Igreja e Escola na República Soviética | Nikolai Bukharin

Nikolai Bukharin

A classe trabalhadora e seu partido - o Partido Comunista-Bolshevista - visam não apenas a uma libertação econômica, mas também a uma libertação espiritual das massas trabalhadoras. E a libertação econômica em si mesma prosseguirá ainda mais rapidamente, se os proletários e os trabalhadores do dia jogarem fora de suas cabeças todas as idéias malucas que os proprietários feudais e a burguesia e os fabricantes lhes lançaram. Já vimos como era fácil para as antigas classes dirigentes se esconderem nos trabalhadores de todos os lados com seus jornais, suas revistas, seus folhetos, seus padres, assim como com suas escolas, que eles tinham conseguido transformar de um instrumento de esclarecimento em um instrumento para obscurecer a consciência popular.


A CRENÇA EM DEUS E NO DIABO É UMA CONFUSÃO DA MENTE DOS TRABALHADORES


Um dos instrumentos para o obscurecimento da consciência do povo é a crença em Deus e no diabo, em espíritos bons e maus, anjos, santos, etc., em religiões curtas. As massas do povo se acostumaram a acreditar nestas coisas e, no entanto, se nos aproximarmos sensatamente destas crenças e chegarmos a entender de onde vem a religião, e por que a religião recebe um apoio tão caloroso dos senhores burgueses, entenderemos claramente que a função da religião no momento é agir como um veneno com o qual as mentes do povo foram e continuam a ser corrompidas. E então entenderemos também porque o Partido Comunista se opõe tão resolutamente à religião.


O CULTO ÀS ALMAS DOS RICOS MORTOS FOI O FUNDAMENTO DA RELIGIÃO


A ciência atual tem apontado que a forma mais primitiva de religião era a adoração das almas dos chefes mortos, e que esta adoração começou no momento em que, na antiga sociedade humana, os anciãos da tribo, homens idosos mais ricos, experientes e sábios do que o resto da tribo, já tinham assegurado o poder sobre os membros restantes. Logo no início da história humana, quando os homens ainda se encontravam na fase semipreciosa, eles eram iguais. Os anciãos só mais tarde puseram em sua aparência, e então começaram a subjugar os outros membros. Então também os últimos começaram a adorar os primeiros, e esta adoração das almas dos ricos mortos é o fundamento da religião; estes "santos", estes pequenos deuses foram mais tarde transformados em uma única divindade ameaçadora, que castiga e recompensa, julga e regula. Vejamos por que esta concepção das coisas surgiu entre os homens. O fato é que o homem sempre tenta ver as coisas pouco conhecidas à luz daquelas que ele conhece bem. Ele as mede com a bitola do que sabe e compreende. Um estudioso registrou este exemplo: uma menina que tinha sido criada em uma propriedade na qual a avicultura era amplamente praticada, estava constantemente ocupada com ovos; ovos dançavam constantemente diante de seus olhos; e quando ela era confrontada com o céu cheio de estrelas, ela declarou que os ovos estavam espalhados por todo o céu. Qualquer número de tais exemplos poderia ser dado. O homem observava que havia aqueles que obedeciam e aqueles que davam ordens; ele era constantemente confrontado com este quadro: o mais velho (mais tarde o príncipe), cercado por seus auxiliares, era o mais sábio e mais experiente, o mais forte, o mais rico, e ele dava as ordens; e de acordo com suas instruções os outros agiam: em suma, eles o obedeciam. Estas relações eram observáveis em todas as estações e em todas as horas, e davam ocasião a uma interpretação de todas as ocorrências como sendo devidas a causas similares. Na terra, por assim dizer, há aqueles que comandam e aqueles que obedecem. Talvez, pensavam as pessoas, o mundo inteiro seja assim construído? O mundo também tem seu mestre, uma grande criatura poderosa e ameaçadora, da qual todos dependem, e que punirá severamente toda desobediência. Agora este mestre, em todo o mundo, é Deus. Assim, a concepção de Deus no céu surge no momento em que na terra abaixo, a sociedade antes unificada está dividida entre os que obedecem e os anciãos que lideram e comandam a tribo.


A PALAVRA "DEUS" É DERIVADA DA PALAVRA "RICO"[1].


É um fato interessante que todas as designações para Deus falam eloquentemente desta origem da religião. O que significa a palavra "Bog"? É da mesma raiz que "bogaty" (rico). Deus é aquele que é grande, forte e rico. De que outra forma Deus é glorificado? Como o "Senhor". O que é um "Senhor"? Um "Senhor" é um mestre e o oposto de "escravo". Na verdade, nas orações que dizemos: "Nós somos teus escravos". Deus também é glorificado como "o governante dos céus". Todas as outras denominações de Deus apontam na mesma direção: "conquistador", "dominus", etc. Precisamente. Um "Dominus" é uma pessoa que domina, que governa sobre muitos outros, que possui um bom suprimento de riqueza. Que tipo de coisa, portanto, é Deus? Deus, por assim dizer, é um mestre realmente rico e poderoso, um escravo, um que "governa os céus", um juiz - em uma palavra, uma falsificação precisa e uma cópia do poder terreno do ancião, mais tarde do príncipe. Quando os judeus eram governados por seus príncipes, que os puniam e atormentavam de todas as maneiras possíveis, surgiu a doutrina de um Deus que era maligno e maligno. Tal é o Deus do Antigo Testamento. Ele é um velho feroz que inflige castigos cruéis a seus súditos.


OS ACONTECIMENTOS NA TERRA SÃO PARALELOS NO CÉU


Vejamos agora o Deus da Igreja Ortodoxa. Esta concepção foi elaborada na Bizâncio, que forneceu o modelo para um regime autocrático. À frente do Estado estava o monarca autocrático, cercado por seus ministros; depois vieram os titulares superiores, mais abaixo todo um sistema de enxertadores legalizados. E a Fé Ortodoxa é uma réplica próxima deste sistema. À frente estava o "Senhor dos Céus". Ao seu redor seus santos mais importantes (como o Maravilhoso Nicolau, a Mãe de Deus - algo da natureza de uma Imperatriz, uma mulher de espírito santo), correspondendo aos ministros; mais abaixo segue toda uma série de anjos e santos, dispostos em uma outra semelhante à dos "chinovniks" no estado autocrático. Estes são os chamados "anjos oficiantes": os querubins, os serafins, os anjos do terceiro e vários outros graus. A própria palavra "queixo" (grau) nos lembra de "chinovnik" (titular do escritório, burocrata), e ambas as palavras são da mesma raiz. Estes graus ("queixo") são representados nos ikons por tê-los vestidos mais ricamente quanto mais alto o grau, e por ter uma auréola maior sobre suas cabeças - ou seja, eles tinham mais decorações e "ordens", exatamente como na terra pecaminosa abaixo. No estado autocrático, o chinovnik exige "graxa de palma obrigatória", caso contrário não há nada a fazer; do mesmo modo, o santo exige sua vela, caso contrário sua ira é incorrida, e ele se recusará a transmitir qualquer oração a seu superior mais alto, Deus. No estado autocrático, há chineses especiais que, por uma consideração, assumirão a função especial de peticionários. E, do mesmo modo, há santos especiais que rezam e "intercedem em favor", particularmente das mulheres. Por exemplo, a mãe de Deus, que é uma "advogada" por excelência. E ela não faz seu trabalho por nada, para ela devem ser construídos templos maiores do que para outros; arroz deve ser comprado para seus ikons, e estes últimos devem ser cravejados com mais pedras preciosas, etc., etc.


POR QUE A IGREJA E O ESTADO DEVEM SER SEPARADOS


Do exposto acima, o programa dos comunistas em relação à Igreja e ao Estado é claro. Devemos lutar contra a Igreja, não com força, mas com convicção. A Igreja deve ser separada do Estado. Isto significa que os padres podem continuar a existir - mas deixá-los ser apoiados por aqueles que desejam comprar seu veneno, ou que têm algum outro interesse em sua existência contínua. Outro veneno deste tipo é o ópio. Aqueles que fumaram o veneno, contemplam todo tipo de visões encantadoras, são imediatamente transportados ao Paraíso. Mas o uso do ópio, mais tarde, resulta em um completo enfraquecimento da saúde, e o usuário gradualmente se torna um completo idiota. É semelhante com a religião. Há pessoas que gostam de fumar ópio. Mas seria criminoso para o Estado, às suas custas, ou seja, às custas de toda a população, manter antros para o fumo do ópio e contratar pessoas especiais para ministrar às necessidades dos freqüentadores desses lugares. Devemos, portanto, proceder com a Igreja da seguinte maneira (de fato, já o fizemos): devemos privar os padres, hierarquias, metropolitanos, patriarcas, abades e todo o resto da multidão, de todo o apoio do governo; deixar os verdadeiros crentes, se quiserem, alimentá-los com esturjão e salmão, dos quais os santos padres são devoradores tão devotos.


A RELIGIÃO É UM ASSUNTO PRIVADO


Por outro lado, devemos garantir a liberdade de crença. Há necessariamente que seguir a regra: A religião é um assunto privado. Isto não significa, de forma alguma, que devemos cessar nossa luta contra a Igreja por convicção. Significa simplesmente que o Estado não deve apoiar nenhuma organização eclesiástica.


O programa dos bolcheviques-comunistas sobre este ponto já é realizado na Rússia. Os padres de todas as seitas foram privados de toda a assistência do Estado. É claro que eles quase explodiram de raiva diante desta afronta e amaldiçoaram redondamente o poder atual, ou seja, o poder dos trabalhadores, e leram todos os comunistas fora da Igreja. Pense nisto: sob o Czar, eles conheciam muito bem o texto: "Não há poder, mas ele desce de Deus", assim como a injunção: "Presta obediência a todos os poderes que existem". Eles não tinham objeção de aspergir o carrasco com água benta. Mas por que esqueceram estes textos assim que os trabalhadores chegaram ao poder? Ou é possível que o poder de Deus não seja estendido também aos comunistas? Qual é o problema? A resposta é muito simples: O governo soviético é o primeiro governo da Rússia que atingiu os padres no bolso. E este é o ponto mais sensível que um padre tem. Os padres estão agora no campo da "burguesia oprimida". Eles estão trabalhando abaixo e acima do solo contra a classe trabalhadora. Mas os tempos são ruins, e as grandes massas de trabalhadores não caem mais na isca como costumavam fazer. Essa é a grande realização educativa da revolução. Ela liberta da escravidão econômica. Mas ela também liberta da escravidão espiritual.


AS ESCOLAS DEVEM ESTAR À DISPOSIÇÃO DOS MAIS POBRES


Há outra questão importante em conexão com a iluminação espiritual das massas. Esta é a questão da escola.


Sob o domínio da burguesia, a escola serviu à causa da criação das massas no sentido de uma obediência à burguesia, ao invés de uma verdadeira instrução. Todos os livros didáticos, todos os instrumentos de ensino foram permeados pelo cheiro da escravidão. Particularmente os livros de história: mais mentiras do que fatos narram os feitos gloriosos dos czares e de outros malandros coroados. E depois: os padres desempenharam um papel importante nas escolas. Tudo funcionou em uma direção: preparar a criança de modo a torná-la um cidadão obediente - não um cidadão, mas um sujeito, um escravo, capaz, se necessário, de matar seus semelhantes, se eles deveriam ser tão ousados a ponto de se levantarem contra o poder do capital. As próprias escolas foram divididas em classes, algumas para as de sangue negro, as demais para as de sangue azul. Os ginásios e as universidades eram para os de sangue azul. Aqui os filhos da burguesia eram ensinados todas as ciências para que pudessem governar e subjugar os de sangue negro. Para os de sangue negro, havia as escolas inferiores. Aqui os padres tinham mais influência indiscutível do que em qualquer outro lugar. A tarefa destas escolas, que transmitiam muito pouco conhecimento, mas distribuíam uma massa incomum de mentiras sacerdotais, era preparar o povo que devia sofrer, obedecer e se subordinar aos de sangue azul sem protesto. A entrada nas escolas médias, e mais particularmente nas instituições superiores de ensino (universidades, escolas de engenharia, e todas as instituições similares) estava definitivamente fora de questão para as do povo simples. Desta forma, foi criado um monopólio da educação. A obtenção de uma educação mais ou menos decente só era possível para os ricos ou para aqueles que eram apoiados pelos ricos. E a intelligentsia explorou esta situação de forma artesanal no seu próprio interesse. E, portanto, é claro por que eles se opuseram aos trabalhadores na Revolução de novembro: eles perfumaram o perigo para seus privilégios, sua posição favorecida, que desapareceria se todos tivessem instrução, se até mesmo os de sangue negro tivessem a oportunidade de adquirir conhecimento.


A INSTRUÇÃO DEVERIA SER UNIVERSAL E OBRIGATÓRIA


Antes de mais nada, é necessário tornar o ensino universal e obrigatório. Sob a nova organização da vida, sobre novas bases, será necessário que aqueles jovens em anos se acostumem com a mão-de-obra útil. Os alunos das escolas devem, portanto, acostumar-se a vários tipos de trabalho produtivo. Os portões das instituições superiores devem estar abertos a todos. Os sacerdotes devem ser expulsos de todas as escolas; se quiserem, deixem-nos desempenhar sua tarefa de orientar mal os jovens em algum outro lugar: eles não o farão nas escolas do governo; as escolas devem ser mundanas, do mundo, não dos sacerdotes. Os órgãos da autoridade local dos trabalhadores terão controle sobre as escolas, e não devem gastar suas energias em matéria de educação popular, fornecendo a todas as crianças e jovens homens e mulheres jovens todo o conhecimento de que necessitam para uma vida feliz.


Atualmente, em certas aldeias e escolas provinciais, alguns dos professores mais estúpidos, com a ajuda dos kulaks (ou, mais corretamente falando, os kulaks, com a ajuda desses professores estúpidos), estão realizando uma campanha com o objetivo de apontar que os bolcheviques querem destruir todo o aprendizado, abolir toda a educação, etc., etc. Mas é claro que isto é uma mentira manifesta. O objetivo do comunista Bolchevique é bem diferente: eles querem libertar todo o aprendizado do controle do capital; eles querem tornar toda a ciência acessível às massas trabalhadoras, eles querem destruir o monopólio (o direito exclusivo) dos ricos na educação. Este é o fato da questão. E não é surpreendente que os ricos estejam ansiosos para reter cada palheta em que se apóiam. Quando cada trabalhador tem o comando do aprendizado de um engenheiro, então o caso do capitalista e do engenheiro rico fica realmente triste: haverá muitos mais como ele, e ele não terá nada em particular para se gabar. Então, não será mais possível perturbar os planos dos trabalhadores, não haverá mais sabotagem por parte dos antigos detentores de capital. É disso que nossos respeitáveis amigos burgueses têm medo.


Cultura para os ricos, rebaixamento espiritual para os pobres - esse é o método do capitalismo. Cultura para todos, libertação espiritual do jugo do capital - essa é a palavra de ordem do partido da classe trabalhadora, o Partido Comunista.


Fonte: https://www.marxists.org/archive/bukharin/works/1919/churchandschool.htm

Comentários