Leon Trotsky: Relações familiares sob os soviéticos (1932)

Leon Trotsky

Catorze perguntas respondidas por Leon Trotsky (1932)


1. "O Estado Soviético transforma os homens em robôs?"


Por que? Eu pergunto. Os ideólogos do sistema patriarcal como Tolstoi ou Ruskin, objetam que a civilização das máquinas transforma o camponês livre e o artesão em autômatos sem alegria. Nas últimas décadas, esta acusação tem sido em sua maioria nivelada contra o sistema industrial da América (Taylorismo, Fordismo).


Devemos agora, talvez, ouvir de Chicago e Detroit o clamor contra a máquina destruidora da alma? Por que não voltar às machadinhas de pedra e às pilhas de moradias, por que não voltar às coberturas de pele de carneiro? Não; nós nos recusamos a fazer isso. No campo da mecanização, a República Soviética é até agora apenas uma discípula dos Estados Unidos e não tem a intenção de parar a meio caminho.


Mas talvez a questão não se dirija à operação mecânica, mas às características distintivas da ordem social. Os homens não estão se tornando robôs no Estado soviético porque as máquinas são propriedade do Estado e não de propriedade privada? Basta fazer a pergunta claramente para mostrar que ela não tem fundamento.


Resta, finalmente, a questão do regime político, a dura ditadura, a mais alta tensão de todas as forças, o baixo padrão de vida da população. Não faria sentido negar estes fatos. Mas eles são a expressão não tanto do novo regime, mas da temível herança do atraso.


A ditadura terá que se tornar mais suave e branda à medida que o bem-estar econômico do país for aumentando. O método atual de comando dos seres humanos dará lugar a um de disposição sobre as coisas. O caminho não leva ao robô, mas ao homem de uma ordem superior.


2. "O Estado soviético é completamente dominado por um pequeno grupo no Kremlin que exerce poderes oligárquicos sob o disfarce de uma ditadura do proletariado?".


Não, não é bem assim. A mesma classe pode governar com a ajuda de diferentes sistemas e métodos políticos, de acordo com as circunstâncias. Assim, a burguesia em seu caminho histórico realizou seu governo sob monarquia absoluta, Bonapartismo, república parlamentar e ditadura fascista. Todas essas formas de governo mantêm um caráter capitalista na medida em que as riquezas mais importantes da nação, a administração dos meios de produção, das escolas e da imprensa, permanecem unidas nas mãos da burguesia, e na medida em que as leis, acima de tudo, protegem a propriedade burguesa.


O regime soviético significa o domínio do proletariado, independentemente da amplitude do estrato em cujas mãos o poder se concentra imediatamente.


3. "Os soviéticos roubaram a alegria da infância e transformaram a educação em um sistema de propaganda bolchevique?".


A educação das crianças sempre e em todos os lugares esteve ligada à propaganda. A propaganda começa por instilar as vantagens de um lenço sobre os dedos, e se eleva às vantagens da plataforma republicana sobre a democrata, ou vice versa. A educação no espírito da religião é propaganda; você certamente não se recusará a admitir que São Paulo foi um dos maiores propagandistas.


A educação mundana fornecida pela República Francesa está impregnada de propaganda até a medula. Sua idéia principal é que toda virtude é inerente à nação francesa ou, mais precisamente, à classe dominante da nação francesa.


Ninguém pode negar que a educação das crianças soviéticas também é propaganda. A única diferença é que nos países burgueses é uma questão de injetar na criança o respeito por antigas instituições e idéias que são tidas como certas. Na URSS, é uma questão de novas idéias e, portanto, a propaganda salta aos olhos. "Propaganda", no sentido maligno da palavra, é o nome que as pessoas normalmente dão à defesa e à difusão de tais idéias que não lhes agradam.


Em tempos de conservadorismo e estabilidade, a propaganda diária não é perceptível. Em tempos de revolução, a propaganda assume necessariamente um caráter beligerante e agressivo. Quando voltei do Canadá para Moscou com minha família no início de maio de 1917, meus dois meninos estudaram em um "ginásio" (mais ou menos, no colegial) que era frequentado pelos filhos de muitos políticos, incluindo alguns ministros do governo provisório. Em todo o ginásio havia apenas dois bolcheviques, meus filhos, e um terceiro simpatizante. Apesar da regra oficial, "a escola deve estar livre da política", meu filho com apenas doze anos de idade foi impiedosamente espancado como bolchevique. Depois que fui eleito presidente do Soviete Petrogrado, meu filho nunca foi chamado de nada além de presidente e recebeu uma dupla surra. Isso foi propaganda contra o bolchevismo.


Aqueles pais e professores que se dedicam à velha sociedade gritam contra a "propaganda". Se um Estado deve construir uma nova sociedade, será que pode fazer outra coisa que não começar com a escola?


"Será que a propaganda soviética roubou a alegria da infância?" Por que razão e de que maneira? As crianças soviéticas brincam, cantam, dançam e choram como todas as outras crianças. O cuidado incomum do regime soviético com a criança é admitido até mesmo por observadores malévolos. Em comparação com o antigo regime, a mortalidade infantil diminuiu pela metade. É verdade, às crianças soviéticas não é dito nada sobre o pecado original e o Paraíso. Neste sentido, pode-se dizer que as crianças são roubadas das alegrias da vida após a morte. Não sendo especialista nestes assuntos, não me atrevo a julgar a extensão da perda. Ainda assim, as dores desta vida têm uma certa precedência sobre as alegrias da vida futura. Se as crianças absorverem a quantidade necessária de calorias, a abundância de suas forças vivas encontrará razões suficientes para a alegria.


Há dois anos, meu neto de cinco anos veio de Moscou até mim. Embora ele não soubesse nada sobre Deus, não consegui encontrar nele inclinações particularmente pecaminosas, exceto na época em que, com a ajuda de alguns jornais, ele conseguiu selar hermeticamente o cano de esgoto do lavatório. Para que ele pudesse se misturar com outras crianças em Prinkipo, tivemos que enviá-lo a um jardim de infância conduzido por freiras católicas. As dignas irmãs não têm nada além de elogios à moral do meu ateu de quase sete anos.


Graças a este mesmo neto, pude, no ano passado, conhecer bastante de perto os livros infantis russos, tanto os dos soviéticos como os dos emigrados. Há propaganda em ambos. No entanto, os livros soviéticos são incomparavelmente mais frescos, mais ativos, mais cheios de vida. O homenzinho lê e ouve estes livros com o maior prazer. Não, a propaganda soviética não rouba a alegria da infância.


4. "O bolchevismo está destruindo deliberadamente a família?"

5. "O bolchevismo é subversivo de todos os padrões morais no sexo?"

6. "É verdade que bigamia e poligamia não são puníveis sob o sistema soviético?"


Se alguém entende por "família" uma união obrigatória baseada no contrato de casamento, a bênção da igreja, os direitos de propriedade e o passaporte único, então o bolchevismo destruiu esta família policiada a partir das raízes.


Se entendermos por "família" o domínio ilimitado dos pais sobre os filhos e a ausência de direitos legais para a esposa, então o bolchevismo, infelizmente, ainda não destruiu completamente esta transferência da velha barbárie da sociedade.


Se alguém entende por "família" a monogamia ideal, não no sentido legal, mas no sentido real, então os bolcheviques não poderiam destruir o que nunca foi nem está na terra, salvo exceções afortunadas.


Não há absolutamente nenhum fundamento para a afirmação de que a lei soviética sobre o casamento tenha sido um incentivo à poligamia e à poliandria. As estatísticas das relações matrimoniais, reais, não estão disponíveis, e não podem estar. Mas mesmo sem colunas de números, pode-se ter certeza de que os números do índice de Moscou de adultérios e casamentos naufragados não são muito diferentes dos dados correspondentes de Nova York, Londres ou Paris - e quem sabe... - são talvez ainda mais baixos.


Contra a prostituição, tem havido uma luta árdua e bastante bem sucedida. Isto prova que os soviéticos não têm intenção de tolerar aquela promiscuidade desenfreada que encontra sua expressão mais destrutiva e venenosa na prostituição.


Um casamento longo e permanente, baseado no amor mútuo e na cooperação - esse é o padrão ideal. A isso tendem as influências da escola, da literatura e da opinião pública nos soviéticos. Livre das correntes da polícia e do clero, mais tarde também das de necessidade econômica, o vínculo entre homem e mulher encontrará seu próprio caminho, determinado pela fisiologia, pela psicologia e pelo cuidado com o bem-estar da raça. O regime soviético ainda está longe da solução disto como de outros problemas básicos, mas criou sérios pré-requisitos para sua solução. Em qualquer caso, o problema do casamento deixou de ser uma questão de tradição acrítica e a força cega das circunstâncias; foi colocado como uma tarefa de razão coletiva.


A cada ano nascem cinco milhões e meio de crianças na União Soviética. O excesso de nascimentos sobre as mortes é superior a três milhões. A Rússia czarista não conhecia tal crescimento da população. Só este fato torna impossível falar de desintegração moral ou de uma diminuição das forças vitais da população da Rússia.


7. "É verdade que o incesto não é considerado uma ofensa criminal?"


Devo admitir que nunca me interessei por esta pergunta do ponto de vista do processo criminal, de modo que não poderia responder sem obter informações sobre o que a lei soviética diz sobre o incesto, ou se ela diz alguma coisa. Ainda assim, acho que toda a questão pertence mais ao domínio da patologia, por um lado, e da educação, por outro, do que ao da criminologia. O incesto diminui as qualidades desejáveis e a capacidade de sobrevivência da raça. Por isso mesmo, é considerado pela grande maioria dos seres humanos saudáveis como uma violação dos padrões normais.


O objetivo do socialismo é trazer a razão não apenas para as relações econômicas, mas também, tanto quanto possível, para as funções biológicas do homem. Hoje já as escolas soviéticas estão fazendo muitos esforços para esclarecer as crianças sobre as reais necessidades do corpo humano e do espírito humano. Não tenho motivos para acreditar que os casos patológicos de incesto sejam mais numerosos na Rússia do que em outros países. Ao mesmo tempo, estou inclinado a sustentar que precisamente neste campo a intervenção judicial pode fazer mais mal do que bem. Questiono, por exemplo, que a humanidade teria sido a ganhadora se a justiça britânica tivesse enviado Byron para a cadeia.


8. "É verdade que pode haver um divórcio por causa do pedido?"


É claro que é verdade. Teria sido mais adequado fazer outra pergunta: "É verdade que ainda existem países onde o divórcio não pode ser obtido para o pedido de divórcio por qualquer das partes de um casamento?"


9. "É verdade que os soviéticos não têm respeito pela castidade em homens e mulheres?


Eu acho que neste campo não é o respeito, mas a hipocrisia que tem declinado.


Existe alguma dúvida, por exemplo, de que Ivar Kreuger, o rei dos fósforos, descrito como um asceta dourado em sua vida, e como um inimigo irreconciliável dos soviéticos, denunciou mais de uma vez a imoralidade dos meninos e meninas russos Komsomol que não buscaram a bênção da igreja em seus abraços? Se não fosse pelo naufrágio financeiro, Kreuger teria ido para o túmulo não apenas como um homem justo na Bolsa de Valores, mas também como um pilar da moralidade. Mas agora a imprensa relata que o número de mulheres mantidas por Kreuger em vários continentes era várias vezes o número das chaminés de suas fábricas de fósforos.


Os romances franceses, ingleses e americanos descrevem famílias duplas e triplas não como uma exceção, mas como a regra. Um jovem observador alemão muito bem informado, Klaus Mehnert, que recentemente teve um livro publicado sobre a juventude soviética, escreve:


"É verdade que os jovens russos não são paragões da virtude ... mas moralmente não são certamente inferiores aos alemães da mesma idade".


Acredito que isso seja verdade. Em Nova York, em fevereiro de 1917, observei uma noite em um metrô cerca de duas dúzias de estudantes e suas meninas amigas. Embora houvesse várias pessoas no carro que não estavam em sua festa, a conduta destes casais mais vivazes era tal que se podia dizer de uma só vez: mesmo que estes jovens acreditem na monogamia em princípio, na prática eles chegam a ela por caminhos desonestos.


A abolição da lei seca americana não significaria de forma alguma que a nova administração estivesse se esforçando para encorajar a embriaguez. Da mesma forma, a abolição pelo governo soviético de várias leis que deveriam proteger o coração doméstico, a castidade, etc., não tem nada a ver com qualquer esforço para destruir a permanência da família ou encorajar a promiscuidade. É simplesmente uma questão de alcançar, elevando o nível material e cultural, algo que não pode ser alcançado pela proibição formal ou pela pregação sem vida.


10. "O objetivo final do bolchevismo é reproduzir a colmeia ou o estágio da formiga na vida humana?"

11. "Em que aspecto o ideal do bolchevismo difere do estado da civilização que prevaleceria na Terra se os insetos tivessem garantido o controle?


Ambas as questões são injustas tanto para o inseto quanto para o homem. Nem as formigas nem as abelhas têm que responder por monstruosidades tais como preencher a história humana. Por outro lado, não importa quão ruins os seres humanos possam ser, eles têm possibilidades que nenhum inseto pode alcançar. Não seria difícil provar que a tarefa dos soviéticos é justamente essa de destruir as características das formigas da sociedade humana.


O fato é que tanto as abelhas quanto as formigas têm aulas: algumas trabalham ou lutam, outras são especializadas em reprodução. Pode-se ver em tal especialização de funções sociais o ideal do bolchevismo? Estas são antes as características de nossa civilização atual levada ao limite. Certas espécies de formigas fazem escravos de formigas-irmãs de cores diferentes.


O sistema soviético não se assemelha em nada a isto. As formigas ainda nem sequer produziram seu John Brown ou Abraham Lincoln.


Benjamin Franklin descreveu o homem como "o instrumento que faz o animal". Esta notável caracterização está no fundo da interpretação marxista da história. A ferramenta artificial libertou o homem do reino animal e deu ímpeto ao trabalho do intelecto humano; ela causou as mudanças da escravidão para o feudalismo, capitalismo e o sistema soviético.


O significado da pergunta é claramente que um controle universal que abrange tudo deve matar a individualidade. O mal do sistema soviético consistiria então em seu controle excessivo, não consistiria? No entanto, uma série de outras perguntas, como vimos, acusa os soviéticos de se recusarem a colocar sob controle estatal os campos mais íntimos da vida pessoal, do amor, da família, das relações sexuais. A contradição é perfeitamente evidente.


Os soviéticos de forma alguma fazem sua tarefa de colocar sob controle os poderes intelectuais e morais do homem.


Pelo contrário, através do controle da vida econômica, eles querem libertar toda personalidade humana do controle do mercado e de suas forças cegas.


A Ford organizou a produção de automóveis no sistema de transporte e assim obteve um enorme rendimento. A tarefa do socialismo, quando se chega ao princípio da técnica produtiva, é organizar toda a economia nacional e internacional no sistema de esteiras transportadoras, com base num plano e numa proporção exata de suas partes. O princípio do transportador, transferido de uma única fábrica para todas as fábricas e fazendas, deve resultar em um desempenho de produção tal que, comparado com ele, a realização da Ford pareceria uma miserável loja de artesanato ao lado de Detroit. Uma vez que ele tenha conquistado a natureza, o homem não terá mais que ganhar seu pão de cada dia no suor de sua testa. Este é o pré-requisito para a liberação da personalidade. Assim que três ou quatro horas, digamos, de trabalho diário forem suficientes para satisfazer liberalmente todos os desejos materiais, todo homem e mulher terá vinte horas restantes, livres de todo "controle". As questões de educação, de aperfeiçoamento da estrutura corporal e espiritual do homem, ocuparão o centro da atenção geral. As escolas filosóficas e científicas, as tendências opostas na literatura, arquitetura e arte em geral, serão pela primeira vez uma preocupação vital não apenas para uma camada superior, mas para toda a massa da população. Livres da pressão de forças econômicas cegas, a luta de grupos, tendências e escolas assumirá um caráter profundamente ideal e altruísta. Nesta atmosfera, a personalidade humana não secará, mas, pelo contrário, pela primeira vez, florescerá plenamente.


12. "É verdade que o Sovietismo ensina as crianças a não respeitarem seus pais?"


Não; de uma forma tão geral, esta afirmação é uma mera caricatura. Ainda assim, é verdade que o rápido progresso nos domínios da técnica, das idéias ou das maneiras geralmente diminui a autoridade da geração mais velha, incluindo a dos pais. Quando os professores dão palestras sobre a teoria darwiniana, a autoridade daqueles pais que acreditam que Eva foi feita a partir de uma costela de Adão só pode diminuir.


Na União Soviética, todos os conflitos são incomparavelmente mais acirrados e mais dolorosos. Os costumes dos Komsomols devem inevitavelmente colidir com a autoridade dos pais que ainda gostariam de usar seu próprio bom senso para casar com seus filhos e filhas. O homem do Exército Vermelho que aprendeu a manejar tratores e combinadas não pode reconhecer a autoridade técnica de seu pai que trabalha com um arado de madeira.


Para manter sua dignidade, o pai não pode mais apenas apontar com a mão para o ícone e reforçar este gesto com uma bofetada no rosto. Os pais devem recuar para as armas espirituais. As crianças que se baseiam na autoridade oficial da escola se mostram, no entanto, mais bem armadas. Os feridos amour propre do pai muitas vezes se voltam contra o Estado. Isto geralmente acontece nas famílias hostis ao novo regime em suas tarefas fundamentais. A maioria dos pais proletários se reconciliam com a perda de parte de sua autoridade parental, tanto mais prontamente quanto o Estado assume a maior parte de seus cuidados parentais. Ainda assim, há conflitos de gerações, mesmo nestes círculos. Entre os camponeses, eles assumem especial acuidade. Isto é bom ou ruim? Eu acho que é bom. Caso contrário, não haveria avanços.


Permita-me apontar para minha própria experiência. Aos dezessete anos tive que me afastar de casa. Meu pai havia tentado determinar o curso da minha vida. Ele me disse: "Mesmo em trezentos anos, as coisas que você está almejando não acontecerão". E, por isso, era apenas uma questão de derrubar a monarquia. Mais tarde meu pai entendeu os limites de sua influência e minhas relações com minha família foram restauradas. Após a revolução de outubro, ele viu seu erro. "Sua verdade era mais forte", disse ele. Tais exemplos foram contados pelos milhares, mais tarde, por centenas de milhares e milhões. Eles caracterizam a agitação crítica de um período em que "o vínculo de idades" se desfaz em pedaços.


13. "É verdade que o bolchevisim penaliza a religião e proíbe o culto religioso?"


Esta afirmação deliberadamente enganosa foi refutada milhares de vezes por fatos, provas e depoimentos de testemunhas completamente incontestáveis. Por que sempre surge de novo? Porque a igreja se considera perseguida quando não é apoiada pelo orçamento e pela força policial e quando seus oponentes não estão sujeitos às represálias da perseguição. Em muitos Estados, a crítica científica às religiões é considerada um crime; em outros, é meramente tolerada. O Estado soviético age de outra forma. Longe de considerar o culto religioso um crime, ele tolera a existência de várias religiões, mas ao mesmo tempo apóia abertamente a propaganda materialista contra a crença religiosa. É precisamente esta situação que a igreja interpreta como perseguição religiosa.


14. "É verdade que o Estado bolchevista, embora hostil à religião, capitaliza os preconceitos das massas ignorantes? Por exemplo, os russos não consideram nenhum santo verdadeiramente aceitável para o céu, a menos que seu corpo desafie a decomposição. É esta a razão pela qual os bolcheviques preservam artificialmente a múmia de Lênin"?


Não; esta é uma interpretação totalmente incorreta, ditada por preconceitos e hostilidades. Posso fazer esta afirmação ainda mais livremente porque, desde o início, tenho sido um oponente determinado do embalsamamento, do mausoléu e do resto, como também foi a viúva de Lenin, N.K. Krupskaya. Não há dúvida de que, se Lenin, em sua cama doente, tivesse pensado por um momento que eles tratariam seu cadáver como o de um faraó, ele teria apelado antecipadamente, com indignação, ao Partido. Eu apresentei esta objeção como meu argumento principal. O corpo de Lênin não deve ser usado contra o espírito de Lênin.


Apontei também o fato de que a "incorruptibilidade" do cadáver embalsamado de Lênin poderia alimentar superstições religiosas. Krassin, que defendeu e aparentemente iniciou a idéia do embalsamamento, objetou: "Pelo contrário, o que era uma questão de milagre com os padres se tornará uma questão de tecnologia em nossas mãos". Milhões de pessoas terão uma idéia de como era o homem que trouxe tão grandes mudanças na vida de nosso país". Com a ajuda da ciência, vamos satisfazer este interesse justificável das massas e, ao mesmo tempo, explicar-lhes o mistério da incorruptibilidade".


Inegavelmente, a ereção do mausoléu perseguia um objetivo político: fortalecer eternamente a autoridade dos discípulos através da autoridade do mestre. Ainda assim, não há motivo para ver nisto uma capitalização da superstição religiosa. Aos visitantes do mausoléu é dito que o crédito pela preservação do corpo da decomposição é devido à química.


Nossas respostas não tentam de modo algum disfarçar a situação atual na União Soviética, subestimar as conquistas econômicas e culturais, nem ainda menos representar o socialismo como uma etapa já alcançada. O regime soviético é e continuará sendo por muito tempo um regime transitório, cheio de contradições e dificuldades extremas. Ainda assim, devemos considerar os fatos à luz do seu desenvolvimento. A União Soviética assumiu a herança do império Romanoff. Durante quinze anos, ela viveu rodeada por um mundo hostil.


A situação de uma fortaleza sitiada deu à ditadura formas particularmente rudes. As políticas do Japão são as menos calculadas para desenvolver na Rússia um sentimento de segurança; mas também o fato de que os Estados Unidos, que continuaram a guerra contra os soviéticos em território soviético, não retomaram até hoje as relações diplomáticas com Moscou, teve uma enorme e, naturalmente, negativa influência sobre o regime interno do país. (Leon Trotsky escreveu este artigo no final de 1932, mais de um ano antes do reconhecimento da Rússia pelos Estados Unidos. - Ed.)


Fonte: https://www.marxists.org/archive/trotsky/1932/xx/family.htm

Comentários