2. O problema da fala e do pensamento na teoria de Piaget | Vygotsky | Pensando e Falando

Vygotsky

Este capítulo é uma versão abreviada do prefácio escrito por Vygotsky para a edição russa dos dois primeiros livros de Piaget (Gosizdat, Moscou, 1932). A crítica de Vygotsky, baseada no trabalho inicial de Piaget, dificilmente se aplica às formulações posteriores de Piaget de suas teorias - Editor.


I

A PSICOLOGIA deve muito a Jean Piaget. Não é um exagero dizer que ele revolucionou o estudo da linguagem e do pensamento infantil. Ele desenvolveu o método clínico de explorar as idéias das crianças, que desde então tem sido amplamente utilizado. Ele foi o primeiro a investigar sistematicamente a percepção e a lógica infantil; além disso, ele trouxe ao seu assunto uma nova abordagem de amplitude e ousadia incomuns. Em vez de listar as deficiências do raciocínio infantil em comparação com o dos adultos, Piaget concentrou-se nas características distintivas do pensamento infantil, no que a criança tem e não no que falta à criança. Através desta abordagem positiva, ele demonstrou que a diferença entre o raciocínio infantil e o adulto era qualitativo e não quantitativo.


Como muitas outras grandes descobertas, a idéia de Piaget é simples a ponto de parecer evidente por si mesma. Já havia sido expresso nas palavras de Rousseau, que o próprio Piaget citou, que uma criança não é um adulto em miniatura e sua mente não é a mente de um adulto em pequena escala. Por trás desta verdade, para a qual Piaget forneceu uma prova experimental, está outra idéia simples a idéia de evolução, que sufoca todos os estudos de Piaget com uma luz brilhante.


Por toda sua grandeza, porém, o trabalho de Piaget sofre com a dualidade comum a todos os trabalhos contemporâneos de psicologia. Esta clivagem é concomitante à crise que a psicologia está atravessando ao se transformar em uma ciência no verdadeiro sentido da palavra. A crise decorre da forte contradição entre o material factual da ciência e suas premissas metodológicas e teóricas, que há muito tempo são objeto de disputa entre as concepções materialistas e idealistas do mundo. A luta é talvez mais aguda em psicologia do que em qualquer outra disciplina.


Enquanto nos faltar um sistema geralmente aceito que incorpore todo o conhecimento psicológico disponível, qualquer descoberta factual importante leva inevitavelmente à criação de uma nova teoria para se adequar aos fatos recém-observados. Freud, Lévy-Bruhl, Blondel, cada um criou seu próprio sistema de psicologia. A dualidade predominante se reflete na incongruência entre estas estruturas teóricas, com seus tons metafísicos, idealistas, e as bases empíricas sobre as quais elas são erguidas. Na psicologia moderna, grandes descobertas são feitas diariamente, apenas para serem envoltas em teorias ad hoc, pré-científicas e semi-metafísicas.


Piaget tenta fugir desta dualidade fatal, agarrando-se aos fatos. Ele evita deliberadamente generalizar mesmo em seu próprio campo e é especialmente cuidadoso para não passar para os domínios relacionados da lógica, da teoria da cognição, ou da história da filosofia. O empirismo puro lhe parece o único terreno seguro. Seu livro, escreve ele, é


antes de tudo, uma coleção de fatos e documentos. Os vínculos que unem os vários capítulos são aqueles que um único método pode dar às diversas descobertas - de forma alguma aqueles de exposição sistemática [Language and Thought in the Child p. 1].


De fato, seu forte é a descoberta de novos fatos, sua análise cuidadosa, sua classificação - a capacidade, como diz Claparède, de ouvir sua mensagem. Uma avalanche de fatos, grandes e pequenos, abrindo novas perspectivas ou acrescentando a conhecimentos anteriores, cai sobre a psicologia infantil a partir das páginas de Piaget. Seu método clínico se revela uma ferramenta verdadeiramente inestimável para estudar o complexo conjunto estrutural do pensamento infantil em suas transformações evolutivas. Ele unifica suas diversas investigações e nos dá imagens coerentes, detalhadas e reais do pensamento infantil.


Os novos fatos e o novo método levaram a muitos problemas, alguns inteiramente novos para a psicologia científica, outros surgindo sob uma nova luz. Os problemas deram origem a teorias, apesar da determinação de Piaget em evitá-los, seguindo de perto os fatos experimentais e desconsiderando, por enquanto, que a própria escolha dos experimentos é determinada por hipóteses. Mas os fatos são sempre examinados à luz de alguma teoria e, portanto, não podem ser desvinculados da filosofia. Isto é especialmente verdade em relação aos fatos relativos ao pensamento. Para encontrar a chave do rico acervo de dados de Piaget, devemos primeiro explorar a filosofia por trás de sua busca por fatos - e por trás de sua interpretação, que ele apresenta apenas no final de seu segundo livro [Julgamento e Razão na Criança] em um resumo de seu conteúdo.


Piaget aborda esta tarefa levantando a questão do inter-relacionamento objetivo de todos os traços característicos do pensamento infantil que ele observou. Estes traços são fortuitos e independentes, ou formam um todo ordenado, com uma lógica própria, em torno de algum fato central e unificador? Piaget acredita que sim. Ao responder à pergunta, ele passa dos fatos à teoria e, incidentalmente, mostra o quanto sua análise dos fatos foi influenciada pela teoria, ainda que em sua apresentação a teoria siga os achados.


Segundo Piaget, o vínculo que une todas as características específicas da lógica infantil é o egocentrismo do pensamento da criança. A este traço central ele relaciona todos os outros traços que encontrou, tais como realismo intelectual, sincretismo e dificuldade em compreender as relações. Ele descreve o egocentrismo como ocupando uma posição intermediária, geneticamente, estruturalmente e funcionalmente, entre o pensamento autista e o dirigido.


A idéia da polaridade do pensamento dirigido e não direcionado é emprestada da teoria psicanalítica. diz Piaget:


O pensamento direcionado é consciente, ou seja, persegue objetivos que estão presentes na mente do pensador. É inteligente, ou seja, adapta-se à realidade e esforça-se para influenciá-la. É suscetível de verdade e de erro ... e pode ser comunicado através da linguagem. O pensamento autista é subconsciente, ou seja, os objetivos que persegue e os problemas que se propõe não estão presentes na consciência. Ele não está adaptado à realidade externa, mas cria para si uma realidade de imaginação ou sonhos. Ele tende, não a estabelecer verdades, mas a gratificar desejos e permanece estritamente individual e incomunicável como tal por meio da linguagem, pois opera principalmente em imagens e deve, para ser comunicado, recorrer a métodos de rotunda, evocando, por meio de símbolos e mitos, os sentimentos que o guiam [Linguagem e Pensamento na Criança, pp. 59-60].


O pensamento dirigido é social. À medida que se desenvolve, ele é cada vez mais influenciado pelas leis da experiência e da lógica própria. O pensamento Autista, ao contrário, é individualista e obedece a um conjunto de leis especiais próprias.


Entre estes dois modos de pensamento contrastantes


há muitas variedades no que diz respeito ao seu grau de comunicabilidade. Essas variedades intermediárias devem obedecer a uma lógica especial, intermediária também entre a lógica do autismo e a lógica da inteligência. Propomos dar o nome de pensamento egocêntrico ao princípio destas formas intermediárias [Linguagem e Pensamento na Criança, p. 62].


Embora sua função principal ainda seja a satisfação das necessidades pessoais, ela já inclui alguma adaptação mental, alguma da orientação da realidade típica do pensamento dos adultos. O pensamento egocêntrico da criança "fica no meio do caminho entre o autismo no sentido estrito da palavra e o pensamento socializado" [Julgamento e Razão na Criança, p. 276]. Esta é a hipótese básica de Piaget.


É importante notar que ao longo de seu trabalho Piaget enfatiza os traços que o pensamento egocêntrico tem em comum com o autismo, em vez dos traços que o dividem. No resumo no final de seu livro, ele afirma enfaticamente: "O jogo, quando tudo é dito e feito, é a lei suprema do pensamento egocêntrico [Julgamento e Razão na Criança, p. 323]. A mesma tendência é especialmente pronunciada em seu tratamento do sincretismo, embora ele observe que o mecanismo do pensamento sincrético representa uma transição da lógica dos sonhos para a lógica do pensamento.


Piaget sustenta que o egocentrismo está entre o autismo extremo e a lógica da razão tanto cronológica quanto estrutural e funcionalmente. Sua concepção do desenvolvimento do pensamento se baseia na premissa retirada da psicanálise de que o pensamento infantil é originalmente e naturalmente autista e muda para o pensamento realista apenas sob uma pressão social longa e sustentada, isto não desvaloriza, assinala Piaget, a inteligência da criança. "A atividade lógica não é tudo que há para a inteligência" [Julgamento e Razão na Criança, p. 267]. A imaginação é importante para encontrar soluções para os problemas, mas não cuida da verificação e da prova, o que a busca da verdade pressupõe. A necessidade de verificar nosso pensamento - ou seja, a necessidade de atividade lógica - surge tardiamente. Este atraso é de se esperar, diz Piaget, pois o pensamento começa a servir à satisfação imediata muito mais cedo do que a busca da verdade; a forma mais espontânea de pensar é o jogo, ou a imaginação desejosa que faz com que o desejado pareça alcançável. Até a idade de sete ou oito anos, a brincadeira domina o pensamento infantil a tal ponto que é muito difícil distinguir a invenção deliberada da fantasia que a criança acredita ser a verdade.


Em resumo, o autismo é visto como a forma de pensamento original e mais antiga; a lógica aparece relativamente tarde; e o pensamento egocêntrico é o elo genético entre eles.


Esta concepção, embora nunca apresentada por Piaget de forma coerente e sistemática, é a pedra angular de todo o seu edifício teórico. É verdade, ele afirma mais de uma vez que a suposição da natureza intermediária do pensamento infantil é hipotética, mas também diz que esta hipótese está tão próxima do senso comum que lhe parece pouco mais discutível do que o próprio fato do egocentrismo infantil. Ele traça o egocentrismo à natureza da atividade prática da criança e ao desenvolvimento tardio das atitudes sociais.


Claramente, do ponto de vista genético, deve-se partir da atividade da criança para entender seu pensamento; e sua atividade é inquestionavelmente egocêntrica e egocêntrica. O instinto social de forma bem definida se desenvolve tardiamente. O primeiro período crítico a este respeito ocorre em direção à idade de 7 ou 8 anos [Julgamento e Razão na Criança, p. 276].


Antes desta idade, Piaget tende a ver o egocentrismo como sendo tudo que permeia. Todos os fenômenos da lógica infantil em sua rica variedade que ele considera direta ou indiretamente egocêntrica. De sincretismo, uma importante expressão do egocentrismo, ele diz inequivocamente que ele permeia todo o pensamento da criança, tanto na esfera verbal quanto na esfera perceptiva. Após sete ou oito anos, quando o pensamento socializado começa a tomar forma, as características egocêntricas não desaparecem de repente. Elas desaparecem das operações perceptuais da criança, mas permanecem cristalizadas na área mais abstrata do pensamento puramente verbal.


Sua concepção da prevalência do egocentrismo na infância leva Piaget a concluir que o egocentrismo do pensamento está tão intimamente relacionado com a natureza psíquica da criança que ela é impermeável à experiência. As influências às quais os adultos sujeitam a criança


não estão impressos nele como em uma placa fotográfica: Eles são "assimilados", ou seja, deformados pelo ser vivo a eles submetido e são implantados em sua própria substância. É esta substância psicológica da criança ou, em outras palavras, a estrutura e o funcionamento peculiar ao pensamento infantil que nos esforçamos para descrever e, em uma medida, explicar [Julgamento e Razão na Criança, p. 338].


Esta passagem resume a natureza dos pressupostos básicos de Piaget e nos leva ao problema geral das uniformities sociais e biológicas no desenvolvimento psíquico, ao qual voltaremos na Seção III. Primeiro, examinemos a solidez da concepção de Piaget do egocentrismo infantil à luz dos fatos sobre os quais ele se baseia.


II

Como a concepção de Piaget do egocentrismo infantil tem um significado primordial em sua teoria, devemos indagar quais fatos o levaram não apenas a aceitá-lo como hipótese, mas a depositar tanta fé nele. Em seguida, testaremos estes fatos, comparando-os com os resultados de nossas próprias experiências.


A base factual da crença de Piaget é fornecida por sua investigação sobre o uso da linguagem por parte da criança. Suas observações sistemáticas o levaram a concluir que todas as conversas das crianças se dividem em dois grupos, o egocêntrico e o socializado. A diferença entre elas reside principalmente em suas funções. No discurso egocêntrico, a criança fala apenas sobre si mesma, não se interessa por seu interlocutor, não tenta se comunicar, não espera respostas e muitas vezes nem se importa se alguém o escuta. É semelhante a um monólogo em uma peça de teatro: A criança está pensando em voz alta, mantendo um acompanhamento contínuo, por assim dizer, para o que quer que esteja fazendo. No discurso socializado, ele tenta uma troca com os outros - ele implora, comanda, ameaça, transmite informações, faz perguntas.


As experiências de Piaget mostraram que, de longe, a maior parte da conversa da criança em idade pré-escolar é egocêntrica. Ele descobriu que de 44 a 47% do total registrado de conversas de crianças em seu sétimo ano era egocêntrico por natureza. Este número, diz ele, deve ser consideravelmente aumentado no caso de crianças menores. Outras investigações com crianças de seis e sete anos de idade provaram que mesmo a fala socializada naquela idade não é totalmente livre do pensamento egocêntrico. Além disso, além de seus pensamentos expressos, a criança tem um grande número de pensamentos não expressos. Alguns deles, segundo Piaget, permanecem inexpressivos precisamente porque são egocêntricos, ou seja, incomunicáveis. Para transmiti-los a outros, a criança teria que ser capaz de adotar seu ponto de vista. "Pode-se dizer que um adulto pensa socialmente mesmo quando está sozinho, e uma criança com menos de sete anos pensa e fala egocentricamente mesmo na sociedade dos outros" [Linguagem e Pensamento na Criança, p. 56]. Assim, o coeficiente do pensamento egocêntrico deve ser muito maior do que o coeficiente da fala egocêntrica. Mas são os dados sobre a fala, que podem ser medidos, que fornecem a prova documental na qual Piaget baseia sua concepção de egocentrismo infantil. Suas explicações sobre o discurso egocêntrico e sobre o egocentrismo infantil em geral são idênticas.


Em primeiro lugar, não há vida social sustentada entre crianças com menos de 7 ou 8 anos; em segundo lugar, a verdadeira linguagem social da criança, ou seja, a linguagem usada na atividade básica das crianças - brincar - é uma linguagem de gestos, movimentos e mímica tanto quanto de palavras [Linguagem e Pensamento na Criança, p. 56].


Quando, aos sete ou oito anos de idade, o desejo de trabalhar com os outros se manifesta, a conversa egocêntrica diminui.

Em sua descrição do discurso egocêntrico e seu destino de desenvolvimento, Piaget enfatiza que ele não cumpre nenhuma função realisticamente útil no comportamento da criança e que ele simplesmente atrofia à medida que a criança se aproxima da idade escolar. Nossas próprias experiências sugerem uma concepção diferente. Acreditamos que o discurso egocêntrico assume cedo um papel muito definido e importante na atividade da criança.


A fim de determinar o que causa o discurso egocêntrico, que circunstâncias o provocam, organizamos as atividades das crianças da mesma forma que Piaget, mas acrescentamos uma série de frustrações e dificuldades. Por exemplo, quando uma criança se preparava para desenhar, de repente descobria que não havia papel, ou nenhum lápis da cor que precisava. Em outras palavras, ao obstruir sua livre atividade, fizemos com que ele enfrentasse problemas.


Descobrimos que nestas situações difíceis o coeficiente da fala egocêntrica quase dobrou, em comparação com a figura normal de Piaget para a mesma idade e também em comparação com nossa figura para crianças que não enfrentam estes problemas. A criança tentaria compreender e remediar a situação ao falar consigo mesma: "Onde está o lápis? Eu preciso de um lápis azul. Não importa, vou desenhar com o vermelho e molhá-lo com água; ele ficará escuro e parecerá azul".


Nas mesmas atividades sem impedimentos, nosso coeficiente de conversa egocêntrica foi até ligeiramente inferior ao da Piaget. É legítimo supor, então, que uma interrupção no fluxo suave da atividade é um estímulo importante para a fala egocêntrica. Esta descoberta se encaixa em duas premissas às quais o próprio Piaget se refere várias vezes em seu livro. Uma delas é a chamada lei da consciência, que afirma que um impedimento ou perturbação em uma atividade automática torna o ator consciente dessa atividade. A outra premissa é que a fala é uma expressão desse processo de tomada de consciência.


Nossas constatações indicam que o discurso egocêntrico não permanece por muito tempo um mero acompanhamento da atividade da criança. Além de ser um meio de expressão e de liberação de tensão, logo se torna um instrumento de pensamento no sentido próprio - na busca e no planejamento da solução de um problema. Um acidente que ocorreu durante uma de nossas experiências ilustra bem uma maneira pela qual a fala egocêntrica pode alterar o curso de uma atividade: Uma criança de cinco anos e meio estava desenhando um bonde quando a ponta de seu lápis se partiu. Ele tentou, no entanto, terminar o círculo de uma roda, pressionando o lápis com muita força, mas nada apareceu no papel, exceto uma linha incolor profunda. A criança murmurou para si mesma: "Está quebrado", colocou de lado o lápis, pegou aquarelas e começou a desenhar um bonde quebrado após um acidente, continuando a falar para si mesma de tempos em tempos sobre a mudança em seu quadro. A expressão egocêntrica acidentalmente provocada pela criança afetou de tal forma sua atividade que é impossível confundi-la com um mero subproduto, um acompanhamento que não interfere na melodia. Nossas experiências mostraram mudanças altamente complexas na inter-relação entre a atividade e o discurso egocêntrico. Observamos como a fala egocêntrica inicialmente marcou o resultado final ou um ponto de virada em uma atividade, depois foi gradualmente deslocada para o meio e finalmente para o início da atividade, assumindo uma função de direção, planejamento e elevação dos atos da criança ao nível de comportamento proposital. O que acontece aqui é semelhante à conhecida seqüência de desenvolvimento na nomenclatura dos desenhos. Uma criança pequena desenha primeiro, depois decide o que é que ele desenhou; com uma idade um pouco mais avançada, ele dá um nome ao seu desenho quando ele está meio feito; e finalmente decide de antemão o que ele vai desenhar.


A concepção revista da função do discurso egocêntrico também deve influenciar nossa concepção de seu destino posterior e deve ser levada em conta na questão de seu desaparecimento em idade escolar. As experiências podem produzir provas indiretas, mas nenhuma resposta conclusiva sobre as causas deste desaparecimento. No entanto, os dados obtidos sugerem fortemente a hipótese de que a fala egocêntrica é um estágio transitório na evolução da fala vocal para a fala interior. As crianças mais velhas em nossas experiências se comportaram de maneira diferente das mais jovens quando confrontadas com obstáculos. Muitas vezes a criança examinou a situação em silêncio, depois encontrou uma solução. Quando perguntado sobre o que ele estava pensando, ele deu respostas que estavam bem próximas do pensamento-avançado do pré-escolar. Isto indicaria que as mesmas operações mentais que o pré-escolar realiza através da fala egocêntrica já estão relegadas à fala interior sem som na criança em idade escolar.


É claro que não há nada nesse sentido em Piaget, que acredita que o discurso egocêntrico simplesmente morre. O desenvolvimento da fala interior na criança recebe pouca elucidação específica em seus estudos. Mas, como a fala interior e a fala egocêntrica vocalizada cumprem a mesma função, a implicação seria que se, como Piaget sustenta, a fala egocêntrica precede a fala socializada, então a fala interior também deve preceder a fala socializada uma suposição insustentável do ponto de vista genético.


A fala interior do adulto representa seu "pensar por si mesmo" em vez de adaptação social; ou seja, tem a mesma função que a fala egocêntrica tem na criança. Ele também tem as mesmas características estruturais: Fora do contexto, seria incompreensível para os outros porque omite "mencionar" o que é óbvio para o "orador". Estas semelhanças nos levam a supor que quando o discurso egocêntrico desaparece da visão, ele não simplesmente atrofia, mas "vai para o subsolo", ou seja, se transforma em discurso interior. Nossa observação de que, na idade em que esta mudança está ocorrendo, as crianças que enfrentam situações difíceis recorrem agora à fala egocêntrica, agora à reflexão silenciosa, indica que as duas podem ser funcionalmente equivalentes. É nossa hipótese que os processos de fala interior se desenvolvem e se estabilizam aproximadamente no início da idade escolar e que isto causa a rápida queda na fala egocêntrica observada naquele estágio.


Limitados em escopo como são nossas descobertas, acreditamos que eles ajudam a ver numa perspectiva nova e mais ampla a direção geral do desenvolvimento da fala e do pensamento. Na opinião de Piaget, as duas funções seguem um caminho comum, do discurso autista ao socializado, da fantasia subjetiva à lógica das relações. No curso desta mudança, a influência dos adultos é deformada pelos processos psíquicos da criança, mas no final ela vence. O desenvolvimento do pensamento é, para Piaget, uma história de socialização gradual de estados mentais profundamente íntimos, pessoais e autistas. Até mesmo o discurso social é representado como o discurso egocêntrico seguinte, não anterior.


A hipótese que propomos inverte este curso. Vejamos a direção do desenvolvimento do pensamento durante um curto intervalo, desde a aparência do discurso egocêntrico até seu desaparecimento, no quadro do desenvolvimento da linguagem como um todo.


Consideramos que o desenvolvimento total é o seguinte: A principal função da fala, tanto em crianças como em adultos, é a comunicação, o contato social. A primeira fala da criança é, portanto, essencialmente social. No início é global e multifuncional; mais tarde, suas funções se diferenciam. Em uma certa idade, o discurso social da criança é dividido de forma bastante acentuada em discurso egocêntrico e comunicativo. (Preferimos usar o termo comunicativo para a forma de fala que Piaget chama de socializada como se tivesse sido algo mais antes de se tornar social. Do nosso ponto de vista, as duas formas, comunicativa e egocêntrica, são ambas sociais, embora suas funções sejam diferentes). A fala egocêntrica surge quando a criança transfere formas de comportamento social e colaborativo para a esfera das funções psíquicas internas-pessoais. A tendência da criança de transferir para seus processos internos os padrões de comportamento que antes eram sociais é bem conhecida de Piaget. Ele descreve em outro contexto como os argumentos entre as crianças dão origem ao início da reflexão lógica. Algo semelhante acontece, acreditamos, quando a criança começa a conversar consigo mesma, como tem feito com os outros. Quando as circunstâncias o obrigam a parar e pensar, é provável que ele pense em voz alta. O discurso egocêntrico, fragmentado do discurso social geral, com o tempo leva à fala interior, que serve tanto ao pensamento autista quanto ao lógico.


A fala egocêntrica como uma forma lingüística separada é o elo genético altamente importante na transição da fala vocal para a fala interior, um estágio intermediário entre a diferenciação das funções da fala vocal e a transformação final de uma parte da fala vocal em fala interior. É este papel de transição do discurso egocêntrico que lhe confere um interesse teórico tão grande. Toda a concepção do desenvolvimento da fala difere profundamente de acordo com a interpretação dada ao papel do discurso egocêntrico. Assim, nosso esquema de desenvolvimento primeiro social, depois egocêntrico, depois fala interior - contrasta tanto com o esquema comportamentalista tradicional - fala vocal, sussurro, fala interior - como com a seqüência de Piaget - do pensamento autista não-verbal através do pensamento e da fala egocêntrica até a fala socializada e, o pensamento lógico. Em nossa concepção, a verdadeira direção do desenvolvimento do pensamento não é do indivíduo para o socializado, mas do social para o indivíduo.


III


Não é possível, dentro dos limites do presente estudo, avaliar todos os aspectos da teoria do desenvolvimento intelectual de Piaget; nosso interesse se concentra em sua concepção do papel do egocentrismo na relação de desenvolvimento da linguagem e do pensamento. No entanto, vamos apontar brevemente aqueles de seus pressupostos teóricos e metodológicos básicos que consideramos errôneos, assim como os fatos que ele não leva em conta em sua caracterização do pensamento infantil.


A psicologia moderna em geral, e a psicologia infantil em particular, revelam uma tendência a combinar questões psicológicas e filosóficas. Um assunto do psicólogo alemão Ach resumiu adequadamente esta tendência quando comentou no final de uma sessão: "Mas isso é filosofia experimental"! E, de fato, muitas questões no complexo campo do pensamento infantil se limitam à teoria da cognição, à lógica teórica, e a outros ramos da filosofia. Uma e outra vez Piaget toca inadvertidamente em um ou outro destes, mas com notável consistência se verifica e se interrompe. No entanto, apesar de sua intenção expressa de evitar a teorização, ele não consegue manter seu trabalho dentro dos limites da pura ciência factual. Evitar deliberadamente a filosofia é em si uma filosofia, que pode envolver seus proponentes em muitas inconsistências. Um exemplo disto é a visão de Piaget sobre o lugar da explicação causal na ciência.


Piaget tenta se abster de considerar as causas ao apresentar suas descobertas. Ao fazer isso, ele se aproxima perigosamente do que ele chama, na criança, de "precaução", embora ele mesmo possa ver sua abstenção como um sofisticado estágio de "supercausalidade", no qual o conceito de causalidade foi superado. Ele propõe substituir a explicação dos fenômenos em termos de causa e efeito por uma análise genética em termos de seqüência temporal e pela aplicação de uma fórmula concebida matematicamente da interdependência funcional dos fenômenos. No caso de dois fenômenos interdependentes, A e B, A pode ser visto como uma função de B, ou B como uma função de A. O investigador se reserva o direito de organizar sua descrição dos dados da maneira que melhor se adapte ao seu propósito no momento, embora ele normalmente dê uma posição preferencial aos fenômenos de desenvolvimento anteriores como sendo mais explicativos no sentido genético.


Esta substituição do funcional pela interpretação causal priva o conceito de desenvolvimento de qualquer conteúdo real. Embora Piaget, ao discutir os fatores biológicos e sociais, reconheça que o estudante de desenvolvimento mental tem o dever de explicar a relação entre eles e de não negligenciar nenhum dos dois, sua solução é a seguinte


Mas, para começar, é necessário escolher uma das expressões idiomáticas em desvantagem da outra. Escolhemos o idioma sociológico, mas enfatizamos que não há nada de exclusivo nisto - reservamo-nos o direito de voltar à explicação biológica do pensamento infantil e traduzir em seus termos a descrição que estamos tentando aqui [Julgamento e Razão na Criança, p. 266].


Isto de fato faz com que toda a abordagem de Piaget seja uma questão de escolha puramente arbitrária.


A estrutura básica da teoria de Piaget repousa na suposição de uma seqüência genética de duas formas opostas de mentação que são descritas pela teoria psicanalítica como servindo ao princípio do prazer e ao princípio da realidade. Do nosso ponto de vista, o impulso para a satisfação das necessidades e o impulso para a adaptação à realidade não podem ser considerados separados e opostos um do outro. Uma necessidade só pode ser verdadeiramente satisfeita através de uma certa adaptação à realidade. Além disso, não existe tal coisa como adaptação por causa da adaptação; ela é sempre dirigida pelas necessidades. Isso é um truísmo inexplicavelmente negligenciado por Piaget.


Piaget compartilha com Freud não apenas a concepção insustentável de um princípio de prazer que precede um princípio de realidade, mas também a abordagem metafísica que eleva o desejo de prazer de seu verdadeiro status de fator biológico auxiliar importante para o de uma força vital independente, o principal motor do desenvolvimento psíquico. Uma vez separada a necessidade e o prazer da adaptação à realidade, a lógica força Piaget a apresentar o pensamento realista como se estivesse separado das necessidades, interesses e desejos concretos, como "pensamento puro" cuja função é a busca da verdade exclusivamente para seu próprio bem.


O pensamento Autista - o oposto original do pensamento realista no esquema de Piaget - é, em nossa opinião, um desenvolvimento tardio, resultado do pensamento realista e de seu corolário, pensando em conceitos, o que leva a um grau de autonomia em relação à realidade, permitindo assim a satisfação na fantasia das necessidades frustradas na vida. Esta concepção de autismo é coerente com a de Bleuler. O autismo é um dos efeitos da diferenciação e polarização das diversas funções do pensamento.


Nossas experiências trouxeram à tona outro ponto importante negligenciado até agora: o papel da atividade da criança na evolução de seus processos de pensamento. Vimos que a fala egocêntrica não é suspensa no vazio, mas está diretamente relacionada com as relações práticas da criança com o mundo real. Vimos que ele entra como uma parte constituinte no processo de atividade racional, assumindo, por assim dizer, a inteligência das ações incipientes da criança; e que ele serve cada vez mais para a solução de problemas e planejamento à medida que as atividades da criança se tornam mais complexas. Este processo é posto em movimento pelas ações da criança; os objetos com os quais ela lida são a realidade média e moldam seus processos de pensamento.


À luz destes fatos, as conclusões de Piaget pedem esclarecimento sobre dois pontos importantes. Em primeiro lugar, as peculiaridades do pensamento infantil discutidas por Piaget, tais como o sincretismo, não se estendem por uma área tão grande como Piaget acredita. Estamos inclinados a pensar (e nossas experiências nos confirmam) que a criança pensa sincreticamente em assuntos dos quais não tem conhecimento ou experiência, mas não recorre ao sincretismo em relação a coisas familiares ou de fácil alcance de verificação prática - e o número destas coisas depende do método de educação. Além disso, dentro do próprio sincretismo devemos esperar encontrar alguns precursores das futuras concepções causais que o próprio Piaget menciona de passagem. Os próprios esquemas sincréticos, apesar de suas flutuações, levam a criança gradualmente em direção à adaptação; sua utilidade não deve ser subestimada. Mais cedo ou mais tarde, através de rigorosa seleção, redução e adaptação mútua, eles serão afiados em excelentes ferramentas de investigação em áreas onde as hipóteses são de uso.


O segundo ponto que requer reavaliação e limitação é a aplicabilidade das descobertas da Piaget às crianças em geral. Suas experiências o levaram a acreditar que a criança era impermeável à experiência. Piaget faz uma analogia que nos parece esclarecedora: O homem primitivo, diz ele, aprende com a experiência apenas em alguns casos especiais e limitados de atividade prática - e ele cita como exemplos desses raros casos a agricultura, a caça e a fabricação de coisas.


Mas este contato efêmero e parcial com a realidade não afeta de modo algum a tendência geral de seu pensamento. O mesmo é ainda mais verdadeiro para as crianças [Julgamento e Razão na Criança, pp. 268-269].


Não chamaríamos de agricultura e caça contatos insignificantes com a realidade no caso do homem primitivo; eles são praticamente toda a sua existência. A visão de Piaget pode ser verdadeira para o grupo particular de crianças que ele estudou, mas não é de significado universal. Ele mesmo nos conta a causa da qualidade especial de pensamento que observou em seus filhos:


A criança nunca entra realmente e verdadeiramente em contato com as coisas, porque não trabalha. Ele brinca com as coisas, ou as toma como certas [Julgamento e Razão na Criança, p. 269].


As uniformidades de desenvolvimento estabelecidas por Piaget se aplicam ao meio dado, sob as condições do estudo de Piaget. Elas não são leis da natureza, mas são histórica e socialmente determinadas. Piaget já foi criticado por Stern por seu fracasso o suficiente para levar em conta a importância da situação social e do meio ambiente. Se a conversa da criança é mais egocêntrica ou mais social depende não só de sua idade, mas também das condições do entorno. Piaget observou crianças brincando juntas em um determinado jardim de infância, e seus coeficientes são válidos apenas para este meio infantil especial. Quando a atividade das crianças consiste inteiramente em brincar, ela é acompanhada por um extenso solilóquio. Stern salienta que em um jardim de infância alemão, no qual havia mais atividade grupal, o coeficiente de egocentrismo era um pouco menor e que no discurso das crianças em casa tende a ser predominantemente social em uma idade muito precoce. Se isso se aplica às crianças alemãs, a diferença entre as crianças soviéticas e as crianças de Piaget no jardim de infância de Genebra deve ser ainda maior. Piaget admite, em seu prefácio à edição russa de seu livro, que é necessário comparar o comportamento de crianças de diferentes origens sociais para poder distinguir o social do individual em seu pensamento. Por esta razão, ele acolhe favoravelmente a colaboração com psicólogos soviéticos. Nós também estamos convencidos de que o estudo do desenvolvimento do pensamento em crianças de um ambiente social diferente, e especialmente de crianças que, ao contrário das crianças de Piaget, trabalham, deve levar a resultados que permitam a formulação de leis com uma esfera de aplicação muito mais ampla.


Fonte: https://www.marxists.org/archive/vygotsky/works/words/ch02.htm

Comentários