4. As raízes genéticas do pensamento e da fala | Vygotsky: Pensando e Falando

Vygotsky


I

O fato mais importante descoberto por meio do estudo genético do pensamento e da fala é que seu relacionamento passa por muitas mudanças. O progresso do pensamento e o progresso da fala não são paralelos. Suas duas curvas de crescimento se cruzam e se recruzam. Eles podem se endireitar e correr lado a lado, até mesmo se fundir por um tempo, mas sempre divergem novamente. Isso se aplica tanto à filogenia quanto à ontogenia.


Nos animais, a fala e o pensamento brotam de raízes diferentes e se desenvolvem ao longo de linhas diferentes. Este fato é confirmado por Koehler's, Yerkes's e outros estudos recentes sobre macacos. Os experimentos de Koehler provaram que o aparecimento em animais de um intelecto embrionário - ou seja, de pensar no sentido adequado - não está de forma alguma relacionado à fala. As “invenções” dos macacos em fazer e usar ferramentas, ou em encontrar desvios para a solução de problemas, embora sem dúvida o pensamento rudimentar, pertencem a uma fase pré-linguística do desenvolvimento do pensamento.


Na opinião de Koehler, suas investigações provam que o chimpanzé mostra o início de um comportamento intelectual do mesmo tipo e tipo do homem. É a falta de fala, "aquela ajuda técnica infinitamente valiosa", e a escassez de imagens, "aquele material intelectual mais importante", que explicam a tremenda diferença entre os antropóides e o homem mais primitivo e fazem "até mesmo o mais ínfimo começo de cultura desenvolvimento impossível para o chimpanzé ”[18, pp. 191-192].


Há uma discordância considerável entre psicólogos de diferentes escolas sobre a interpretação teórica das descobertas de Koehler. A massa de literatura crítica que seus estudos suscitaram representa uma variedade de pontos de vista. É ainda mais significativo que ninguém conteste os fatos de Koehler ou a dedução que nos interessa particularmente: a independência das ações do chimpanzé em relação à fala. Isso é livremente admitido até mesmo pelos psicólogos (por exemplo, Thorndike ou Borovskij) que não vêem nada nas ações do chimpanzé além da mecânica do instinto e da aprendizagem por "tentativa e erro", "absolutamente nada exceto o processo já conhecido de formação de hábitos ”[4, p. 179], e pelos introspeccionistas, que evitam rebaixar o intelecto ao nível do comportamento mais avançado dos macacos. Buehler diz com bastante razão que as ações dos chimpanzés não têm nenhuma relação com a fala; e que no homem o pensamento envolvido no uso de ferramentas (Werkzeugdenken) também está muito menos conectado com a fala e com os conceitos do que outras formas de pensamento.


A questão seria bastante simples se os macacos não tivessem rudimentos de linguagem, nada que se parecesse com a linguagem. No entanto, encontramos no chimpanzé uma “linguagem” relativamente bem desenvolvida, em alguns aspectos - principalmente no fonético - não muito diferente da fala humana. O que é notável em sua linguagem é que ela funciona independentemente de seu intelecto. Koehler, que estudou chimpanzés por muitos anos na Estação Antropóide das Ilhas Canárias, nos diz que suas expressões fonéticas denotam apenas desejos e estados subjetivos; são expressões de afetos, nunca um sinal de algo “objetivo” [19, p. 27]. Mas a fonética do chimpanzé e da humana têm tantos elementos em comum que podemos supor com segurança que a ausência da fala humana não se deve a nenhuma causa periférica.


O chimpanzé é um animal extremamente gregário e reage fortemente à presença de outros de sua espécie. Koehler descreve formas altamente diversificadas de “comunicação linguística” entre chimpanzés. Em primeiro lugar está seu vasto repertório de expressões afetivas: brincadeiras faciais, gestos, vocalização; em seguida, vêm os movimentos que expressam emoções sociais: gestos de saudação, etc. Os macacos são capazes tanto de "compreender" os gestos uns dos outros quanto de "expressar", por meio de gestos, desejos envolvendo outros animais. Normalmente, um chimpanzé começará um movimento ou uma ação que deseja que outro animal execute ou compartilhe - por exemplo, irá empurrá-lo e executar os movimentos iniciais de caminhada ao "convidar" o outro a segui-lo, ou agarrar o ar quando ele quiser o outro para dar a ele uma banana. Todos esses são gestos diretamente relacionados à própria ação. Koehler menciona que o experimentador passa a usar meios elementares de comunicação essencialmente semelhantes para transmitir aos macacos o que se espera deles.


Em geral, essas observações confirmam a opinião de Wundt de que os gestos de apontar, o primeiro estágio no desenvolvimento da fala humana, ainda não aparecem em animais, mas que alguns gestos de macacos são uma forma de transição entre agarrar e apontar [56, p. 219]. Consideramos esse gesto de transição um passo mais importante da expressão afetiva não adulterada em direção à linguagem objetiva.


Não há evidências, entretanto, de que os animais alcançam o estágio de representação objetiva em qualquer de suas atividades. Os chimpanzés de Koehler brincavam com argila colorida, “pintando” primeiro com os lábios e a língua, depois com pincéis de verdade; mas esses animais - que normalmente transferem para brincar o uso de ferramentas e outros comportamentos aprendidos "a sério" (ou seja, em experimentos) e, inversamente, brincam de comportamento para a "vida real" - nunca exibiram a menor intenção de representar qualquer coisa em seus desenhos ou o menor sinal de atribuição de qualquer significado objetivo a seus produtos. Buehler diz:


Certos fatos alertam contra a superestimação das ações do chimpanzé. Sabemos que nenhum viajante jamais confundiu um gorila ou um chimpanzé com um homem, e que ninguém jamais observou entre eles qualquer uma das ferramentas ou métodos tradicionais que variam de tribo para tribo com humanos, mas indicam a transmissão de geração em geração de descobertas uma vez feitas; nenhum arranhão em arenito ou argila que pudesse ser confundido com desenhos que representassem qualquer coisa ou mesmo ornamentos arranhados em jogo; nenhuma linguagem representacional, ou seja, nenhum som equivalente a nomes. Tudo isso junto deve ter algumas causas intrínsecas [7, p. 20].


Yerkes parece ser o único entre os observadores modernos de macacos a explicar sua falta de fala de outra forma que não por "causas intrínsecas". Sua pesquisa sobre o intelecto dos orangotangos produziu dados muito semelhantes aos de Koehler; mas ele vai mais longe em suas conclusões: ele admite “ideação superior” nos orangotangos - no nível, é verdade, de uma criança de três anos no máximo [57, p. 132].


Yerkes deduz a ideação meramente de semelhanças superficiais entre o comportamento antropóide e humano; ele não tem prova objetiva de que os orangotangos resolvem problemas com a ajuda de ideação, ou seja, de "imagens" ou estímulos de rastreamento. No estudo dos animais superiores, a analogia pode ser usada com bons propósitos dentro dos limites da objetividade, mas basear uma suposição na analogia dificilmente é um procedimento científico.


Koehler, por outro lado, foi além do mero uso de analogia para explorar a natureza dos processos intelectuais do chimpanzé. Ele mostrou por uma análise experimental precisa que o sucesso das ações dos animais dependia de se eles podiam ver todos os elementos de uma situação simultaneamente - este foi um fator decisivo em seu comportamento. Se, especialmente durante os experimentos anteriores, o palito que eles usaram para alcançar alguma fruta que estava além das barras foi movido ligeiramente, de modo que a ferramenta (palito) e a meta (fruta) não fossem visíveis para eles à primeira vista, a solução do problema tornou-se muito difícil, muitas vezes impossível. Os macacos aprenderam a fazer uma ferramenta mais longa inserindo um graveto em uma abertura de outro. Se os dois gravetos se cruzassem acidentalmente em suas mãos, formando um X, eles se tornariam incapazes de realizar a operação familiar e muito praticada de alongar a ferramenta. Dezenas de exemplos semelhantes de experimentos de Koehler podem ser citados.


Koehler considera a presença visual real de uma situação suficientemente simples uma condição indispensável em qualquer investigação do intelecto dos chimpanzés, uma condição sem a qual seu intelecto não pode funcionar de forma alguma; ele conclui que as limitações inerentes às imagens (ou "ideação") são uma característica básica do comportamento intelectual do chimpanzé. Se aceitarmos a tese de Koehler, então a suposição de Yerkes parece mais do que duvidosa.


Em conexão com seus recentes estudos experimentais e observacionais do intelecto e da linguagem dos chimpanzés, Yerkes apresenta novo material sobre seu desenvolvimento linguístico e uma nova e engenhosa teoria para explicar sua falta de fala real. “As reações vocais”, diz ele, “são muito frequentes e variadas em jovens chimpanzés, mas a fala no sentido humano está ausente” [58, p. 53]. Seu aparelho vocal é tão bem desenvolvido e funciona tão bem quanto o do homem. O que falta é a tendência de imitar sons. Seu mimetismo é quase inteiramente dependente de estímulos ópticos; eles copiam ações, mas não sons. Eles são incapazes de fazer o que o papagaio faz com sucesso.


Se a tendência imitativa do papagaio fosse combinada com o calibre do intelecto do chimpanzé, este, sem dúvida, possuiria a fala, já que possui um mecanismo de voz comparável ao do homem, bem como um intelecto do tipo e nível que lhe permite usar os sons. para propósitos de fala real [58, p. 53].


Em seus experimentos, Yerkes aplicou quatro métodos para ensinar chimpanzés a falar. Nenhum deles teve sucesso. É claro que essas falhas nunca resolvem um problema em princípio. Nesse caso, ainda não sabemos se é ou não possível ensinar chimpanzés a falar. Não é incomum que a falha seja do experimentador. Koehler diz que se estudos anteriores do intelecto do chimpanzé falharam em mostrar que ele tinha algum, não foi porque o chimpanzé realmente não tinha, mas por causa de métodos inadequados, ignorância dos limites de dificuldade dentro dos quais o intelecto do chimpanzé pode se manifestar, ignorância de seu dependência de uma situação visual abrangente. “As investigações da capacidade intelectual”, brincou Koehler, “necessariamente testam o experimentador, bem como o sujeito” [18, p. 191].


Sem resolver a questão em princípio, os experimentos de Yerkes mostraram mais uma vez que os antropóides não têm nada como a fala humana, mesmo em embrião. Correlacionando isso com o que sabemos de outras fontes, podemos supor que os macacos são provavelmente incapazes de falar de verdade.


Quais são as causas da sua incapacidade de falar, uma vez que possuem o aparato de voz e alcance fonético necessários? Yerkes vê a causa na ausência ou fraqueza da imitatividade vocal. Essa pode muito bem ter sido a causa imediata dos resultados negativos de seus experimentos, mas ele provavelmente está errado ao vê-la como a causa fundamental da falta de fala nos macacos. A última tese, embora Yerkes a apresente como estabelecida, é desmentida por tudo o que sabemos sobre o intelecto do chimpanzé.


Yerkes tinha à sua disposição um excelente meio de verificar sua tese, que por algum motivo não utilizou e que ficaríamos muito felizes em aplicar se tivéssemos a possibilidade material. Devemos excluir o fator auditivo no treinamento dos animais em uma habilidade linguística. A linguagem não depende necessariamente do som. Existem, por exemplo, a língua de sinais dos surdos-mudos e a leitura labial, que também é interpretação do movimento. Nas línguas dos povos primitivos, os gestos são usados ​​junto com o som e desempenham um papel importante. Em princípio, a linguagem não depende da natureza de seu material. Se é verdade que o chimpanzé tem o intelecto para adquirir algo análogo à linguagem humana, e todo o problema reside em sua falta de imitatividade vocal, então ele deveria ser capaz, em experimentos, de dominar alguns gestos convencionais cuja função psicológica seria exatamente a igual ao dos sons convencionais. Como o próprio Yerkes conjectura, os chimpanzés podem ser treinados, por exemplo, para usar gestos manuais em vez de sons. O meio não vem ao caso; o que importa é o uso funcional dos signos, quaisquer signos que possam desempenhar um papel correspondente ao da fala em humanos.


Este método não foi testado e não podemos ter certeza de quais podem ter sido seus resultados, mas tudo o que sabemos sobre o comportamento do chimpanzé, incluindo os dados de Yerkes, desfaz a esperança de que eles pudessem aprender a fala funcional. Nunca se ouviu falar de nenhum indício de que eles usassem sinais. A única coisa que sabemos com certeza objetiva não é que eles tenham “ideação”, mas que sob certas condições são capazes de fazer ferramentas muito simples e recorrer a “desvios”, e que essas condições incluem uma situação totalmente visível e totalmente clara. Em todos os problemas que não envolvem estruturas visuais imediatamente percebidas, mas centrados em algum outro tipo de estrutura - mecânica, por exemplo, os chimpanzés mudaram de um tipo de comportamento perspicaz para o método de tentativa e erro puro e simples.


As condições necessárias para o funcionamento intelectual eficaz dos macacos são também as condições necessárias para descobrir a fala ou descobrir o uso funcional dos signos? Definitivamente não. A descoberta da fala não pode, em nenhuma situação, depender de uma configuração óptica. Exige uma operação intelectual de um tipo diferente. Não há nenhuma indicação de que tal operação esteja ao alcance dos chimpanzés, e a maioria dos investigadores presume que eles não têm essa capacidade. Essa falta pode ser a principal diferença entre o chimpanzé e o intelecto humano.


Koehler introduziu o termo insight (Einsicht) para as operações intelectuais acessíveis aos chimpanzés. A escolha do termo não é acidental. Kafka apontou que Koehler parece querer dizer ver principalmente no sentido literal e apenas por extensão “ver” as relações em geral, ou compreensão em oposição à ação cega [17, p. 130].


Deve-se dizer que Koehler nunca define o insight ou expõe sua teoria. Na ausência de interpretação teórica, o termo é um tanto ambíguo em sua aplicação: às vezes, denota as características específicas da própria operação, a estrutura das ações dos chimpanzés; e às vezes indica o processo psicológico que antecede e prepara essas ações, um “plano de operações” interno, por assim dizer. Koehler não adianta nenhuma hipótese sobre o mecanismo da reação intelectual, mas é claro que como funciona e onde quer que localizemos o intelecto - nas próprias ações do chimpanzé ou em algum processo interno preparatório (cerebral ou muscular-inervacional) - a tese permanece válido que essa reação seja determinada, não por traços de memória, mas pela situação tal como apresentada visualmente. Mesmo a melhor ferramenta para um determinado problema se perde para o chimpanzé se ele não consegue vê-la simultaneamente ou quase simultaneamente com o objetivo.


Por "percepção quase simultânea" Koehler se refere a casos em que ferramenta e objetivo foram vistos juntos um momento antes, ou quando foram usados ​​juntos tantas vezes em situação idêntica que são para todos os efeitos e objetivos simultaneamente percebidos psicologicamente [18, p . 39].


Assim, a consideração do "insight" não muda nossa conclusão de que o chimpanzé, mesmo que possuísse os dons do papagaio, seria extremamente improvável de dominar a fala.


No entanto, como já dissemos, o chimpanzé possui uma linguagem própria bastante rica. O colaborador de Yerkes, Learned, compilou um dicionário de trinta e dois elementos da fala, ou "palavras", que não apenas se assemelham à fala humana, mas também têm algum significado, no sentido de que são eliciados por certas situações ou objetos relacionados com prazer ou desprazer, ou desejo inspirador, malícia, medo [58, p. 54]. Essas “palavras” foram escritas enquanto os macacos esperavam para serem alimentados e durante as refeições, na presença de humanos e quando dois chimpanzés estavam sozinhos. São reações vocais afetivas, mais ou menos diferenciadas e em algum grau conectadas, de forma reflexa condicionada, a estímulos relacionados à alimentação ou a outras situações vitais: uma linguagem estritamente emocional.


Em conexão com esta descrição da fala do macaco, gostaríamos de fazer três pontos: Primeiro, a coincidência da produção de som com os gestos afetivos, especialmente perceptível quando os chimpanzés estão muito excitados, não se limita aos antropóides - é, pelo contrário, muito comum entre os animais dotados de voz. A fala humana certamente se originou no mesmo tipo de reações vocais expressivas.


Em segundo lugar, os estados afetivos que produzem reações vocais abundantes em chimpanzés são desfavoráveis ​​ao funcionamento do intelecto. Koehler menciona repetidamente que, nos chimpanzés, as reações emocionais, particularmente as de grande intensidade, excluem uma operação intelectual simultânea.


Terceiro, deve ser enfatizado novamente que a liberação emocional como tal não é a única função da fala nos macacos. Como em outros animais e no homem, também é um meio de contato psicológico com outros de sua espécie. Tanto nos chimpanzés de Yerkes e Learned quanto nos macacos observados por Koehler, essa função da fala é inconfundível. Mas não está conectado com reações intelectuais, ou seja, com o pensamento. Tem origem na emoção e é claramente uma parte da síndrome emocional total, mas uma parte que cumpre uma função específica, tanto biológica como psicologicamente. Está muito longe de tentativas intencionais e conscientes de informar ou influenciar outras pessoas. Em essência, é uma reação instintiva ou algo extremamente próximo a ela.


Não há dúvida de que biologicamente essa função da fala é uma das mais antigas e está geneticamente relacionada aos sinais visuais e vocais dados por líderes de grupos de animais. Em um estudo publicado recentemente sobre a linguagem das abelhas, K. v. Frisch descreve formas de comportamento muito interessantes e teoricamente importantes que servem para intercâmbio ou contato e, indubitavelmente, se originam no instinto. Apesar das diferenças fenotípicas, essas manifestações comportamentais são basicamente semelhantes ao intercâmbio de fala dos chimpanzés. Essa semelhança aponta mais uma vez a independência das “comunicações” dos chimpanzés de qualquer atividade intelectual.


Realizamos esta análise de diversos estudos da linguagem e do intelecto dos macacos para elucidar a relação entre pensamento e fala no desenvolvimento filogenético dessas funções. Podemos agora resumir nossas conclusões, que serão úteis em uma análise posterior do problema.


1. O pensamento e a fala têm raízes genéticas diferentes.


2. As duas funções desenvolvem-se em linhas diferentes e independentes uma da outra.


3. Não há correlação nítida e constante entre eles.


4. Os antropóides exibem um intelecto um pouco parecido com o do homem em certos aspectos (o uso embrionário de ferramentas) e uma linguagem um pouco parecida com o do homem em aspectos totalmente diferentes (o aspecto fonético de sua fala, sua função de liberação, o início de uma função social).


5. A estreita correspondência entre o pensamento e a fala característica do homem está ausente nos antropóides.


6. Na filogenia do pensamento e da fala, uma fase pré-lingüística no desenvolvimento do pensamento e uma fase pré-intelectual no desenvolvimento da fala são claramente discerníveis.


II

Ontogeneticamente, a relação entre o desenvolvimento do pensamento e da fala é muito mais intrincada e obscura; mas aqui também podemos distinguir duas linhagens separadas originando-se de duas raízes genéticas diferentes.


A existência de uma fase pré-fala do desenvolvimento do pensamento na infância só recentemente foi corroborada por provas objetivas. Os experimentos de Koehler com chimpanzés, adequadamente modificados, foram realizados em crianças que ainda não haviam aprendido a falar. O próprio Koehler ocasionalmente fazia experiências com crianças para fins de comparação, e Buehler empreendeu um estudo sistemático de uma criança nas mesmas linhas. Os resultados foram semelhantes para crianças e macacos.


As ações da criança, Buehler nos diz,


eram exatamente como as dos chimpanzés, de modo que essa fase da vida infantil poderia ser chamada de idade dos chimpanzés; em nosso assunto correspondeu ao 10º, 11º e 12º meses. ... Na idade do chimpanzóide ocorrem as primeiras invenções da criança, muito primitivas, sem dúvida, mas extremamente importantes para o seu desenvolvimento mental [7, p. 46].


O que é mais importante teoricamente, tanto nesses experimentos quanto nos chimpanzés, é a descoberta da independência das reações intelectuais rudimentares em relação à fala. Observando isso, Buehler comenta:


Costumava-se dizer que a fala foi o início da hominização [Menschwerden]; talvez sim, mas antes da fala há o pensamento envolvido no uso de ferramentas, isto é, a compreensão das conexões mecânicas e a concepção de meios mecânicos para fins mecânicos, ou, para resumir ainda mais, antes que a fala apareça, a ação torna-se subjetivamente significativa - em outras palavras, conscientemente proposital [7, p. 48].


As raízes pré-intelectuais da fala no desenvolvimento infantil são conhecidas há muito tempo. O balbucio, o choro da criança, até mesmo suas primeiras palavras, são claramente estágios do desenvolvimento da fala que nada têm a ver com o desenvolvimento do pensamento. Essas manifestações geralmente são consideradas uma forma de comportamento predominantemente emocional. Nem todos eles, entretanto, servem meramente à função de liberação. Investigações recentes das primeiras formas de comportamento na criança e das primeiras reações da criança à voz humana (por Charlotte Buehler e seu círculo) mostraram que a função social da fala já é claramente aparente durante o primeiro ano, ou seja, no estágio pré-intelectual do desenvolvimento da fala. Reações bastante definidas à voz humana foram observadas já durante a terceira semana de vida, e a primeira reação especificamente social à voz durante o segundo mês [5, p. 124]. Essas investigações também estabeleceram que risos, sons inarticulados, movimentos, etc., são meios de contato social desde os primeiros meses de vida da criança.


Assim, as duas funções da fala que observamos no desenvolvimento filogenético já estão presentes e evidentes na criança menor de um ano.


Mas a descoberta mais importante é que em certo momento, por volta dos dois anos de idade, as curvas de desenvolvimento do pensamento e da fala, até então separadas, se encontram e se unem para iniciar uma nova forma de comportamento. O relato de Stern sobre este importante evento foi o primeiro e o melhor. Ele mostrou como a vontade de conquistar a linguagem segue a primeira vaga compreensão do propósito da fala, quando a criança “faz a maior descoberta de sua vida”, de que “cada coisa tem seu nome” [40, p. 108].


Esse instante crucial, quando a fala começa a servir ao intelecto e os pensamentos começam a ser falados, é indicado por dois sintomas objetivos inconfundíveis: (1) a curiosidade súbita e ativa da criança sobre as palavras, sua pergunta sobre todas as coisas novas: “O que é isso? ” e (2) os aumentos rápidos e sacádicos resultantes em seu vocabulário.


Antes do ponto de inflexão, a criança (como alguns animais) reconhece um pequeno número de palavras que substituem, como no condicionamento, objetos, pessoas, ações, estados ou desejos. Nessa idade, a criança conhece apenas as palavras fornecidas por outras pessoas. Agora a situação muda: a criança sente necessidade de palavras e, por meio de suas perguntas, tenta ativamente aprender os signos fixados nos objetos. Ele parece ter descoberto a função simbólica das palavras. A fala, que no estágio anterior era afetivo-conetiva, agora entra na fase intelectual. As linhas da fala e do desenvolvimento do pensamento se encontraram.


Nesse ponto, o nó está amarrado para o problema do pensamento e da linguagem. Vamos parar e considerar exatamente o que acontece quando a criança faz sua "maior descoberta" e se a interpretação de Stern está correta.


Buehler e Koffka comparam esta descoberta com as invenções dos chimpanzés. Segundo Koffka, o nome, uma vez descoberto pela criança, entra na estrutura do objeto, assim como o pau passa a fazer parte da situação de querer pegar o fruto [20, p. 243].


Discutiremos a validade dessa analogia mais tarde, quando examinarmos as relações funcionais e estruturais entre o pensamento e a fala. Por enquanto, apenas observaremos que a “maior descoberta da criança” se torna possível apenas quando um certo nível relativamente alto de desenvolvimento do pensamento e da fala foi alcançado. Em outras palavras, a fala não pode ser “descoberta” sem pensar.


Em resumo, devemos concluir que:


1. Em seu desenvolvimento ontogenético, pensamento e fala têm raízes diferentes.


2. No desenvolvimento da fala da criança, podemos com certeza estabelecer um estágio pré-intelectual, e no desenvolvimento do pensamento, um estágio pré-lingüístico.


3. Até certo ponto no tempo, os dois seguem linhas diferentes, independentemente uma da outra.


4. Em um certo ponto, essas linhas se encontram, após o que o pensamento se torna verbal e a fala racional.


III

Não importa como abordemos o polêmico problema da relação entre pensamento e fala, teremos de lidar extensivamente com a fala interior. Sua importância em todo o nosso pensamento é tão grande que muitos psicólogos, Watson entre outros, até a identificam com o pensamento - que eles consideram uma fala inibida e silenciosa. Mas a psicologia ainda não sabe como a mudança da fala aberta para a interior é realizada, ou em que idade, por qual processo e por que isso ocorre.


Watson diz que não sabemos em que ponto de sua organização de fala as crianças passam da fala aberta para a sussurrada e depois para a fala interior, porque esse problema foi estudado apenas incidentalmente. Nossas próprias pesquisas nos levam a acreditar que Watson apresenta o problema incorretamente. Não há razões válidas para supor que a fala interior se desenvolve de alguma forma mecânica por meio de uma diminuição gradual na audibilidade da fala (sussurro).


É verdade que Watson menciona outra possibilidade: “Talvez”, diz ele, “todas as três formas se desenvolvam simultaneamente” [54, p. 322]. Essa hipótese nos parece tão infundada do ponto de vista genético quanto a sequência: fala alto, sussurro, fala interior. Nenhum dado objetivo reforça isso, talvez. Contra ele testemunham as profundas diferenças entre a fala externa e interna, reconhecidas por todos os psicólogos, incluindo Watson. Não há nenhuma base para supor que os dois processos, tão diferentes funcionalmente (social em oposição à adaptação pessoal) e estruturalmente (a economia elíptica extrema da fala interna, mudando o padrão de fala quase irreconhecível), podem ser geneticamente paralelos e concorrentes. Nem (voltando à tese principal de Watson) parece plausível que eles estejam ligados entre si pela fala sussurrada, que nem em função nem em estrutura pode ser considerada um estágio de transição entre a fala externa e interna. Ele fica entre os dois apenas fenotipicamente, não genotipicamente.


Nossos estudos sobre o sussurro em crianças pequenas comprovam isso totalmente. Descobrimos que, estruturalmente, quase não há diferença entre sussurrar e falar em voz alta; funcionalmente, o sussurro difere profundamente da fala interior e nem mesmo manifesta tendência para as características típicas desta. Além disso, não se desenvolve espontaneamente até a idade escolar, embora possa ser induzida muito cedo: Sob pressão social, uma criança de três anos pode, por curtos períodos e com grande esforço, abaixar a voz ou sussurrar. Este é o único ponto que pode parecer apoiar a visão de Watson.


Embora discordando da tese de Watson, acreditamos que ele encontrou a abordagem metodológica certa: para resolver o problema, devemos procurar o elo intermediário entre a fala aberta e interna.


Estamos inclinados a ver esse elo na fala egocêntrica da criança, descrita por Piaget, que, além de seu papel de acompanhamento da atividade e de suas funções expressivas e liberadoras, prontamente assume uma função de planejamento, ou seja, se transforma em pensamento próprio com bastante naturalidade e facilidade.


Se nossa hipótese se mostrar correta, teremos que concluir que a fala é interiorizada psicologicamente antes de ser interrorizada fisicamente. A fala egocêntrica é a fala interna em suas funções; é a fala em seu caminho para dentro, intimamente ligada à ordem do comportamento da criança, já parcialmente incompreensível para os outros, mas ainda aberta na forma e não mostrando nenhuma tendência para se transformar em sussurro ou qualquer outro tipo de fala semissom.


Devemos então ter também a resposta para a questão de por que a fala se volta para dentro. Ele se volta para dentro porque sua função muda. Seu desenvolvimento ainda teria três estágios - não os que Watson encontrou, mas estes: fala externa, fala egocêntrica, fala interna. Devemos também ter à nossa disposição um excelente método para estudar a fala interior “ao vivo”, por assim dizer, enquanto suas peculiaridades estruturais e funcionais estão sendo modeladas; seria um método objetivo, uma vez que essas peculiaridades aparecem enquanto a fala ainda é audível, ou seja, acessível para observação e medição.


Nossas investigações mostram que o desenvolvimento da fala segue o mesmo curso e obedece às mesmas leis que o desenvolvimento de todas as outras operações mentais envolvendo o uso de signos, como contagem ou memorização mnemônica. Descobrimos que essas operações geralmente se desenvolvem em quatro estágios. O primeiro é o estágio primitivo ou natural, correspondendo à fala pré-intelectual e ao pensamento pré-verbal, quando essas operações aparecem em sua forma original, visto que evoluíram no nível primitivo de comportamento.


Em seguida, vem o estágio que podemos chamar de "psicologia ingênua", por analogia com o que é chamado de "física ingênua" - a experiência da criança com as propriedades físicas de seu próprio corpo e dos objetos ao seu redor, e a aplicação dessa experiência ao uso de ferramentas: o primeiro exercício da inteligência prática de brotamento da criança.


Esta fase é claramente definida no desenvolvimento da fala da criança. É manifestado pelo uso correto de formas e estruturas gramaticais antes que a criança tenha entendido as operações lógicas que representam. A criança pode operar com orações subordinadas, com palavras como porque, se, quando e mas, muito antes de realmente apreender relações causais, condicionais ou temporais. Ele domina a sintaxe da fala antes da sintaxe do pensamento.


Os estudos de Piaget provaram que a gramática se desenvolve antes da lógica e que a criança aprende relativamente tarde as operações mentais correspondentes às formas verbais que usa há muito tempo.


Com o acúmulo gradual de experiências psicológicas ingênuas, a criança entra em um terceiro estágio, caracterizado por signos externos, operações externas que são utilizadas como auxiliares na solução de problemas internos. É a fase em que a criança conta nos dedos, recorre a ajudas mnemônicas e assim por diante. No desenvolvimento da fala, é caracterizado por uma fala egocêntrica.


O quarto estágio é chamado de estágio de “crescimento interno”. A operação externa se volta para dentro e sofre uma mudança profunda no processo. A criança começa a contar mentalmente, a usar a “memória lógica”, ou seja, a operar com relações inerentes e signos internos. No desenvolvimento da fala, este é o estágio final da fala interior sem som. Permanece uma interação constante entre as operações externas e internas, uma forma sem esforço e freqüentemente mudando para a outra e vice-versa. A fala interna pode chegar muito perto na forma da fala externa ou até mesmo se tornar exatamente como ela quando serve como preparação para a fala externa - por exemplo, ao pensar sobre uma palestra a ser dada. Não existe uma divisão nítida entre o comportamento interno e externo, e cada um influencia o outro.


Ao considerar a função da fala interior em adultos após o desenvolvimento ser concluído, devemos perguntar se, no caso deles, o pensamento e os processos linguísticos estão necessariamente conectados, se os dois podem ser equacionados. Novamente, como no caso dos animais e das crianças, devemos responder “Não”.


Esquematicamente, podemos imaginar o pensamento e a fala como dois círculos que se cruzam. Em suas partes sobrepostas, pensamento e fala coincidem para produzir o que é chamado de pensamento verbal. O pensamento verbal, entretanto, de forma alguma inclui todas as formas de pensamento ou todas as formas de fala. Existe uma vasta área do pensamento que não tem relação direta com a fala. O pensamento manifestado no uso de ferramentas pertence a esta área, assim como o intelecto prático em geral. Além disso, investigações de psicólogos da escola de Würzburg demonstraram que o pensamento pode funcionar sem quaisquer imagens de palavras ou movimentos de fala detectáveis ​​por meio da auto-observação. Os últimos experimentos mostram também que não há correspondência direta entre a fala interna e os movimentos da língua ou da laringe do sujeito.


Nem há quaisquer razões psicológicas para derivar todas as formas de atividade da fala do pensamento. Nenhum processo de pensamento pode estar envolvido quando um sujeito recita silenciosamente para si mesmo um poema aprendido de cor ou repete mentalmente uma frase fornecida a ele para fins experimentais - apesar de Watson. Finalmente, existe um discurso “lírico” motivado pela emoção. Embora tenha todas as características da fala, dificilmente pode ser classificado como atividade intelectual no sentido próprio do termo.


Somos, portanto, obrigados a concluir que a fusão de pensamento e fala, tanto em adultos quanto em crianças, é um fenômeno limitado a uma área circunscrita. O pensamento não verbal e a fala não intelectual não participam dessa fusão e são afetados apenas indiretamente pelos processos do pensamento verbal.


IV

Agora podemos resumir os resultados de nossa análise. Começamos tentando traçar a genealogia do pensamento e da fala, usando os dados da psicologia comparada. Esses dados são insuficientes para traçar os caminhos de desenvolvimento do pensamento e da fala pré-humanos com algum grau de certeza. A questão básica, se os antropóides possuem o mesmo tipo de intelecto que o homem, ainda é controversa. Koehler responde afirmativamente, outras, negativamente. Mas, por mais que esse problema possa ser resolvido por investigações futuras, uma coisa já está clara: no mundo animal, o caminho para o intelecto semelhante ao humano não é o mesmo que o caminho para a fala semelhante ao humano; pensamento e palavra não brotam de uma raiz.


Mesmo aqueles que negam o intelecto aos chimpanzés não podem negar que os macacos possuem algo próximo ao intelecto, que o tipo mais elevado de formação de hábito que eles manifestam é o intelecto embrionário. O uso de ferramentas prefigura o comportamento humano. Para os marxistas, as descobertas de Koehler não são uma surpresa. Marx disse há muito tempo que o uso e a criação de instrumentos de trabalho, embora presentes de forma embrionária em algumas espécies de animais, são uma característica específica do processo de trabalho humano. A tese de que as raízes do intelecto humano chegam ao reino animal foi há muito admitida pelo marxismo; encontramos sua elaboração em Plekhanov [34, p. 138]. Engels escreveu que o homem e os animais têm todas as formas de atividade intelectual em comum; apenas o nível de desenvolvimento difere: os animais são capazes de raciocinar em um nível elementar, de analisar (quebrar uma noz é um começo de análise), de experimentar quando confrontados com problemas ou pegos em uma situação difícil. Alguns, por exemplo o papagaio, não só pode aprender a falar, mas pode aplicar palavras de maneira significativa em um sentido restrito: ao implorar, ele usará palavras pelas quais será recompensado com um petisco; quando provocado, ele solta as invectivas mais seletas de seu vocabulário.


Nem é preciso dizer que Engels não atribui aos animais a capacidade de pensar e falar no nível humano, mas não precisamos, neste ponto, elaborar sobre o significado exato de sua afirmação. Aqui, queremos apenas estabelecer que não há boas razões para negar a presença nos animais de pensamento e linguagem embrionários do mesmo tipo do homem, que se desenvolvem, também como no homem, por caminhos separados. ”A habilidade de um animal de se expressar vocalmente não é uma indicação de seu desenvolvimento mental.


Vamos agora resumir os dados relevantes produzidos por estudos recentes com crianças. Descobrimos que também na criança as raízes e o curso de desenvolvimento do intelecto diferem daqueles da fala - que o pensamento inicial é não-verbal e a fala não-intelectual. Stern afirma que, em certo ponto, as duas linhas de desenvolvimento se encontram, o discurso se tornando racional e o pensamento verbal. A criança “descobre” que “cada coisa tem seu nome” e começa a perguntar como cada objeto é chamado.


Alguns psicólogos não concordam com Stern que esta primeira “era das perguntas” ocorre universalmente e é necessariamente sintomática de qualquer descoberta importante. Koffka se posiciona entre Stern e seus oponentes. Como Buehler, ele enfatiza a analogia entre a invenção de ferramentas do chimpanzé e a descoberta da função de nomeação da linguagem pela criança, mas o escopo dessa descoberta, de acordo com ele, não é tão amplo quanto Stern presumiu. A palavra, na visão de Koffka, torna-se uma parte da estrutura do objeto em igualdade de condições com suas outras partes. Por algum tempo, não é para a criança um signo, mas apenas uma das propriedades do objeto, que deve ser fornecida para completar a estrutura. Como Buehler apontou, cada novo objeto apresenta à criança uma situação problemática, e ela resolve o problema uniformemente nomeando o objeto. Quando ele não tem a palavra para o novo objeto, ele a exige dos adultos [7, p. 54].

Acreditamos que essa visão mais se aproxima da verdade. Os dados sobre a linguagem das crianças (apoiados por dados antropológicos) sugerem fortemente que por muito tempo a palavra é para a criança uma propriedade, e não o símbolo, do objeto; que a criança agarre a estrutura externa palavra-objeto antes da estrutura simbólica interna. Escolhemos esta hipótese "intermediária" entre as várias oferecidas 'porque achamos difícil acreditar, com base nos dados disponíveis, que uma criança de dezoito meses a dois anos seja capaz de "descobrir" a função simbólica da fala. Isso ocorre mais tarde, e não repentinamente, mas gradualmente, por meio de uma série de mudanças “moleculares”. A hipótese que preferimos se encaixa no padrão geral de desenvolvimento no domínio dos signos que delineamos na seção anterior. Mesmo em uma criança em idade escolar, o uso funcional de um novo signo é precedido por um período de domínio da estrutura externa do signo. Do mesmo modo, apenas no processo de operar com palavras inicialmente concebidas como propriedades de objetos a criança descobre e consolida sua função como signos.


Assim, a tese de "descoberta" de Stern pede uma reavaliação e limitação. Seu princípio básico, entretanto, permanece válido: é claro que o pensamento e a fala ontogeneticamente se desenvolvem ao longo de linhas separadas e que, em certo ponto, essas linhas se encontram. Este importante fato está agora definitivamente estabelecido, não importa quantos estudos posteriores possam resolver os detalhes sobre os quais os psicólogos ainda discordam: se esse encontro ocorre em um ponto ou em vários pontos, como uma descoberta verdadeiramente repentina ou após uma longa preparação através do uso prático e funcional lento mudança, e se ocorre aos dois anos de idade ou na idade escolar.


Vamos agora resumir nossa investigação da fala interior. Aqui, também, consideramos várias hipóteses, e chegamos à conclusão de que a fala interna se desenvolve por meio de um lento acúmulo de mudanças funcionais e estruturais, que se ramifica da fala externa da criança simultaneamente com a diferenciação das funções sociais e egocêntricas de fala e, finalmente, que as estruturas da fala dominadas pela criança se tornem as estruturas básicas de seu pensamento.


Isso nos leva a outro fato indiscutível de grande importância. O desenvolvimento do pensamento é determinado pela linguagem, ou seja, pelas ferramentas linguísticas do pensamento e pela experiência sociocultural da criança. Essencialmente, o desenvolvimento da fala interior depende de fatores externos; o desenvolvimento da lógica na criança, como os estudos de Piaget mostraram, é uma função direta de seu discurso socializado. O crescimento intelectual da criança depende de seu domínio dos meios sociais de pensamento, ou seja, a linguagem.


Podemos agora formular as principais conclusões a serem tiradas de nossa análise. Se compararmos o desenvolvimento inicial da fala e do intelecto - que, como vimos, se desenvolve ao longo de linhas separadas tanto em animais quanto em crianças muito pequenas - com o desenvolvimento da fala interior e do pensamento verbal, devemos concluir que o estágio posterior não é uma simples continuação do anterior. A própria natureza do desenvolvimento muda, de biológico para sócio-histórico. O pensamento verbal não é uma forma de comportamento natural inata, mas é determinado por um processo histórico-cultural e tem propriedades e leis específicas que não podem ser encontradas nas formas naturais de pensamento e fala. Uma vez que reconhecemos o caráter histórico do pensamento verbal, devemos considerá-lo sujeito a todas as premissas do materialismo histórico, que são válidas para qualquer fenômeno histórico na sociedade humana. É de se esperar que, nesse nível, o desenvolvimento do comportamento seja regido essencialmente pelas leis gerais do desenvolvimento histórico da sociedade humana.


O problema do pensamento e da linguagem, portanto, se estende além dos limites das ciências naturais e se torna o problema focal da psicologia humana histórica, ou seja, da psicologia social. Conseqüentemente, deve ser colocado de uma maneira diferente. Este segundo problema apresentado pelo estudo do pensamento e da fala será o assunto de uma investigação separada.


Fonte: https://www.marxists.org/archive/vygotsky/works/words/ch04.htm

Comentários