Natureza Humana e Teoria Social | Erich Fromm 1969

Erich Fromm

A seguinte carta que Erich Fromm escreveu em 1969 ao filósofo russo Vladimir Dobrenkov é um documento impressionante de como ele estava profundamente interessado em entrar em contato com pensadores socialistas e discutir com eles sua recepção de Marx e sua compreensão do socialismo. Dobrenkov pretendia escrever um livro sobre Fromm e, portanto, iniciou uma correspondência com Fromm. Fromm tentou esclarecer muitos tópicos que Dobrenkov entendeu mal ao apresentar as ideias de Fromm. Mas, na verdade, não se pode dizer que os esclarecimentos de Fromm mostraram muito efeito sobre o livro de Dobrenkov, Neo-Freudians in Search of Truth, publicado em muitas línguas nos anos setenta (Moskau: Progress Publishers). No entanto, esta carta é um resumo convincente do conceito de homem e sociedade de Fromm e será saudada por todos os que estão interessados na compreensão de Fromm da natureza humana, bem como sua teoria social e sua recepção de Marx.

Caro Sr. Dobrenkov,


Muito obrigado pela sua carta, que chegou há poucos dias. Quero agora responder a esta e à sua carta anterior.


Fiquei muito feliz em saber que você pretende escrever uma monografia sobre meu trabalho e desenvolver suas próprias ideias e revisões. Naturalmente, estou muito feliz em me explicar da melhor maneira que puder, e isso farei agora em minha resposta há muito prometida à sua longa carta. Eu o li novamente com muita atenção e fiz várias anotações, mas ele cobre tantos pontos da teoria que exigiria um pequeno livro para responder adequadamente. Portanto, posso apenas tentar responder aos pontos principais, esperando que onde eu não estou claro ou onde você discorda, você me escreva novamente para que nosso diálogo possa continuar e, possivelmente, as coisas possam ser esclarecidas ainda mais. É claro que estou ciente de que pode não ser possível esclarecer tudo como você ou eu desejaríamos; você carrega consigo certas premissas de seu próprio pensamento e de sua própria tradição, assim como eu, e sempre há a questão de até onde se pode conseguir chegar a essa objetividade completa que ambos desejamos. Mas, certamente, deve-se fazer todas as tentativas nessa direção e não ficar muito perturbado, quer seja bem-sucedido ou não.


Estou ditando esta carta e pode não estar totalmente bem organizada. Às vezes, posso pular de um ponto a outro, mas tenho certeza de que você não se importará e verá as conexões adequadas.


De modo geral, acho que nossa discussão deve cobrir vários tópicos.


Sua interpretação de minha teoria, na qual penso haver uma série de mal-entendidos que tentarei esclarecer o máximo possível.


Minha crítica de algumas de suas premissas marxistas.


Como resultado dos números 1 e 2, como visto do meu ponto de vista, acredito que meu trabalho esteja mais próximo da teoria de Marx do que você pensa, mas isso, é claro, é algo que você terá que julgar por si mesmo.


Por fim, responderei à sua pergunta sobre alguns dos estudos empíricos de natureza sócio-psicológica que fiz.


1

O mal-entendido mais importante parece-me residir na confusão entre as necessidades humanas que considero parte da natureza humana e as necessidades humanas conforme aparecem como impulsos, necessidades, paixões, etc., em qualquer período histórico. Esta divisão não é muito diferente do conceito de Marx de »natureza humana em geral«, a ser distinguido de »natureza humana modificada em cada período histórico«. A mesma distinção existe em Marx quando ele distingue entre impulsos »constantes« ou »fixos« e impulsos »relativos«. Os impulsos constantes »existem em todas as circunstâncias e ... podem ser alterados pelas condições sociais apenas no que diz respeito à forma e à direção«. Os impulsos relativos »devem a sua origem apenas a um certo tipo de organização social«.


Meu próprio conceito da natureza ou essência do homem é, como apontado em The Sane Society e outros escritos, que ele é caracterizado por dois fatores: a determinação instintiva atingiu um mínimo e o desenvolvimento do cérebro, um ótimo. A mudança na quantidade de ambos os fatores é transformada em uma mudança na qualidade, e a contradição particular entre a falta de instinto e poder do cérebro é aquele ponto na evolução animal em que o homem enquanto homem emerge como uma nova espécie. O homem como homem, em virtude desta constelação particular, é único no desenvolvimento animal e, pela primeira vez, »a vida torna-se consciente de si mesma«. Definir a essência do homem dessa maneira como um conjunto empírico de contradições é uma abordagem evolucionária baseada nos fatores naturais do instinto e do desenvolvimento do cérebro. A partir daí, dou o segundo passo: a contradição inerente à existência do homem requer uma solução. O homem não poderia viver, agir e permanecer são, a menos que consiga satisfazer certas necessidades que são os concomitantes psicológicos da essência biológica do homem. Ele precisa se relacionar com outros seres humanos. Ele precisa ter um quadro de orientação [e um objeto de devoção] que lhe permita colocar-se em um determinado ponto em uma imagem ordenada do universo. Ele precisa ter uma estrutura de caráter (no sentido dinâmico) que substitua os instintos na medida em que lhe permite agir de forma semi-automática, sem ter que tomar uma decisão antes de cada ação, e agir de forma consistente. Essas necessidades humanas gerais constituem, a meu ver, a natureza humana em seu aspecto psicológico, como resultado de sua contradição biológica.


Este conceito de natureza humana e sua necessidade não implica que tipo particular de estrutura de orientação (e, como esqueci de dizer acima, de devoção) e que tipo particular de traços de caráter um indivíduo ou grupo tem. Tudo isso é criado dentro do processo histórico, como adaptações à estrutura social particular em que vivem os indivíduos. Uma estrutura social conduzirá à cooperação e à solidariedade, outra estrutura social à competição, desconfiança, avareza; outra para a receptividade infantil, outra para a agressividade destrutiva. Todas as formas empíricas ou necessidades e impulsos humanos devem ser entendidos como resultados da prática social (em última análise com base nas forças produtivas, estrutura de classe, etc., etc.), mas todos eles devem cumprir as funções que são inerentes à a natureza do homem em geral, e isso permite que ele se relacione com os outros e compartilhe um quadro comum de referência, etc. A contradição existencial dentro do homem (à qual eu acrescentaria agora também a contradição entre as limitações que a realidade impõe à sua vida, e a imaginação virtualmente ilimitada que seu cérebro lhe permite seguir) é o que acredito ser um dos motivos da dinâmica psicológica e social. O homem nunca pode ficar parado. Ele deve encontrar soluções para essa contradição, e soluções cada vez melhores na medida em que a realidade o permitir.


Surge então a questão de saber se existe uma solução ótima que pode ser inferida da natureza do homem e que constitui uma tendência potencial do homem. Acredito que tais soluções ótimas podem ser inferidas da natureza do homem, e recentemente descobri que é bastante útil pensar em termos do que na sociologia e na economia agora é frequentemente chamado de »análise de sistema«. Pode-se começar com a ideia, em primeiro lugar, de que a personalidade humana - assim como a sociedade - é um sistema, ou seja, que cada parte depende uma da outra, e nenhuma parte pode ser alterada a menos que todas ou a maioria das outras partes sejam também mudou. Um sistema é melhor do que o caos. Se um sistema social se desintegra ou é destruído por golpes externos, a sociedade termina no caos, e uma sociedade completamente nova é construída sobre suas ruínas, muitas vezes usando os elementos do sistema destruído para construir o novo. Isso já aconteceu muitas vezes na história. Mas, o que também acontece é que a sociedade não é simplesmente destruída, mas o sistema é mudado, e surge um novo sistema que pode ser considerado uma transformação do antigo.


Acredito que esse era o conceito de socialismo de Marx, como uma transformação sistêmica da sociedade burguesa de tal forma que o antigo sistema era »aufgehoben« no sentido hegeliano, mas não destruído. É por isso que Marx não acreditava no poder criativo da violência per se, mas na violência agindo como parteira para o nascimento de um novo sistema que já estava preparado no antigo sistema. Acredito que o pensamento de Lenin era essencialmente o mesmo.


Para retornar ao pensamento principal desta exposição, quero enfatizar que a função ótima de um sistema como um todo pode ser definida como o funcionamento ideal de todas as suas partes e um mínimo de atrito de desperdício de energia entre os vários setores do sistema , e o sistema e outros sistemas com os quais está inevitavelmente em contato. Por outro lado, qualquer sistema deve preferir sustentar-se ao caos, ou seja, à sua própria desintegração. Se aplicarmos isso ao homem, pareceria que »o desenvolvimento mais completo e harmonioso de todas as suas faculdades com um mínimo de atrito desnecessário entre os próprios setores dentro do homem e entre o homem e o homem« seria uma descrição geral do objetivo do pleno desenvolvimento do homem. Mas até que ponto esse desenvolvimento pode ocorrer depende de fatores históricos, ou seja, do desenvolvimento social e da possibilidade que ele oferece, tanto no sentido estimulante quanto repressivo, para o desenvolvimento mais ou menos progressivo da personalidade do homem. Para dar um exemplo, se as condições econômicas e sociais tornam a escravidão ou a servidão uma necessidade, a classe escrava adquirirá certas características. A maioria deles se tornará submissa e uma minoria se tornará rebelde. Os submissos podem ser úteis para o trabalho que lhes foi atribuído por seus mestres. Eles podem até amar seus mestres, mas sua submissão vai atrapalhar o desenvolvimento da independência, liberdade, amor, responsabilidade e pensamento produtivo; em outras palavras, eles permanecem homens aleijados no sentido de que a condição de submissão tem o efeito colateral de embrutecimento e incapacidade emocional e intelectual. Quando, por meio de circunstâncias sociais, os escravos têm possibilidades não apenas de um Putsch, mas também de uma forma de existência independente, então, de fato, os mais desenvolvidos entre eles se tornarão os líderes de um movimento revolucionário, e sua vitória mudará as condições de tal forma que os sistema humano opera em condições mais maduras e humanamente mais ricas. Neste ponto, entramos na análise concreta dos desejos e necessidades psíquicas que se desenvolvem em certas classes como uma resposta às circunstâncias sociais particulares e às necessidades que existem para aquela classe particular.


Basicamente, essa relação entre o processo social e o desenvolvimento psíquico individual já foi descrita de forma muito clara por Marx no primeiro volume do Kapital, páginas 91-92 na edição de Chicago (Charles H. Kerr, Co., 1906):


»Esses antigos organismos sociais de produção são, em comparação com a sociedade burguesa, extremamente simples e transparentes. Mas eles se baseiam no desenvolvimento imaturo do homem individualmente, que ainda não cortou o cordão umbilical que o unia a seus semelhantes em uma comunidade tribal primitiva, ou nas relações diretas de sujeição. Eles podem surgir e existir somente quando o desenvolvimento da força produtiva do trabalho não ultrapassou um estado inferior, e quando, portanto, as relações sociais dentro da esfera da vida material, entre o homem e o homem, e entre o homem e a natureza, são correspondentemente estreito. Essa estreiteza se reflete na antiga adoração da Natureza e em outros elementos das religiões populares. O reflexo religioso do mundo real pode, em qualquer caso, só então finalmente desaparecer quando as relações práticas da vida cotidiana não oferecerem ao homem senão relações perfeitamente inteligíveis e razoáveis ​​com respeito aos seus semelhantes e à natureza. O processo vital de produção material não tira seu véu místico até que seja tratado como produção por homens livremente associados, e seja conscientemente regulado por eles de acordo com um plano estabelecido. Isso, no entanto, exige da sociedade uma certa base material ou conjunto de condições de existência que, por sua vez, são o produto espontâneo de um longo e doloroso processo de desenvolvimento. «


Acho que talvez tenha apenas reafirmado minha tese básica, com a qual você está familiarizado, sem apontar suficientemente onde acredito que você me entendeu mal. Já disse que um ponto essencial do minentendido parece ser uma confusão entre as necessidades no sentido geral do meu modelo de natureza humana com sua contradição básica e os impulsos e necessidades específicas que seguem como uma solução para a contradição geral e que são socialmente condicionados. Tenho a impressão de que, em geral, seu próprio ponto de vista no que diz respeito à relação entre a natureza humana e a sociedade tende a fazer uma separação muito mecânica e não dialética entre as duas, e que com base nessa separação você me critica por separar a ordem da sociedade da ordem da estrutura social. Quando digo, como você cita, que a natureza humana possui suas leis internas, e que o objetivo do desenvolvimento está baseado nessas leis, e que a organização econômico-social da sociedade tem as suas próprias, e que aquela não depende do outro, você pode ter citado uma frase literalmente, mas na verdade muito literalmente. Não estou negando que nesta frase eu deveria ter me expressado mais claramente, mas se você comparar esta afirmação com a posição total que eu assumo e sempre tomei, você descobrirá precisamente que eu não acho que os domínios social e psicológico sejam relativamente independentes um do outro. Desde meus primeiros trabalhos na Alemanha em 1932, dos quais enviarei cópias fotostáticas, até o presente, sempre tive o conceito de caráter social, com o que quero dizer que a energia humana é uma das matérias-primas que entram em O processo social, mas essa energia humana entra neste processo nunca de uma forma geral, mas de uma forma específica de traços de caráter que são moldados pelas condições da estrutura econômica e social de uma dada sociedade.


Eu difiro dos behavioristas e de certos antropólogos no sentido de que acredito que a condição básica da natureza humana em geral, tanto biológica quanto psicologicamente, permite apenas certas soluções em resposta a situações sociais, mas não um número ilimitado de soluções (quero dizer por isso simplesmente, que o homem pode amar ou odiar, se submeter ou dominar, mas ele não pode se separar completamente de todos os seres humanos a menos que se torne louco, e isso significa a menos que seu funcionamento humano normal cesse completamente ou isso signifique que o homem possa adquirir e assimilar coisas pela recepção passiva, pela exploração, pela poupança, ou o que chamei de »marketing«, ou pela produção, mas como ser humano é obrigado a trocar com a natureza e essa troca só pode ocorrer dentro de várias possibilidades.


Devo também chamar sua atenção para o fato de que é crucial para o meu ponto de vista que o comportamento humano é em grande parte carregado com uma quantidade considerável de energia, mas que, ao contrário de Freud, não considero essa energia como sendo sexual, mas sim o energia vital dentro de qualquer organismo que, segundo as leis biológicas, dá ao homem o desejo de viver, e isso significa adaptar-se às necessidades sociais de sua sociedade. Para voltar ao que considero um mal-entendido, nunca foi minha posição que a sociedade apenas deforma ou manifesta o que já existe. Se fizermos a distinção entre as necessidades humanas em geral e os desejos humanos em particular, então, de fato, a sociedade cria desejos particulares que, no entanto, seguem as leis gerais das necessidades enraizadas na natureza humana.


Quando você diz que, para mim, todo o dinamismo do processo histórico se reduz ao conflito psicológico entre as necessidades da natureza humana e as possibilidades de realizá-las em uma estrutura social completa, você simplifica demais minha posição de uma forma não dialética e forma abstrata. Por exemplo, a produtividade do homem é concebida por mim como uma potencialidade inerente ao homem, assim como a própria destrutividade é desenvolvida por ele no processo histórico em que o homem se autocria. Eu diria que sigo completamente o esquema evolucionário de Marx, no qual ele assume que a história é uma sequência de desenvolvimento possibilitada pelo desenvolvimento das forças produtivas e do trabalho que conduz por contradições a formas cada vez mais elevadas de estruturas sociais, até pela atividade de o homem, quando certas condições socioeconômicas são dadas, o homem pode atingir um nível da história em que a história começa a ser história verdadeiramente humana.


2

A seguir estão alguns comentários que são críticos de seu ponto de vista expresso por você e / ou o tipo de interpretação marxista que você apresenta. Mais uma vez, não posso escrever de maneira sistemática, mas espero ser o mais claro possível no momento.


Você escreve que não há natureza do homem, e que a essência só pode ser definida historicamente. Isso não está apenas em conflito com muitas declarações feitas por Marx sobre a natureza geral e específica do homem mencionadas acima, mas o que isso realmente significa? Não é o que você diz, muito semelhante ao positivismo pragmático, que diria que as mudanças do homem ocorrem continuamente no processo histórico, e que a única essência do homem é o fato de que ele muda com o processo histórico? Quando você diz uma frase depois, »portanto, a realização do potencial no homem coincide sempre com a mudança na realidade« é algo que eu mesmo já disse muitas vezes. Você então diz que »as necessidades psicológicas não estão apenas presentes no homem desde o seu nascimento, mas são formadas nos processos da atividade do homem que são direcionados para a mudança das condições históricas de sua existência.« Basicamente, isso também não é diferente do meu próprio ponto de vista; no entanto, você teria que esclarecer o que entende por tendências do homem para mudar as condições históricas.


A vitória do nazismo na Alemanha foi em grande medida devido à estrutura de caráter destrutiva, autoritária e sádica da classe média baixa, que em si era resultado de sua própria posição na sociedade (eles estavam perdendo toda a sua função social, e estavam realmente decaindo como classe). Eles não tendiam a melhorar a sociedade, mas foram levados à aposta de escolher entre a supremacia total ou a autodestruição. Isso sempre é verdade, é claro, para todas as classes conservadoras e reacionárias.


Considere o trabalhador americano: ele é um dos elementos mais conservadores ou mesmo reacionários da sociedade americana, e apenas em um sentido mais limitado ele tende a melhorar as condições sociais. De muitas maneiras, ele tende a interromper o progresso. Ele é motivado por muitos fatores. Talvez o mais importante seja que, devido à crescente automatização, ele se sente basicamente ameaçado em toda a sua existência - pelo menos no longo prazo - e de fato, quanto mais a sociedade tecnológica avança, mais grande parte do trabalho da classe trabalhadora vai tornar-se obsoleto. Ele é ameaçado pelas demandas dos negros (ou, como eles agora querem ser chamados, os »negros«) para progredir em sua posição social, e além disso, enquanto ele é o trabalhador mais bem pago do mundo, seu o apetite pelo consumo máximo é tão estimulado pela publicidade que - paradoxalmente - embora ganhe muitas vezes mais do que o trabalhador europeu ganha, fica de fato muito insatisfeito e frustrado, porque não pode comprar tudo o que a indústria lhe diz que deveria ter. Novamente, esses são fatores psicológicos no trabalhador produzidos por sua situação de classe que, no entanto, por sua vez, o tornam reacionário e não disposto a mais progressos. Voltarei a este ponto mais tarde.


Quero acrescentar aqui a questão do que realmente queres dizer quando dizes »para o homem o mundo concretamente histórico que o rodeia representa o conteúdo da sua essência e os limites das suas possibilidades«. Não é esse, novamente, basicamente o ponto de vista behaviorista que os filósofos do iluminismo francês tinham, que acreditavam que tudo no homem se devia a nada além de suas influências ambientais, e que foram tão longe em negar qualquer coisa »essencial« no homem que eles até negaram que existe qualquer diferença entre homens e mulheres (além das óbvias diferenças anatômicas) que não é atribuível ao ambiente (l'âme n'a pas de sexe).


Você escreve que o problema da existência humana nada mais é do que o problema da realização das necessidades do homem e dos interesses concretamente históricos. Esta afirmação me parece muito abstrata. Quais são as necessidades e interesses concretamente históricos do homem que constituem o problema da existência humana? Se você disser que ele tem que comer, beber, dormir, produzir materiais para abrigo e roupas, ferramentas e armas para proteger seus filhotes e seu acesso às mulheres, então esta é uma afirmação perfeitamente correta. Mas, ao falar sobre essas necessidades, falamos sobre as necessidades básicas da sobrevivência biológica. Mas quais são os interesses além daquele que constitui o problema da existência humana? Existe um interesse humano inerente em ser livre, mesmo em uma sociedade onde esta não é uma possibilidade histórica concreta como, digamos, a sociedade grega antiga? Essa necessidade de ser livre não está enraizada na constituição do homem, mas permanece inconsciente porque seu quadro de orientação dado por sua sociedade não o permite nem mesmo ter consciência da visão de liberdade que se pode dizer que é potencial no organismo humano , como de fato também está no organismo animal? (Claro que o animal não tem consciência disso, mas mostra com seu comportamento que o cativeiro o prejudica, o torna mais agressivo, até o impede de produzir descendentes, enquanto o cumprimento ideal de sua própria natureza reside precisamente na condição de liberdade.)


Você escreve que parece que um critério para ser objetivo deve ser estar fora da própria sociedade e, em geral, fora da história; e que, para avaliar a história, descubro uma esfera superhistórica especial de percepções humanas. Por favor, considere o seguinte: o pensador revolucionário e crítico está, de certa forma, sempre fora de sua sociedade, embora, é claro, ao mesmo tempo também esteja nela. Que ele está dentro é óbvio, mas por que ele está fora? Primeiro, porque ele não sofre lavagem cerebral pela ideologia dominante, isto é, ele tem um tipo extraordinário de independência de pensamento e sentimento; portanto, ele pode ter uma objetividade maior do que a pessoa média. Existem muitos fatores emocionais também. E certamente não pretendo entrar aqui no complexo problema do pensador revolucionário. Mas me parece essencial que, em certo sentido, ele transcenda sua sociedade. Você pode dizer que ele o transcende por causa dos novos desenvolvimentos históricos e possibilidades de que está ciente, enquanto a maioria ainda pensa em termos tradicionais. Isso é sem dúvida verdade.


Mas o que dizer dos pensadores utópicos de todas as épocas, desde os profetas que tiveram uma visão da paz eterna, até os utópicos da Renascença, etc.? Eles eram apenas sonhadores? Ou eles estavam tão profundamente cientes das novas possibilidades, da mutabilidade das condições sociais, que podiam visualizar uma forma inteiramente nova de existência social, mesmo que essas novas formas, como tais, não fossem sequer potencialmente dadas em sua própria sociedade? É verdade que Marx escreveu muito contra o socialismo utópico e, portanto, o termo cheira mal para muitos marxistas. Mas ele é polêmico contra certas escolas socialistas que eram, de fato, inferiores ao seu sistema por causa de sua falta de realismo. Na verdade, eu diria que quanto menos realista houver base para uma visão do homem íntegro e de uma sociedade livre, tanto mais a utopia será a única forma legítima de expressar esperança. Mas eles não são trans-históricos como, por exemplo, é a ideia cristã do Juízo Final, etc. Eles são históricos, mas o produto da imaginação racional, enraizados em uma experiência do que o homem é capaz e em uma visão clara sobre o caráter transitório da sociedade anterior e existente.


Eu realmente não pretendo discutir aqui o problema da utopia, que é um tópico tão crucial na discussão socialista. Só quero dizer que não é preciso adotar um ponto de vista supra-histórico para se ter um critério objetivo da boa sociedade. Mas, ao mesmo tempo, não se esqueça de que, no que diz respeito ao meu conceito de essência humana, ele não está mais »fora da sociedade« do que uma afirmação sobre os processos neurológicos no homem, ou qualquer outro fator básico de sua constituição.


O homem surge, e eu me repito, em certo ponto do desenvolvimento animal de uma maneira muito específica. Você pode dizer que em um ponto onde a »evolução« no sentido biológico termina, a »história« começa; mas o ponto de vista evolucionário em si é, em um sentido mais amplo, um ponto de vista histórico, e definir o homem em termos daquela essência sobre a qual escrevi não é de forma alguma uma abstração ou algo fora da história. O animal »homem« é historicamente dado, e a questão é apenas se consideramos como dado apenas seu aparelho neurofisiológico ou se o especificamos mais em termos das contradições e dos resultados psicológicos que indiquei.


Aproximo-me agora do que vocês chamam de tese marxista, a saber, que as avaliações que se podem fazer do desenvolvimento histórico não são determinadas de acordo com um ponto de vista teórico, livremente escolhido, mas com as leis, a lógica e a própria essência. do processo social, e que com essa lógica, a necessidade histórica pode ser avaliada como progressiva e de desenvolvimento pelo fato de seus resultados coincidirem com as necessidades do homem. A razão dessa conformidade da coincidência da necessidade histórica e da coincidência concreta da necessidade histórica e das necessidades concretas do homem deve ser encontrada na essência histórica ativa do homem. O homem, sendo um produto das relações sociais, é ao mesmo tempo um sujeito da atividade histórica.


Espero que você não se importe se eu me expressar de maneira muito crítica sobre esse ponto de vista. E estou certo de que não preciso dizer neste ponto que minha crítica é, tanto quanto sei, baseada nos resultados do meu pensamento e não em um viés emocional. Parece-me que esta afirmação é basicamente abstrata, vazia e formalista. Você diz que os critérios históricos são as leis, a lógica e a própria essência do processo social. Presumo com isso que você quer dizer que o critério do progresso social é que novas formas sociais, novas formas de produção sejam encontradas, as quais são mais bem adaptadas às novas forças produtivas. Este é, obviamente, um conceito marxista básico e, até onde vai, é, em minha opinião, correto. Mas, ao mesmo tempo, um problema se torna aparente aqui.


Digamos, por exemplo, que o capitalismo corporativo poderia provar que está mais adaptado às novas forças produtivas do que o sistema socialista. Que, de fato, não é como no modelo marxista um obstáculo às forças produtivas, mas que isso os favoreceu. Então, qual é o critério para o progresso? Você pode, é claro, recusar-se a entrar nesse argumento dizendo que, pelo menos no longo prazo, o capitalismo pode administrar as novas forças produtivas menos do que o socialismo. Pode ser verdade, mas é um argumento terrivelmente especulativo. É óbvio que Marx não previu que o próprio capitalismo, em seu progresso posterior, poderia mudar sua estrutura na medida em que mudou, e me parece um tanto dogmático dizer a esta altura que as formas capitalistas, na medida em que ainda podem se desenvolver , ainda impediria o pleno desenvolvimento das forças produtivas plenas. Não estou negando que possa ser assim. Estou apenas dizendo que isso é altamente especulativo e uma base um tanto incerta para um critério. O que podemos dizer é que o capitalismo em sua forma atual de sistema industrial burocratizado e centralizado tende a tornar o homem mais alienado, a incapacitá-lo, e não apenas o trabalhador, mas a toda a população. Mas assim que uso esse critério como base para a crítica ao capitalismo, não estou mais usando o critério imanente do processo histórico. Em outras palavras, o desenvolvimento do próprio homem é um critério muito essencial para o que é progresso histórico.


Mas qual é o seu critério para o progresso do homem? Não quero entrar em polêmica com muitos conceitos do »novo homem« com os quais estou familiarizado com a discussão soviética, mas parece-me bastante questionável se o método de industrialização rápida e drástica e muitas outras coisas que se seguem. isso realmente levou à criação de um novo homem. Vejo muitas características do velho vitoriano, mescladas com certas características do novo homem americano, e acharia muito difícil avaliar o sistema social do ponto de vista imanente do crescimento de seu próprio potencial econômico. (Mas realmente não temos que discutir sobre as possibilidades do sistema capitalista que, como você sabe, considero extremamente prejudicial e perigoso para o homem.)


Podemos até visualizar um mundo que fez uso de todas as forças produtivas e, portanto, levou a uma imensa riqueza material e a um consumo cada vez maior (e, se quisermos, poderíamos dizer que tal desenvolvimento máximo só pode ocorrer em um país socialista), mas então eu perguntaria qual é o critério para decidir se esse é um sistema progressista? Talvez, como acredito, o consumidor total se torne extremamente passivo, alienado, uma engrenagem na máquina, apesar do fato de que do ponto de vista do desenvolvimento histórico imanente todos os obstáculos para o uso pleno das forças produtivas existentes foram eliminados. . Acho que com a fórmula que você mencionou, ficamos muito fora da análise concreta de uma nova sociedade e do que acontece ao homem nela, mas ficamos presos em uma espécie de raciocínio circular em que se fala das necessidades do homem que são produzidas por a sociedade, de modo que não haja critério para julgar essas necessidades.


Afinal, existem necessidades saudáveis ​​e não saudáveis ​​que não podem ser avaliadas de um ponto de vista puramente econômico. É preciso ter uma imagem do homem, de suas possibilidades para o bem ou para o pior, e essa imagem - e foi o que tentei dizer na parte anterior - não é abstrata fora da história, mas é o resultado da observação do homem no processo histórico, partindo do seu papel no momento em que emerge da evolução animal.


Meu ponto principal é a necessidade de constante interpenetração de fatores econômicos, sociais e psicológicos. Com isso, não quero dizer que não se possa analisar a sociedade sem o fator psicológico. Se assim fosse, a teoria de Marx careceria de base científica, uma vez que os fatores psicológicos estavam contidos nela apenas ocasionalmente e implicitamente. Claro que se pode entender a luta de classes, os interesses das classes dominantes, o desenvolvimento revolucionário, etc., etc., sem quaisquer considerações psicológicas. A teoria de Überbau [superestrutura] e Unterbau [base] está basicamente correta. Acredito que minha contribuição para o desenvolvimento do marxismo tenha sido a tentativa de responder à questão levantada pelo próprio Engels, que é que eles não estudaram em detalhes como ocorre essa conexão entre Überbau e Unterbau. O que estou tentando mostrar é que para tornar esta análise completa é preciso considerar as necessidades psicológicas que são produzidas pela organização social (como por exemplo Marx disse, Habsucht [avareza] é uma paixão produzida pela sociedade capitalista), e como eu tentei dizer antes que, embora essas necessidades psicológicas sejam uma resposta à situação social e às suas necessidades, elas são em si alternativas baseadas na existência biológica do homem e em certas necessidades psicológicas gerais que, entretanto, não são idênticas às necessidades específicas que desenvolver na adaptação às estruturas sociais.


3

Quase cobri o ponto 3, relativo às minhas próprias opiniões. Gostaria apenas de formular o seguinte: o problema principal, a meu ver, é como a energia humana é canalizada e usada por cada sociedade para seus próprios fins e como, por sua vez, as necessidades humanas assim produzidas influenciam o desenvolvimento social; às vezes revolucionária, mas muitas vezes reacionária, porque a estrutura de caráter, tal como foi formada no passado pela tradição, cultura, ensino, família, etc., muda mais lentamente do que os fatores socioeconômicos. Com efeito, a lentidão dos processos históricos se explica em grande parte pelo fato desse atraso, ou seja, pelo fato de o homem viver psicologicamente várias gerações atrás das novas possibilidades econômicas e técnicas. Se assim não fosse, o nascimento de uma nova sociedade não seria tão doloroso e difícil como é. Não preciso falar mais sobre o meu próprio trabalho, pois nas páginas em que escreve sobre os aspectos em que concorda com meus pontos de vista, você mostra que não há necessidade de mais explicações ou comentários de minha parte. Nossa dificuldade reside realmente no fato de que você aceita uma parte do meu trabalho e rejeita grande parte de sua fundamentação teórica, e o objetivo de tudo o que escrevi nesta carta foi tentar mostrar que você entendeu mal algumas das minhas premissas, e que esse mal-entendido está conectado com seu próprio pensamento marxista teórico.


4

Você me pergunta sobre quaisquer estudos concretos que eu fiz no campo do caráter social. Eu quero mencionar alguns. Primeiro, um estudo feito no Instituto de Pesquisa Social da Universidade de Frankfurt em 1931, sobre o caráter autoritário versus revolucionário. O objetivo do estudo era tentar descobrir como os trabalhadores e empregados reagiriam a Hitler, se e quando ele chegasse ao poder. Em termos de opinião, todos eram 100% contra o nazismo, mas estávamos convencidos de que dependia da força relativa das forças autoritárias versus antiautoritárias em sua estrutura de caráter, se eles lutariam contra Hitler, se se tornariam nazistas depois que Hitler tivesse vencido, ou se eles não se tornariam nem lutadores ardentes nem admiradores ardentes de Hitler. Fomos capazes de prever quase com precisão a porcentagem de pessoas que escolheriam uma dessas três maneiras (como veio a ser mais tarde), analisando a estrutura de caráter desse grupo.


O meio que usamos para descobrir a estrutura de caráter foi o »questionário interpretativo ', no qual não tomamos as respostas pelo valor de face, como dadas, mas interpretamos seu significado não intencional a partir da formulação específica da resposta, que foi retirada por o entrevistador textualmente. Tal interpretação não é muito diferente da interpretação de afirmações em uma entrevista psicanalítica, em que pequenos detalhes indicam a estrutura de caráter; se você tiver cerca de 100 perguntas, então a consistência no padrão que surge nas respostas mostra que não se lida com uma interpretação acidental ou arbitrária de apenas uma afirmação. Enviarei mais tarde um relatório mais detalhado sobre este estudo. O questionário que usamos foi publicado no volume Autorität und Familie, publicado pela Alcan, Paris, em 1936, e que continha de fato muitos materiais importantes sobre o problema da Autorität und Familie. Este volume de quase 1000 páginas está esgotado e duvido que a biblioteca de Moscou o aceite, mas mesmo assim é possível.


Um estudo semelhante, usando o mesmo método de questionário, mas de uma forma mais elaborada e refinada, foi feito com a ajuda de várias pessoas, especialmente um ex-aluno meu, Dr. M. Maccoby, em uma pequena vila no México de 900 habitantes. Este estudo levou mais de 10 anos, e os resultados serão publicados no final deste ano ou no início do próximo sob o título Classe e caráter em uma pequena aldeia mexicana.2 Mostramos a interconexão entre o caráter do camponês e seu modo de produção, e pode explicar com este método até mesmo detalhes específicos como, por exemplo, as razões do cultivo da cana-de-açúcar em comparação com o arroz ou mesmo culturas mais lucrativas como o tomate, etc. está publicado.


A propósito, o livro sobre o caráter autoritário de Adorno foi uma continuação de nossos trabalhos anteriores sobre o caráter autoritário. Adorno era membro do mesmo Instituto, em Frankfurt, e utilizou de certa forma um método muito elaborado, mas perdeu muito do meu método original por falta de conhecimento psicanalítico. Por razões pessoais, ele quase não mencionou nosso estudo anterior, que não foi publicado. As razões para isso são complicadas demais para explicar; Posso apenas dizer que foi um dos fatores que me separaram do Instituto de Pesquisa Social em 1939.


Eventualmente, gostaria de mencionar um estudo sobre caracterologia política que o Dr. Macccby empreendeu recentemente, no qual ele estudou a diferença entre personalidades centradas na vida e centradas na anti-vida entre os eleitores americanos (o estudo foi feito antes das últimas eleições nos Estados Unidos) . Neste estudo utilizou um questionário que dispensou interpretação, mas no qual as questões foram formuladas de forma teórica que as respostas »sim« e »não« tinham um significado psicológico imediato que, no entanto, não era óbvio. para aqueles que responderam. (Estou enviando uma cópia deste estudo) .3


Descobri que esse método, seja do questionário interpretativo, seja aquele com questões teoricamente carregadas, é extremamente útil na pesquisa sócio-psicológica, indo além da descrição puramente comportamental e objetivando motivos mais profundos e frequentemente inconscientes. As presentes pesquisas de opinião e estudos comportamentais mostram apenas o que uma pessoa está pensando hoje, embora saibamos que a maioria das pessoas segue o padrão de pensamento social, e o que importa são os elementos dominantes em sua estrutura de caráter que são responsáveis ​​por sua maneira de agir amanhã, desde que as circunstâncias o permitam. E o que importa para a previsão social ou mesmo a análise não é apenas opinião, mas convicção; isto é, opinião enraizada na estrutura total da personalidade.


Estou muito feliz por lhe enviar a maioria dos livros que você me pediu e, no momento, apenas omiti aqueles que me parecem pouco promissores. Escrevi para uma livraria para enviar esses livros a você. É claro que demorará muito até que eles cheguem, mas espero que cheguem em segurança.


Já escrevi algumas páginas e não estou satisfeito por ter deixado meus pontos suficientemente claros. É claro que meu objetivo principal era esclarecer minha própria posição e, ao fazê-lo, devo criticar algumas de suas posições. Só posso esperar que receba minha carta no espírito em que está escrita e, de fato, não tenho dúvidas de que o fará. Estou um tanto consolado com a inadequação desta carta, com a esperança de que, seja o que for que você sinta que não fui claro o suficiente, ou onde você discorda, você me dê o privilégio de ler suas objeções e tentar novamente explicar. Eventualmente, como escrevi antes, podemos não chegar à mesma opinião, mas podemos, pelo menos, tentar o nosso melhor para compreender um ao outro tanto quanto possível. Acredito que a introdução de princípios psicológicos acrescentaria à teoria de Marx, e que há um campo imenso que deve ser percorrido, tanto teórica quanto empiricamente. Estou muito feliz por você estar tentando fazer isso.


Eu sou, com os mais calorosos votos,


Seu:


Erich Fromm


 


P.S. A tradução do russo não é tão simples quanto você pensa. Tenho aqui no México um tradutor profissional de russo, que traduziu suas cartas para o espanhol, mas como não está familiarizado com o assunto, sua tradução nem sempre é a melhor. Eu poderia enviar suas cartas a uma amiga íntima em Nova York que é psicanalista e fala russo perfeitamente bem, mas, como ela é muito lenta, demoraria quatro semanas ou mais para conseguir a tradução. Por outro lado, imagino que seja difícil para você escrever em inglês, e também encontrar alguém que possa traduzir sua carta para o inglês, além do fato de que, se não for realmente uma boa tradução, muitas vezes é difícil entender o significado. Sei disso por experiência com muitas traduções diferentes que recebi, algumas das quais deveriam ser corretas, mas eu não conseguia entendê-las de forma alguma. Portanto, talvez a melhor maneira seja, afinal, continuar a escrever em russo e que simplesmente pensemos que levará algumas semanas até que eu consiga a tradução adequada.


Fonte: https://www.marxists.org/archive/fromm/works/1969/human.htm


Comentários