O trabalho do Comissariado do Povo para a Educação | VI Lenin



O Pravda Nº 25 de 5 de fevereiro trazia "Instruções do Comitê Central do R.C.P. aos Comunistas que Trabalham no Comissariado Popular da Educação (em conexão com a reorganização do Comissariado)".


Infelizmente, há três erros no ponto I distorcendo o significado: o texto dizia educação "política" ao invés de educação "politécnica".


Gostaria de chamar a atenção de nossos camaradas para estas instruções e de pedir uma troca de opinião sobre alguns dos pontos mais importantes.


Em dezembro de 1920, foi realizada uma Conferência do Partido de cinco dias sobre questões educacionais. Participaram dela 134 delegados com voz e voto, e 29 com voz. Um relatório de seus trabalhos é apresentado num suplemento ao Boletim do Oitavo Congresso dos Soviéticos sobre a Conferência do Partido sobre Educação (publicado pelo Comitê Executivo Central de Toda a Rússia, 10 de janeiro de 1921). As resoluções da Conferência, o relatório das atas, todos os artigos publicados no Suplemento - exceto o artigo introdutório do Camarada Lunacharsky e o artigo do Camarada Grinko revelam uma abordagem errada da educação politécnica. Eles sofrem do próprio defeito no combate que o Comitê Central, em suas instruções, insta o Comissário Popular e o Colegiado a concentrar sua atenção, ou seja, muitos argumentos de gêneros e slogans abstratos.


A questão da educação politécnica foi, no essencial, resolvida por nosso Programa do Partido em seus parágrafos 1 e 8 da seção que trata da educação do povo. São estes parágrafos que são tratados nas Instruções do Comitê Central. O parágrafo I trata da educação alimentar politécnica até a idade de 17 anos; e o parágrafo 8 fala do "desenvolvimento extensivo da formação profissional para pessoas a partir de 17 anos de idade, em conjunto com a educação politécnica geral".


Assim, o Programa do Partido coloca a questão de forma direta. Os argumentos sobre "educação politécnica ou monotécnica" (as palavras que coloquei entre aspas e itálico, por mais absurdas que sejam, são as mesmas palavras que encontramos na página 4 do Suplemento) são fundamentalmente errados e totalmente inadmissíveis para um comunista; traem a ignorância do Programa e uma inclinação ociosa para slogans abstratos. Enquanto somos temporariamente obrigados a baixar a idade (para passar da educação politécnica geral para a formação profissional politécnica) de 17 para 15 anos, o "Partido deve considerar" esta redução da idade "como apenas" (ponto I das Instruções dos Comitês Centrais) um expediente prático exigido pela "pobreza e ruína do país".


Argumentos gerais com esforços fúteis para "substanciar" esta diminuição são claudicações. Paremos com este jogo de argumentos gerais e "teorização"! A atenção deve se concentrar no "registro e verificação da experiência prática" e na "aplicação sistemática de suas lições".


Podemos ter muito poucas pessoas competentes com conhecimento e experiência pedagógica prática, mas temos algumas. Sofremos com nossa incapacidade de encontrá-los, instalá-los nos postos executivos adequados e juntá-los ao estudo da experiência prática do desenvolvimento do Estado soviético. Agora isto é precisamente o que a Conferência do Partido em dezembro de 1920 não conseguiu fazer, e se isto não foi feito em uma conferência de 163-183 trabalhadores educativos, é bastante evidente que deve haver uma falha geral e fundamental na organização deste trabalho, o que tornou necessário que o Comitê Central do Partido emitisse instruções especiais.


No Comissariado da Educação há dois - apenas dois companheiros que têm tarefas especiais. Estes são o Comissário do Povo, Camarada Lunacharsky, que exerce a direção geral, e o Comissário Adjunto, Camarada Pokrovsky, que dirige os assuntos, primeiro, como Comissário do Povo Adjunto, e segundo, como conselheiro oficial (e diretor) em assuntos científicos e questões do marxismo em geral. O Partido inteiro conhece muito bem tanto o camarada Lunacharsky quanto o camarada Pokrovsky e não tem dúvidas de que, neste aspecto, ambos são, à sua maneira, "especialistas" no Comissariado do Povo para a Educação. Nenhum dos outros trabalhadores do Comissariado pode se dar ao luxo de "se especializar" desta forma: sua "especialidade" deve estar na organização hábil do alistamento de professores especializados, na organização adequada de seu trabalho e na aplicação sistemática das lições da experiência prática. As instruções do Comitê Central se referem a isto nos pontos 2, 3 e 5.


A conferência dos trabalhadores do Partido deveria ter ouvido relatos de especialistas-professores com cerca de dez anos de experiência prática que poderiam ter nos contado o que está sendo clonado e o que foi feito nas diversas esferas, digamos, treinamento profissional, como estamos lidando com isso em nossa organização soviética, o que foi alcançado, ilustrado com exemplos (que certamente poderiam ser encontrados, mesmo que em pequeno número), quais eram os principais defeitos, e como estes poderiam ser removidos, indicados em termos concretos.


A conferência dos trabalhadores do Partido não fez tal registro de experiência prática e não ouviu nenhum professor sobre sua aplicação desta experiência; mas foram feitos esforços fátuos para produzir "argumentos gerais" e avaliar "slogans abstratos". O Partido inteiro, todos os trabalhadores do Comissariado Popular para a Educação, devem perceber este defeito e corrigi-lo em um esforço comum. Os trabalhadores locais devem trocar experiências e ajudar o Partido a dar publicidade às guérnias exemplares, uyezds, distritos, escolas ou professores especializados que tenham alcançado bons resultados em um campo relativamente estreito, local ou especial. Tomando como base as realizações que resistiram ao teste da prática, devemos continuar e, após verificação adequada, aplicar esta experiência local em escala nacional, promovendo professores talentosos, ou simplesmente capazes, a cargos mais responsáveis, dando-lhes uma esfera de atividade mais ampla, etc.


A pedra de toque do trabalho de um comunista na educação (e instituições educacionais) deve ser seu esforço em organizar o alistamento de especialistas, sua capacidade de encontrá-los, utilizar seus conhecimentos, assegurar a cooperação de professores especializados com a liderança comunista, e verificar o que e quanto está sendo feito. Ele deve demonstrar capacidade de fazer progressos - mesmo que muito lentamente e em escala muito pequena - desde que seja alcançado em questões práticas, com base na experiência prática. Mas não avançaremos se o Comissariado Popular para a Educação continuar a estar cheio de pessoas que fingem fornecer 'liderança comunista' enquanto houver um vácuo na esfera prática, uma falta, ou total falta, de especialistas práticos, incapacidade de promovê-los, de ouvir o que têm a dizer e de levar em conta sua experiência. O líder comunista deve provar sua pretensão de liderança recrutando um número crescente de professores experientes para ajudá-lo e mostrando sua capacidade de ajudá-los. em seu trabalho, de promovê-los e de levar em conta e trazer à tona sua experiência.


Neste sentido, o slogan invariável deve ser: menos "liderança", mais trabalho prático, ou seja, menos argumentos gerais e mais fatos, e quero dizer fatos verificados, mostrando onde, quando e que progresso estamos fazendo ou se estamos marcando tempo, ou se estamos nos retirando. O comunista que é um verdadeiro líder irá corrigir os currículos elaborados pelos professores experientes, compilar um bom livro didático e alcançar melhorias práticas, ainda que leves, no conteúdo do trabalho de uma pontuação, cem ou mil professores especializados. Mas não há muita utilidade no comunista que fala de "liderança", mas é incapaz de alistar quaisquer especialistas para o trabalho prático, fazendo com que eles alcancem resultados práticos em seu trabalho e utilizando a experiência prática adquirida por centenas e centenas de professores.


Que esta é a principal falha no trabalho do Comissariado Popular para a Educação é evidente a partir de uma paginação através do belo livreto, O Comissariado Popular para a Educação. Outubro de 1917-Outubro de 1920. Brie! Relatório. O camarada Lunacharsky admite isto quando se refere no prefácio (p. 5) à "óbvia falta de abordagem prática". Mas será necessário muito mais esforço para levar esta casa a todos os comunistas do Comissariado Popular para a Educação e fazê-los praticar estas verdades. Este livreto mostra que nosso conhecimento dos fatos é pobre, muito pobre de fato; não sabemos como recolhê-los; somos incapazes de julgar quantas questões devemos levantar e o número de respostas que podemos esperar obter (levando em consideração nosso nível de cultura, nossos costumes, e nossos gemidos de comunicação). Não sabemos como coletar provas de experiência prática e resumi-las. Nós nos entregamos a "argumentos gerais e slogans abstratos" vazios, mas não sabemos como utilizar os serviços de professores competentes, em geral, e de engenheiros e agrônomos competentes para a educação técnica, em particular; não sabemos como utilizar fábricas, fazendas estatais, empresas toleravelmente bem organizadas e usinas elétricas para fins de educação politécnica.


Apesar destes defeitos, a República Soviética está fazendo progressos na educação pública; não há dúvida sobre isso. Há um forte impulso de luz e conhecimento "lá embaixo", ou seja, entre a massa de trabalhadores que o capitalismo hipocritamente enganou e privou de uma educação por meio da violência aberta. Chamamos de orgulho o fato de estarmos promovendo e fomentando este impulso. Mas seria um verdadeiro crime ignorar os defeitos em nosso trabalho e o fato de ainda não termos aprendido a organizar adequadamente o aparato estatal da educação.


Tomemos também a distribuição de jornais e livros, a questão tratada no último ponto das Instruções do Comitê Central, ponto 7.


O Conselho dos Comissários do Povo emitiu seu decreto sobre "A Centralização das Bibliotecas" (p. 439, Coleção de Estatutos, 1920, No. 87) em 3 de novembro de 1920, prevendo a criação de uma rede única de bibliotecas da R.S.F.S.R.


Aqui estão alguns dos dados que consegui obter sobre a questão do Camarada Malkin da Administração Central de Periódicos, e do Camarada Modestov da Seção de Bibliotecas do Departamento de Educação de Moscou. Em 38 gubernias, 305 uyezds, o número de bibliotecas na Rússia central soviética (excluindo a Sibéria e o Norte do Cáucaso) foi o seguinte:


Bibliotecas centrais342
Distrito, bibliotecas urbanas521
Bibliotecas Volost4.474
Bibliotecas Volost itinerantes1, 601
Salas de leitura da aldeia14 739
Diversos (“rural, juvenil, referência, bibliotecas de várias instituições e organizações”)12.203
Total33.940


O camarada Modestov acredita, com base em sua experiência, que cerca de três quartos desse número realmente existem, enquanto o restante só está listado como tal. Para a Gubernia de Moscou, a Administração Central de Periódicos dá o número de 1.223 bibliotecas, enquanto o número do Camarada Modestov é 1.018; destas 204 estão na cidade propriamente dita e 814 na Gubernia, contando a rede com as bibliotecas sindicais (provavelmente cerca de 16) e as bibliotecas do exército (cerca de 125).


Tanto quanto se pode julgar por uma comparação das diferentes gubernias, estes números não são muito confiáveis - esperemos que o número real seja inferior a 75%! Em Vyalka Guhernia, por exemplo, existem 1.703 salas de leitura de aldeias, em Vladimir Gubernia-37, em Petrograd Gubernia-98, em Ivanovo-Voznesensk Guhernia-75, etc. Das bibliotecas "diversas" existem 36 em Petrograd Gubernia, 378 em Voronezh Gubernia, 525 em Ufa Gubernia, 31 em Pskov Gubernia, etc.


Estes números parecem mostrar que a sede de conhecimento entre a massa de trabalhadores e camponeses é tremenda, e que a luta pela educação e a criação de bibliotecas é poderosa e "popular" no verdadeiro sentido da palavra. Mas ainda nos falta muito habilidade para organizar, regular, moldar e satisfazer adequadamente este impulso popular. Ainda há muito a ser feito na criação de uma verdadeira rede integrada de bibliotecas.


Como estamos distribuindo os jornais e livros? De acordo com os 1020 números da Administração para elovcii meses, distribuímos 401 milhões de exemplares de jornais e 14 milhões de livros. Aqui estão as cifras de três jornais (12 de janeiro de 1921), compiladas pela Seção de Periódicos da Central Ad miij istrat ion para distribuição ilte de livros.



IzvesttaPravdaBednota
Filiais da Administração Central de Periódicos191.000139.000183.000
Departamento Militar de Fornecimento de Literatura e Jornais aos Escritórios de Despacho Divisional.50.00040.00085.000
Organizações ferroviárias, Departamento Ferroviário, Administração Central de Periódicos e Centros de Agitação30.00025.00016.000
Cidade de Moscou 65.00035.0008.000
Comandante da Cidade de Moscou8.0007.0006.000
Trens de passageiros 1.0001.0001.000
Estandes de leitura pública e arquivos5.0003.0001.000
Total350.000250.000300.000


A figura para leitura pública, ou seja, a distribuição realmente maciça, é surpreendentemente pequena, contra os enormes números para os "estabelecimentos", etc., na capital, evidentemente os papéis agarrados e burocraticamente utilizados pelos "burocratas soviéticos", tanto militares quanto civis.


Aqui estão mais alguns números extraídos dos relatórios das filiais locais da Administração Central de Periódicos. Em setembro de 1920, sua filial de Voronezh Gubernia recebeu jornais doze vezes (ou seja, não havia jornais em dezoito dos trinta dias de setembro). Aqueles recebidos foram distribuídos da seguinte forma: Izvestia (para 210rJ105 do G.P.A.): uyezd-t,986 exemplares (4.020; 4.310) [Primeira figura-Pravda, segunda, Bednota.]; uistnct-'i.215 (5.850; 10.064); voiost-3.370 (3.200; 4.285); organizações do partido- 447 (569; 3.880); estabelecimentos soviéticos-1.765 (1.641; 509) - note-se que os estabelecimentos soviéticos receberam quase três vezes mais cópias do Pravda do que as organizações do partido! Em seguida, segue-se: Departamento de Agitação e Educação do Comissariado Militar-5.532 (5.703; 12.83-2); centros de agitação-352 (400; 593); salas de leitura de aldeia-nulo. Assinantes- 7.167 (3.080; 764). Assim, os "assinantes" (na verdade, naturalmente, "burocratas soviéticos") receberam uma fatia gorda. Leituras públicas - 460 (508; 500). Total: 32.517 (25.104; 37.237).


Em novembro de 1920, a Ufa Gubernia recebeu 25 remessas, ou seja, não houve entrega somente em cinco dias. Distribuição: Órgãos do partido isations-1I3 (1.572; 153); estabelecimentos soviéticos-2,7[53 (1.296; 1.267); Departamento de Agitação e Educação do Comissariado Militar-687 (470; 6.500); Comitês Executivos Volost-903 (308; 3.511); salas de leitura da aldeia--36 (Pravda-8, oito cópias! -2.538); assinantes-nulo; várias organizações uyezd-1.044 (219; 991). Total: 5.841 (4.069; 15.429).


Finalmente, o relatório da filial em Pustoshensk Volost, Sudogoda Uyezd, Vladimir Gubernia para dezembro de 1920. Organizações partidárias-1 (1; 2); escritórios soviéticos-2 (1; 3); Departamento de Agitação e Educação do Comissariado Militar-2 (1; 2); Comitês Executivos Volost-2 (1; 3); correios e telégrafos-1 (1; 1); Comitê de Obras Urshelsky-1 (1; 2); Departamento Distrital de Main-tenance-1 (0; 3). Total: 10 (6; 16).


Qual é a conclusão a que ele chegou a partir desses dados fragmentários? Creio que é o que diz nosso Programa do Partido, a saber: "Apenas os primeiros passos na transição do capitalismo para o comunismo estão sendo dados... no momento atual.


Sob o capitalismo, um jornal é uma empresa capitalista, um meio de enriquecimento, um meio de informação e entretenimento para os ricos, e um instrumento para enganar e enganar a massa de trabalhadores. Destruímos este instrumento de lucro e engano. Começamos a converter os jornais em um instrumento para educar as massas e para ensiná-las a viver e administrar sua economia sem os latifundiários e capitalistas. Mas estamos apenas no início do caminho. Não se tem feito muito durante os últimos anos. Ainda há muito a fazer: o caminho à frente é realmente muito longo. Temos menos fogos de artifício políticos, menos argumentos gerais e slogans abstratos de comunistas inexperientes que não entendem suas tarefas; temos mais propaganda de produção e, acima de tudo, uma aplicação mais eficiente e capaz da experiência prática para se adequar ao desenvolvimento das massas.


Abolimos as assinaturas de jornais (não tenho dados sobre a distribuição de livros; aí a situação provavelmente é ainda pior). Este é um passo do capitalismo ao comunismo. Mas o capitalismo não pode ser morto de uma só vez; ele reaparece na forma de 'burocratas soviéticos' agarrando os jornais sob vários pretextos - eles devem agarrar um grande número, embora não possamos dizer quantos são. Deve haver um impulso sustentado neste campo contra os burocratas soviéticos, que devem ser "rapped over the knuckles" para agarrar livros e jornais. Sua participação - e eles mesmos - deve ser reduzida de forma constante. Infelizmente, não somos capazes de reduzir seu número para um décimo, ou um centésimo - seria uma fraude prometer isso em nosso nível atual de cultura, mas podemos e devemos diminuir isso. Nenhum comunista real deixará de fazer isso.


Devemos fazer com que livros e jornais sejam, em geral, distribuídos gratuitamente apenas para as bibliotecas e salas de leitura, que fornecem um serviço de leitura adequado para todo o país e toda a massa de trabalhadores, soldados e camponeses. Isto acelerará, intensificará e tornará mais eficaz a ávida busca de conhecimento do povo. É aí que a educação avançará a passos largos.


Aqui está uma aritmética simples a título de ilustração: existem 350.000 exemplares de Izvestia e 250.000 exemplares de Pravda para toda a Rússia. Nós somos pobres. Não temos papel de jornal. Os trabalhadores estão com falta de combustível, alimentos, roupas e calçados. As máquinas estão gastas. Os prédios estão desmoronando. Vamos supor que temos de fato para o país como um todo - isto é cerca de 10.000 volts ímpares-50.000 bibliotecas e salas de leitura. Isto daria nada menos do que três para cada volost, e certamente um para cada fábrica e unidade militar. Suponhamos ainda que não só aprendemos a levar a primeira parada do capitalismo ao comunismo", mas também a segunda e a terceira. Vamos supor que aprendemos a distribuir três exemplares de jornais para cada biblioteca e sala de leitura, dos quais, digamos, dois vão para as 'bancadas de leitura pública' (assumindo Uat que fizemos a quarta parada do capitalismo para o comunismo, eu faço a corajosa suposição de que ao invés de colar jornais nas paredes da maneira bárbara que os estraga, nós os consertamos com cavilhas de madeira - nós não temos cavilhas de metal, e haverá falta de metal mesmo na 'quarta etapa'!- para uma tábua lisa para uma leitura conveniente e para evitar que os papéis se estraguem). E assim, duas cópias cada uma para 50.000 bibliotecas e salas de leitura para "colar" e uma cópia para ser mantida em reserva. Suponhamos também que tenhamos aprendido a permitir aos burocratas soviéticos, as "grandes" mimos da República Soviética, um número moderado de jornais para que eles desperdicem, digamos, não mais do que alguns milhares de exemplares.


Com base nestas suposições ousadas, o país terá um serviço muito melhor com 160.000, ou, digamos, 175.000 exemplares. Os jornais estarão lá para que todos possam ler as notícias (se as "bibliotecas itinerantes" que, na minha opinião, o camarada F. Dobler tão bem sucedido defendeu no Pravda ainda outro dia, estiverem devidamente organizadas[2]). Tudo isto necessita de 350.000 exemplares de dois jornais. Hoje, existem 600.000 exemplares, grande parte dos quais está sendo agarrada pelos "burocratas soviéticos", desperdiçados como "papel de cigarro", etc., simplesmente através dos hábitos adquiridos sob o capitalismo. Isto nos daria uma economia de 250.000 exemplares, ou, apesar de nossa extrema pobreza, uma economia igual a dois diários com uma circulação de 125.000 cada um. Cada um deles poderia levar ao povo todos os dias material literário sério e valioso e o melhor da ficção moderna e clássica, além de livros didáticos sobre temas educacionais em geral, agricultura e indústria. Muito antes da guerra, a burguesia francesa aprendeu a ganhar dinheiro publicando ficção popular, não a 3,50 francos por volume para a aristocracia, mas a 10 cêntimos (ou seja, 35 vezes mais barato, 4 kopeks à taxa pré-guerra) na forma de um jornal proletário; por que, nesse caso, não podemos fazer o mesmo - no segundo passo do capitalismo ao comunismo. Por que não podemos fazer a mesma coisa e ]ganhar, dentro de um ano, mesmo em nosso atual estado de pobreza, para dar ao povo dois exemplares de um jornal através de cada uma das 50.000 bibliotecas e salas de leitura, todos os livros didáticos e clássicos mundiais necessários, e livros sobre ciência e engenharia moderna.


Aprenderemos a fazer isto, tenho certeza.

7 de fevereiro de 1921

Fonte: https://www.marxists.org/archive/lenin/works/1921/feb/07.htm

Comentários