Lenin: O que pode ser feito para a educação pública

Lenin

Há uma série de preconceitos podres nos países ocidentais dos quais a Santa Mãe Rússia é livre. Eles assumem, por exemplo, que enormes bibliotecas públicas contendo centenas de milhares e milhões de volumes, certamente não deveriam ser reservadas apenas para o punhado de estudiosos ou aspirantes a estudiosos que as utilizam. Ali eles estabeleceram para si mesmos o estranho, incompreensível e bárbaro objetivo de tornar estas bibliotecas gigantescas e sem limites disponíveis, não para uma guilda de estudiosos, professores e outros especialistas, mas para as massas, para a multidão, para a máfia!


Que profanação das bibliotecas! Que ausência da "lei e da ordem" de que tão justamente nos orgulhamos. Em vez de regulamentos, discutidos e elaborados por uma dúzia de comitês de funcionários públicos inventando centenas de formalidades e obstáculos ao uso de livros, eles cuidam para que até mesmo as crianças possam fazer uso das ricas coleções; que os leitores possam ler livros de propriedade pública em casa; consideram como orgulho e glória de uma biblioteca pública, não o número de raridades que ela contém, o número de edições do século XVI ou manuscritos do século X, mas a extensão da distribuição dos livros entre o povo, o número de novos leitores inscritos, a rapidez com que a demanda por qualquer livro é atendida, o número de livros emitidos para serem lidos em casa, o número de crianças atraídas para a leitura e para o uso da biblioteca. ... Estes preconceitos estranhos são generalizados nos estados ocidentais, e devemos nos alegrar de que aqueles que nos vigiam e nos protegem com cuidado e circunspecção da influência destes preconceitos, protejam nossas ricas bibliotecas públicas da máfia, do hoi polloi!


Tenho diante de mim o relatório da Biblioteca Pública de Nova Iorque de 1911.


Naquele ano, a Biblioteca Pública de Nova York foi transferida de dois edifícios antigos para novas instalações erguidas pela cidade. O número total de livros é agora de cerca de dois milhões. Aconteceu que o primeiro livro pedido quando a sala de leitura abriu suas portas foi em russo. Era uma obra de N. Grot, The Moral Ideals of Our Times. O pedido do livro foi entregue às nove e oito minutos depois das nove da manhã. O livro foi entregue ao leitor às nove e quinze da manhã.


No decorrer do ano, a biblioteca foi visitada por 1.658.376 pessoas. Havia 246.950 leitores usando a sala de leitura e eles tiraram 911.891 livros.


Isto, no entanto, é apenas uma pequena parte da circulação de livros feita pela biblioteca. Apenas algumas poucas pessoas podem visitar a biblioteca. A organização racional do trabalho educacional é medida pelo número de livros emitidos para serem lidos em casa, pelas conveniências disponíveis para a maioria da população.


Em três bairros de Nova Iorque - Manhatten, Bronx e Richmond - a Biblioteca Pública de Nova Iorque tem quarenta e duas filiais e logo terá um quarenta e três (a população total dos três bairros é de quase três milhões). O objetivo que se persegue constantemente é ter uma filial da Biblioteca Pública a três quartos de um verso, ou seja, a dez minutos a pé da casa de cada habitante, sendo a biblioteca da filial o centro de todos os tipos de instituições e estabelecimentos de educação pública.


Quase oito milhões (7.914.882 volumes) foram emitidos para os leitores em casa, 400.000 a mais do que em 1910. A cada cem membros da população de todas as idades e de ambos os sexos, 267 livros foram emitidos para leitura em casa no decorrer do ano.


Cada uma das quarenta e duas bibliotecas filiais não só prevê o uso de livros de referência no prédio e a edição de livros para serem lidos em casa, como também é um lugar para palestras noturnas, para reuniões públicas e para entretenimento racional.


A Biblioteca Pública de Nova Iorque contém cerca de 15.000 livros em línguas orientais, cerca de 20.000 em iídiche e cerca de 16.000 nas línguas eslavas. Na sala de leitura principal há cerca de 20.000 livros em prateleiras abertas para uso geral.


A Biblioteca Pública de Nova Iorque abriu uma sala de leitura especial, central, para crianças, e instituições similares estão sendo gradualmente abertas em todas as filiais. Os bibliotecários fazem tudo para a conveniência das crianças e respondem a suas perguntas. O número de livros que as crianças levaram para ler em casa foi de 2.859.888, pouco menos de três milhões (mais de um terço do total). O número de crianças que visitaram a sala de leitura foi de 1.120.915.


No que diz respeito às perdas - a Biblioteca Pública de Nova Iorque avalia o número de livros perdidos em 70-80-90 por 100.000 livros emitidos para serem lidos em casa.


Esta é a forma como as coisas são feitas em Nova Iorque. E na Rússia?


Fonte: https://www.marxists.org/archive/lenin/works/1913/jul/18.htm

Comentários