente libertária; isto, em nossa mente, constitui seu supremo mérito, e disto talvez dependa principalmente do efeito extraordinário que a formação Montessori tem sobre o moral das crianças pequenas. "Entre os detalhes algo heterogêneos do sistema Montessoriano", escreve William Boyd, professor de educação na Universidade de Glasgow, em seu admirável volume 'From Locke to Montessori: a Critical Account of the Montessori Point of View', "duas idéias se destacam como mais fundamentais do que as demais. A primeira é a necessidade de liberdade e espontaneidade por parte da criança em desenvolvimento. A segunda é a importância do treinamento dos músculos e dos sentidos nas primeiras etapas da educação. Por estes o sistema fica de pé ou cai".

É muito cedo, no caso de um método que mesmo na Itália, a terra de seu nascimento, está em pleno funcionamento há apenas dez anos, para tentar um julgamento sobre suas possibilidades duradouras. Ainda não podemos dizer se uma criança jovem que recebe treinamento Montessori está, em casos médios, definitivamente mais apta a se tornar um cidadão socialista do que uma criança sem tal treinamento. Um estudo, de princípios sugere que isto deve ser assim; o conhecimento das crianças treinadas Montessori reforça o preconceito; mas a experiência de vida deve ser o teste supremo - e a vida hoje em dia em uma comunidade não socialista, nas mentes ainda preeminentemente plásticas das crianças após sete anos, tenderá a apagar as impressões do treinamento Montessori. A melhor maneira de reforçar essas impressões durante os últimos anos da infância será considerada na próxima seção. Entretanto, vamos complementar nossas referências fragmentárias ao sistema Montessori com uma palavra sobre a literatura Montessori. Todos os detalhes práticos essenciais do sistema serão encontrados no 'Manual do próprio Dr. Montessori'. Para informações mais completas 'O Método Montessori', 'O Método Montessori Avançado', & c. podem ser consultados. A 'Antropologia Pedagógica' será de grande interesse para antropólogos e educadores profissionais - mas concordamos com o Dr. Boyd em sua afirmação de que este trabalho aprendido não tem muita influência sobre o sistema. Vários manuais de outros Montessorianos, americanos em sua maioria, serão encontrados em qualquer boa biblioteca educacional. Para a história geral e filosofia do sistema, não pode ser sugerido um guia melhor do que "De Locke a Montessori".

NOVA ESCOLA


Durante a idade escolar, os filhos dos trabalhadores devem freqüentar a escola. Não se discute, ou pelo menos não nos propomos a discutir, "que a educação elementar universal controlada pelo Estado" tem sido uma coisa boa, que sem ela o movimento operário neste país não teria avançado nem mesmo até seu estágio atual. Como escrevemos em junho de 1918, edição da The Plebs Magazine: "Aquele que foi ensinado a ler, a escrever e a pensar segundo uma moda, em uma escola pública elementar oferece ao propagandista socialista mais material promissor do que aquele que permaneceu perfeitamente analfabeto". Mas no que diz respeito aos interesses dos trabalhadores, a educação estatal, a educação capitalista estatal, disparou seu parafuso. Cada vez mais, o controle estatal da educação está sendo usado para promover os fins da classe dominante para os impulsos liberais e humanitários que (até certo ponto) animaram os fundadores de nosso sistema público de educação elementar há muito tempo foram dominados e expulsos pelas necessidades mais urgentes do imperialismo capitalista. O jingoísmo e o militarismo tinham invadido a escola antes do início da guerra, durante a guerra eles foram abundantes; é um fato familiar, que as escolas estatais devem fazer parte da armadura defensiva do baronismo moderno, dos senhores do capital industrial e financeiro. Podemos realizar conferências e protestar o quanto quisermos, mas desde que a nova burguesia, forçosamente jingo-imperialista, governe, nossas conferências e protestos serão provavelmente de pouca utilidade. Mesmo que a ameaça de rivalidade entre um grupo imperialista da Europa Central e um grupo imperialista da Europa Ocidental cum América seja evitada, mesmo que uma liga mundial de nações seja estabelecida durante ou logo após o acordo de paz, enquanto essa liga for uma confederação de estados capitalistas, o principal objetivo da educação controlada pelo estado será criar geração após geração de ferramentas servil do capitalismo. As condições econômicas, auxiliadas pela educação independente da classe trabalhadora após a idade escolar, complementadas, se quiserem, pelos esforços um tanto fúteis da escola dominical socialista, continuarão a exercer uma influência compensatória. Mas é má política ficar ociosamente observando a administração de veneno na esperança de que posteriormente possamos administrar um antídoto mais ou menos eficaz. Devemos aqui e agora, como uma política revolucionária deliberada, como um método escolhido para levar adiante a luta de classes estabelecida sobre o estabelecimento de nossos próprios focos de educação socialista.

Agora vamos deixar nosso significado perfeitamente claro. Quando pedimos focos de educação socialista, não queremos dizer, muito enfaticamente não queremos dizer, escolas nas quais meninos e meninas devem ser "ensinados o socialismo", devem ser prematura e propositalmente doutrinados com o espírito da luta de classes. Nós "ensinaríamos" o Socialismo na escola tão pouco quanto "ensinaríamos" a religião, ou qualquer outra doutrina altamente abstrata que a mente imatura é incapaz de compreender, exceto na forma de dogma grosseiro e destruidor da alma. Mas nas escolas primárias estaduais nossos filhos são, na verdade, "ensinados" o capitalismo. Além dos maus resultados do antiquado sistema autoritário de educação (que prevalece, é claro, igualmente amplamente na maioria das escolas freqüentadas pelas crianças dos abastados), o espírito geral do ensino em todas as disciplinas é predominantemente adaptado para se adequar à criança proletária "para se tornar um bom cidadão". Um bom cidadão, sim, mas de que estado, ou, para usar o termo de Aristóteles, de que "política"? Da comunidade cooperativa, na qual não haverá nem senhor nem servo, nem gentil nem simples, nem rico nem pobre? Não, não, a política que nossos educadores estaduais têm em vista é uma política como a que existe hoje. Você deseja que seu filho seja um "bom cidadão" de tal política? De nossa parte, somos revolucionários que desmaiariam o esquema lamentável e o remodelariam mais perto do desejo do coração.

Os revolucionários, não menos, são muitos de nossos professores do ensino fundamental, mas estão algemados e amordaçados pelo sistema sob o qual eles trabalham. Temos dito que não queremos que as crianças sejam doutrinadas prematuramente com idéias da luta de classes. Mas sobre muitos assuntos a "educação imparcial" é um produto da imaginação. Nas escolas primárias públicas, quando o aluno ultrapassa os primeiros começos dos três Rs, tudo o que entra em sua mente é ponderado com o viés capitalista. Três-quartos da educação é a provisão de um ambiente sugestivo. Não adianta se assustar com a palavra "sugestão". As sugestões do antigo educador autoritário eram como a assistência dada pelo Padre O'Flynn, que tinha uma "maneira" de "ajudar os preguiçosos, com um bastão"! Podemos nos livrar do bastão (embora ele persista literal e figurativamente em nossas escolas primárias públicas); podemos nos livrar de recompensas e punições; mas não podemos nos livrar da sugestão. Agora, além da coerção, além de recompensas e punições, as sugestões da escola primária (do nosso ponto de vista) são em grande parte inúteis. E, ai do professor socialista que quando seus alunos começam a demonstrar interesse pelas implicações mais amplas da história e da economia, e a fazer perguntas pertinentes sobre a natureza do notável sistema social sob o qual vivemos e sobre seus antecedentes, deveria responder a estas perguntas com a verdade como ele a vê! Queremos esses professores socialistas, e queremos que eles estejam em nossas próprias escolas - não para ensinar socialismo lá, mas para proporcionar o ambiente sugestivo que tenderá a fazer bons cidadãos para a comunidade cooperativa, e, enquanto se aguarda sua criação, bons soldados para "aquela guerra maior que ainda está por vir". Mas não precisamos "militarizar" nossas escolas. Dado o ambiente educacional adequado, a vida treinará nossos soldados com rapidez suficiente quando a idade escolar terminar - a vida e as Faculdades do Trabalho.

Além da retirada da tutela banal do estado de classe, as características essenciais das escolas que temos em mente serão as da Nova Escola, a invenção dos educadores burgueses que, em muitos aspectos, foram inspirados com a mentalidade socialista. A. A Nova Escola é em grande parte uma aplicação durante a idade escolar ordinária dos princípios incorporados no Sistema Montessori de educação infantil. Ele requer poucas mudanças para adaptá-lo às necessidades proletárias. As Novas Escolas típicas das quais muitos de nossos leitores terão ouvido falar são Abbotsholme e Bedales. Dois anos antes da guerra; M. Faria de Vasconcellos, pedagoga portuguesa, fundou a primeira Escola Nova na Bélgica. A onda de guerra que percorreu aquele país infeliz destruiu a jovem empresa e levou M. Faria para a terra distante da Bolívia. Mas ele incorporou suas experiências em Bierges em um pequeno volume admirável, do qual uma tradução inglesa (pelos autores deste panfleto) aparece agora sob o título de "Uma Nova Escola na Bélgica". No prefácio deste livro, trinta características salientes de: a Nova Escola são enumeradas. Mencionamos algumas das mais importantes, com comentários.

I.


1. A Nova Escola é um laboratório de pedagogia prática. Ela deve ser um exemplo pioneiro para as escolas estaduais.

2. É um internato (isto porque a Nova Escola proporciona um ambiente tão essencialmente diferente do da família burguesa comum que seus efeitos educacionais completos só podem ser realizados fora de casa). Mas a tendência de um internato seria a de declinar a criança proletária. As principais vantagens da Nova Escola podem ser asseguradas em um dia de escola).

3. Ela está no país. (Isto é eminentemente desejável, mas a condição é dificilmente conciliável com o estabelecimento de uma escola a ser freqüentada por acadêmicos diurnos residentes em um centro industrial).

4. A escola tem um ambiente familiar diferente do de um internato comum, sendo dividida em "casas" separadas, cada uma contendo de dez a doze alunos no máximo, e presidida geralmente por um casal casado.

5. Há uma co-educação dos sexos.

6. O trabalho manual é realizado durante várias horas diárias, por seu efeito educativo, e por seus usos coletivos, não tendo em vista o trabalho específico da vida do adulto - ou seja, não é um "treinamento técnico" convencional.

7. O trabalho na carpintaria, a jardinagem e a agricultura prática, e o cuidado do estoque agrícola, desempenham um grande papel no treinamento manual.

8. Um escopo considerável é dado para as ocupações livres selecionadas pelo aluno individualmente.

9. A ginástica natural é praticada, mais na natureza do treinamento corporal sueco do que do exercício normal ou da ginástica com aparelhos.

10. Excursões e acampamentos são frequentes.


II.


11. O objetivo é assegurar a cultura geral do julgamento, em vez de uma acumulação de fatos memorizados.

12. O treinamento especializado é baseado principalmente em aptidões e desejos individuais.

13. A instrução é derivada da experiência real e não de livros.

14. Ela se baseia nas atividades pessoais da criança, ou seja, o "conhecimento" não é derramado sobre ela como a água é derramada em um jarro.

15. A instrução do curso varia de acordo com a variação dos desejos espontâneos, à medida que a idade avança.

18. A instrução direta é praticamente limitada às horas da manhã.

19. Não mais do que um ou dois ramos de estudo são seguidos em qualquer dia.

20. Muito poucos ramos são estudados em um mês ou período.


III


21. A base da educação moral é que a escola é uma república, é praticamente autogovernada.

24. As únicas recompensas são a concessão de oportunidades especiais para o trabalho criativo individual.

25. As únicas punições assumem a forma de esforços para fazer a criança entender como ela errou e como ela pode fazer melhor no futuro.

26. A emulação só é estimulada na espuma de encorajar a criança a comparar notas com suas próprias realizações passadas.

27. A ordem e a beleza devem ser características primárias do ambiente escolar.

28. 28. A prática musical coletiva, vocal ou instrumental, é livremente engajada.

29 e 30 dizem respeito à educação moral e à educação da razão prática - mas para um aluno atento do sistema é óbvio que a instrução formal sob estas cabeças é supérflua. Se o ambiente social estiver certo, tal instrução não pode ser exigida; se o ambiente social estiver errado, a instrução formal não pode ser útil. Ela terá tanto efeito quanto é provável que o "padrão do pastor" tenha sobre o criminoso habitual em meio às ruidosas degradações da cadeia moderna.

"Nas escolas dominicais socialistas da Grã-Bretanha e da Suíça", escreve Emmy Freundlich no artigo que citamos anteriormente, "foram feitas tentativas para trabalhar em um método que me parece ser totalmente falacioso. Não se é bom porque se deseja ser bom e porque a vontade, ser bom tem sido pregada em uma; torna-se bom quando se pode viver em uma comunidade onde esta bondade pode ser praticada. O hábito e o exemplo são os únicos métodos educacionais que podem levar à liberdade e à igualdade. Agora, não se pode negar que as doutrinas educacionais científicas dos educadores modernos têm suavizado o caminho para nós, tanto prática como teoricamente: Mas estes educadores falharam invariavelmente, e seu fracasso foi inevitável, porque eles tentaram instituir sua comunidade educacional no estado de classe e em uma sociedade de classe. Para os trabalhadores, existem outras possibilidades. Os trabalhadores também têm que viver no estado de classe, e suas vontades são restringidas pelas limitações impostas pelo estado; no entanto, dentro de suas próprias organizações eles podem transcender o estado de classe e podem criar então uma comunidade social de democracia e da comunidade socialista. Como as coisas são a declaração deve ser feita com reservas, mas contém grandes elementos de verdade. Uma das maiores responsabilidades da classe trabalhadora é aqui indicada, a necessidade de lutar honestamente pela igualdade e liberdade, a necessidade de criar o novo reino.

"A comunidade educacional socialista não pregará; ela criará". Ela reanimará a família em sua forma anterior". De outrora a família era o foco da produção e do consumo; na família, os meios de vida eram criados comunitariamente, distribuídos e desfrutados; nesta comunidade familiar de outrora, a criança podia encontrar tudo o que precisava na forma de aprendizagem prática e experiência. A família pereceu; nada mais é do que uma comunidade para dormir; não pode ser um organismo educativo; no máximo, é uma união de indivíduos para o consumo comum. Nem pode a escola atual, a outra parte contratante, ser um organismo educacional, pois é meramente uma comunidade de aprendizagem, não uma comunidade de trabalho. Tanto a família quanto a escola como existem hoje devem ser substituídas e aperfeiçoadas pela comunidade educacional socialista, que não só aprende com os livros, mas cria a partir da vida diária. A nova comunidade não deve prover fragmentadamente a vida das crianças, mas deve cuidar de toda a sua vida de forma sintética. Também nesta matéria, os pedagogos capitalistas têm liderado o caminho; mas o socialismo sozinho pode proporcionar uma conjuntura harmoniosa de educação com a filosofia de vida".


V. - EDUCAÇÃO INDEPENDENTE DA CLASSE TRABALHADORA.


Podemos começar esta seção com uma citação do panfleto da Liga Plebs, "O que significa a educação para os trabalhadores? Se o objetivo do movimento trabalhista é uma verdadeira reconstrução social, então, apesar de todos os obstáculos colocados no caminho por aqueles interessados na preservação da ordem existente, ele deve permitir que seus membros tenham um conhecimento completo e claro dos fatos sobre a sociedade. Agora, aonde os trabalhadores devem recorrer para obter um conhecimento pleno e claro deste tipo? Obviamente, o Estado não o fornecerá mais do que financiará os trabalhadores para derrubar a ordem capitalista da sociedade. O Estado existe para defender a ordem existente; e as pessoas que obtêm lucro, aluguel e juros, controlam a educação "estatal". O Estado pode ser deixado para fornecer educação nas matérias elementares, embora possa haver amplo espaço para melhorias na forma como essas matérias são ensinadas aos filhos dos trabalhadores. Mas o movimento trabalhista estará negligenciando seus próprios interesses vitais se omitir o fornecimento e o controle de suas próprias instituições educacionais, nas quais um conhecimento exato dos fundamentos e do desenvolvimento da sociedade pode ser ensinado.... Uma classe mestre não ensinará a verdade a uma classe disciplinar; ela é de fato incapaz de ver a verdade como essa classe disciplinar a vê. Antagonismo de interesses entre duas classes da sociedade significa visões antagônicas quanto à conveniência ou não de "reconstrução"; ou, pelo menos, quanto à extensão e minúcia dessa reconstrução. O movimento trabalhista tem sua base no antagonismo de interesses existente entre Capital e Trabalho. Então a educação com a qual ele se preocupa deve se basear no reconhecimento desse mesmo antagonismo".

Mostramos que não concordamos plenamente com uma proposta nesta admirável passagem, a saber, que "o Estado pode ser deixado para fornecer educação nas matérias elementares". Como é óbvio nas seções anteriores, somos neste assunto ainda mais revolucionários que os expoentes da política da Liga Plebs acima citados, e desejamos instar o Trabalho organizado que é eminentemente desejável, no interesse de um rápido progresso em direção ao que o panfleto eufemístico denomina "reconstrução", fazer um esforço generalizado para substituir o Estado na educação de crianças muito pequenas e de crianças em idade escolar. Mas há duas justificações, práticas e filosóficas respectivamente, para a frase que depreciamos. Em primeiro lugar, é muito mais fácil intervir com a provisão de uma educação definitivamente socialista em uma idade em que os filhos dos trabalhadores foram entregues pela educação estatal como produtos acabados, do que expulsar o Estado do campo da educação elementar, um campo onde o regime capitalista há muito tempo está fortemente arraigado. Em seguida, até a idade de catorze ou quinze anos, até a puberdade (para usar o termo científico), os objetivos da educação socialista hoje são em grande parte idênticos aos que são os objetivos da educação socialista na comunidade cooperativa - ou seja, acrescentar e orientar essa expansão da individualidade que é o objetivo principal da educação e de toda a arte da vida. Durante esses primeiros anos de crescimento, a função da educação tem (em nossa opinião) um indivíduo muito mais do que uma referência social; mas o objetivo de auxiliar um desenvolvimento individual satisfatório, saudável e feliz coincide de forma notável com o objetivo de adequar a criança para se tornar um membro harmonioso de uma comunidade social - quer essa comunidade seja do tipo relativamente baixo que prevalece hoje ou do tipo alto que prevalecerá no futuro. As aptidões e hábitos gerais que incentivamos são desejáveis em uma sociedade de qualquer tipo.  Até certo ponto, portanto, a educação elementar pelo estado capitalista poderia ser melhorada de modo a torná-la toleravelmente aceitável para os trabalhadores; e concordamos, não insistimos, que a "idade escolar" não é um período da vida durante o qual é desejável chamar indevidamente a atenção para a história ou para as atualidades da luta de classes. Mas após a puberdade, o caso é alterado de forma vital. A mente em expansão está agora formando suas teorias gerais, sua filosofia de vida. Não há harmonia possível entre a perspectiva que uma classe mestre deve desejar que uma classe servil tenha, e a perspectiva que é desejável que os membros dessa classe tenham em vista as possibilidades e a necessidade de revolta. Também não há nenhuma harmonia entre as necessidades educacionais dos jovens trabalhadores adultos no estado da classe de hoje e as dos jovens trabalhadores adultos na comunidade cooperativa do futuro. O proletariado adulto no mundo capitalista de hoje tem um papel diferente daquele que será desempenhado pelo homem livre adulto ou mulher livre da política de amanhã. Ele e ela (pois estão juntos ou caem juntos) devem ser conscientizados de classe, devem tornar-se plenamente conscientes da existência e da natureza da luta de classe, devem aprender como podem empregar suas energias no grande movimento pelo qual a regra de classe acabará sendo derrubada. Ou isso ou permanecer no Lumpenproletariado, gado mudo, não desejando nem merecendo um destino melhor. Há apenas mais uma alternativa - aproveitar uma das poucas oportunidades ainda oferecidas aos trabalhadores para sair da classe em que nasceram. Somos realistas e não temos nenhum rancor contra aqueles cujos gostos os induzem a aproveitar uma chance tão gloriosa!

Mas martelar o ferro frio quente na bigorna da primeira alternativa; esta é a função da Liga Plebs, fundada em 1908, que busca "promover os interesses da educação independente da classe trabalhadora como um esforço partidário para melhorar a posição do Trabalho no presente, em última instância ajudando na abolição da escravidão salarial". Este é o objetivo da Central Labour College, fundada em 1909 por vários distritos dos mineiros do Sul do País de Gales e pela Sociedade Amalgamada de Servidores Ferroviários. Este é o objeto dos órgãos e classes afiliadas que agora estão sendo organizadas em todo o Reino Unido. Este é o objeto de organizações similares em vários países continentais e nos EUA. Mas antes de darmos um breve relato destas, vamos citar o preâmbulo do Colégio Central do Trabalho - um documento, pensamos, destinado a ocupar um lugar na história socialista ao lado do Manifesto Comunista e do preâmbulo dos Trabalhadores Industriais Americanos do Mundo. "Ao movimento trabalhista organizado, apelamos ao apoio sobre uma questão que está na própria base da organização da classe trabalhadora. Não confiamos nossa segurança econômica às boas intenções da classe possuidora. Não confiamos na política de nossos empregadores para medidas de legislação progressista. Nós estabelecemos nossas próprias fortificações econômicas, temos nossas próprias armas políticas, controlamos nossa própria literatura. Por que, então, não devemos administrar nossos próprios assuntos educacionais de forma tão independente? Mesmo que tenhamos uma plataforma própria e uma imprensa própria, tenhamos instituições educacionais próprias .... A classe trabalhadora deve alcançar sua própria salvação. Ela deve desenvolver sua própria inteligência social .... Nosso objetivo é simplesmente a "educação dos trabalhadores no interesse dos trabalhadores". “

Agora este movimento em nome da educação independente da classe trabalhadora é mundial. É uma das novas trindades dos métodos socialistas. A velha trindade, da qual os escritores atuais costumavam ouvir falar tanto durante alguns anos passados na França antes da guerra, era o movimento sindical (estilo antigo), o movimento socialista parlamentar e o movimento cooperativista. Que ninguém subestime sua importância, mas agora ela é em grande parte histórica. A nova trindade consiste em sindicalismo industrial, comitês de trabalhadores (ou soviets) e educação independente da classe trabalhadora. As "pessoas" em uma trindade devem ser co-equivalentes, mas às vezes nos inclinamos para uma exaltação herética da importância do terceiro item de nossa lista. De qualquer forma, o terceiro item é o assunto deste panfleto, e nós acolheremos com satisfação qualquer informação que nossos camaradas possam fornecer sobre o estado atual do movimento em outras terras. Nosso próprio conhecimento é extremamente fragmentário, e durante a suspensão temporária da civilização ocidental dificilmente podemos esperar aumentá-lo muito. A referência em nossa segunda seção aos "comitês educacionais dos trabalhadores", cuja "atenção foi voltada aqui e ali para a educação", e de fato todo o artigo de E.H., mostra que algo do tipo está em andamento na Alemanha. Na França, em muitos grandes centros industriais, existem Universidades Populares (Universités populaires) que realmente merecem seu nome, ou seja, são instituições genuinamente da classe trabalhadora e são dirigidas por interesses da classe trabalhadora (como entendido por aqueles cujas perspectivas sobre a luta de classes são as expostas neste ensaio); elas não têm nada em comum com instituições tão benevolentes como o movimento de Extensão Universitária neste país. Na Rússia, pode-se presumir, tem sido um movimento como o nosso, trabalhando mais ou menos clandestinamente desde a primeira revolução de 1905, o que contribuiu para tornar possível a revolução bolchevista de novembro de 1917. Nos Estados Unidos, acreditamos que a Escola Rand de Ciências Sociais persegue objetivos semelhantes. Na Áustria existe um corpo enérgico chamado Friends of Children que se dedica à educação independente da classe trabalhadora, mas se preocupa mais com as crianças em idade escolar do que com o ensino da economia e da história do ponto de vista socialista para aqueles cuja educação elementar foi concluída. Um relato mais completo das atividades deste órgão deve ser adiado para a próxima seção. Já foi dito o suficiente para mostrar que, ao desejar estender, coordenar e internacionalizar todos os esforços do gênero, com vistas à exaltação dos poderes da terceira pessoa na nova trindade socialista, nossa voz não é de modo algum a de alguém que chora no deserto.

VI - PIONEIROS AUSTRÍACOS CONTEMPORÂNEOS.


Os socialistas de todos os países, escreve Emmy Freundlich, em um dos números de Gleichheit para novembro de 1917, reconheceram que exercer uma influência decisiva sobre os jovens de todas as idades é de importância primordial para o movimento socialista. Os esforços iniciados antes da guerra para criar escolas socialistas têm sido continuados durante a guerra. Referindo-se e elogiando as tentativas de dar educação socialista àqueles que deixaram a escola, ela afirma, com razão, que é eminentemente desejável influenciar as crianças para o pensamento socialista durante a idade escolar, enquanto suas mentes são de plástico. Mas ela aponta que não basta dizer que os pais socialistas devem educar seus filhos no sentido socialista, pois a educação, educação socialista não excetuada, é principalmente trabalho para especialistas. As influências que atuam sobre as crianças nas escolas estatais não são de forma alguma de caráter socialista, e a escritora diz que o assunto tem sido ainda mais complicado durante a guerra. Devido a circunstâncias que conhecemos na Inglaterra, mas que foram muito mais agravadas na Alemanha e na Áustria, devido ao aumento contínuo dos preços e ao influxo de mulheres para as indústrias de munição e outras, as crianças têm sido subnutridas e negligenciadas cada vez mais. A sociedade capitalista das Potências Centrais não pôde olhar superiormente para esta degradação da juventude proletária, para esta deficiência na qualidade dos combatentes e trabalhadores da próxima geração, e várias tentativas têm sido feitas para fornecer um remédio, principalmente na forma de educação institucional para crianças proletárias. Os resultados são descritos como infelizes, como pode muito bem ser imaginado no caso de medidas de emergência de guerra deste caráter. Mas não apenas como uma questão de emergência de guerra, não, mas sim como um objetivo permanente, nós socialistas, insiste ela, devemos aspirar a ter nossa própria pedagogia, assim como temos nossa própria economia. Antes de podermos cumprir este objetivo, será necessário muito trabalho experimental prático.

Até agora, além das citações feitas nas seções anteriores, nós não demos mais do que um breve resumo da idéia de nosso camarada austríaco. O resumo valeu a pena fazer, mesmo à custa de alguma repetição, nem que seja para mostrar que, como os princípios socialistas e como as condições econômicas e políticas estão, mesmo em tempo de guerra, levando os teóricos da educação em países amplamente cortados a enunciar como objetivos práticos. Mas agora que chegamos a realizações reais, devemos deixar Emmy Freundlich falar por si mesma, para que ninguém possa sugerir que estamos adequando seus fatos às nossas teorias. Na Áustria, diz ela, foi fundada recentemente uma organização conhecida como os Amigos das Crianças. Ela foi iniciada por uma Gratz socialista chamada Affritsch, e suas principais atividades têm sido desenvolvidas até agora nessa cidade e em Viena, fornecendo resultados práticos com os quais é eminentemente desejável que o proletariado internacional se faça conhecer. No outono de 1916, a sociedade foi reorganizada em linhas nacionais, e para a orientação de suas atividades formulou princípios que a distinguem nitidamente das instituições capitalistas benevolentes.

Em primeiro lugar", continua o escritor, "nossa constituição insiste que os Amigos das Crianças não é uma organização política". Não queremos nos engajar em atividades políticas, e ainda assim desejamos criar uma organização educacional socialista". Esta é uma contradição aparente, sobre a qual nossos oponentes se apegaram antes da guerra, e que não demorarão a apontar mais uma vez quando a guerra terminar. Mas não se trata de uma contradição real. A filosofia socialista é muito abrangente para encontrar toda a sua expressão no trabalho de um partido político, pois visa a fundação de um novo mundo. Daí decorre que nem tudo o que é socialista precisa necessariamente ser político. Se quisermos lançar as bases de uma organização para a educação socialista, devemos indagar quais são as principais bases intelectuais e morais da filosofia socialista. Descobrimos que o chefe destas bases são os conceitos de democracia e solidariedade. Liberdade e igualdade são os fundamentos sobre os quais deve ser construída a organização econômica, o sistema político e a ética do socialismo .... Como podemos assegurar um avanço prático em direção ao objetivo de nossos desejos? ....

"The Friends of Children" é uma associação de pais. Não é uma união de pessoas filantrópicas que querem cuidar dos filhos de outras pessoas. Os pais das crianças que têm que ser cuidadas devem se unir, para que a união possa realizar o que está além da competência do indivíduo. Os próprios pais devem originar as idéias, devem determinar sua forma e devem decidir como elas devem ser realizadas na prática. Para isso, eles mesmos devem ser educados, assim como nós trabalhadores temos que nos educar para as tarefas da organização industrial e cooperativa e para as atividades políticas. Esta associação de pais deve assemelhar-se a uma família ampliada, composta de pessoas que fazem causa comum para permitir que cada um dê o melhor de si.

"O método educacional que aplicamos é o velho e experimentado método proletário - o método de organização conjunta. As crianças são unidas. Não importa se é para excursões pelo país, de mochila nas costas; para as tardes no parque infantil, para uma visita a um museu ou a um monumento: todos que vão formam uma comunidade cujos membros são dotados de direitos iguais e têm deveres iguais. Todos participam dos preparativos e da arrumação; a cada um de sua tarefa apropriada; todos têm o mesmo direito aos pertences da comunidade. Os líderes nada mais são do que os camaradas maiores; eles consultam os demais, e a autoridade que possuem se baseia, exclusivamente, em um conhecimento mais amplo e maior energia. A disciplina é assegurada exclusivamente pela organização e pelo exemplo. Com boa organização e bom exemplo, a forma correta de fazer as coisas vem como uma questão natural.

"Para promover a autodisciplina da vontade, dividimos as crianças em grupos de dez". Cada grupo elege seu próprio representante do grupo, que é meramente responsável pela ordem do grupo e pela satisfação de seus desejos; como o representante da loja (Werkstättenvertrauungsmann), ele é um líder livremente escolhido pela comunidade. Os castigos só podem ser infligidos pelas próprias crianças, como decidido em sessões conjuntas. Conosco este sistema americano tem sido aplicado até agora somente em certas experiências educacionais burguesas e em alguns jardins de infância, mas permaneceu bastante estranho ao caráter geral da educação burguesa. Somente na organização educacional do proletariado ele encontra seu lugar natural e seu significado intelectual, pois aqui existe o fundamento espiritual necessário.

"Nossos métodos tendem a divergir cada vez mais daqueles da educação burguesa". Uma educação que não reconhece outra autoridade além da vontade unificada da comunidade, uma educação que rompe novos caminhos, deve visar o despertar de novas faculdades e não pode continuar a empregar os métodos antigos". Acima de tudo, o conhecimento deve ser assegurado pelo contato com a vida prática. Na medida em que devemos recorrer aos livros, descobrimos que existem ainda poucos livros que nos ajudam a construir para a criança uma ponte entre o que ela ganha como que instintivamente fora das instituições de nossa organização educacional, e a filosofia do socialismo que está meio escondida em todas as coisas. A necessidade criará para nós os poetas e artistas que precisamos e, no devido tempo, esta lacuna será preenchida. Atualmente, não podemos fazer mais do que imaginar como será a nova literatura para crianças. Cada época tem que criar suas próprias encarnações espirituais e literárias, para as crianças não menos do que para os adultos.

"Nas organizações dos Amigos das Crianças, estas novas idéias estão sendo realizadas cada vez mais. Permitam-me referir-me a um ponto como de especial importância. Desejamos que as crianças vivam o mínimo possível dentro de paredes estreitas; desejamos que elas, para o bem de seus pulmões e de suas almas, façam a conquista do mundo aberto, que se familiarizem com tudo o que se move e funciona ao ar livre".

"Na medida do possível, os trabalhadores devem criar o necessário, para o novo desenvolvimento educacional, confiando em suas próprias energias e aproveitando sua experiência anterior na organização da auto-ajuda. Mas onde estes poderes não são suficientes, onde a colaboração dos sindicatos e das cooperativas não é competente para a tarefa, pode ser necessário recorrer à ajuda do governo local ou central. Conosco, os trabalhadores se esforçam com prazer para fazer o que é necessário, pois eles desejam prover a educação de seus próprios filhos. O Estado e o município já se inclinam a entregar parte do trabalho de educação a organizações privadas, e as classes trabalhadoras desejam desempenhar seu papel aqui, para receber sua parte nas bolsas, desde que sempre lhes seja dada liberdade para trabalhar de acordo com suas próprias linhas.

"A moda do reino de nossas crianças faz progressos vigorosos, e centenas de milhares estão agora recebendo em nossas mãos uma educação feliz, estão tendo sua saúde e suas vontades encaminhadas para as árduas lutas e os grandes feitos da vida adulta. Nossa esperança é que em todo o mundo, onde quer que os trabalhadores estejam organizados, este reino infantil possa ser criado".


VII. - FORMAS E MEIOS DE REALIZAÇÃO.


"Para escapar de sua miserável sorte", escreveu Bakunin há quase meio século ('Deus, e o Estado', 1871), "a população tem três formas, duas imaginárias e uma real". As duas primeiras são a bebida e a igreja, a terceira é a revolução social". E a revolução social, Bakunin nunca se cansava de declarar, estava à mão. Ele confiantemente esperava isso antes do final do século XIX. Mas as revoluções, disse ele, não foram feitas, seja por indivíduos ou por sociedades secretas. Elas foram automaticamente provocadas pelo poder das coisas - mas aqueles que previram o curso da evolução foram capazes de apressar e facilitar a mudança. O próprio Bakunin passou grande parte de sua vida em tentativas prematuras de "fazer" revoluções e no pagamento das penalidades exigidas pelos protagonistas da ordem estabelecida. Mas ele teve vislumbres, especialmente na velhice, de um método mais sólido, o educacional. A força, utilizada ou mantida em reserva, poderia ser necessária no final, mas a força seria frustrada a menos que o terreno tivesse sido preparado. O povo faria a revolução, mas para ajudar no nascimento da revolução devemos "primeiro espalhar entre as massas pensamentos que correspondam aos instintos das massas". O que, pergunta ele, na "Memória da Federação Jurássica" (1869), "o que impede, o pensamento salvador de atravessar as massas trabalhadoras com pressa? Sua ignorância, e particularmente os preconceitos políticos e religiosos que, graças aos esforços das classes dirigentes, obscurecem até hoje o pensamento natural e os sentimentos saudáveis do operário .... Por isso, devemos procurar tornar o trabalhador completamente consciente do que ele quer e evocar nele o pensamento que corresponde aos seus impulsos. Se uma vez que os pensamentos das massas trabalhadoras se elevaram ao nível de seus impulsos, então sua vontade será logo determinada e seu poder irresistível". Permitindo a mudança gradual na terminologia de cinco décadas, e permitindo o fato de estarmos apresentando em inglês as idéias de um russo que escreveu em uma língua estrangeira para ele (francês), seria fácil encontrar uma formulação mais sucinta de alguns dos objetivos do que temos chamado de educação socialista? Marx, em uma frase famosa, disse que a força era a parteira de toda sociedade antiga grávida de uma nova. Bakunin não diz, de fato, e mais verdadeiramente, que a educação socialista será a parteira da revolução social?

O que para Bakunin foi pouco mais do que um pensamento casual ou, na melhor das hipóteses, a meia relutância de um homem velho em admitir que as energias de sua própria vida haviam sido muito mal direcionadas, nós nos esforçamos para expor como parte definitiva da filosofia socialista. Seria prematuro avançar nesta fase com um esquema acabado de princípios e métodos, ou tentar uma declaração formal dos meios de realização. Seria presunçoso que dois socialistas isolados empreendessem qualquer coisa do gênero. O nosso objetivo era, de fato, o tratamento sintético. Não estamos sem esperança de ter lançado luz sobre os aspectos correlatos do sistema Montessori, do sistema da Nova Escola e da Educação Independente de Classe Trabalhadora, considerados como partes de um esquema de educação socialista a ser realizado com um objetivo revolucionário claramente concebido. Para os leitores simpáticos, a força de nossos argumentos deve certamente ter sido reforçada pelas evidências que temos aduzido a favor da existência de um movimento internacional em linha de parentesco. Mas estes não são mais do que "pensamentos e sugestões"; somos mais inquiridores do que dogmáticos; convidamos com entusiasmo as críticas e receberemos informações mais completas. O que temos a sugerir a respeito de detalhes práticos está implícito no que foi dito nas seções anteriores.

Tudo o que defendemos é que um escopo um pouco mais amplo deve ser dado à frase reveladora no preâmbulo pelos fundadores do Colégio Central do Trabalho: "Por que não devemos administrar nossos próprios assuntos educacionais de forma independente"? Neste caso, o "nós" significa "trabalho organizado". Por que não deveria o trabalho organizado fazer neste e em outros países o que, segundo Emmy Freundlich, já está fazendo na Áustria, e o que E.H. apela para que ele faça na Alemanha? Por que não deveria interpretar a Educação Independente da Classe Trabalhadora como significando a educação infantil e o ensino fundamental, assim como o ensino da história socialista e economia socialista para aqueles que ultrapassaram a idade escolar. "Para o movimento trabalhista organizado, apelamos ao apoio sobre uma questão que está na própria base da organização da classe trabalhadora. Não confiamos nossa segurança econômica às boas intenções da classe possuidora. Não confiamos na política de nossos empregadores para medidas de legislação progressista. Nós estabelecemos nossas próprias fortificações econômicas, temos nossas próprias armas, controlamos nossa própria literatura .... Mesmo que tenhamos uma plataforma própria e uma imprensa própria, deixe-nos ter instituições educacionais próprias". Deixe-nos ter escolas Montessori e Novas Escolas fundadas, administradas e equipadas por nós mesmos, em cada grande centro industrial ou adjacente a ele. Comecemos na infância e na infância para libertar a mente de nossos filhos dos tentáculos semelhantes aos de polvo do estado de classe. Quem pode se aventurar a dizer que as palavras em itálico acrescentadas ao preâmbulo estão fora de harmonia com o espírito das palavras citadas duas vezes a partir daquele documento. Sabemos que entre os trabalhadores há muitos que ainda hoje discordam de toda a idéia de uma educação independente da classe trabalhadora. A W.E.A., com sua insistência pitoresca na necessidade de uma educação "imparcial", com seu apelo aos estudantes da classe trabalhadora para que aceitem a pílula dourada do ensino acadêmico, tem uma grande dose de apoio genuíno da classe trabalhadora. Não, mesmo alguns dos apoiadores originais da Central Labour College, podem não estar totalmente livres de alarme diante dos resultados de sua ousada experiência. Mas não há dúvidas na Liga Plebs! Não há desmaios entre os estudantes das faculdades trabalhistas! Há uma agitação no Clyde e no Sul do País de Gales; há uma agitação nas Midlands industriais; há uma suspeita de movimento mesmo em Londres gorda e sonolenta; "o Daniel Lambert das cidades"! À Liga Plebs, e aos espíritos mais jovens e revolucionários entre os sindicatos e as cooperativas, aos Comitês de Trabalhadores e às Lojas de Mineiros acima de tudo (os soviets da Grã-Bretanha; as unidades da próxima organização industrial e política que deverá substituir o capitalismo e a pseudodemocracia parlamentar) dirigimos um apelo confiante para reconsiderar toda a questão da educação independente da classe trabalhadora a partir da perspectiva mais ampla que nos esforçamos para apresentar neste ensaio. Até que essa reconsideração tenha sido feita, seria utópico formular mais do que o esboço já apresentado. As "formas e meios de realização" que tínhamos em mente quando escolhemos o título desta seção conclusiva foram: despertar o interesse, concentrar a inteligência, estimular a vontade, do trabalho consciente de classe sobre um assunto que é sua principal preocupação. Sem interesse, inteligência, e vontade, nada pode ser feito. Com eles, todas as dificuldades desaparecerão. Pois então, como disse Goethe uma vez, "basta soprar sobre as mãos".

1. Esta seção é resumida de um artigo que apareceu recentemente sobre a assinatura "E. H. no suplemento feminino do Leipziger Volkszeitung". O artigo se intitulava "As crianças da classe trabalhadora e seu futuro".

2. "Isso não pode ser ensinado, deve ser feito: este, de fato, é o primeiro e último princípio de toda a educação". - Goethe.

Comentário sobre a educação da classe trabalhadora


De um panfleto publicado em 1918 por Eden e Cedar Paul pelo WSF.

Sua opinião de que as escolas devem ser internas, já que muitas famílias da classe trabalhadora seriam incapazes de educar seus filhos adequadamente, dificilmente se daria bem com a opinião "progressista" hoje em dia, mesmo que suas escolas estejam em espírito, os ideais e o currículo proposto e o ethos interno fazem parte do movimento geralmente progressista da época que incluía tanto o Gordonstoun de Kurt Hahn em sua corrente principal, um pouco mais distante de Dartington Hall e na franja anárquica extrema da Colina Burgess de A.S. Neill.

Assim, eles são, a meu ver, muito utópicos. As escolas em que eles modelam a futura classe trabalhadora devem um bom negócio, como eles admitem plenamente, ao movimento da Nova Escola e ao sistema Montessori, e as que eles mencionam na Inglaterra, são Abbotsholme, que ainda existe, seu fundador foi o carismático educador Dr. Reddie, e Bedales! Ambos são, é claro, internatos privados e ambos são agora mistos. Conheço bem Abbotsholme desde que morávamos perto e meu pai era um bom amigo de seu então diretor, nos anos 50, Robin Hodgkin, um Quaker, do qual eu também gostava muito. Parece que Tom Wintringham enviou seu filho para lá no período pós-guerra - era tudo rapazes na época e também quando eu o conheci alguns anos mais tarde. Outro garoto famoso foi Olaf Stapledon, o escritor de ficção científica.

Bedales é, é claro, muito mais da classe alta e os filhos do Blood Royale foram para lá, princesa Anne I believe, embora o ethos e as crenças originais dos respectivos fundadores disso e Abbotsholme fossem muito semelhantes. Ainda assim, suponho que Eton foi originalmente fundado para estudiosos pobres.


Comentários